Po­lí­ti­ca ex­ter­na de Trump de­ve fi­car ain­da mais er­rá­ti­ca

Valor Econômico - - INTERNACIONAL - Aná­li­se Edward Lu­ce

A ex­pres­são “pa­to man­co” (“la­me duck”, em in­glês, nor­mal­men­te usa­da pa­ra se re­fe­rir a um po­lí­ti­co em fim de mandato, com pou­co po­der e in­con­se­quen­te) é pou­co pa­ra des­cre­ver o que es­tá pa­ra acon­te­cer com Do­nald Trump. Em ca­sa, os de­mo­cra­tas es­pe­ram fa­zer con­fit de pa­to com a sua Pre­si­dên­cia. Es­ta é uma no­tí­cia ruim pa­ra os ali­a­dos dos EUA. Pre­si­den­tes em di­fi­cul­da­des ten­dem a abra­çar a fas­ci­na­ção do ce­ná­rio glo­bal. Ri­chard Ni­xon fez su­as mai­o­res mo­vi­men­ta­ções de po­lí­ti­ca ex­ter­na du­ran­te a cri­se de Wa­ter­ga­te. Mas Trump não é Ni­xon. E tam­bém não é ser­vi­do por um Henry Kis­sin­ger. Não há uma dou­tri­na Trump, e sim uma por­ção de ins­tin­tos “trum­pi­a­nos”. Es­ses fo­ram mais bem de­fi­ni­dos pe­la fra­se: “So­mos os EUA, sua va­dia”, di­ta nes­te ano por uma al­ta au­to­ri­da­de da Ca­sa Bran­ca.

A ques­tão é co­mo Trump usa­rá sua li­ber­da­de de mo­vi­men­to. O pri­mei­ro tes­te acon­te­ce­rá na Fran­ça, no fim de se­ma­na, quan­do ele par­ti­ci­pa­rá da ce­rimô­nia do cen­te­ná­rio do fim da Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al. A Ca­sa Bran­ca diz que ele não vai se en­con­trar com Vla­di­mir Putin. O Krem­lin diz que eles al­mo­ça­rão jun­tos no do­min­go.

Os úl­ti­mos dois anos dão pou­cas pis­tas so­bre em quem acre­di­tar. De to­do mo­do, Trump po­de­rá pre­fe­rir as pa­ra­das mi­li­ta­res na Fran­ça ao la­ma­çal de Washing­ton. Di­to is­so, se Trump se en­con­trar com Putin sem a pre­sen­ça de as­ses­so­res — co­mo fez em Hel­sin­ki, em ju­lho — a re­a­ção em ca­sa re­pre­sen­ta­ria uma ame­a­ça mai­or. Os de­mo­cra­tas têm po­der ago­ra de ini­ci­ar um pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment.

Ain­da as­sim, Trump tem mei­os de con­tra-ata­car. Ao con­trá­rio dos re­ve­ses nor­mais re­pre­sen­ta­dos pe­las elei­ções le­gis­la­ti­vas, a per­da do con­tro­le da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos pe­los re­pu­bli­ca­nos foi com­pen­sa­da por um re­for­ço da mai­o­ria re­pu­bli­ca­na no Se­na­do. É o Se­na­do que con­fir­ma as no­me­a­ções da Ca­sa Bran­ca. Is­so tor­na­rá mui­to mais fá­cil pa­ra Trump pre­en­cher car­gos no go­ver­no com quem ele qui­ser. Se ele qui­ser subs­ti­tuir Jim Mat­tis, o se­cre­tá­rio de De­fe­sa, por al­guém que se do­bre mais fa­cil­men­te á sua von­ta­de, o Se­na­do apro­va­rá is­so. Na mai­or par­te dos dois pri­mei­ros anos do mandato de Trump, a po­lí­ti­ca ex­ter­na foi res­trin­gi­da pe­lo gru­po cha­ma­do de “ei­xo de adul­tos”. Os dois anos res­tan­tes se­rão mar­ca­dos pe­los “trum­pi­a­nos” de car­tei­ri­nha.

