Chi­ne­sa SPIC de­ve fa­zer ofer­ta por San­to An­to­nio nos pró­xi­mos di­as

Pro­pos­ta se­rá vin­cu­lan­te e in­clui ne­go­ci­ar dí­vi­da com o BNDES de­pois da aqui­si­ção

Valor Econômico - - | EMPRESAS INFRAESTRUTURA - Ca­mi­la Maia

A chi­ne­sa Sta­te Power In­vest­ment Cor­po­ra­ti­on (SPIC) de­ve apre­sen­tar nas pró­xi­mas se­ma­nas uma pro­pos­ta vin­cu­lan­te pe­las par­ti­ci­pa­ções de Ode­bre­cht, Ce­mig e An­dra­de Gu­ti­er­rez na hi­dre­lé­tri­ca de San­to An­to­nio, no rio Ma­dei­ra (RO), apu­rou o Va­lor com fon­tes com co­nhe­ci­men­to di­re­to da si­tu­a­ção.

Se­gun­do uma fon­te, a pro­pos­ta da SPIC ava­li­a­rá a usi­na em cer­ca R$ 3,5 bi­lhões, va­lor re­la­ti­va­men­te bai­xo, mas que le­va em con­ta a con­di­ção fi­nan­cei­ra da com­pa­nhia. Co­mo Fur­nas, que tem 41%, não de­ve ven­der, o de­sem­bol­so pa­ra os de­mais só­ci­os se­ria de pou­co mais de R$ 2 bi­lhões. A chi­ne­sa de­ve in­je­tar no mí­ni­mo R$ 1 bi­lhão na Sa­e­sa após aqui­si­ção, além de re­ne­go­ci­ar a dí­vi­da com o BNDES.

Ape­sar de ge­rar cai­xa des­de que a hi­dre­lé­tri­ca en­trou em ope­ra­ção, os re­cur­sos não são su­fi­ci­en­tes se­quer pa­ra pa­gar o cus­to da dí­vi­da e seus com­pro­mis­sos re­gu­la­res. Ao fim de ju­nho, a San­to An­to­nio Ener­gia ti­nha R$ 14,9 bi­lhões em dí­vi­das, ca­pi­tal de gi­ro ne­ga­ti­vo em R$ 992,5 mi­lhões e re­la­ção en­tre dí­vi­da lí­qui­da e Ebit­da (si­gla pa­ra re­sul­ta­do an­tes de ju­ros, im­pos­tos, de­pre­ci­a­ção e amor­ti­za­ção) de 13,13 ve­zes — an­te a mé­dia de 2,5 ve­zes no se­tor de ge­ra­ção de ener­gia.

A in­ten­ção dos só­ci­os é ga­ran­tir que a pro­pos­ta saia an­tes da con­clu­são das ne­go­ci­a­ções com o BNDES so­bre o re­per­fi­la­men­to de R$ 10 bi­lhões em dí­vi­das, que vai alon­gar o pra­zo de pa­ga­men­to até 2040. O spre­ad, po­rém, se­rá ele­va­do, o que re­duz o va­lor do ati­vo.

No mo­men­to, a con­ces­si­o­ná­ria es­tá em si­tu­a­ção es­tá­vel, pois seus só­ci­os apor­ta­ram R$ 261 mi­lhões na com­pa­nhia. Os re­cur­sos já fo­ram usa­dos, em par­te, no pa­ga­men­to de pas­si­vos na li­qui­da­ção das ope­ra­ções do mer­ca­do de ener­gia de cur­to pra­zo. Se não che­ga­rem a uma so­lu­ção até o fim des­te mês, po­rém, San­to An­to­nio po­de en­fren­tar no­va cri­se em no­vem­bro. O cai­xa ge­ra­do pe­las ope­ra­ções da hi­dre­lé­tri­ca é pra­ti­ca­men­te exau­ri­do com o pa­ga­men­to men­sal de ju­ros ao BNDES, fa­zen­do com que não res­tem re­cur­sos pa­ra qui­ta­ção de ou­tros com­pro­mis­sos, co­mo a ener­gia de cur­to pra­zo e a ta­ri­fa de trans­mis­são.

