Pa­re­cer não pro­vou que pro­je­to de re­a­jus­te cum­priu Cons­ti­tui­ção

Valor Econômico - - POLÍTICA - Aná­li­se Ri­ba­mar Oli­vei­ra

De Bra­sí­lia

O pa­re­cer pro­fe­ri­do em ple­ná­rio pe­lo se­na­dor Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-PE), na ses­são de ter­ça-fei­ra do Se­na­do que apro­vou o pro­je­to de lei com o re­a­jus­te de 16,38% do sub­sí­dio de mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) e dos sa­lá­ri­os de to­da a ma­gis­tra­tu­ra, não pro­vou que o au­men­to cum­priu o ar­ti­go 169 da Cons­ti­tui­ção.

O ar­ti­go 169 es­ta­be­le­ce que a con­ces­são de qu­al­quer van­ta­gem ou au­men­to de re­mu­ne­ra­ção de ser­vi­dor só po­de ser fei­ta se hou­ver pré­via do­ta­ção or­ça­men­tá­ria, su­fi­ci­en­te pa­ra aten­der às pro­je­ções de des­pe­sa de pes­so­al e aos acrés­ci­mos dela de­cor­ren­tes, e se hou­ver au­to­ri­za­ção es­pe­cí­fi­ca na Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as (LDO).

Pa­ra in­for­mar o im­pac­to or­ça­men­tá­rio e fi­nan­cei­ro do re­a­jus­te de 16,38%, o se­na­dor Co­e­lho ci­ta ofí­ci­os que o Se­na­do re­ce­beu da pre­si­dên­cia do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ) e da pre­si­dên­cia do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), am­bos emi­ti­dos em 24 de ju­nho de 2016.

Os da­dos apre­sen­ta­dos ao Se­na­do na ter­ça-fei­ra, por­tan­to, se re­fe­rem ao im­pac­to do re­a­jus­te nos Or­ça­men­to de 2016 e de 2017. Não há ava­li­a­ção so­bre o im­pac­to no Or­ça­men­to de 2019, que é quan­do o re­a­jus­te de 16,38% nos sub­sí­di­os dos mi­nis­tros do STF e nos sa­lá­ri­os da ma­gis­tra­tu­ra en­tra­rá em vi­gor.

As ava­li­a­ções do im­pac­to fo­ram fei­tas pe­lo CNJ e pe­lo STF an­tes da apro­va­ção da Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal 95/2016, que ins­ti­tuiu o te­to de gas­tos pa­ra to­dos os ór­gãos pú­bli­cos da União. Com ba­se nes­ses ofí­ci­os, Co­e­lho con­cluiu, em seu pa­re­cer, que as des­pe­sas de­cor­ren­tes da apro­va­ção do pro­je­to de re­a­jus­te, es­pe­ci­al­men­te pa­ra os exer­cí­ci­os de 2018, 2019 e 2020 “es­tão de­vi­da­men­te es­ti­ma­das e aten­dem aos li­mi­tes pre­vis­tos na Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal (LRF) e na Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal 95, de 2016”.

O se­na­dor não le­vou em con­si­de­ra­ção o pa­re­cer que o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça ela­bo­rou so­bre a pro­pos­ta or­ça­men­tá­ria do Po­der Ju­di­ciá­rio pa­ra 2019. O pa­re­cer do CNJ, que es­tá dis­po­ní­vel na in­ter­net, não faz qu­al­quer re­fe­rên­cia ao au­men­to de 16,38% na re­mu­ne­ra­ção dos juí­zes. Não foi fei­ta, por­tan­to, qu­al­quer ava­li­a­ção no im­pac­to or­ça­men­tá­rio da me­di­da em 2019 e nos anos se­guin­tes.

O re­la­tor não fez re­fe­rên­cia tam­bém ao fa­to de que a Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as, vá­li­da pa­ra 2019, não con­tém au­to­ri­za­ção es­pe­cí­fi­ca pa­ra o au­men­to do sub­sí­dio de mi­nis­tro do STF e nem dos sa­lá­ri­os dos ma­gis­tra­dos, co­mo exi­ge o ar­ti­go 169 da Cons­ti­tui­ção.

A LDO es­ta­be­le­ce ain­da que a des­pe­sa com au­men­to de re­mu­ne­ra­ção de ser­vi­do­res pre­ci­sa cons­tar de ane­xo es­pe­cí­fi­co (co­nhe­ci­do co­mo Ane­xo V) da pro­pos­ta or­ça­men­tá­ria de ca­da ano. A des­pe­sa pa­ra o re­a­jus­te de 16,38% dos sa­lá­ri­os dos juí­zes não cons­ta do Ane­xo V da pro­pos­ta or­ça­men­tá­ria de 2019, en­vi­a­da pe­lo go­ver­no ao Con­gres­so em 31 de agos­to pas­sa­do.

O fa­to é que al­guns ór­gãos do Po­der Ju­di­ciá­rio (es­pe­ci­al­men­te a Jus­ti­ça Fe­de­ral e a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho) es­tou­ra­ram os seus li­mi­tes de gas­to em 2017. O mes­mo acon­te­ce­rá, de acor­do com os da­dos dis­po­ní­veis, nes­te ano. O Ju­di­ciá­rio só cum­pre o te­to por­que es­tá sen­do com­pen­sa­do pe­lo Po­der Exe­cu­ti­vo, co­mo per­mi­te a Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal 95/2016 pe­lo pe­río­do de três anos.

Co­mo vá­ri­os ór­gãos do Ju­di­ciá­rio es­tão aci­ma de seus li­mi­tes, os téc­ni­cos do go­ver­no con­sul­ta­dos pe­lo Va­lor afir­mam que eles de­ve­ri­am ado­tar me­di­das pa­ra re­du­zir as su­as des­pe­sas e não au­men­tar os seus gas­tos com o pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os, co­mo ocor­re­rá com o re­a­jus­te de 16,38%.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.