Fal­ta em­pre­go e so­bram va­gas

Valor Econômico - - OPINIÃO - Ana Ka­ri­na Di­as e Fer­nan­da Mayol

Em­pre­ga­do­res, edu­ca­do­res e jo­vens pa­re­cem vi­ver em uni­ver­sos pa­ra­le­los. A edu­ca­ção não pre­pa­ra os jo­vens de for­ma ade­qua­da pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho que, por sua vez, de­man­da dos no­va­tos ca­pa­ci­da­des ain­da não de­sen­vol­vi­das.

Um ce­ná­rio com­ple­xo — po­rém pos­sí­vel — de ser so­lu­ci­o­na­do, ain­da mais ao con­si­de­rar­mos o atu­al mo­men­to de tran­si­ção, com a cres­cen­te on­da de au­to­ma­ção e a ine­vi­tá­vel in­te­gra­ção tec­no­ló­gi­ca. Pa­ra se adap­tar à no­va re­a­li­da­de e não fi­car pa­ra trás no ta­bu­lei­ro in­ter­na­ci­o­nal, o Bra­sil pre­ci­sa­rá se rein­ven­tar, su­pe­ran­do dé­fi­cits edu­ca­ci­o­nais e ofe­re­cen­do aos jo­vens chan­ces de boa co­lo­ca­ção.

Se ho­je o mer­ca­do de tra­ba­lho ofer­ta no­vas po­si­ções, com fun­ções e for­ma­tos di­fe­ren­tes das car­rei­ras tra­di­ci­o­nais, tam­bém exi­ge ou­tras ha­bi­li­da­des de quem as ocu­pam. Ape­sar de o di­ag­nós­ti­co não ser no­vo, su­as im­pli­ca­ções sur­pre­en­dem.

Ha­ve­rá, ca­da vez mais, de­man­da de pro­fis­si­o­nais pa­ra ocu­pa­rem po­si­ções fo­ca­das em ati­vi­da­des que ne­ces­si­tam um al­to grau de ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas, in­te­ra­ção so­ci­al e emo­ci­o­nal co­mo, por exem­plo, ge­ren­ci­a­men­to de pes­so­as, co­mu­ni­ca­ção ou ra­ci­o­cí­nio ló­gi­co. Tam­bém ob­ser­va­mos a de­man­da por ha­bi­li­da­des re­la­ci­o­na­das às tec­no­lo­gi­as di­gi­tais — co­mo aná­li­se e mi­ne­ra­ção de da­dos, ar­qui­te­tu­ra web e de­sen­vol­vi­men­to de softwa­res. E a ofer­ta des­ses ta­len­tos é es­cas­sa.

Es­se con­tex­to de fal­ta de qua­li­fi­ca­ção não é uma ex­clu­si­vi­da­de do Bra­sil, nem se li­mi­ta aos co­nhe­ci­men­tos téc­ni­cos ou es­pe­ci­a­li­za­ções di­gi­tais. Em to­do o mun­do, em­pre­ga­do­res re­la­tam ter di­fi­cul­da­de de se­le­ci­o­nar no­vos pro­fis­si­o­nais, que tam­bém apre­sen­tam la­cu­nas em ha­bi­li­da­des so­ci­ais, co­mo co­mu­ni­ca­ção, tra­ba­lho em equi­pe e pon­tu­a­li­da­de.

Na Amé­ri­ca La­ti­na, es­ti­ma-se que 40% a 50% dos em­pre­ga­do­res não con­se­guem pre­en­cher car­gos de en­tra­da de­vi­do à fal­ta de pre­pa­ro dos can­di­da­tos. No Bra­sil, 68% dos em­pre­ga­do­res en­con­tram di­fi­cul­da­des se­me­lhan­tes.

A si­tu­a­ção, na­tu­ral­men­te de­li­ca­da, ga­nha ares ain­da mais dra­má­ti­cos quan­do con­tra­pos­ta aos al­tos ín­di­ces de de­sem­pre­go en­tre jo­vens — no mun­do to­do, mais de 75 mi­lhões de jo­vens se en­con­tram nes­sa ca­te­go­ria. No Bra­sil, es­se ín­di­ce gi­ra em tor­no de 25%, mais do que o do­bro da ta­xa ge­ral de de­sem­pre­go. Is­so sem con­tar os mais de 13 mi­lhões de bra­si­lei­ros que tra­ba­lham me­nos do que gos­ta­ri­am ou que de­sis­ti­ram de pro­cu­rar em­pre­go.

Pes­so­as em ida­de ati­va que es­tão pa­ra­das re­pre­sen­tam um enor­me po­ten­ci­al de pro­du­ti­vi­da­de des­per­di­ça­do. O re­sul­ta­do é a es­tag­na­ção e a im­pos­si­bi­li­da­de de as­cen­são so­ci­al, o que im­pe­de uma boa par­ce­la da po­pu­la­ção de me­lho­rar su­as con­di­ções de vi­da.

É um dos prin­ci­pais pa­ra­do­xos da cri­se: ao mes­mo tem­po em que há ní­veis alar­man­tes de de­sem­pre­go, es­pe­ci­al­men­te en­tre jo­vens, aque­les que po­de­ri­am em­pre­gar não es­tão sa­tis­fei­tos com os pro­fis­si­o­nais dis­po­ní­veis.

