Su­mi­ço do cré­di­to as­fi­xia a eco­no­mia na Ar­gen­ti­na

País só vol­ta­rá a cres­cer em 2020, pre­vê a Mo­ody’s

Valor Econômico - - INTERNACIONAL - Ca­ro­li­na Mil­lan e Ig­na­cio Oli­ve­ra Doll

O Ban­co Cen­tral da Ar­gen­ti­na se tor­nou uma es­pé­cie de to­ma­dor de em­prés­ti­mos de úl­ti­ma ins­tân­cia. É o úni­co lu­gar on­de os ban­cos po­dem dei­xar seu di­nhei­ro de for­ma se­gu­ra e lu­cra­ti­va, uma vez que o cré­di­to es­tá se­can­do nu­ma eco­no­mia em re­ces­são.

O mais re­cen­te pla­no do pre­si­den­te Mau­ri­cio Ma­cri, apoi­a­do por uma aju­da re­cor­de de US$ 56 bi­lhões do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI), re­sul­tou nas ta­xas de ju­ros mais al­tas do mun­do — elas es­tão ago­ra per­to de 70% ao ano. O ob­je­ti­vo é ti­rar di­nhei­ro de cir­cu­la­ção, fre­ar a in­fla­ção e pro­por­ci­o­nar apoio a uma mo­e­da que já per­deu me­ta­de de seu va­lor nes­te ano.

A equi­pe econô­mi­ca do go­ver­no Ma­cri quer que os ar­gen­ti­nos te­nham pe­sos, e não dó­la­res, e quer es­ses pe­sos man­ti­dos em de­pó­si­tos ban­cá­ri­os. Is­so es­tá co­me­çan­do a acon­te­cer. A mo­e­da es­ta­bi­li­zou-se no pri­mei­ro mês do pla­no do FMI, e os de­pó­si­tos a pra­zo fi­xo au­men­ta­ram.

Mas, de­pois de du­as dé­ca­das de vo­la­ti­li­da­de, atrair os ar­gen­ti­nos de vol­ta pa­ra a mo­e­da lo­cal não sai ba­ra­to. Os ban­cos es­tão ten­do que pa­gar mais de 50% de ju­ros so­bre es­ses de­pó­si­tos. Pa­ra ter lu­cro, eles pre­ci­sam em­pres­tar a ta­xas ain­da mai­o­res — e é di­fí­cil en­con­trar to­ma­do­res dig­nos de cré­di­to nu­ma re­ces­são.

É aí que entra o Ban­co Cen­tral. A ta­xa de com­pul­só­rio ban­cá­rio pa­ra os de­pó­si­tos a pra­zo é al­ta, de 25%. Mas o pre­si­den­te do BC, Gui­do San­dle­ris, per­mi­te aos ban­cos man­ter par­te des­sa re­ser­va em tí­tu­los de se­te di­as co­nhe­ci­dos co­mo Le­liqs, em vez de em di­nhei­ro.

As Le­liqs não ofe­re­cem ris­co — e pa­gam no mo­men­to mais de 68%. O BC ga­ran­tiu que es­sa ta­xa não cai­rá abai­xo de 60% até de­zem­bro. Is­so dá aos ban­cos uma mar­gem res­pei­tá­vel. Eles não te­rão gran­des re­tor­nos so­bre o pa­trimô­nio, da­da a in­fla­ção de 40%. Mes­mo as­sim, é um col­chão con­tra ou­tras pressões, que vão dos mai­o­res cus­tos de fi­nan­ci­a­men­to à que­da das re­cei­tas com comissões e um pro­vá­vel pi­co nos em­prés­ti­mos ina­dim­plen­tes, afir­ma Va­le­ria Az­co­ne­gui, ana­lis­ta Mo­ody’s In­ves­tors Ser­vi­ce.