Os re­sul­ta­dos das elei­ções de ter­ça-fei­ra tam­bém in­fun­di­rão cau­te­la aos ali­a­dos dos EUA. A mai­o­ria es­pe­ra­va um re­pú­dio to­tal a Trump. O que os ame­ri­ca­nos en­tre­ga­ram foi um re­pú­dio par­ci­al. Os re­pu­bli­ca­nos ele­ge­ram os go­ver­na­do­res de gran­des Es­ta­dos co­mo Fló­ri­da e Ohio, mui­to im­por­tan­tes na elei­ção pre­si­den­ci­al. Is­so su­ge­re que há chan­ces de Trump se re­e­le­ger em 2020. Há um im­pas­se na po­lí­ti­ca ex­ter­na de Trump, que pre­ga os “EUA em pri­mei­ro lu­gar”. Ela não po­de­rá ser des­car­ta­da co­mo uma aber­ra­ção. Mas tam­bém não po­de­rá ser fa­cil­men­te pre­vis­ta. Num mo­men­to, Trump ame­a­ça abo­lir o Naf­ta. No ou­tro, ele lan­ça o Naf­ta 2.0. O mes­mo se apli­ca com sua adu­la­ção ao di­ta­dor da Co­reia do Nor­te, Kim Jong-un, ten­do ele ini­ci­a­do seu mandato ame­a­çan­do jo­gar bom­bas no país. Con­for­me diz Tho­mas Wright do Bro­o­kings Ins­ti­tu­ti­on: “Trump con­duz sua po­lí­ti­ca ex­ter­na um pou­co co­mo con­du­zia o re­a­lity show ‘O apren­diz’. Há mui­tas re­vi­ra­vol­tas, mas ne­nhum en­re­do”.

Se há uma tra­ma que es­tá du­ran­do, é a guer­ra fria de Trump com a Chi­na. É pos­sí­vel que Trump con­cor­de com uma tré­gua quan­do se en­con­trar com Xi Jin­ping na cú­pu­la do G-20 (o gru­po que reú­ne as mai­o­res eco­no­mi­as do mun­do) nes­te mês. Mas ela não de­ve­rá du­rar. Quan­to mais Trump pres­si­o­na a Chi­na, mais Xi fi­ca in­tran­si­gen­te. Is­so tem o efei­to per­ver­so de cri­ar um con­sen­so bi­par­ti­dá­rio em Washing­ton de que é pre­ci­so ser mais du­ro com a Chi­na.

Os re­sul­ta­dos das elei­ções de ter­ça-fei­ra vão ape­nas agu­çar es­sa ten­dên­cia. Uma das mai­o­res vi­tó­ri­as dos de­mo­cra­tas foi a elei­ção, em Ohio, de Sher­rod Brown pa­ra o Se­na­do. Brown li­de­ra a ala pro­te­ci­o­nis­ta do Par­ti­do De­mo­cra­ta. No mês pas­sa­do, Eli­za­beth War­ren, que con­ti­nua sen­do uma das fa­vo­ri­tas en­tre os de­mo­cra­ta pa­ra dis­pu­tar a Pre­si­dên­cia em 2020, re­cla­mou que as ta­ri­fas pu­ni­ti­vas im­pos­tas por Trump à Chi­na não fo­ram lon­ge o su­fi­ci­en­te. Hou­ve isen­ções de­mais, dis­se ela.

Até os ami­gos da Chi­na es­tão per­den­do a pa­ci­ên­cia. Nes­ta se­ma­na, Hank Paul­son, ex-se­cre­tá­rio do Te­sou­ro dos EUA, dis­se que uma “cor­ti­na de fer­ro econô­mi­ca” es­tá des­cen­do en­tre os EUA e a Chi­na. Mes­mo sem Trump na Ca­sa Bran­ca, es­ta­mos en­tran­do num “lon­go in­ver­no” nas re­la­ções EUA-Chi­na. Trump acres­cen­ta uma im­pre­vi­si­bi­li­da­de ex­tra a is­so.

Ele pre­ten­de con­fron­tar a Chi­na? Ou con­tê-la? Na me­lhor das hi­pó­te­ses, Trump te­ria di­fi­cul­da­des pa­ra res­pon­der is­so cla­ra­men­te. Ago­ra, ele es­tá en­tran­do na pi­or das hi­pó­te­ses. Quan­to mais ele é pres­si­o­na­do em ca­sa, mai­or se­rá a ten­ta­ção de dei­xar sua mar­ca no ex­te­ri­or. Con­for­me en­tra­mos no se­gun­do ato, é di­fí­cil sa­ber se is­so é um bom ou mau agou­ro. Trump es­tá sen­do en­cur­ra­la­do. Apro­xi­me-se de­le com mui­ta cau­te­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.