MPF con­tes­ta aval pa­ra com­pra da Trans­fe­de­ral

Valor Econômico - - | EMPRESAS SERVIÇOS&TECNOLOGIA - Con­cor­rên­cia Fá­bio Pu­po

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) en­trou com um re­cur­so no Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo de De­fe­sa Econô­mi­ca (Ca­de) con­tes­tan­do uma de­ci­são da Su­pe­rin­ten­dên­ci­aGe­ral da au­tar­quia que ha­via li­be­ra­do a ven­da da trans­por­ta­do­ra de va­lo­res Trans­fe­de­ral — do pre­si­den­te do Se­na­do, Eu­ní­cio Oli­vei­ra (MDB-CE) — à Pro­se­gur.

O MPF ela­bo­rou o re­cur­so ci­tan­do re­por­ta­gem do Va­lor que re­ve­lou uma di­ver­gên­cia en­tre a de­ci­são do su­pe­rin­ten­den­te-ge­ral do Ca­de, Ale­xan­dre Cordeiro, e sua equi­pe. Ele deu aval à ven­da con­tra­ri­an­do o pa­re­cer de co­or­de­na­do­res téc­ni­cos que ci­ta­ram pre­o­cu­pa­ções con­cor­ren­ci­ais e re­co­men­da­ram im­pug­nar a ope­ra­ção.

Es­pe­ci­a­lis­tas na área an­ti­trus­te e mem­bros an­ti­gos da au­tar­quia ou­vi­dos pe­la re­por­ta­gem disseram não se lem­brar de ca­so an­te­ri­or em que a de­ci­são da su­pe­rin­ten­dên­cia te­nha si­do opos­ta à re­co­men­da­da pe­la equi­pe.

Por ou­tro la­do, co­mo con­se­lhei­ro do ór­gão, Cordeiro já che­gou a vo­tar an­te­ri­or­men­te de for­ma opos­ta aos pa­re­ce­res da área téc­ni­ca. Nes­sas oca­siões, ele dis­cor­dou por con­si­de­rar que cer­tas conclusões eram de­ma­si­a­da­men­te in­ter­ven­ci­o­nis­tas nos mer­ca­dos ana­li­sa­dos e não con­tri­bui­ri­am pa­ra o am­bi­en­te de ne­gó­ci­os e o de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co.

O pro­cu­ra­dor re­gi­o­nal da Re­pú­bli­ca jun­to ao Ca­de, Már­cio Bar­ra Li­ma, e o sub­pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca atu­an­te na au­tar­quia, Sady D'As­sump­ção Tor­res Fi­lho, disseram ter se ba­se­a­do, no ca­so da Trans­fe­de­ral, em “ques­ti­o­na­men­tos le­van­ta­dos pe­la ma­té­ria jor­na­lís­ti­ca” e nas “ra­zoá­veis jus­ti­fi­ca­ti­vas” da equi­pe téc­ni­ca. Eles plei­tei­am que o tri­bu­nal do Ca­de “de­bru­ce-se so­bre to­das as ques­tões sus­ci­ta­das” na aná­li­se do co­le­gi­a­do. “A ope­ra­ção não po­de ser apro­va­da nos mol­des em que ocor­reu a no­ti­fi­ca­ção, sen­do im­pe­ri­o­so seu exa­me pe­lo tri­bu­nal”, di­zem.

O MPF apro­vei­ta pa­ra le­van­tar na pe­ti­ção ques­ti­o­na­men­tos téc­ni­cos acer­ca do des­pa­cho da Su­pe­rin­ten­dên­cia, co­mo a jun­ção dos mer­ca­dos de Goiás e Dis­tri­to Fe­de­ral pa­ra a aná­li­se — o que ame­ni­zou as pre­o­cu­pa­ções con­cor­ren­ci­ais. Se­gun­do eles, a de­ci­são é con­tro­ver­sa e há “ro­bus­tos fun­da­men­tos” pa­ra que a aná­li­se de Goiás e Dis­tri­to Fe­de­ral se­ja se­pa­ra­da.

