O pa­pel du­vi­do­so das no­vas tec­no­lo­gi­as

Seu im­pac­to lí­qui­do so­bre paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to é po­lê­mi­co. Por Da­ni Ro­drik

Valor Econômico - - OPINIÃO - De Ra­chel Wars­zaws­ki) (Tra­du­ção

No­vas tec­no­lo­gi­as re­du­zem os pre­ços dos pro­du­tos e ser­vi­ços aos quais são apli­ca­das. Le­vam, além dis­so, à cri­a­ção de no­vos pro­du­tos. In­de­pen­den­te­men­te de mo­ra­rem em paí­ses ri­cos ou po­bres, os con­su­mi­do­res se be­ne­fi­ci­am des­sas me­lho­ri­as.

Os te­le­fo­nes ce­lu­la­res são um cla­ro exem­plo do pro­fun­do im­pac­to de al­gu­mas no­vas tec­no­lo­gi­as. Num evi­den­te ca­so de sal­to de eta­pas tec­no­ló­gi­cas, eles de­ram às pes­so­as po­bres dos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to aces­so a co­mu­ni­ca­ções in­te­rur­ba­nas sem a ne­ces­si­da­de de fa­zer one­ro­sos in­ves­ti­men­tos em te­le­fo­nia fi­xa e em ou­tros ti­pos de infraestrutura. No mes­mo sen­ti­do, a re­a­li­za­ção de ope­ra­ções ban­cá­ri­as por ce­lu­lar pos­si­bi­li­tou aces­so a ser­vi­ços fi­nan­cei­ros em áre­as lon­gín­quas, sem agên­ci­as ban­cá­ri­as.

Es­ses são exem­plos de co­mo a tec­no­lo­gia po­de me­lho­rar a vi­da de pes­so­as po­bres. Mas, pa­ra que a tec­no­lo­gia fa­ça uma con­tri­bui­ção efe­ti­va e sus­ten­ta­da ao de­sen­vol­vi­men­to, ela tem não ape­nas de ofe­re­cer pro­du­tos me­lho­res e mais ba­ra­tos; tem tam­bém de le­var ao aces­so a ocu­pa­ções mais bem-re­mu­ne­ra­das. Em ou­tras pa­la­vras, ela pre­ci­sa aju­dar pes­so­as po­bres tan­to em seu pa­pel de pro­du­to­ras qu­an­to no de con­su­mi­do­ras. Um mo­de­lo de cres­ci­men­to que o eco­no­mis­ta Ty­ler Cowen de­no­mi­nou de “te­le­fo­nes ce­lu­la­res em vez de fá­bri­cas de au­to­mó­veis” le­van­ta a per­gun­ta ób­via: co­mo as pes­so­as do mun­do em de­sen­vol­vi­men­to po­dem se per­mi­tir com­prar te­le­fo­nes ce­lu­la­res, pa­ra co­me­ço de con­ver­sa?

Con­si­de­re­mos no­va­men­te os exem­plos da te­le­fo­nia mó­vel e das ope­ra­ções ban­cá­ri­as. Pe­lo fa­to de as co­mu­ni­ca­ções e as ope­ra­ções fi­nan­cei­ras se­rem in­su­mos à pro­du­ção, elas são, em al­gum grau, ser­vi­ços ao pro­du­tor e, ao mes­mo tem­po, ser­vi­ços ao con­su­mi­dor.

Por exem­plo, um es­tu­do co­nhe­ci­do do­cu­men­tou co­mo a pro­pa­ga­ção dos te­le­fo­nes ce­lu­la­res no Es­ta­do in­di­a­no de Ke­ra­la pos­si­bi­li­tou a pes­ca­do­res fa­ze­rem a ar­bi­tra­gem das di­fe­ren­ças de pre­ços en­tre mer­ca­dos lo­cais, ele­van­do com is­so seus lu­cros em 8%, em mé­dia.

