Cen­tro avan­ça em con­ver­sas so­bre re­or­ga­ni­za­ção par­ti­dá­ria

Ne­go­ci­a­ções en­vol­vem Har­tung, Alck­min, Tas­so e Fran­ça

Valor Econômico - - POLÍTICA - Monica Gu­gli­a­no*, Ma­lu Del­ga­do e Vand­son Li­ma

For­ças de cen­tro, em sua mai­o­ria der­ro­ta­das nas elei­ções, já se mo­vi­men­tam em bus­ca de es­pa­ço no no­vo ce­ná­rio po­lí­ti­co. A frag­men­ta­ção da es­quer­da e a iminente ci­são do PSDB são cir­cuns­tân­ci­as po­lí­ti­cas que têm ace­le­ra­do en­ten­di­men­tos nos bas­ti­do­res. As con­ver­sas reú­nem até ex-ad­ver­sá­ri­os e po­dem re­sul­tar nu­ma das mai­o­res re­or­ga­ni­za­ções par­ti­dá­ri­as dos úl­ti­mos tem­pos. “As pes­so­as bo­as do país es­tão con­ver­san­do” dis­se ao Va­lor, um des­ses po­lí­ti­cos.

Go­ver­na­dor do Es­pí­ri­to San­to, Pau­lo Har­tung é um dos ar­ti­cu­la­do­res de uma sé­rie de con­ver­sas que têm ocor­ri­do, em di­fe­ren­tes fren­tes, pa­ra a for­ma­ção de um no­vo gru­po po­lí­ti­co — e pos­si­vel­men­te, de um no­vo par­ti­do, que agre­ga­ria des­de os tu­ca­nos Ge­ral­do Alck­min (pre­si­den­te na­ci­o­nal da si­gla) e o se­na­dor Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDBCE) até o atu­al go­ver­na­dor de São Pau­lo, Már­cio Fran­ça (PSB) e o pre­si­den­te da Fi­esp, Pau­lo Skaf (MDB), pas­san­do pe­lo se­cre­tá­rio da Ca­sa Ci­vil de São Pau­lo, o ex-deputado Al­do Re­be­lo (So­li­da­ri­e­da­de).

Har­tung, que anun­ci­ou on­tem sua saí­da do MDB, tem es­trei­ta­do ca­da vez mais re­la­ções com pos­sí­veis “no­vos ato­res” da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal nos pró­xi­mos anos, co­mo o gru­po Re­no­va-BR e o apre­sen­ta­dor de te­le­vi­são Lu­ci­a­no Huck, que se­ri­am os res­pon­sá­veis por dar uma ca­ra de “no­va po­lí­ti­ca” ao gru­po, se­gun­do in­ter­lo­cu­to­res.

Alck­min e Tas­so, por sua vez, jan­ta­ram na ter­ça-fei­ra na ca­sa do se­na­dor do Ce­a­rá e che­ga­ram à con­clu­são de que fi­ca­rá in­sus­ten­tá­vel pa­ra eles a per­ma­nên­cia no PSDB ca­so o fu­tu­ro go­ver­na­dor de São Pau­lo, João Do­ria, se­ja bem su­ce­di­do em sua bus­ca por to­mar o co­man­do par­ti­dá­rio e apro­xi­mar a si­gla do go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro.

A pi­or si­na­li­za­ção nes­se sen­ti­do, ava­li­am in­ter­lo­cu­to­res, veio on­tem, quan­do os ou­tros dois tu­ca­nos elei­tos go­ver­na­do­res (Edu­ar­do Lei­te, do Rio Gran­de do Sul, e Rei­nal­do Azam­bu­ja, do Ma­to Gros­so do Sul) e Do­ria, que já ha­vi­am apoi­a­do Bol­so­na­ro no se­gun­do tur­no, anun­ci­a­ram con­jun­ta­men­te apoio à agen­da do pre­si­den­te elei­to.