Os pro­cu­ra­do­res ques­ti­o­nam ain­da o ar­gu­men­to de que há ju­ris­pru­dên­cia no Ca­de pa­ra em­ba­sar a de­ci­são. O des­pa­cho da Su­pe­rin­ten­dên­cia ci­tou uma lis­ta de ca­sos com al­ta con­cen­tra­ção que fo­ram apro­va­dos. Mas o MPF re­ba­te di­zen­do que a mai­or par­te de­les re­ce­beu o aval com res­tri­ções, além de te­rem si­do exa­mi­na­dos pe­lo tri­bu­nal do Ca­de. “Ope­ra­ções su­jei­tas a ele­va­da con­cen­tra­ção do mer­ca­do têm si­do rei­te­ra­da­men­te exa­mi­na­das pe­lo tri­bu­nal do Ca­de, fre­quen­te­men­te com a apro­va­ção com res­tri­ções ou mes­mo re­pro­va­ção”, di­zem eles.

Na se­ma­na pas­sa­da, o con­se­lhei­ro do Ca­de João Pau­lo de Re­sen­de fez um pe­di­do for­mal pa­ra que a com­pra da Trans­fe­de­ral se­ja ana­li­sa­do pe­lo tri­bu­nal do ór­gão an­ti­trus­te. A avo­ca­ção foi apro­va­da pe­los de­mais con­se­lhei­ros.

Em seu des­pa­cho, Re­sen­de apon­tou os mes­mo pro­ble­mas le­van­ta­dos pe­los pro­cu­ra­do­res. Ele diz que a aná­li­se so­ma­da de Goiás e Dis­tri­to Fe­de­ral não se­gue a ju­ris­pru­dên­cia da au­tar­quia. Se­gun­do ele, o Ca­de vi­nha ado­tan­do co­mo mer­ca­do re­le­van­te pa­ra fins da aná­li­se con­cor­ren­ci­al ou o li­mi­te es­ta­du­al ou o con­cei­to de raio de 150 km a par­tir das ba­ses ope­ra­ci­o­nais. Além dis­so, o con­se­lhei­ro diz que em 13 dos 15 atos de con­cen­tra­ção ci­ta­dos pe­la Su­pe­rin­ten­dên­cia pa­ra em­ba­sar a apro­va­ção as ope­ra­ções fo­ram na ver­da­de con­di­ci­o­na­das a res­tri­ções.

De qu­al­quer for­ma, ago­ra a de­ci­são se­gue pa­ra o tri­bu­nal do ór­gão an­ti­trus­te e de­pen­de do co­le­gi­a­do da au­tar­quia — e não mais da Su­pe­rin­ten­dên­cia.

Pro­cu­ra­do, o Ca­de pre­fe­riu não se ma­ni­fes­tar on­tem. No fim de se­tem­bro, o ór­gão afir­mou que a aná­li­se de atos de con­cen­tra­ção pas­sa por di­fe­ren­tes eta­pas e que “é na­tu­ral ha­ver di­ver­gên­ci­as de en­ten­di­men­to du­ran­te o pro­ces­so”. “Es­cla­re­ce­mos, no en­tan­to, que to­dos os atos pro­ces­su­ais pra­ti­ca­dos pe­la Su­pe­rin­ten­dên­cia-Ge­ral são téc­ni­cos, ten­do por ba­se ape­nas o mé­ri­to do ca­so e os di­ta­mes le­gais”, in­for­mou na oca­sião.

A au­tar­quia afir­mou ain­da que a de­li­be­ra­ção es­ta­va “de acor­do com pa­re­cer do De­par­ta­men­to de Es­tu­dos Econô­mi­cos — uni­da­de do Ca­de res­pon­sá­vel, en­tre ou­tras atri­bui­ções, por ela­bo­rar es­tu­dos pa­ra sub­si­di­ar a aná­li­se de atos de con­cen­tra­ção — e com am­pla ju­ris­pru­dên­cia”. Pro­cu­ra­da re­cen­te­men­te pa­ra co­men­tar o ca­so, a Pro­se­gur afir­mou que “es­tá se­guin­do os trâ­mi­tes do ór­gão re­gu­la­dor an­ti­trus­te com re­la­ção a uma pos­sí­vel aqui­si­ção da Trans­fe­de­ral”.

Pro­cu­ra­do­res pe­dem que tri­bu­nal do Ca­de ana­li­se de­ci­são to­ma­da pe­la su­pe­rin­ten­dên­cia do ór­gão em se­tem­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.