No­vas tec­no­lo­gi­as di­gi­tais têm de­sem­pe­nha­do pa­pel im­por­tan­te na trans­for­ma­ção da agricultura de gran­de es­ca­la na Amé­ri­ca La­ti­na e em ou­tros con­ti­nen­tes. “Big da­ta”, GPS, dro­nes e co­mu­ni­ca­ção de al­ta ve­lo­ci­da­de pro­por­ci­o­na­ram a me­lho­ria dos ser­vi­ços de ex­ten­são ru­ral ou pes­quei­ra; oti­mi­za­ram a ir­ri­ga­ção e o uso de pes­ti­ci­das e fer­ti­li­zan­tes; for­ne­ce­ram sis­te­mas de aler­ta pre­co­ce; e pro­pi­ci­a­ram um me­lhor con­tro­le de qu­a­li­da­de e uma lo­gís­ti­ca e ges­tão da ca­deia de su­pri­men­tos mais efi­ci­en­te. Es­ses apri­mo­ra­men­tos ele­vam a pro­du­ti­vi­da­de do cam­po e fa­ci­li­tam a di­ver­si­fi­ca­ção pa­ra pro­du­tos agrí­co­las não tra­di­ci­o­nais, com re­tor­nos mais ele­va­dos.

A in­tro­du­ção des­sas no­vas tec­no­lo­gi­as na pro­du­ção nos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to mui­tas ve­zes ocor­re por meio de ca­dei­as de va­lor mun­di­ais (CVMs). Em prin­cí­pio as CVMs be­ne­fi­ci­am es­sas eco­no­mi­as ao fa­ci­li­ta­rem seu in­gres­so nos mer­ca­dos mun­di­ais.

Mas gran­des per­gun­tas ain­da se acu­mu­lam em tor­no das pos­si­bi­li­da­des cri­a­das por es­sas no­vas tec­no­lo­gi­as. Os au­men­tos de pro­du­ti­vi­da­de são gran­des o su­fi­ci­en­te? Eles po­dem se di­fun­dir com a ve­lo­ci­da­de su­fi­ci­en­te por to­do o res­tan­te da eco­no­mia?

Qu­al­quer oti­mis­mo em tor­no da es­ca­la da con­tri­bui­ção das CVMs tem de ser tem­pe­ra­do por três fa­tos pre­o­cu­pan­tes. Pri­mei­ro, a ex­pan­são das CVMs pa­re­ce ter se pa­ra­li­sa­do nos úl­ti­mos anos. Se­gun­do, a par­ti­ci­pa­ção dos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to nas CVMs — e, de res­to, no co­mér­cio mun­di­al de mo­do ge­ral — per­ma­ne­ceu bas­tan­te li­mi­ta­da, com a no­tá­vel ex­ce­ção de de­ter­mi­na­dos paí­ses asiá­ti­cos. Em ter­cei­ro lu­gar, e tal­vez o as­pec­to mais alar­man­te, as con­sequên­ci­as in­ter­nas so­bre o ní­vel de em­pre­go das re­cen­tes ten­dên­ci­as de co­mér­cio ex­te­ri­or e tec­no­ló­gi­cas vêm sen­do de­cep­ci­o­nan­tes.

Exa­mi­na­das mais de per­to, as CVMs e as no­vas tec­no­lo­gi­as os­ten­tam ca­rac­te­rís­ti­cas que res­trin­gem as van­ta­gens ao desempenho econô­mi­co dos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to — po­den­do até mi­ná-lo. Uma des­sas ca­rac­te­rís­ti­cas é o viés ge­ral em fa­vor de qua­li­fi­ca­ções e ou­tras po­ten­ci­a­li­da­des. Es­se viés re­duz a van­ta­gem com­pa­ra­ti­va dos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to nas ati­vi­da­des de pro­du­ção in­dus­tri­al (e em ou­tras) tra­di­ci­o­nal­men­te tra­ba­lho-in­ten­si­vas, e di­mi­nui seus ga­nhos ge­ra­dos pe­lo co­mér­cio ex­te­ri­or.

Em se­gun­do lu­gar, as CVMs di­fi­cul­tam pa­ra os paí­ses de bai­xa ren­da a ta­re­fa de usar sua van­ta­gem em ter­mos de cus­to de mão de obra pa­ra neu­tra­li­zar os efei­tos de sua des­van­ta­gem tec­no­ló­gi­ca, ao re­du­zir sua ca­pa­ci­da­de de subs­ti­tuir mão de obra não qua­li­fi­ca­da por ou­tros fa­to­res de pro­du­ção. Es­sas du­as ca­rac­te­rís­ti­cas se re­for­çam e se agra­vam mu­tu­a­men­te. As evi­dên­ci­as até ago­ra, nas fren­tes do ní­vel de em­pre­go e do co­mér­cio ex­te­ri­or, são as de que as des­van­ta­gens mais do que anu­la­ram os efei­tos das van­ta­gens.

