Can­di­da­tos di­ver­gem nos pla­nos pa­ra o se­tor de óleo e gás

Bol­so­na­ro e Had­dad, no en­tan­to, con­ver­gem quan­do de­mons­tram ser con­trá­ri­os a pri­va­ti­zar a Pe­tro­bras

Valor Econômico - - BRASIL -

O se­gun­do tur­no das elei­ções pre­si­den­ci­ais, en­tre Jair Bol­so­na­ro (PSL) e Fer­nan­do Had­dad (PT), co­lo­ca­rá fren­te a fren­te du­as po­lí­ti­cas ener­gé­ti­cas de li­nhas es­sen­ci­al­men­te opos­tas pa­ra o se­tor de óleo e gás. En­quan­to o pro­gra­ma de go­ver­no do ca­pi­tão re­for­ma­do pen­de pa­ra pro­pos­tas mais li­be­rais, o can­di­da­to pe­tis­ta se­gue um dis­cur­so mais es­ta­ti­zan­te, em­bo­ra ao me­nos uma po­si­ção se­ja co­mum en­tre os dois: am­bos des­car­tam pri­va­ti­zar a Pe­tro­bras.

Se­gun­do ana­lis­tas con­sul­ta­dos pe­lo Va­lor, as chan­ces de pri­va­ti­za­ção da mai­or es­ta­tal bra­si­lei­ra são re­mo­tas, in­de­pen­den­te­men­te de quem vi­er a as­su­mir a Pre­si­dên­cia. O as­sun­to é con­tro­ver­so e, no con­tex­to elei­to­ral, é tra­ta­do pe­los can­di­da­tos co­mo um cer­to “ta­bu”.

O pro­gra­ma de Had­dad é ex­pli­ci­ta­men­te con­tra a ven­da da pe­tro­lei­ra. No ca­so da can­di­da­tu­ra de Bol­so­na­ro, por ou­tro la­do, o as­sun­to já foi al­vo de de­cla­ra­ções con­tra­di­tó­ri­as. O eco­no­mis­ta Pau­lo Gu­e­des já se po­si­ci­o­nou a fa­vor da pri­va­ti­za­ção de “to­das as es­ta­tais”, co­mo for­ma de re­du­zir o en­di­vi­da­men­to pú­bli­co.

Bol­so­na­ro, con­tu­do, afas­tou es­sa pos­si­bi­li­da­de an­te­on­tem, em en­tre­vis­ta ao Jor­nal da Band, ao di­zer que o “mi­o­lo da Pe­tro­bras” pre­ci­sa ser pre­ser­va­do, mas que é fa­vo­rá­vel à ven­da de par­tes da com­pa­nhia. No iní­cio do ano, ele che­gou a di­zer que era fa­vo­rá­vel à pri­va­ti­za­ção, des­de que a União man­ti­ves­se a gol­den sha­re.

On­tem, o pre­si­den­te do PSL, Gus­ta­vo Be­bi­an­no, por sua vez, afir­mou à “Reu­ters” que Bol­so­na­ro não pre­ten­de pri­va­ti­zar a Pe­tro­bras no cur­to pra­zo, mas que não des­car­ta es­sa pos­si­bi­li­da­de mais pa­ra fren­te, após um “pro­ces­so de sa­ne­a­men­to ge­ral” da com­pa­nhia, no mé­dio ou lon­go pra­zo.

“O re­fi­no, ao meu en­ten­der, dá pa­ra ser pri­va­do”, afir­mou Bol­so­na­ro, na ter­ça-fei­ra.

É no as­sun­to de­sin­ves­ti­men­tos que os dois co­me­çam a dis­cor­dar. O pro­gra­ma de go­ver­no do can­di­da­to do PSL de­fen­de a ven­da de uma “par­ce­la subs­tan­ci­al” da ca­pa­ci­da­de de re­fi­no, va­re­jo, trans­por­te e “ou­tras ati­vi­da­des em que [a Pe­tro­bras] te­nha po­der de mer­ca­do”. O pro­gra­ma de Had­dad, por sua vez, pre­ga a ma­nu­ten­ção da Pe­tro­bras co­mo uma em­pre­sa ver­ti­ca­li­za­da. E pro­põe in­ter­rom­per a ven­da em cur­so de ati­vos es­tra­té­gi­cos da em­pre­sa.