A insatisfação no PSDB não se en­cer­ra ape­nas em Tas­so e Alck­min .Em ar­ti­go pu­bli­ca­do no do­min­go, o ex­pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so já deu a se­nha à mo­vi­men­ta­ção e até a ba­ti­zou: o cen­tro ra­di­cal. “Não se tra­ta de es­pe­rar sem fa­zer na­da, nem de as­su­mir a po­si­ção fá­cil de cri­ti­car tu­do o que o go­ver­no fa­ça. A pos­si­bi­li­da­de de se cri­ar um “cen­tro” não amor­fo im­pli­ca to­mar par­ti­do com ba­se em va­lo­res e na ra­zão”, ar­gu­men­tou o ex-pre­si­den­te, de­fen­den­do “a for­ma­ção de um po­lo aglu­ti­na­dor”. “A con­so­li­da­ção de um no­vo mo­vi­men­to re­quer des­de já a pa­vi­men­ta­ção de ali­an­ças, não só no cír­cu­lo po­lí­ti­co, mas prin­ci­pal­men­te na so­ci­e­da­de, pa­ra for­mar um po­lo aglu­ti­na­dor da cons­tru­ção de um fu­tu­ro me­lhor”, dis­se o tu­ca­no.

Se­gun­do um di­ri­gen­te tu­ca­no, a cri­a­ção de um no­vo par­ti­do é al­go que só vai de fa­to en­trar na pau­ta de­pois que os par­ti­dos que não cum­pri­ram a cláu­su­la de bar­rei­ra se or­ga­ni­za­rem no Con­gres­so. Ha­ve­rá, cer­ta­men­te, fu­são de le­gen­das, e é pre­ci­so aguar­dar es­sa mo­vi­men­ta­ção, dis­se es­ta fon­te. To­das as con­ver­sas, con­fir­mou, ca­mi­nham, por ora, na aglu­ti­na­ção das for­ças de cen­tro, se­guin­do a de­fi­ni­ção de FHC.

De acor­do com um in­ter­lo­cu­tor do atu­al go­ver­na­dor de São Pau­lo, Fran­ça pas­sou a ser uma re­fe­rên­cia cru­ci­al na cons­tru­ção de um no­vo po­lo po­lí­ti­co por­que es­tá en­tre os 5 po­lí­ti­cos do Bra­sil que ti­ve­ram mais de 10 mi­lhões de vo­tos: o pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro (57 mi­lhões), Fer­nan­do Had­dad (47 mi­lhões), Ci­ro Go­mes (13 mi­lhões), João Do­ria (10,9 mi­lhões) e Fran­ça com, com 10,2 mi­lhões.

Um ali­a­do de Fran­ça ne­gou que a cri­a­ção de um no­vo par­ti­do te­nha en­tra­do ex­pli­ci­ta­men­te na pau­ta e que, no mo­men­to, as con­ver­sas bus­cam iden­ti­fi­car um com­por­ta­men­to uni­fi­ca­do de vá­ri­as for­ças e li­de­ran­ças, crí­ti­co ao go­ver­no Bol­so­na­ro, mas não sec­tá­rio. A Exe­cu­ti­va Na­ci­o­nal do PSB, por exem­plo, co­lo­cou-se na opo­si­ção a Bol­so­na­ro, mas fez res­sal­vas: “As idei­as que fo­ram eleitas são di­a­me­tral­men­te opos­tas ao que nós pen­sa­mos. Nem por is­so ire­mos nos ali­ar a uma opo­si­ção sis­te­má­ti­ca. Es­se não é o perfil do PSB”, afir­mou, em no­ta, a di­re­ção do par­ti­do.

No cam­po da es­quer­da, há uma evi­den­te dis­pu­ta en­tre o PT e ou­tro cam­po li­de­ra­do por Ci­ro Go­mes (PDT) e Ma­ri­na Sil­va (Re­de), que nes­ta se­ma­na já se en­con­tram e ace­nam uma apro­xi­ma­ção. A Re­de não cum­priu a cláu­su­la de bar­rei­ra (nú­me­ro mí­ni­mo de vo­tos dis­tri­buí­dos em 9 Es­ta­dos) e es­tu­da a fu­são a uma ou­tra le­gen­da pa­ra so­bre­vi­ver po­li­ti­ca­men­te.

JOEL SIL­VA/FO­LHA­PRESS — 10/2/2017

Har­tung: go­ver­na­dor é um dos ar­ti­cu­la­do­res de con­ver­sas pa­ra a for­ma­ção de um no­vo par­ti­do, que po­de­ria agre­gar Alck­min, Tas­so, Már­cio Fran­ça e Skaf

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.