Por que que­rem im­pe­dir o cres­ci­men­to da ener­gia so­lar?

Ge­ra­ção dis­tri­buí­da co­lo­ca o con­su­mi­dor no cen­tro das de­ci­sões. Por Ronaldo Ko­los­zuk e Ro­dri­go Sau­aia

Valor Econômico - - OPINIÃO -

Afon­te so­lar fo­to­vol­tai­ca vi­ve um cres­ci­men­to con­si­de­rá­vel no Bra­sil, com be­ne­fí­ci­os econô­mi­cos, so­ci­ais e am­bi­en­tais ca­da vez mais im­por­tan­tes. O país pos­sui uma po­tên­cia ins­ta­la­da de mais de 1,6 gi­gawatts (GW), to­tal al­can­ça­do por me­nos de 30 paí­ses no mun­do. A Em­pre­sa de Pes­qui­sa Ener­gé­ti­ca (EPE) projeta que a fon­te de­ve­rá re­pre­sen­tar mais de 10% da ma­triz elé­tri­ca em 2030, en­quan­to ho­je representa me­nos de 1%.

Na ge­ra­ção dis­tri­buí­da so­lar fo­to­vol­tai­ca, o Bra­sil aca­ba de ul­tra­pas­sar 350 me­gawatts (MW). São 37 mil sis­te­mas co­nec­ta­dos à re­de, que trou­xe­ram mais de R$ 2,5 bi­lhões em no­vos in­ves­ti­men­tos des­de 2012, pro­por­ci­o­nan­do eco­no­mia e sus­ten­ta­bi­li­da­de am­bi­en­tal a 44 mil re­si­dên­ci­as, co­mér­ci­os, in­dús­tri­as, pro­du­to­res ru­rais e pré­di­os pú­bli­cos, co­mo es­co­las e hos­pi­tais.

Pres­si­o­na­dos pe­los cus­tos da ener­gia elé­tri­ca, os con­su­mi­do­res bus­cam op­ções pa­ra en­fren­tar os pe­sa­dos au­men­tos nas ta­ri­fas. A ge­ra­ção dis­tri­buí­da so­lar fo­to­vol­tai­ca se des­ta­ca co­mo uma so­lu­ção com­pe­ti­ti­va e sus­ten­tá­vel: os pre­ços dos sis­te­mas caí­ram 75% na úl­ti­ma dé­ca­da e o tem­po de re­tor­no so­bre o in­ves­ti­men­to di­mi­nuiu, tra­zen­do re­du­ções de até 90% nas con­tas de ener­gia elé­tri­ca.

A ge­ra­ção dis­tri­buí­da so­lar fo­to­vol­tai­ca co­me­ça, po­rém, a in­co­mo­dar gran­des gru­pos econô­mi­cos, tra­di­ci­o­nais e con­ser­va­do­res no se­tor elé­tri­co. Um for­te lobby, en­cam­pa­do por en­ti­da­des que re­pre­sen­tam as dis­tri­bui­do­ras, tem pres­si­o­na­do au­to­ri­da­des pa­ra al­te­rar im­por­tan­tes re­gu­la­men­ta­ções que di­na­mi­za­ram o mer­ca­do. Em es­pe­ci­al, a bem-su­ce­di­da com­pen­sa­ção de cré­di­tos de ener­gia elé­tri­ca pa­ra sis­te­mas de mi­cro­ge­ra­ção e mi­ni­ge­ra­ção dis­tri­buí­da tem si­do al­vo de pesadas in­ves­ti­das.

O mo­ti­vo é fi­nan­cei­ro: ao em­po­de­rar os con­su­mi­do­res, tor­nan­do-os pro­du­to­res ati­vos de sua pró­pria ener­gia re­no­vá­vel e mais in­de­pen­den­tes, a ge­ra­ção dis­tri­buí­da so­lar fo­to­vol­tai­ca ame­a­ça as re­cei­tas e lu­cros de dis­tri­bui­do­ras que não se adap­ta­rem à no­va re­a­li­da­de do mer­ca­do.

A in­ten­ção do lobby é mu­dar as re­gras, pa­ra que con­su­mi­do­res com ge­ra­ção dis­tri­buí­da pa­guem mais pe­las re­des de distribui­ção, sob a alega­ção de que o im­pac­to ta­ri­fá­rio de su­pos­tos sub­sí­di­os cru­za­dos se­ria de 0,1% pa­ra ca­da 50 mil uni­da­des con­su­mi­do­ras. Os nú­me­ros, no en­tan­to, não ba­tem.

Os da­dos da Agên­cia Na­ci­o­nal de Ener­gia Elé­tri­ca (Ane­el) in­di­cam que a re­du­ção de re­cei­ta mé­dia pa­ra as dis­tri­bui­do­ras, com o cres­ci­men­to da ge­ra­ção dis­tri­buí­da pa­ra 150 mil uni­da­des con­su­mi­do­ras até 2020, se­ria in­fe­ri­or a 0,1%. Já o im­pac­to mé­dio nas ta­ri­fas dos con­su­mi­do­res se­ria de me­nos de 1%, con­si­de­ran­do to­do o acu­mu­la­do no pe­río­do de 2015 a 2020.

Os va­lo­res são ir­ri­só­ri­os quan­do com­pa­ra­dos aos re­a­jus­tes ta­ri­fá­ri­os co­bra­dos anu­al­men­te dos con­su­mi­do­res pe­las dis­tri­bui­do­ras. Em 2017, o re­a­jus­te mé­dio anu­al das ta­ri­fas das dis­tri­bui­do­ras foi su­pe­ri­or a 10%, fren­te a uma in­fla­ção de 2,95%. Pa­ra 2018, a pre­vi­são é ain­da pi­or: o au­men­to fi­ca­rá en­tre 10% e 15% em mé­dia, pe­san­do no bol­so da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra.

