Fa­la de Bol­so­na­ro so­bre Ele­tro­bras le­va a qu­e­da das ações

Valor Econômico - - ESPECIAL - Ro­dri­go Po­li­to (Co­la­bo­rou Ca­ro­li­na Frei­tas, de São Pau­lo)

A de­cla­ra­ção fei­ta, na ter­ça-fei­ra à noi­te, pe­lo can­di­da­to do PSL à Pre­si­dên­cia, Jair Bol­so­na­ro, de que não pre­ten­de pri­va­ti­zar o “mi­o­lo” da Ele­tro­bras pra­ti­ca­men­te põe uma pá de cal na pos­si­bi­li­da­de de ven­da do con­tro­le da es­ta­tal elé­tri­ca bra­si­lei­ra em 2019. O ou­tro can­di­da­to ao Pla­nal­to, Fer­nan­do Had­dad (PT) é de­cla­ra­da­men­te con­trá­rio à pri­va­ti­za­ção da com­pa­nhia.

O pro­je­to de lei que pre­vê a de­ses­ta­ti­za­ção da Ele­tro­bras es­tá em trâ­mi­te no Con­gres­so. O pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEMRJ), po­rém, já afir­mou que o tex­to se­rá vo­ta­do ape­nas em 2019.

Em en­tre­vis­ta à TV Ban­dei­ran­tes, Bol­so­na­ro dis­se ser con­tra a pri­va­ti­za­ção do “mi­o­lo” da Ele­tro­bras e da Pe­tro­bras. “Pa­ra mim, ener­gia elé­tri­ca a gen­te não vai me­xer. Até con­ver­so com o Pau­lo Gu­e­des [eco­no­mis­ta da cam­pa­nha]. O que dá er­ra­do lá é in­di­ca­ção po­lí­ti­ca. Nós va­mos in­di­car as pes­so­as pa­ra com­por is­so [o co­man­do da es­ta­tal de ener­gia]. Vo­cê não po­de pri­va­ti­zar pa­ra qu­al­quer ca­pi­tal do mun­do. A Chi­na es­tá com­pran­do o Bra­sil. Vo­cê vai dei­xar nos­sa ener­gia na mão do chi­nês?”, dis­se, com­pa­ran­do o se­tor elé­tri­co com um ga­li­nhei­ro de que a pes­soa ti­ra seu sus­ten­to da ven­da de ovos e ga­li­nhas, mas, pri­va­ti­zan­do, não so­bram ovos pa­ra ela co­mer. “Vo­cê não vai ter a ga­ran­tia no fi­nal de se­ma­na de co­mer um ovo co­zi­do. Va­mos dei­xar a ener­gia na mão de ter­cei­ros?”

A fa­la do pre­si­den­ciá­vel pro­vo­cou uma qu­e­da acen­tu­a­da as ações da Ele­tro­bras na bol­sa. On­tem, às 13h30, as ações or­di­ná­ri­as da com­pa­nhia re­gis­tra­vam qu­e­da de 11,62%, ne­go­ci­a­das a R$ 20,15. E os pa­péis pre­fe­ren­ci­ais re­cu­a­vam 13,51% a R$ 23,17.

A po­si­ção de Bol­so­na­ro con­tra­ri­ou le­van­ta­men­tos fei­tos por en­ti­da­des li­ga­das ao se­tor elé­tri­co, que ha­vi­am iden­ti­fi­ca­do uma sim­pa­tia de Bol­so­na­ro à pri­va­ti­za­ção da Ele­tro­bras. Elas tam­bém in­di­ca­vam que o can­di­da­to é fa­vo­rá­vel à ven­da das dis­tri­bui­do­ras, o que ele con­fir­mou na en­tre­vis­ta. “Vo­cê po­de con­ver­sar so­bre dis­tri­bui­ção. Ge­ra­ção não, de jei­to ne­nhum.”

Mais ra­di­cal com re­la­ção ao as­sun­to, Had­dad de­fen­de, em seu pro­gra­ma de go­ver­no, a “re­to­ma­da do con­tro­le pú­bli­co, in­ter­rom­pen­do as pri­va­ti­za­ções”. Ele acres­cen­ta que a “Ele­tro­bras re­to­ma­rá seu pa­pel es­tra­té­gi­co, no sis­te­ma ener­gé­ti­co bra­si­lei­ro, con­tri­buin­do pa­ra a ex­pan­são da ge­ra­ção e trans­mis­são de ener­gia no país”.

Ape­sar de os le­van­ta­men­tos das en­ti­da­des do se­tor elé­tri­co te­rem iden­ti­fi­ca­do que Had­dad é con­trá­rio à pri­va­ti­za­ção das dis­tri­bui­do­ras da Ele­tro­bras, va­le lem­brar que a de­ci­são de co­lo­car es­sas sub­si­diá­ri­as à ven­da foi to­ma­da ain­da du­ran­te o go­ver­no de Dil­ma Rous­seff.

