Em bre­ve, até 10 Es­ta­dos atra­sa­rão sa­lá­rio, pre­vê Lis­boa

Valor Econômico - - BRASIL - (ET)

O nú­me­ro de Es­ta­dos que atra­sam o pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os do fun­ci­o­na­lis­mo de­ve­rá che­gar a no­ve ou dez em um fu­tu­ro pró­xi­mo, se­gun­do o pre­si­den­te do Ins­per, Mar­cos Lis­boa. “Tal­vez o ca­so [dos Es­ta­dos] se­ja mais ur­gen­te” do que o da União, dis­se ele on­tem após o se­mi­ná­rio “A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e o ajus­te nos Es­ta­dos”, re­a­li­za­do no pró­prio Ins­per.

O eco­no­mis­ta des­ta­cou as di­fi­cul­da­des fis­cais en­fren­ta­das por Rio de Ja­nei­ro, Rio Gran­de do Sul, Mi­nas Ge­rais, Rio Gran­de do Nor­te, Goiás e Dis­tri­to Fe­de­ral. “E ou­tros vão en­trar nes­sa fi­la, por­que não fi­ze­ram ajus­tes”, dis­se Lis­boa. O cres­ci­men­to ace­le­ra­do dos gas­tos pre­vi­den­ciá­ri­os é apon­ta­do co­mo o prin­ci­pal mo­ti­vo da pi­o­ra das con­tas pú­bli­cas es­ta­du­ais.

De acor­do com o pre­si­den­te do Ins­per, há ca­sos de Es­ta­dos que, se qui­ses­sem pa­gar ho­je tu­do a que os apo­sen­ta­dos têm di­rei­to, “te­ri­am que fi­car 14 anos sem gas­tar mais na­da”.

No ano pas­sa­do, o Es­pí­ri­to San­to, um dos en­tes em si­tu­a­ção fis­cal mais con­for­tá­vel, pre­ci­sou ti­rar do cai­xa es­ta­du­al R$ 2 bi­lhões pa­ra co­brir o rom­bo do dé­fi­cit pre­vi­den­ciá­rio dos 36 mil ser­vi­do­res pú­bli­cos.

Pa­ra o go­ver­na­dor ca­pi­xa­ba, Pau­lo Har­tung, ta­ma­nho de­se­qui­lí­brio po­de le­var a uma es­pé­cie de efei­to do­mi­nó, com im­pac­to nos co­fres do go­ver­no fe­de­ral. “Os go­ver­na­do­res vão pe­dir di­nhei­ro pa­ra a União, e a União vai pe­dir pa­ra a ONU”, afir­mou.

Na vi­são do eco­no­mis­ta Pau­lo Taf­ner, a le­gis­la­ção atu­al não ofe­re­ce ins­tru­men­tos pa­ra que as ad­mi­nis­tra­ções es­ta­du­ais li­dem com os dé­fi­cits pre­vi­den­ciá­ri­os. “Se na­da for fei­to, es­ses go­ver­na­do­res que fo­ram elei­tos ou re­e­lei­tos es­ta­rão de pi­res na mão”, dis­se.

Sem re­for­mas, até os en­tes mais ri­cos se apro­xi­ma­rão do co­lap­so dos ser­vi­ços pú­bli­cos, se­gun­do Taf­ner. “São Pau­lo tam­bém vai en­trar em re­gi­me fa­li­men­tar”, afir­mou.

Atu­al­men­te, há pe­lo me­nos três Es­ta­dos com atra­sos sa­la­ri­ais: Mi­nas Ge­rais, Rio Gran­de do Sul e Rio Gran­de do Nor­te. O Rio de Ja­nei­ro re­gu­la­ri­zou re­cen­te­men­te os seus pa­ga­men­tos ao fun­ci­o­na­lis­mo.

O go­ver­no de Goiás, por sua vez, pa­gou os sa­lá­ri­os de ou­tu­bro com atra­so, ale­gan­do pro­ble­mas de “flu­xo de cai­xa”. Além dis­so, no úl­ti­mo dia 31, o go­ver­na­dor Jo­sé Eli­ton (PSDB), que não se re­e­le­geu, bai­xou um de­cre­to per­mi­tin­do que a fo­lha de pa­ga­men­to de de­zem­bro des­te ano se­ja em­pe­nha­da so­men­te em ja­nei­ro de 2019.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.