Ven­das de ma­te­ri­ais têm au­men­to de 1,2% até se­tem­bro

Valor Econômico - - | EMPRESAS INDÚSTRIA - Chi­a­ra Quin­tão

O fa­tu­ra­men­to das ven­das con­so­li­da­das de ma­te­ri­ais de cons­tru­ção te­ve cres­ci­men­to re­al de 1,2% de ja­nei­ro a se­tem­bro, na com­pa­ra­ção anu­al, con­for­me da­dos da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Ma­te­ri­ais de Cons­tru­ção (Abra­mat). O desempenho foi pu­xa­do pe­la co­mer­ci­a­li­za­ção de ma­te­ri­ais da in­dús­tria pa­ra o va­re­jo. A en­ti­da­de man­tém a ex­pec­ta­ti­va de que o fa­tu­ra­men­to de­fla­ci­o­na­do cres­ce­rá 1,5% em 2018, in­ter­rom­pen­do sequên­cia de três que­das con­se­cu­ti­vas.

“O desempenho do se­tor se­rá me­lhor em 2019 do que nes­te ano”, afir­ma o pre­si­den­te da Abra­mat, Ro­dri­go Na­var­ro. Há ex­pec­ta­ti­va, de acor­do com o re­pre­sen­tan­te se­to­ri­al, que ha­ja con­ti­nui­da­de da ex­pan­são da de­man­da de ma­te­ri­ais pa­ra re­for­ma, au­men­to na pro­cu­ra de pro­du­tos pa­ra edi­fi­ca­ções e, no se­gun­do se­mes­tre, re­to­ma­da das obras de infraestrutura. Na­var­ro diz es­pe­rar que es­sa re­to­ma­da ocor­ra se­ja qu­al for o no­vo pre­si­den­te elei­to — Jair Bol­so­na­ro (PSL) ou Fer­nan­do Had­dad (PT).

“A ne­ces­si­da­de de ge­ra­ção de em­pre­gos es­tá nos pla­nos de tra­ba­lho dos dois can­di­da­tos. Obras de infraestrutura geram em­pre­go ime­di­a­to e con­su­mo de ma­té­ri­as-pri­mas”, res­sal­ta Na­var­ro. O pre­si­den­te da Abra­mat afir­ma que se es­pe­ra tam­bém ma­nu­ten­ção do pro­gra­ma ha­bi­ta­ci­o­nal Mi­nha Ca­sa, Mi­nha Vi­da in­de­pen­den­te­men­te do no­me do ven­ce­dor da elei­ção.

“Te­mos le­va­do pro­pos­tas aos can­di­da­tos e tam­bém ao Te­mer [Mi­chel Te­mer, pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca]”, acres­cen­ta. En­tre os te­mas apre­sen­ta­dos, es­tão pro­pos­tas re­la­ci­o­na­das a ques­tões tec­no­ló­gi­cas, co­mo a pla­ta­for­ma de mo­de­la­gem de in­for­ma­ções da cons­tru­ção (BIM, na si­gla em in­glês) e a in­dús­tria 4.0. A Abra­mat de­fen­de que o se­tor te­nha, ca­da vez mais, con­for­mi­da­de téc­ni­ca e fis­cal, além de ca­pa­ci­ta­ção. A en­ti­da­de tem se mo­vi­men­ta­do tam­bém pa­ra apro­xi­mar de seus as­so­ci­a­dos star­tups li­ga­das a ma­te­ri­ais .

A re­du­ção das ta­xas de ju­ros do cré­di­to ha­bi­ta­ci­o­nal e a en­tra­da em vi­gor de no­vas re­gras pa­ra fi­nan­ci­a­men­to imo­bi­liá­rio pre­vis­ta pa­ra 1 de ja­nei­ro con­tri­bu­em pa­ra as pers­pec­ti­vas po­si­ti­vas pa­ra o se­tor de ma­te­ri­ais de cons­tru­ção. “Há in­ves­ti­do­res de fo­ra aguar­dan­do a de­fi­ni­ção do no­vo go­ver­no pa­ra vol­tar”, acres­cen­ta Na­var­ro.

