Ex-só­cio da Atlas abre um le­que de companhias

Me­ga­le in­ves­te em ca­fé, ga­do, ca­va­los e ou­tros ne­gó­ci­os

Valor Econômico - - | EMPRESAS TENDÊNCIAS&CONSUMO - Ale­xan­dre Me­lo

De­pois de ven­der a trans­por­ta­do­ra Atlas à me­xi­ca­na Fem­sa Lo­gís­ti­ca, no fim de 2015 por R$ 1,1 bi­lhão, Jo­sé Lau­ro Afon­so Me­ga­le, que co­man­da­va o ne­gó­cio fun­da­do pe­lo avô com mais cin­co só­ci­os da fa­mí­lia, es­tá trans­for­man­do os hob­bi­es de cul­ti­var ca­fé e cri­ar ca­va­los em ne­gó­ci­os. Mas não só. Tam­bém es­tá in­ves­tin­do em ga­do, ener­gia, imó­veis, no va­re­jo e em uma es­ta­ção de rá­dio.

Me­ga­le ti­nha 17% das ações da Atlas, on­de res­pon­dia pe­la di­re­to­ria co­mer­ci­al, o res­tan­te es­ta­va nas mãos dos pri­mos. Mas a fa­mí­lia de­ci­diu ven­der pois “a pro­pos­ta que re­ce­be­mos foi ir­re­cu­sá­vel”.

O em­pre­sá­rio se con­si­de­ra in­qui­e­to. Pre­fe­re cri­ar no­vos ne­gó­ci­os do que vi­ver de ren­da. Nos úl­ti­mos dois anos in­ves­tiu em di­fe­ren­tes em­pre­sas, que se­rão ad­mi­nis­tra­das por seus três fi­lhos, sob sua su­per­vi­são. Pa­ra or­ga­ni­zá-las foi cri­a­da a hol­ding Im­pé­rio Group. A Fun­da­ção Dom Cabral es­tá as­ses­so­ran­do Me­ga­le na mon­ta­gem des­sa es­tru­tu­ra.

A Boa Ven­tu­ra Agro­pe­cuá­ria abri­ga 150 mil pés de ca­fés es­pe­ci­ais e 600 ca­be­ças de ga­do de cor­te. Até pou­co tem­po, a la­vou­ra com­pra­da pe­lo pai de Me­ga­le es­ta­va aban­do­na­da e a al­tu­ra do ma­to ul­tra­pas­sa­va a plan­ta­ção. “Pen­sei em co­lo­car fo­go pa­ra fa­zer pas­ta­gem, mas um ami­go re­co­men­dou con­tra­tar um es­pe­ci­a­lis­ta pa­ra fa­zer a ava­li­a­ção [do ca­fé]. A no­ta foi al­ta, de 8.7. Re­sol­vi in­ves­tir”, dis­se.

O ca­fé é pro­du­zi­do em Bor­da da Ma­ta (MG) e ven­di­do em even­tos do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro de Mar­cha (CBM), que reú­ne ca­va­los da ra­ça man­ga­lar­ga mar­cha­dor. Pa­ra dar vi­si­bi­li­da­de ao ca­fé, Me­ga­le assinou con­tra­to de “na­ming rights” com a or­ga­ni­za­ção do even­to que foi re­ba­ti­za­do de CBM Zel Ca­fé.

A pai­xão pe­los ca­va­los ins­ti­gou a cri­a­ção do Ha­ras Zel, com 400 ani­mais da ra­ça bra­si­lei­ra Man­ga­lar­ga Mar­cha­dor, vá­ri­os de­les cam­peões. “Um em­brião é ven­di­do por até R$ 120 mil. A co­ber­tu­ra fei­ta por um ga­ra­nhão do ha­ras po­de cus­tar R$ 25 mil. Con­si­de­ro que es­te é um dos ne­gó­ci­os mais pro­mis­so­res que te­mos”, diz Me­ga­le, cha­ma­do de co­men­da­dor pe­los fun­ci­o­ná­ri­os.

O Zel Ca­fé e a Li­vra­ria do Co­men­da­dor, inau­gu­ra­dos na se­ma­na pas­sa­da, são seu mais no­vo in- ves­ti­men­to. Fo­ram de­sem­bol­sa­dos R$ 3 mi­lhões pa­ra ins­ta­lar os dois ne­gó­ci­os em um ca­sa­rão que per­ten­ce à Fun­da­ção Ins­ti­tu­to de Fí­si­ca Teó­ri­ca, da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al Pau­lis­ta (Unesp). O imó­vel, na re­gião da ave­ni­da Pau­lis­ta, da­ta dos anos 1930 e é tom­ba­do pe­lo Pa­trimô­nio His­tó­ri­co.

Ao la­do do ca­sa­rão, a Bro­ok­fi­eld le­van­tou um pré­dio, do qu­al Me­ga­le ha­via com­pra­do um an­dar. Ao vi­si­tar o edi­fí­cio, Me­ga­le en­trou no ca­sa­rão. O pro­fes­sor Ger­son Fran­cis­co, da fun­da­ção do ins­ti­tu­to de fí­si­ca, acom­pa­nha­va um tra­ba­lho de res­tau­ra­ção. “Ele me dis­se que ali de­ve­ri­am abri­gar um ca­fé e uma li­vra­ria, com espaço ge­ne­ro­so pa­ra tí­tu­los de­di­ca­dos às ci­ên­ci­as exa­tas”. As­sim foi fei­to. Ain­da no va­re­jo, Me­ga­le tem uma uni­da­de fran­que­a­da da re­de de fast-fo­od Ma­nia de Chur­ras­co.

Em 2019, ele pla­ne­ja cons­truir uma pe­que­na cen­tral hi­dre­lé­tri­ca (PCH) em Bor­da da Ma­ta, à mar­gem do rio Es­prai­a­do, pa­ra ge­rar 2,5 me­gawatts. Ter uma es­ta­ção de rá­dio na mes­ma ci­da­de, a Zel FM, tam­bém faz par­te do pla­no pa­ra o pró­xi­mo ano. Seus ne­gó­ci­os mais ma­du­ros, a fa­zen­da de ca­fé, o ga­do e os ca­va­los, já são lu­cra­ti­vos. Os de­mais, po­de­rão co­me­çar a dar re­tor­no den­tro de cin­co anos.

So­bre o ce­ná­rio po­lí­ti­co, Me­ga­le diz: “O ris­co sem­pre vai exis­tir, mas acre­di­to no país. Se­rão ne­ces­sá­ri­os mui­tos ajus­tes no ano que vem, mas a eco­no­mia de­ve­rá se re­cu­pe­rar com fir­me­za a par­tir de 2020”.

SIL­VIA ZAMBONI/VA­LOR

Me­ga­le, ex-só­cio da trans­por­ta­do­ra Atlas, se con­si­de­ra um em­pre­sá­rio in­qui­e­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.