No­vo per­fil de fãs de ga­mes atrai mar­cas

Valor Econômico - - | EMPRESAS TENDÊNCIAS&CONSUMO - Mar­ke­ting Gus­ta­vo Bri­gat­to

Quem ca­mi­nhar pe­los cor­re­do­res da fei­ra de jo­gos ele­trô­ni­cos Bra­sil Ga­me Show (BGS) — que ocor­re até do­min­go em São Pau­lo — ve­rá por to­dos os la­dos, co­mo era de se es­pe­rar, no­mes tra­di­ci­o­nais do mer­ca­do co­mo PlayS­ta­ti­on, Xbox, Nin­ten­do e Ac­ti­vi­si­on. Mas tam­bém se sur­pre­en­de­rá ao se de­pa­rar com es­tan­des e lo­gos de mar­cas que, à pri­mei­ra vis­ta, na­da têm a ver com o uni­ver­so de ga­mes, co­mo as fa­bri­can­tes de ali­men­tos Fi­ni e San­ta He­le­na, a va­re­jis­ta Ri­a­chu­e­lo e o de­so­do­ran­te Old Spi­ce, da P&G.

Mas o que po­de­ria ser con­si­de­ra­do um in­ves­ti­men­to de mar­ke­ting sem mui­to sen­ti­do tem, na ver­da­de, uma ex­pli­ca­ção mui­to bem em­ba­sa­da: o mer­ca­do de jo­gos tem cres­ci­do de for­ma rá­pi­da — o Bra­sil é o 13 mai­or mer­ca­do do mun­do, com re­cei­ta de US$ 1,5 bi­lhão e 75 mi­lhões de jo­ga­do­res — e os jo­ga­do­res na­da têm a ver com a ima­gem tra­di­ci­o­nal que se cos­tu­ma fa­zer des­se pú­bli­co, o ado­les­cen­te in­tros­pec­ti­vo que fi­ca tran­ca­do no quar­to por ho­ras a fio. Eles são, na ver­da­de, mui­to ati­vos e con­su­mi­do­res em po­ten­ci­al de to­do ti­po de pro­du­to.

“O vi­de­o­ga­me dei­xou de ser al­go de ni­cho pra vi­rar con­teú­do de mas­sa”, diz Mar­ce­lo Tavares, di­re­tor da BGS. Se­gun­do ele, es­se mo­vi­men­to tem fei­to a pre­sen­ça de em­pre­sas de fo­ra do uni­ver­so dos ga­mes avan­çar de for­ma “na­tu­ral”, por ini­ci­a­ti­va das pró­pri­as mar­cas.

De acor­do com ele, a BGS re­gis­trou em 2018 um cres­ci­men­to de 30% em ter­mos de ex­po­si­to­res, sain­do de 250 pa­ra 327 es­tan­des. A re­cei­ta cres­ceu na mes­ma pro­por­ção, mas ele não abre os va­lo­res ab­so­lu­tos. A ex­pec­ta­ti­va é que a fei­ra re­ce­ba 330 mil pes­so­as, 4% a mais que no ano pas­sa­do.

Na San­ta He­le­na, que faz sua es­treia na fei­ra, a pre­sen­ça se­rá o pon­to al­to de uma cam­pa­nha de mar­ke­ting que co­me­çou em agos­to e que tem co­mo ob­je­ti­vo au­men­tar as ven­das do sal­ga­di­nho Cro­kis­si­mo en­tre 30% e 35% até o fim do ano. Se­gun­do Da­ni­e­la Za­nin, ge­ren­te de ino­va­ção e co­mu­ni­ca­ção da com­pa­nhia, a con­ver­sa com es­se pú­bli­co faz sen­ti­do den­tro da es­tra­té­gia de re­po­si­ci­o­na­men­to da mar­ca, que pas­sou a olhar com mais aten­ção jo­vens en­tre 18 e 25 anos — ida­de da me­ta­de dos jo­ga­do­res no Bra­sil.

A Fi­ni, que par­ti­ci­pa da BGS pe­la se­gun­da vez, fez um in­ves­ti­men­to 12% su­pe­ri­or pa­ra mon­tar seu es­tan­de, que te­rá os mes­mos 100 m2 do ano pas­sa­do, mas tra­rá no­vas atra­ções co­mo uma com­pe­ti­ção de jo­ga­do­res com con­so­les clás­si­cos co­mo o Nin­ten­do 64. “Iden­ti­fi­ca­mos que a Fi­ni já faz par­te da ro­ti­na de con­su­mo des­se pú­bli­co, por is­so co­me­ça­mos a po­si­ci­o­nar nos­sa co­mu­ni­ca­ção”, dis­se Luiz Hen­ri­que Fer­rei­ra, ge­ren­te de co­mu­ni­ca­ção da fa­bri­can­te. Nos úl­ti­mos anos, a Fi­ni tam­bém mu­dou seu pú­bli­co-al­vo, bus­can­do um per­fil mais adul­to. “O in­ves­ti­men­to não se pa­ga di­re­ta­men­te, mas tem re­tor­no em iden­ti­fi­ca­ção do con­su­mi­dor, que cur­te as ex­pe­ri­ên­ci­as que cri­a­mos”, diz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.