A tra­gé­dia de An­ge­la Mer­kel

Ao con­tem­po­ri­zar, chan­ce­ler se re­cu­sou a in­ves­tir no fu­tu­ro da Ale­ma­nha. Por Asho­ka Mody

Valor Econômico - - OPINIÃO - (Tra­du­ção de Ra­chel Wars­zaws­ki)

Oque mais nos im­por­ta é, mui­tas ve­zes, a cau­sa da nos­sa ruí­na. Foi is­so o que acon­te­ceu com An­ge­la Mer­kel, que re­cen­te­men­te anun­ci­ou sua in­ten­ção de dei­xar o car­go de pre­si­den­te do par­ti­do União De­mo­cra­ta Cris­tã (CDU, nas ini­ci­ais em alemão) em de­zem­bro e o de pre­miê da Ale­ma­nha em 2021.

A his­tó­ria co­lo­cou Mer­kel em meio a vi­o­len­tas tem­pes­ta­des: uma sé­rie de cri­ses na zo­na do eu­ro que cri­a­ram dis­cór­dia en­tre os eu­ro­peus; ten­sões econô­mi­cas em seu país que ali­men­ta­ram a frag­men­ta­ção so­ci­al; e a mai­or on­da mi­gra­tó­ria des­de a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, que in­ten­si­fi­cou as afli­ções eu­ro­pei­as e in­ter­nas. Mas em vez de pôr a es­ta­bi­li­da­de do bar­co em ris­co, co­lo­can­do em pe­ri­go sua pró­pria so­bre­vi­vên­cia, ela op­tou por so­lu­ções pa­li­a­ti­vas tem­po­rá­ri­as que le­va­ram ao agra­va­men­to das vul­ne­ra­bi­li­da­des.

Tal­vez o nervosismo de sua as­cen­são ao car­go de pre­miê a te­nha con­di­ci­o­na­do. Nas elei­ções de se­tem­bro de 2005, ela usu­fruiu de uma gran­de di­an­tei­ra ini­ci­al nas pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to. O en­tão pre­miê Gerhard Schrö­der não con­se­gui­ra re­du­zir a ta­xa de de­sem­pre­go, que per­ma­ne­cia em qua­se 12%, e seu Par­ti­do So­ci­al De­mo­cra­ta ti­nha si­do der­ro­ta­do em uma sé­rie de elei­ções es­ta­du­ais. Mas a pre­ca­ri­e­da­de da di­vul­ga­ção da­da por Mer­kel a su­as pri­o­ri­da­des de po­lí­ti­ca pú­bli­ca, a par de seu de­sem­pe­nho me­dío­cre nos de­ba­tes, qua­se lhe cus­tou a elei­ção.

Nas elei­ções sub­se­quen­tes, Mer­kel se re­cu­sou a fa­zer cam­pa­nha so­bre só­li­das ques­tões de po­lí­ti­ca pú­bli­ca. Em 2009, sua cam­pa­nha foi de­li­be­ra­da­men­te en­te­di­an­te e ba­nal. Após ter dei­xa­do de de­ter­mi­nar uma pla­ta­for­ma po­lí­ti­ca cla­ra, Mer­kel go­ver­nou, em gran­de me­di­da, sem cre­di­bi­li­da­de. Após ca­da elei­ção, di­ver­sos gru­pos de in­te­res­se ali­men­ta­vam a es­pe­ran­ça de que ela ado­ta­ria uma po­si­ção fa­vo­ra­vel­men­te ali­nha­da com su­as pre­fe­rên­ci­as es­pe­cí­fi­cas. Mas ela sa­bia que re­cu­sar-se a is­so era pre­ci­sa­men­te o que ti­nha lhe per­mi­ti­do so­bre­vi­ver.

A pre­fe­rên­cia de Mer­kel por ir ga­ran­tin­do sua per­ma­nên­cia po­lí­ti­ca a du­ras pe­nas fi­cou evi­den­te no tra­ta­men­to que deu à re­for­ma da zo­na do eu­ro. Ela sa­bia, ha­via mui­to, que cor­ri­gir a união mo­ne­tá­ria exi­gi­ria que ela fi­zes­se um ape­lo po­li­ti­ca­men­te ar­ris­ca­do aos ale­mães em fa­vor de sa­cri­fí­cio fi­nan­cei­ro. Di­an­te dis­so, te­me­ro­sa de se in­dis­por com os ale­mães,

A pre­fe­rên­cia de Mer­kel por ir ga­ran­tin­do sua per­ma­nên­cia po­lí­ti­ca a du­ras pe­nas fi­cou evi­den­te no tra­ta­men­to que deu à re­for­ma da zo­na do eu­ro. Ela sa­bia, que cor­ri­gir a união mo­ne­tá­ria exi­gi­ria um ape­lo ar­ris­ca­do aos ale­mães em fa­vor de sa­cri­fí­cio fi­nan­cei­ro

Mer­kel fez sis­te­ma­ti­ca­men­te o mí­ni­mo pa­ra man­ter a co­e­são da zo­na do eu­ro. Ela acei­tou — após um atra­so exas­pe­ran­te — que União Eu­ro­peia (UE) e Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) con­ce­des­sem um pa­co­te de cré­di­to con­jun­to à Gré­cia, em maio de 2010. Is­so le­vou à cri­a­ção de uma li­nha de cré­di­to mais per­ma­nen­te, o Me­ca­nis­mo de Es­ta­bi­li­za­ção Eu­ro­peu.