A re­a­ção cos­tu­mei­ra a es­sas pre­o­cu­pa­ções é en­fa­ti­zar a im­por­tân­cia de im­pul­si­o­nar qua­li­fi­ca­ções e po­ten­ci­a­li­da­des com­ple­men­ta­res. Os paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to pre­ci­sam apri­mo­rar seus sis­te­mas edu­ca­ci­o­nais e seus cur­sos téc­ni­cos, me­lho­rar seu am­bi­en­te de ne­gó­ci­os e am­pli­ar su­as re­des de lo­gís­ti­ca e de trans­por­tes a fim de fa­zer um uso mais com­ple­to das no­vas tec­no­lo­gi­as, é o que re­za o re­frão mais en­to­a­do.

Mas des­ta­car que os paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to têm de avan­çar em to­das es­sas es­fe­ras não é uma ori­en­ta­ção de de­sen­vol­vi­men­to pro­vei­to­sa. Equi­va­le a di­zer que o de­sen­vol­vi­men­to exi­ge de­sen­vol­vi­men­to. O co­mér­cio e a tec­no­lo­gia re­pre­sen­tam uma opor­tu­ni­da­de quan­do con­se­guem ala­van­car os po­ten­ci­ais pré-exis­ten­tes, e, as­sim, ofe­re­cer um ca­mi­nho mais di­re­to e mais con­fiá­vel ru­mo ao de­sen­vol­vi­men­to. Quan­do exi­gem in­ves­ti­men­tos com­ple­men­ta­res e one­ro­sos, dei­xam de ser um ata­lho pa­ra pu­lar a eta­pa do de­sen­vol­vi­men­to pu­xa­do pe­la pro­du­ção in­dus­tri­al.

Com­pa­re­mos as no­vas tec­no­lo­gi­as com o mo­de­lo tra­di­ci­o­nal de in­dus­tri­a­li­za­ção, que vem sen­do um po­ten­te im­pul­si­o­na­dor de cres­ci­men­to econô­mi­co nos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to. Em pri­mei­ro lu­gar, a pro­du­ção in­dus­tri­al é ne­go­ciá­vel, o que sig­ni­fi­ca que a pro­du­ção in­ter­na não é li­mi­ta­da pe­la de­man­da (e pe­la ren­da) do­més­ti­ca. Em se­gun­do lu­gar, o know-how de pro­du­ção in­dus­tri­al foi re­la­ti­va­men­te fá­cil de trans­fe­rir en­tre paí­ses e, em es­pe­ci­al, das eco­no­mi­as ri­cas pa­ra as po­bres. Em ter­cei­ro lu­gar, a pro­du­ção in­dus­tri­al não fez gran­des exi­gên­ci­as em ter­mos de qua­li­fi­ca­ções.

Es­sas três ca­rac­te­rís­ti­cas, jun­tas, tor­nam a pro­du­ção in­dus­tri­al um fan­tás­ti­co me­ca­nis­mo de as­cen­são a ní­veis mais ele­va­dos de ren­da pa­ra os paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to. As no­vas tec­no­lo­gi­as re­pre­sen­tam um qua­dro mui­to di­fe­ren­te em ter­mos da fa­ci­li­da­de de trans­fe­rir know-how e das exi­gên­ci­as de qua­li­fi­ca­ções que im­pli­cam. Em de­cor­rên­cia, seu im­pac­to lí­qui­do so­bre paí­ses de bai­xa ren­da pa­re­ce con­si­de­ra­vel­men­te mais du­vi­do­so.

Co­mér­cio e tec­no­lo­gia são uma opor­tu­ni­da­de quan­do con­se­guem ala­van­car os po­ten­ci­ais pré-exis­ten­tes e ofe­re­cer ca­mi­nho mais di­re­to ru­mo ao de­sen­vol­vi­men­to. Quan­do exi­gem in­ves­ti­men­tos com­ple­men­ta­res e one­ro­sos, dei­xam de ser um ata­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.