Ce­ná­rio ex­ter­no pa­ra 2019

Valor Econômico - - OPINIÃO - Ar­man­do Cas­te­lar Pi­nhei­ro

Na ata di­vul­ga­da es­ta se­ma­na, o Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria vol­tou a en­fa­ti­zar que fu­tu­ras de­ci­sões so­bre a ta­xa Se­lic vão de­pen­der, en­tre ou­tros, da evo­lu­ção do que cha­ma­ram de “ris­cos al­tis­tas pa­ra a in­fla­ção“. A ata ci­ta dois des­ses ris­cos, sen­do um de­les a con­jun­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal, em es­pe­ci­al pa­ra as eco­no­mi­as emer­gen­tes. Trans­pa­re­ce da ata uma pre­o­cu­pa­ção de que es­sa con­jun­tu­ra pos­sa se tor­nar mais di­fí­cil do que a des­te ano.

Re­la­tó­ri­os do FMI pu­bli­ca­dos no mês pas­sa­do tam­bém tra­zem a vi­são de pi­o­ra no qua­dro ex­ter­no, em es­pe­ci­al pa­ra emer­gen­tes. No seu World Eco­no­mic Ou­tlo­ok, o Fun­do re­du­ziu em 0,2 pon­to per­cen­tu­al (pp) o cres­ci­men­to pro­je­ta­do do PIB mun­di­al, com um cor­te de 0,4 pp pa­ra os paí­ses emer­gen­tes. No seu Glo­bal Sta­bi­lity Re­port, a ins­ti­tui­ção en­fa­ti­za o ris­co pa­ra es­ses paí­ses de uma for­te saí­da de ca­pi­tais, em um con­tex­to de con­di­ções fi­nan­cei­ras glo­bais mais aper­ta­das.

Os fa­to­res por trás des­sa pi­o­ra do qua­dro ex­ter­no são co­nhe­ci­dos há al­gum tem­po. É o ca­so da gra­du­al re­du­ção dos es­tí­mu­los mo­ne­tá­ri­os in­tro­du­zi­dos pe­los ban­cos cen­trais dos paí­ses ri­cos após a cri­se de 2008-09. Es­ta se­ma­na, por exem­plo, o Ban­co do Ja­pão apon­tou que não acre­di­ta que o país ain­da pre­ci­se dos for­tes es­tí­mu­los mo­ne­tá­ri­os dos úl­ti­mos anos. O Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu (BCE) re­du­ziu mês pas­sa­do o vo­lu­me de com­pras de tí­tu­los no mer­ca­do e con­fir­mou no fi­nal de ou­tu­bro que vai en­cer­rar o pro­gra­ma de “afrou­xa­men­to quan­ti­ta­ti­vo” na vi­ra­da do ano e que es­pe­ra co­me­çar a su­bir os ju­ros no úl­ti­mo tri­mes­tre de 2019.

O BCE vai pa­rar de au­men­tar li­qui­dez, mas vai dei­xar no mer­ca­do os cer­ca de US$ 3 tri­lhões que ne­le in­je­tou nos úl­ti­mos anos. O Fed, o ban­co cen­tral ame­ri­ca­no, por sua vez, já es­tá re­du­zin­do a li­qui­dez, con­train­do seu ba­lan­ço ao rit­mo de US$ 50 bi­lhões men­sais, além de vir su­bin­do os ju­ros. Ele si­na­li­za com mais uma al­ta de 0,25 pp em de­zem­bro, três al­tas em 2019 e ou­tra em 2020.

Es­sa re­du­ção de es­tí­mu­los mo­ne­tá­ri­os, ain­da que su­a­ve, já es­tá afe­tan­do a ati­vi­da­de, co­mo no ca­so dos se­to­res de cons­tru­ção e au­to­mó­veis nos EUA, mais sen­sí­veis ao cus­to do cré­di­to. Ain­da que a al­ta anu­a­li­za­da de 3,5% do PIB ame­ri­ca­no no ter­cei­ro tri­mes­tre de 2018 ra­ti­fi­que a ex­pec­ta­ti­va de uma ex­pan­são de 3% es­te ano, o rit­mo de ati­vi­da­de de­ve es­fri­ar um pou­co ano que vem. Além dos ju­ros mais al­tos, con­tri­bui­ri­am pa­ra is­so o im­pul­so fis­cal mais fraco e a al­ta nos cus­tos das em­pre­sas, re­du­zin­do a ren­ta­bi­li­da­de de no­vos in­ves­ti­men­tos.