Se­gun­do o pre­si­den­te da Abra­mat, o desempenho do se­tor até se­tem­bro po­de­ri­am ter si­do me­lhor se não fos­se a gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros e o re­pas­se pa­ra os pre­ços das al­tas de cus­tos de­cor­ren­te da va­lo­ri­za­ção do dó­lar ao lon­go des­te ano.

Da­dos da Abra­mat apon­tam que a ex­pan­são acu­mu­la­da dos 12 me­ses en­cer­ra­dos em se­tem­bro é de 2,1%. Iso­la­da­men­te, as ven­das do mês de se­tem­bro au­men­ta­ram 2,7% an­te as do mes­mo mês do ano pas­sa­do e cres­ce­ram 1,5% em re­la­ção às de agos­to. A Abra­mat re­gis­trou al­ta de 2,4% na co­mer­ci­a­li­za­ção de ma­te­ri­ais de ba­se, na com­pa­ra­ção anu­al, e ex­pan­são de 3,1% de itens de aca­ba­men­to.

De ja­nei­ro a se­tem­bro, o fa­tu­ra­men­to das ven­das do va­re­jo de ma­te­ri­ais de cons­tru­ção cres­ceu 5,5%. O desempenho fi­cou em li­nha com a es­ti­ma­ti­va da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Co­mer­ci­an­tes de Ma­te­ri­ais de Cons­tru­ção (Ana­ma­co) pa­ra o ano, se­gun­do o pre­si­den­te da en­ti­da­de, Cláudio Conz.

A fa­bri­can­te de du­chas, chu­vei­ros elé­tri­cos, me­tais sa­ni­tá­ri­os e pu­ri­fi­ca­do­res de água Lo­ren­zet­ti au­men­tou su­as ven­das em 7% até se­tem­bro, de acor­do com o vi­ce­pre­si­den­te exe­cu­ti­vo, Edu­ar­do Co­li. A Lo­ren­zet­ti es­ti­ma cres­ci­men­to de 8% no fa­tu­ra­men­to de R$ 1,28 bi­lhão do ano pas­sa­do. A pro­je­ção ini­ci­al era de al­ta de 10%, mas o cres­ci­men­to da eco­no­mia abai­xo do es­pe­ra­do e o ele­va­do ní­vel de de­sem­pre­go re­sul­ta­ram em ex­pan­são abai­xo da es­ti­ma­ti­va do co­me­ço de 2018.

Pa­ra o pró­xi­mo ano, a ex­pec­ta­ti­va de Co­li é que o se­tor te­nha “um ano bom”. “Quem as­su­mir [a pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca] vai fa­zer al­go pa­ra o país vol­tar a cres­cer”, diz o exe­cu­ti­vo da Lo­ren­zet­ti.

Sem in­for­mar nú­me­ros ab­so­lu­tos, o di­re­tor co­mer­ci­al da Me­xi­chem Bra­sil, Adri­a­no An­dra­de, in­for­mou que as ven­das da em­pre­sa di­re­ci­o­na­das pa­ra a cons­tru­ção cres­ce­ram de qua­tro a cin­co ve­zes o fa­tu­ra­men­to do se­tor. A em­pre­sa é do­na das mar­cas Aman­co, Plas­tu­bos e Bi­dim.

De acor­do com An­dra­de, o desempenho es­tá em li­nha com a ex­pec­ta­ti­va da Me­xi­chem e re­sul­ta de in­ves­ti­men­tos em no­vos pro­du­tos. O desempenho es­pe­ra­do pa­ra o se­tor, em 2019, é su­pe­ri­or ao des­te ano. O exe­cu­ti­vo ci­ta a ma­nu­ten­ção da de­man­da de ma­te­ri­ais pa­ra re­for­mas, a re­to­ma­da do mer­ca­do imo­bi­liá­rio e o iní­cio da vol­ta das obras de infraestrutura pe­sa­da.

CLAUDIO BELLI/VA­LOR

Na­var­ro, pre­si­den­te da Abra­mat: “Desempenho do se­tor se­rá me­lhor em 2019”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.