Fa­chin au­to­ri­za bus­ca e apre­en­são con­tra Ju­cá

Valor Econômico - - POLÍTICA - Luí­sa Mar­tins e Isa­do­ra Pe­ron

Com au­to­ri­za­ção do mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), a Po­lí­cia Fe­de­ral (PF) cum­priu on­tem no­ve man­da­dos de bus­ca e apre­en­são re­la­ci­o­na­dos a uma in­ves­ti­ga­ção que tra­mi­ta na Cor­te con­tra o se­na­dor Ro­me­ro Ju­cá (MDB-RR).

A Ope­ra­ção Ar­mis­tí­cio apu­ra se o par­la­men­tar re­ce­beu pro­pi­na da Ode­bre­cht pa­ra edi­tar uma re­so­lu­ção no Se­na­do que, em 2012, res­trin­giu a cha­ma­da “guer­ra fis­cal dos por­tos”. Os re­pas­ses te­ri­am so­ma­do cer­ca de R$ 4 mi­lhões.

Os fa­tos ilí­ci­tos fo­ram nar­ra­dos por exe­cu­ti­vos e ex-exe­cu­ti­vos da em­prei­tei­ra ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF), em seus acor­dos de de­la­ção pre­mi­a­da.

A re­so­lu­ção es­ta­be­le­ceu um per­cen­tu­al úni­co de 4% pa­ra to­dos os es­ta­dos na tri­bu­ta­ção dos pro­du­tos im­por­ta­dos. Com mes­ma alí­quo­ta do ICMS, a dis­pu­ta fis­cal en­tre as uni­da­des de fe­de­ra­ção che­ga­ria ao fim, com con­se­quen­te au­men­to de de­sem­bar­ques em seus res­pec­ti­vos por­tos.

“Nós não po­de­mos, com o mer­ca­do in­ter­no con­su­mi­dor que te­mos, dar as con­di­ções que es­ta­mos dan­do a pro­du­tos im­por­ta­dos pa­ra eles ve­nham aqui con­cor­rer con­tra o pro­du­to bra­si­lei­ro, com in­cen­ti­vo fis­cal”, dis­se Ju­cá, à épo­ca da edi­ção.

O ex-di­re­tor da Ode­bre­cht Cláudio Me­lo Fi­lho dis­se, em sua co­la­bo­ra­ção, que o fa­to de Ju­cá ter si­do “lí­der de vá­ri­os go­ver­nos” fez com que a em­prei­tei­ra o con­si­de­ras­se a “por­ta de en­tra­da” pa­ra ter seus in­te­res­ses aten­di­dos no Se­na­do. Após a apro­va­ção da norma, o se­na­dor te­ria co­bra­do a fa­tu­ra e pe­di­do “aju­da” pa­ra sua cam­pa­nha elei­to­ral.

Se­gun­do a PF, fo­ram se­te man­da­dos cum­pri­dos em São Pau­lo, um em San­tos e ou­tro em Cam­po Lim­po Pau­lis­ta. Não hou­ve, no en­tan­to, ne­nhu­ma me­di­da au­to­ri­za­da di­re­ta­men­te con­tra o se­na­dor. Os al­vos, man­ti­dos sob si­gi­lo, são pes­so­as que te­ri­am se be­ne­fi­ci­a­do da apro­va­ção da re­so­lu­ção do Se­na­do.

Em no­ta, Ju­cá afir­mou que não é al­vo da ope­ra­ção Ar­mis­tí­cio e que “já pres­tou to­das as in­for­ma­ções” so­bre a re­so­lu­ção da uni­for­mi­za­ção da alí­quo­ta de ICMS que foi apro­va­da no Se­na­do. Ele dis­se, ain­da, que tem co­bra­do rei­te­ra­da­men­te o an­da­men­to das in­ves­ti­ga­ções pa­ra que os fa­tos se­jam es­cla­re­ci­dos “o mais rá­pi­do pos­sí­vel”.

Seu ad­vo­ga­do, Antô­nio Car­los de Al­mei­da Cas­tro (Ka­kay), ar­gu­men­tou que, co­mo lí­der par­la­men­tar na oca­sião, Ju­cá con­ver­sou com di­ver­sas en­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas do se­tor, “o que é ab­so­lu­ta­men­te nor­mal e ocor­re em to­das as de­mo­cra­ci­as do mun­do”. Ele cri­ti­cou a cha­ma­da “cri­mi­na­li­za­ção” da ati­vi­da­de po­lí­ti­ca. “É aten­tar con­tra o Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.