eco­no­mia da Chi­na tam­bém vem per­den­do gás, de­vi­do à po­li­ti­ca do atu­al go­ver­no de de­sa­ce­le­rar a ex­pan­são do cré­di­to, em par­ti­cu­lar fo­ra do sis­te­ma ban­cá­rio. Se­to­res im­por­tan­tes pa­ra a eco­no­mia chi­ne­sa, co­mo o de cons­tru­ção imo­bi­liá­ria, con­ti­nu­am in­do bem, mas os in­ves­ti­men­tos em in­fra­es­tru­tu­ra e as ven­das de au­to­mó­veis, por exem­plo, já caí­ram um pou­co de rit­mo. So­mam-se a is­so os efei­tos das ta­ri­fas im­pos­tas pe­los EUA às im­por­ta­ções da Chi­na, as­sim co­mo das res­tri­ções ao aces­so de em­pre­sas chi­ne­sas a tec­no­lo­gi­as ame­ri­ca­nas.

O im­pac­to da “guer­ra co­mer­ci­al” foi pe­que­no até aqui, mas vai cres­cer em 2019, em par­ti­cu­lar se aba­lar a con­fi­an­ça em­pre­sa­ri­al. Há a ex­pec­ta­ti­va de que se evi­te o pi­or via ne­go­ci­a­ções di­re­tas en­tre os pre­si­den­tes dos dois paí­ses no en­con­tro do G-20 es­te mês em Bu­e­nos Aires. Po­rém, es­sas não vão al­te­rar o po­si­ci­o­na­men­to mais am­plo dos EUA, de re­du­zir o en­ga­ja­men­to en­tre as eco­no­mi­as dos dois paí­ses, o que ele­va a per­cep­ção de ris­co em­pre­sa­ri­al. Es­ta se­ma­na, por exem­plo, o ex-se­cre­tá­rio Henry Paul­son fa­lou do ris­co de se cri­ar uma “Cor­ti­na de Fer­ro” en­tre as du­as eco­no­mi­as.

O me­nor cres­ci­men­to chi­nês afe­ta a Eu­ro­pa, pe­lo ca­nal das ex­por­ta­ções. Es­ta tam­bém se res­sen­te das rus­gas co­mer­ci­ais com os EUA e, prin­ci­pal­men­te, dos ris­cos po­lí­ti­cos as­so­ci­a­dos à saí­da do Rei­no Uni­do da União Eu­ro­peia (UE) e da re­sis­tên­cia do no­vo go­ver­no ita­li­a­no em cum­prir as re­gras fis­cais da UE.

Em prin­cí­pio, por­tan­to, é um ce­ná­rio de de­sa­ce­le­ra­ção, com con­di­ções fi­nan­cei­ras glo­bais me­nos frou­xas, mas não um qua­dro que ge­re gran­des pre­o­cu­pa­ções. Es­tas po­dem ser reduzidas ain­da mais se o pe­tró­leo con­ti­nu­ar cain­do de pre­ço, o que aliA vi­a­ria a pres­são so­bre a in­fla­ção de emer­gen­tes e, nos gran­des im­por­ta­do­res, co­mo Ín­dia e Tur­quia, as con­tas ex­ter­nas.

O ris­co, po­rém, é que es­se pro­ces­so saia do con­tro­le. Há es­pe­ci­al pre­o­cu­pa­ção com as re­per­cus­sões da guer­ra co­mer­ci­al en­tre os EUA e a Chi­na e com o rit­mo de al­ta dos ju­ros nos EUA. Nes­te ca­so, não só pe­la atu­a­ção do Fed, mas tam­bém de­vi­do ao cres­cen­te dé­fi­cit pú­bli­co do país, em que pese a eco­no­mia ir bem. Uma al­ta mais for­te do ren­di­men­to dos tí­tu­los do Te­sou­ro ame­ri­ca­no po­de ge­rar uma correção no pre­ço de ações e tí­tu­los de dívida cor­po­ra­ti­va, com re­per­cus­sões glo­bais.

Em um pri­mei­ro ins­tan­te, uma que­da mais for­te do cres­ci­men­to chi­nês e/ou do pre­ço dos ati­vos fi­nan­cei­ros ame­ri­ca­nos se­ria ruim pa­ra os emer­gen­tes. Mas é pos­sí­vel que, nes­se ca­so, o Fed re­a­ja abran­dan­do a al­ta dos ju­ros, o que en­fra­que­ce­ria o dó­lar, com im­pac­tos fa­vo­rá­veis pa­ra emer­gen­tes. Não se­ria um ce­ná­rio de to­do ruim pa­ra o Bra­sil.

Há es­pe­ci­al pre­o­cu­pa­ção com as re­per­cus­sões da guer­ra co­mer­ci­al EUA e a Chi­na e com o rit­mo de al­ta de ju­ros ame­ri­ca­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.