En­quan­to is­so, em­pre­sas co­mo a CC Agro y Tec, que im­por­ta pro­du­tos ele­trô­ni­cos de con­su­mo, es­tão sen­do ex­pul­sas do sis­te­ma de cré­di­to, se­gun­do Diego Val­guar­ne­ra, seu di­re­tor fi­nan­cei­ro.

“Os ban­cos es­tão di­an­te da es­co­lha en­tre co­lo­car re­cur­sos num in­ves­ti­men­to que pra­ti­ca­men­te não ofe­re­ce ris­cos ou em­pres­tar es­ses re­cur­sos pa­ra as em­pre­sas, num mo­men­to em que o con­su­mo es­tá em que­da”, diz ele. “Eles es­co­lhem a pri­mei­ra op­ção.”

Após uma vi­si­ta re­cen­te a Ar­gen­ti­na, ana­lis­tas do JP Mor­gan dis­se­ram que há uma fal­ta de de­man­da por em­prés­ti­mos e de dis­po­si­ção de cor­rer ris­co pa­ra con­ce­dê-los, nu­ma eco­no­mia que en­co­lheu 4% no se­gun­do tri­mes­tre.

A Ar­gen­ti­na não vol­ta­rá a cres­cer an­tes de 2020, pre­vê a Mo­ody’s em re­la­tó­rio di­vul­ga­do on­tem. A agên­cia es­ti­ma uma con­tra­ção de 2,5% do PIB ar­gen­ti­no es­te ano e mais uma que­da de 1,5% em 2019.

A con­ces­são de fi­nan­ci­a­men­tos imo­bi­liá­ri­os caiu 50% des­de maio. As pe­que­nas em­pre­sas es­tão sen­do es­ma­ga­das. Os che­ques pré-da­ta­dos se tor­na­ram a for­ma de fi­nan­ci­a­men­to pre­fe­ri­da de­las, pois per­mi­tem aos cli­en­tes pa­gar em pra­zos que va­ri­am de 30 a 90 di­as. Is­so es­tá sen­do es­ti­ca­do pa­ra até 150 di­as, e as em­pre­sas pre­ci­sam pa­gar ju­ros ca­da vez mai­o­res pe­la com­pen­sa­ção an­te­ci­pa­da.

“É uma com­bi­na­ção su­fo­can­te”, diz Pe­dro Cas­ca­les, da Câ­ma­ra das Pe­que­nas e Mé­di­as Em­pre­sas, que representa 500 mil com­pa­nhi­as. “As em­pre­sas não con­se­guem pa­gar os for­ne­ce­do­res por­que as ven­das caí­ram ou os cli­en­tes es­tão atra­san­do seus pa­ga­men­tos.”

Mas, se tu­do ocor­rer con­for­me pla­ne­ja­do, o BC po­de­rá re­du­zir as ta­xas das Le­liqs e co­lo­car mais pe­sos em cir­cu­la­ção, com o re­tor­no da con­fi­an­ça. Mas há mui­tos ris­cos ao pro­gra­ma do FMI — in­cluin­do um po­lí­ti­co. Ma­cri vai con­cor­rer à re­e­lei­ção em ou­tu­bro de 2019.

Os ban­cos po­dem es­pe­rar, mas não se sa­be por quan­to tem­po seus cli­en­tes na eco­no­mia re­al aguen­ta­rão. Pe­dro Dra­gun, di­re­tor de pes­qui­sas da União In­dus­tri­al Ar­gen­ti­na, diz en­ten­der que a po­lí­ti­ca de ju­ros al­tos é uma ten­ta­ti­va de re­du­zir a de­man­da por dó­la­res. “Mas is­so tem um efei­to bas­tan­te ad­ver­so so­bre os se­to­res pro­du­ti­vos. Pre­ci­sa­mos que os ju­ros cai­am lo­go, an­tes que a eco­no­mia afun­de.” Fi­nan­ci­al Ti­mes, de Washing­ton

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.