“Pre­ci­sa­mos ver o que acon­te­ce­rá pri­mei­ro. O re­per­fi­la­men­to ou o re­ce­bi­men­to da pro­pos­ta vin­cu­lan­te”, dis­se uma fon­te ao Va­lor. Fa­to é que a con­ces­si­o­ná­ria pre­ci­sa de uma das al­ter­na­ti­vas até o fim de ou­tu­bro pa­ra des­car­tar a ne­ces­si­da­de de no­va ca­pi­ta­li­za­ção pe­los só­ci­os em no­vem­bro.

A ex­pec­ta­ti­va dos en­vol­vi­dos é que, com uma ofer­ta vin­cu­lan­te em mãos, o BNDES apro­ve um acor­do pa­ra sus­pen­são do pa­ga­men­to da dí­vi­da (“stand still”, no jar­gão econô­mi­co) até a con­clu­são da aqui­si­ção.

No ano pas­sa­do, as ne­go­ci­a­ções com a SPIC fo­ram sus­pen­sas por­que os só­ci­os da usi­na dis­cor­da­vam das con­di­ções pro­pos­tas, prin­ci­pal­men­te em re­la­ção ao va­lor que se­ria efe­ti­va­men­te pa­go à vis­ta. A pro­pos­ta na me­sa ava­li­a­va a usi­na em R$ 6 bi­lhões, mais um per­cen­tu­al vin­cu­la­do ao cum­pri­men­to de al­gu­mas con­di­ções de desempenho, co­mo as ar­bi­tra­gens na qu­al es­tá en­vol­vi­da. Des­de en­tão, po­rém, o ati­vo se de­te­ri­o­rou. Pa­ra os só­ci­os, pas­sou va­ler a pe­na ven­der mes­mo que por um pre­ço me­nor A SPIC, por sua vez, de­ve fa­zer no­va due di­li­gen­ce no ati­vo.

O ne­gó­cio só não de­ve acor­rer se o pre­ço pro­pos­to não in­cluir de­sem­bol­so aos atu­ais do­nos, ce­ná­rio que acon­te­ce­ria se o ‘va­lu­a­ti­on’ do ati­vo for in­fe­ri­or à dí­vi­da.

Ape­nas Fur­nas, que tem 41% da usi­na, não de­ve ven­der. Com a ca­pi­ta­li­za­ção pe­la SPIC, se­rá di­luí­da e con­ti­nu­a­rá só­cia da usi­na. Pa­ra a chi­ne­sa, a as­so­ci­a­ção com uma es­ta­tal é bem vis­ta, pois re­duz pre­o­cu­pa­ções com in­cer­te­zas re­gu­la­tó­ri­as e po­lí­ti­cas, por exem­plo.

Sem uma ofer­ta vin­cu­lan­te, con­tu­do, a úni­ca saí­da da hi­dre­lé­tri­ca se­rá con­cluir a re­ne­go­ci­a­ção de dí­vi­da com o ban­co. O pro­ces­so es­tá pa­ra­do por con­ta de um im­pas­se qu­an­to à ex­ten­são das ga­ran­ti­as. O FIP Amazô­nia, que tem 20% da usi­na, é 50,1% da Ode­bre­cht e 49,9% do FI-FGTS. O FI-FGTS não po­de pres­tar ga­ran­ti­as (por não ter pa­trimô­nio). Des­de sua for­ma­ção, Ode­bre­cht e An­dra­de Gu­ti­er­rez com­par­ti­lha­vam as ga­ran­ti­as do FIP, mas a An­dra­de não acei­tou es­ten­der o co­la­te­ral des­ta vez.

Pro­cu­ra­das, Ode­bre­cht, Ce­mig e SPIC não res­pon­de­ram.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.