O pro­fes­sor do Gru­po de Eco­no­mia da Ener­gia da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro (GEE/UFRJ) Ed­mar Al­mei­da não vê espaço pa­ra a pri­va­ti­za­ção da Pe­tro­bras num pró­xi­mo go­ver­no, se­ja ele pe­tis­ta, se­ja bol­so­na­ris­ta.

“A pri­va­ti­za­ção da Pe­tro­bras é con­trá­ria à po­lí­ti­ca do PT e, no ca­so do Bol­so­na­ro, ape­sar de um pro­gra­ma li­be­ral, ele tem um dis­cur­so na­ci­o­na­lis­ta de pre­ser­va­ção de se­to­res es­tra­té­gi­cos. Além dis­so, o cus­to po­lí­ti­co de uma pri­va­ti­za­ção é mui­to ele­va­do”, opi­nou.

Al­mei­da acre­di­ta que, num go­ver­no Bol­so­na­ro, a vi­são li­be­ral de­ve con­du­zir o pla­no de aber­tu­ra do se­tor de re­fi­no e a re­for­mu­la­ção do mar­co re­gu­la­tó­rio do gás na­tu­ral. “O Bol­so­na­ro, do pon­to de vis­ta ener­gé­ti­co, de­ve­rá ser um con­ti­nuís­mo do go­ver­no Mi­chel Te­mer”, ava­lia.

O ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Antô­nio La­va­re­da, do ins­ti­tu­to de pes­qui­sa Ipes­pe, tam­bém acre­di­ta que o te­ma da pri­va­ti­za­ção não de­ve ser a pri­o­ri­da­de do pró­xi­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

“A Pe­tro­bras tem um sig­ni­fi­ca­do pa­ra além do econô­mi­co, cons­ti­tui um pa­trimô­nio do ima­gi­ná­rio po­pu­lar. E o Bol­so­na­ro tra­duz a po­si­ção das For­ças Ar­ma­das com um for­te com­po­nen­te de pre­o­cu­pa­ção com se­to­res es­tra­té­gi­cos”, dis­se.

Ao ser qu­es­ti­o­na­do so­bre as de­cla­ra­ções de Pau­lo Gu­e­des, fa­vo­rá­vel às pri­va­ti­za­ções, La­va­re­da dis­se acre­di­tar que Bol­so­na­ro, se elei­to, não de­ve­rá en­dos­sar 100% dos con­cei­tos do eco­no­mis­ta.

Já so­bre o dis­cur­so mais es­ta­ti­zan­te de Had­dad, que pre­ga in­ter­rom­per os de­sin­ves­ti­men­tos da Pe­tro­bras e os lei­lões do pré­sal, La­va­re­da dis­se que o pe­tis­ta tam­bém não de­ve­rá, ca­so ven­ce­dor, con­so­li­dar to­das as pro­pos­tas de seu pla­no de go­ver­no.

“Acre­di­to que o go­ver­no do Bol­so­na­ro não avan­ça­rá tan­to nem o go­ver­no do Had­dad re­cu­a­rá tan­to. O Had­dad não vai re­pe­tir ao pé da le­tra to­das as idei­as do PT nem o Bol­so­na­ro avan­ça­rá 100% com a agen­da ul­tra­li­be­ral”, opi­nou.

Pa­ra além dos de­sin­ves­ti­men­tos da Pe­tro­bras, os dois se di­vi­dem qu­an­to a ou­tros te­mas ca­ros à in­dús­tria de óleo e gás, co­mo o fu­tu­ro dos lei­lões do pré-sal, con­teú­do lo­cal e po­lí­ti­ca de pre­ços dos com­bus­tí­veis. O pla­no de Bol­so­na­ro de­fen­de idei­as co­mo fim das exi­gên­ci­as de con­teú­do lo­cal, des­ver­ti­ca­li­za­ção do se­tor de gás na­tu­ral e pre­ços dos com­bus­tí­veis atre­la­dos aos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais.

Já Had­dad as­su­me um tom mais es­ta­ti­zan­te e de­fen­de re­o­ri­en­tar a po­lí­ti­ca de pre­ços dos com­bus­tí­veis, pa­ra ga­ran­tir pre­ços mais es­tá­veis e aces­sí­veis ao con­su­mi­dor, e to­mar “ini­ci­a­ti­vas ime­di­a­tas pa­ra re­cu­pe­rar as ri­que­zas do pré-sal”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.