Dos jo­vens bra­si­lei­ros, 27% não tra­ba­lham e nem es­tu­dam — os cha­ma­dos “nem-nem”. E en­tre os que es­tão tra­ba­lhan­do, mais de 50% não ocu­pam po­si­ções re­la­ci­o­na­das à sua for­ma­ção. For­ma­ção es­ta, aliás, mui­to aquém da mé­dia glo­bal — ape­nas 15% da po­pu­la­ção de 25 a 34 anos con­cluiu o en­si­no su­pe­ri­or. E o pro­ble­ma, ain­da, é bem an­te­ri­or ao ní­vel uni­ver­si­tá­rio.

O Bra­sil pon­tua mui­to abai­xo dos paí­ses de al­ta ren­da da Or­ga­ni­za­ção pa­ra Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co (OCDE). Dos 72 paí­ses que par­ti­ci­pa­ram do Pro­gra­ma In­ter­na­ci­o­nal de Ava­li­a­ção de Alu­nos (Pi­sa), ocu­pa a 63a po­si­ção. Ne­le, 57% dos es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros de 15 anos ti­ve­ram desempenho abai­xo do mí­ni­mo e cin­co Es­ta­dos — Ala­go­as, Bahia, Ma­ra­nhão, To­can­tins e Ser­gi­pe — pon­tu­a­ram me­nos do que a Ar­gé­lia, pe­núl­ti­mo país do ran­king.

Es­ti­ma-se que, ao fi­nal do en­si­no mé­dio, 93% dos es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros não te­nham apren­di­za­do ade­qua­do em ma­te­má­ti­ca. In­dí­cio de um gra­ve pro­ble­ma, con­si­de­ran­do sua im­por­tân­cia pa­ra as pro­fis­sões de ho­je e do fu­tu­ro que re­que­rem ha­bi­li­da­des ana­lí­ti­cas ca­da vez mais afi­a­das.

A edu­ca­ção pre­ci­sa es­tar mais ali­nha­da com o mer­ca­do e com as ha­bi­li­da­des que se­rão es­sen­ci­ais pa­ra o fu­tu­ro do tra­ba­lho, co­mo cri­a­ti­vi­da­de, ca­pa­ci­da­de de ges­tão e de re­so­lu­ção de pro­ble­mas e “ha­bi­li­da­des me­ta” — a ca­pa­ci­da­de de apren­der ra­pi­da­men­te. As em­pre­sas não po­dem se exi­mir da res­pon­sa­bi­li­da­de de trei­nar e ca­pa­ci­tar seus fun­ci­o­ná­ri­os, se­jam eles jo­vens que aca­ba­ram de ini­ci­ar sua tra­je­tó­ria ou an­ti­gos fun­ci­o­ná­ri­os im­pac­ta­dos pe­las mu­dan­ças.

In­clu­si­ve, nes­se mo­men­to de in­ten­sas trans­for­ma­ções, a tec­no­lo­gia po­de ser uma po­de­ro­sa ali­a­da. Afi­nal, qu­an­to me­lhor o re­la­ci­o­na­men­to en­tre pes­so­as e tec­no­lo­gia, me­lhor se­rão su­as per­for­man­ces e as pos­si­bi­li­da­des de boa co­lo­ca­ção — não so­men­te em va­gas de te­ch.

Pla­ta­for­mas di­gi­tais que fa­zem a pon­te en­tre tra­ba­lha­do­res e em­pre­sas po­dem fa­ci­li­tar o su­ces­so des­se elo, ao re­gu­la­ri­zar pes­so­as em si­tu­a­ção in­for­mal, e au­men­tar a pro­du­ti­vi­da­de e a sa­tis­fa­ção no tra­ba­lho. Em eco­no­mi­as emer­gen­tes, co­mo a bra­si­lei­ra, po­de im­pac­tar 14% da po­pu­la­ção em ida­de ati­va, e adi­ci­o­nar US$ 69 bi­lhões ao PIB.

A cri­a­ção de agên­ci­as de tra­ba­lho do fu­tu­ro tam­bém é ou­tra so­lu­ção. O Bra­sil in­ves­te me­nos do que 11 paí­ses da OCDE em ser­vi­ços de co­lo­ca­ção — que che­gam a de­di­car uma pro­por­ção do or­ça­men­to dez ve­zes mai­or. A Ale­ma­nha, por exem­plo, es­tá de­sen­vol­ven­do uma agên­cia de tra­ba­lho to­tal­men­te di­gi­tal com ser­vi­ços com­ple­tos de acon­se­lha­men­to de car­rei­ra. En­quan­to a Di­na­mar­ca já se pre­pa­ra pa­ra as subs­ti­tui­ções que ocor­re­rão em sua for­ça de tra­ba­lho.

É pre­ci­so que o Bra­sil acer­te os pas­sos e co­me­ce a ca­mi­nhar em sin­to­nia. Pas­sa­do, pre­sen­te e fu­tu­ro uni­fi­ca­dos, com ba­se no con­sen­so de que é fun­da­men­tal va­lo­ri­zar a edu­ca­ção bra­si­lei­ra. Só uma edu­ca­ção de qu­a­li­da­de po­de co­lo­car em pers­pec­ti­va o de­sen­vol­vi­men­to do país, re­du­zir a ta­xa de de­sem­pre­go e o des­com­pas­so com o mer­ca­do. As­sim, po­de­mos ga­ran­tir um fu­tu­ro dig­no à po­pu­la­ção bra­si­lei­ra.

Bra­sil in­ves­te me­nos do que 11 paí­ses da OCDE em ser­vi­ços de pre­pa­ra­ção, acon­se­lha­men­to e co­lo­ca­ção de mão de obra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.