Res­tam ape­nas du­as dis­tri­bui­do­ras a se­rem pri­va­ti­za­das. A pri­mei­ra é a Ama­zo­nas Ener­gia, cu­jo lei­lão es­tá pre­vis­to pa­ra 25 de ou­tu­bro. A ou­tra é a Ce­al, do Ala­go­as, cu­ja pri­va­ti­za­ção es­tá sus­pen­sa por uma li­mi­nar con­ce­di­da pe­lo mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Ri­car­do Lewan­dows­ki.

A de­cla­ra­ção de Bol­so­na­ro in­di­re­ta­men­te tam­bém co­lo­cou na ber­lin­da as es­ta­tais chi­ne­sas que in­ves­tem no país. Al­vo de crí­ti­cas do can­di­da­to, as companhias chi­ne­sas pos­su­em qua­se 10% da ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da do par­que ge­ra­dor bra­si­lei­ro. Jun­tas, a CTG Bra­sil, a CPFL Ener­gia (con­tro­la­da pe­la Sta­te Grid Cor­po­ra­ti­on of Chi­na) e a Sta­te Power In­vest­ment Cor­po­ra­ti­on (SPIC) pos­su­em 15,36 mil me­gawatts (MW) ins­ta­la­dos, prin­ci­pal­men­te de usi­nas hi­dre­lé­tri­cas e eó­li­cas. O mon­tan­te cor­res­pon­de a 9,6% da ca­pa­ci­da­de do sis­te­ma bra­si­lei­ro, de 160 mil MW.

Em trans­mis­são, a prin­ci­pal em­pre­sa chi­ne­sa no país é a Sta­te Grid Bra­zil Hol­ding (SGBH), tam­bém con­tro­la­da pe­la Sta­te Grid Cor­po­ra­ti­on of Chi­na (SGCC). Pri­mei­ra chi­ne­sa a apor­tar no Bra­sil, a com­pa­nhia pos­sui 6,04 mil km de li­nhas de trans­mis­são em ope­ra­ção no país, com des­ta­que pa­ra os dois li­nhões que fa­zem o es­co­a­men­to da ener­gia da hi­dre­lé­tri­ca de Be­lo Mon­te, no rio Xin­gu (PA), pa­ra o Su­des­te, com mais de 2 mil km ca­da. Um dos li­nhões ain­da es­tá em cons­tru­ção.

Pro­por­ci­o­nal­men­te, con­si­de­ran­do os ati­vos em cons­tru­ção, a SGBH tem pou­co mais de 5% de to­do o sis­te­ma de trans­mis­são em al­ta ten­são do país.

Em dis­tri­bui­ção, a par­ti­ci­pa­ção das chi­ne­sas, por meio da CPFL Ener­gia e da EDP Ener­gi­as do Bra­sil (da qu­al a CTG tem par­ti­ci­pa­ção na hol­ding por­tu­gue­sa), é ain­da mai­or. Con­si­de­ran­do o uni­ver­so de cli­en­tes da CPFL e EDP, de 15,3 mi­lhões uni­da­des, a par­ti­ci­pa­ção chi­ne­sa di­re­ta ou in­di­re­ta no seg­men­to é de 18,6% do to­tal de 82,4 mi­lhões de con­su­mi­do­res do país.

On­tem, o pre­si­den­te do PSL, Gus­ta­vo Be­bi­an­no, afir­mou que o even­tu­al go­ver­no de Bol­so­na­ro não des­car­ta pri­va­ti­zar a Pe­tro­bras no mé­dio ou lon­go pra­zo. Em en­tre­vis­ta à Reu­ters, Be­bi­an­no dis­se, po­rém, que an­tes de pri­va­ti­zar se­ria ne­ces­sá­rio fa­zer um pro­ces­so de sa­ne­a­men­to ge­ral da es­ta­tal. No cur­to pra­zo a ven­da é des­car­ta­da.

Na en­tre­vis­ta, o di­ri­gen­te dis­se que o pro­ces­so de sa­ne­a­men­to da Pe­tro­bras no cur­to pra­zo pas­sa obri­ga­to­ri­a­men­te por ti­rar in­te­gran­tes do PT, MDB e de ou­tros gru­pos po­lí­ti­cos. “A em­pre­sa pre­ci­sa ser revitalizada, tem que ti­rar a pe­tra­lha­da to­da de lá, ti­rar o pes­so­al do MDB de lá e aí po­de ser que um dia a gen­te pen­se em pri­va­ti­za­ção, mais pa­ra fren­te.” Ao ser qu­es­ti­o­na­do se após es­se pro­ces­so de sa­ne­a­men­to es­ta­ria aberto o ca­mi­nho pa­ra uma pri­va­ti­za­ção no mé­dio pra­zo, Be­bi­an­no dis­se que sim, “mas mui­to mais pa­ra fren­te”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.