Pre­vi­dên­cia em du­as eta­pas é cri­ti­ca­da por es­pe­ci­a­lis­tas

Valor Econômico - - BRASIL - Es­te­vão Tai­ar e Ma­lu Del­ga­do

A pers­pec­ti­va de apro­va­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia em du­as eta­pas no go­ver­no do pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro, foi cri­ti­ca­da em se­mi­ná­rio pro­mo­vi­do pe­lo Ins­per on­tem. O even­to “A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e o ajus­te nos Es­ta­dos” te­ve co­mo ex­po­si­to­res o eco­no­mis­ta, ci­en­tis­ta po­lí­ti­co e pes­qui­sa­dor da Fun­da­ção Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sas Econô­mi­cas (Fi­pe) Pau­lo Taf­ner e o go­ver­na­dor do Es­pí­ri­to San­to, Pau­lo Har­tung.

A me­di­a­ção foi fei­ta pe­lo pre­si­den­te do Ins­per, Mar­cos Lis­boa, ex-se­cre­tá­rio de Po­lí­ti­ca Econô­mi­ca do pri­mei­ro go­ver­no Lu­la.

“Não te­re­mos du­as re­for­mas. Es­sa con­ver­sa de que vai vo­tar uma ago­ra e ou­tra de­pois, não vai. O su­ces­so do go­ver­no que vai to­mar pos­se de­pen­de dis­so”, afir­mou Har­tung, que foi se­na­dor e con­du­ziu no Con­gres­so a re­la­to­ria da Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal (LRF).

Har­tung cri­ti­cou a fal­ta de cla­re­za da equi­pe econô­mi­ca de Bol­so­na­ro so­bre o te­ma e, por sua ex­pe­ri­ên­cia no Le­gis­la­ti­vo e no Exe­cu­ti­vo, afir­mou que é pre­ci­so apro­vei­tar o ca­pi­tal po­lí­ti­co no iní­cio de man­da­tos pa­ra fa­zer re­for­mas pro­fun­das.

“Não po­de ter um pre­si­den­te que fa­la uma coi­sa num dia e ou­tra coi­sa no ou­tro. Tem que ter li­de­ran­ça po­lí­ti­ca. Ho­je [Bol­so­na­ro] tem ca­pi­tal po­lí­ti­co. Mas vai se per­den­do ao lon­go do tem­po”, aler­tou o go­ver­na­dor, que dei­xou na quar­ta-fei­ra o MDB.

Se­gun­do Taf­ner, Bol­so­na­ro já deu si­nais de que quer em um pri­mei­ro mo­men­to uma re­for­ma ain­da mais “de­si­dra­ta­da” do que a que es­tá em tra­mi­ta­ção no Con­gres­so, pa­ra em um se­gun­do mo­men­to re­to­mar o de­ba­te mais apro­fun­da­do so­bre o sis­te­ma pre­vi­den­ciá­rio.

“Fei­to uma PEC [pro­pos­ta de emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal], não acre­di­to que num mes­mo mandato se apro­ve ou­tra”, pon­de­rou.

Lis­boa su­ge­riu se não se­ria mais viá­vel apro­var a PEC 287, que já tra­mi­ta no Con­gres­so, ape­sar de ela ter si­do bas­tan­te sim­pli­fi­ca­da. “Se­rá que não se­ria mais pru­den­te apro­var o que es­tá lá e de­pois uma pro­pos­ta mais am­pla?”, in­da­gou.

Taf­ner re­a­giu, afir­man­do que es­se ques­ti­o­na­men­to “é uma cas­ca de ba­na­na”. Pa­ra o eco­no­mis­ta da Fi­pe, se não for pos­sí­vel po­li­ti­ca­men­te apro­var uma re­for­ma mais pro­fun­da, ou se­ja, um no­vo tex­to, é me­lhor de fa­to apro­var a PEC 287, mas sem ex­pec­ta­ti­vas de que ha­ve­rá um no­vo mo­men­to de de­ba­te nes­te mandato. “Não acei­to bem es­sa ideia de que a gen­te faz is­so e de­pois faz ou­tra. Não faz. Tem que dar um ti­ro só”, afir­mou.

Har­tung des­ta­cou mais de uma vez o fa­to de a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia não ter si­do de­ba­ti­da du­ran­te a elei­ção pre­si­den­ci­al, o que, se­gun­do ele, di­fi­cul­ta a apro­va­ção das pro­pos­tas apre­sen­ta­das.

“Te­mos um pro­ble­ma. Na­da dis­so foi dis­cu­ti­do com a so­ci­e­da­de na cam­pa­nha elei­to­ral. O go­ver­no elei­to não tem uma pro­pos­ta cla­ra. Vo­cê pre­ci­sa sa­ber o que quer do Con­gres­so. Quan­do não sa­be, vi­ra um ba­te ca­be­ça só”, dis­se.

A re­for­ma pro­pos­ta por Taf­ner foi fei­ta por um gru­po de eco­no­mis­tas, en­tre os quais es­tá o ex­pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral Ar­mi­nio Fraga. Nos cál­cu­los da equi­pe, es­sa re­for­ma eco­no­mi­za­ria R$ 1,3 tri­lhão ao lon­go de dez anos, qua­se du­as ve­zes mais do que os R$ 490 bi­lhões que a PEC 287 po­de­ria tra­zer de eco­no­mia no mes­mo pe­río­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.