To­do con­su­mi­dor com ge­ra­ção dis­tri­buí­da já pa­ga pe­lo cus­to de dis­po­ni­bi­li­da­de da re­de de distribui­ção, res­pon­sá­vel pe­lo ra­teio de cus­tos da in­fra­es­tru­tu­ra das dis­tri­bui­do­ras, con­for­me re­gu­la­men­ta a Ane­el. Es­se pa­ga­men­to tam­bém é fei­to no ca­so de pro­je­tos de mé­dio por­te co­nec­ta­dos em mé­dia ten­são, via pe­sa­dos cus­tos de de­man­da so­bre as usi­nas de ge­ra­ção dis­tri­buí­da. Por ve­zes, os em­pre­en­de­do­res de ge­ra­ção dis­tri­buí­da ar­cam, in­clu­si­ve, com uma par­te dos cus­tos de re­for­ço da re­de, do­an­do pos­te­ri­or­men­te es­tes reforços pa­ra as dis­tri­bui­do­ras.

Ain­da é mui­to ce­do, por­tan­to, pa­ra qu­al­quer al­te­ra­ção na com­pen­sa­ção de ener­gia elé­tri­ca da ge­ra­ção dis­tri­buí­da. Faltam es­tu­dos da Ane­el, trans­ver­sais, quan­ti­ta­ti­vos, qua­li­fi­ca­dos, apro­fun­da­dos e isen­tos, que ava­li­em os be­ne­fí­ci­os (am­bi­en­tais, econô­mi­cos, so­ci­ais e elé­tri­cos) e even­tu­ais cus­tos da ge­ra­ção dis­tri­buí­da pa­ra a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra. Só a par­tir des­ta aná­li­se te­re­mos da­dos pa­ra pro­por apri­mo­ra­men­tos re­gu­la­tó­ri­os com pro­pri­e­da­de.

Na Ca­li­fór­nia (EUA), por exem­plo, os in­ves­ti­men­tos da po­pu­la­ção em ge­ra­ção dis­tri­buí­da e efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca trou­xe­ram uma eco­no­mia de US$ 2,6 bi­lhões aos ca­li­for­ni­a­nos, com o can­ce­la­men­to de 20 pro­je­tos de trans­mis­são e re­du­ção de 21 pro­je­tos de re­for­ço de re­de. Am­bos se­ri­am ne­ces­sá­ri­os, ca­so a ener­gia elé­tri­ca fos­se tra­zi­da de fo­ra das ci­da­des pa­ra aten­der os con­su­mi­do­res, po­rém a ge­ra­ção dis­tri­buí­da so­lar fo­to­vol­tai­ca ins­ta­la­da pe­los con­su­mi­do­res su­priu gran­de par­te da no­va de­man­da por ele­tri­ci­da­de e evi­tou ou ali­vi­ou es­tes cus­tos pa­ra to­dos os con­su­mi­do­res.

Tam­bém é fal­so di­zer que ener­gia so­lar fo­to­vol­tai­ca é tec­no­lo­gia ape­nas pa­ra os ri­cos, mui­to pe­lo con­trá­rio. A fon­te — ain­da em pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to no país — é uma das mais de­mo­crá­ti­cas e so­ci­al­men­te aces­sí­veis pa­ra con­su­mi­do­res de to­das as clas­ses so­ci­ais. Por is­so, a tec­no­lo­gia tem si­do in­cor­po­ra­da em ca­sas po­pu­la­res, co­mo nos pro­gra­mas ha­bi­ta­ci­o­nais do CDHU-SP, AGEHAB-GO e no Pro­gra­ma Mi­nha Ca­sa Mi­nha Vi­da, do go­ver­no fe­de­ral, ali­vi­an­do os cus­tos da po­pu­la­ção mais vul­ne­rá­vel, pa­ra que pos­sam me­lho­rar a ali­men­ta­ção, saú­de, edu­ca­ção, trans­por­te e qua­li­da­de de vi­da.

A ge­ra­ção dis­tri­buí­da so­lar fo­to­vol­tai­ca co­lo­ca o con­su­mi­dor no cen­tro das de­ci­sões. Por is­so, no­ve em ca­da dez bra­si­lei­ros quer ge­rar ener­gia re­no­vá­vel em sua re­si­dên­cia, con­for­me ates­ta pes­qui­sa do Ibo­pe In­te­li­gên­cia de 2018. É de­ver dos lí­de­res pú­bli­cos aten­der aos an­sei­os da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra. O cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel do Bra­sil se­rá po­ten­ci­a­li­za­do pe­lo uso da ener­gia so­lar fo­to­vol­tai­ca co­mo po­lí­ti­ca pú­bli­ca es­tra­té­gi­ca pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co, so­ci­al e am­bi­en­tal, con­tri­buin­do pa­ra di­ver­si­fi­car a ma­triz elé­tri­ca, ge­ran­do mi­lha­res de em­pre­gos, re­du­zin­do a quei­ma de com­bus­tí­veis fós­seis, am­pli­an­do a li­ber­da­de do con­su­mi­dor, es­ti­mu­lan­do a ca­deia pro­du­ti­va, re­du­zin­do per­das e tra­zen­do eco­no­mia pa­ra os ci­da­dãos, as em­pre­sas e os go­ver­nos.

Há um lobby pa­ra que os con­su­mi­do­res com ge­ra­ção dis­tri­buí­da pa­guem mais pe­las re­des de distribui­ção

AKIO KON/BLO­OM­BERG

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.