Além dis­so, du­ran­te a cri­se exis­ten­ci­al do eu­ro de ju­lho de 2012, Mer­kel apoi­ou a ini­ci­a­ti­va do pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu, Ma­rio Draghi, de cri­ar um me­ca­nis­mo de “tran­sa­ções mo­ne­tá­ri­as di­re­tas” por meio do qual o BCE po­de­ria com­prar os bô­nus de paí­ses da zo­na do eu­ro às vol­tas com pro­ble­mas fi­nan­cei­ros. Em­bo­ra es­ses ar­ran­jos te­nham con­tri­buí­do pa­ra evi­tar que a zo­na do eu­ro vi­es­se abai­xo, não fo­ram su­fi­ci­en­tes pa­ra ga­ran­tir a ca­pa­ci­da­de de su­pe­ra­ção de lon­go pra­zo da união mo­ne­tá­ria — uma fa­lha que dei­xou a zo­na do eu­ro vul­ne­rá­vel à cri­se da Itália, em fer­men­ta­ção.

Mer­kel foi der­ru­ba­da pe­la po­si­ção ín­te­gra que as­su­miu. Em 2015, quan­do a Eu­ro­pa es­ta­va sen­do inun­da­da por pes­so­as em bus­ca de asi­lo e por mi­gran­tes econô­mi­cos, Mer­kel anun­ci­ou uma po­lí­ti­ca de por­tas aber­tas pa­ra re­fu­gi­a­dos sí­ri­os. Quan­do o pre­miê na­ci­o­na­lis­ta da Hun­gria, Vik­tor Or­bán, su­ge­riu que a Ale­ma­nha cons­truís­se uma cer­ca pa­ra im­pe­dir o in­gres­so de mi­gran­tes, ela ver­teu ra­ra (e pri­má­ria) emo­ção. Re­cor­dan­do sua cri­a­ção na en­tão Ale­ma­nha Ori­en­tal, ela dis­se: “Vi­vi por mui­to tem­po atrás de uma cer­ca. Não é coi­sa que eu gos­ta­ria de fa­zer de no­vo”.

O sen­so hu­ma­ni­tá­rio de Mer­kel lhe gran­je­ou elo­gi­os da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal. Mas, in­ter­na­men­te, ga­nhou im­pul­so a opo­si­ção à sua po­lí­ti­ca pa­ra os re­fu­gi­a­dos. A Al­ter­na­ti­ve für Deuts­ch­land (AfD), cri­a­da em fe­ve­rei­ro de 2013 pa­ra fa­zer opo­si­ção ao eu­ro, ga­nhou no­vo alen­to co­mo es­tri­den­te par­ti­do na­ci­o­na­lis­ta an­ti­mi­gra­ção, atrain­do par­ti­dá­ri­os da CDU de Mer­kel e de seu par­ti­do afi­li­a­do da Ba­vi­e­ra, a União So­ci­al Cris­tã (CSU).

Em 2016, Mer­kel ate­nu­ou com su­ces­so a pres­são mi­gra­tó­ria so­bre a Eu­ro­pa ao fe­char um acor­do que man­te­ria os mi­gran­tes na Tur­quia. Mas o pac­to con­ti­nua sen­do al­ta­men­te po­lê­mi­co, prin­ci­pal­men­te de­vi­do a as­pec­tos de cu­nho hu­ma­ni­tá­rio.

Em­bo­ra o tra­ta­men­to ca­rac­te­ris­ti­ca­men­te morno da­do por Mer­kel à cam­pa­nha te­nha lhe con­quis­ta­do um qu­ar­to mandato co­mo pre­miê no ano pas­sa­do, sua ba­se elei­to­ral se en­fra­que­ceu con­si­de­ra­vel­men­te — uma ten­dên­cia que foi re­for­ça­da por fra­cas­sos econô­mi­cos in­ter­nos. Mer­kel tem de ad­mi­nis­trar o le­ga­do das po­lê­mi­cas re­for­mas do mer­ca­do de tra­ba­lho e de bem-es­tar so­ci­al pro­mo­vi­das por Schrö­der, que, en­tre ou­tras coi­sas, fa­ci­li­ta­ram a de­mis­são de fun­ci­o­ná­ri­os e, ao re­du­zi­rem os be­ne­fí­ci­os do de­sem­pre­go, obri­ga­ram mui­tos desempregados a acei­tar em­pre­gos pou­co es­tá­veis com pou­cos be­ne­fí­ci­os. As re­for­mas aju­da­ram a re­du­zir a ta­xa de de­sem­pre­go, mas ao cus­to de sa­lá­ri­os com correção mo­ne­tá­ria es­tag­na­dos e ten­são fi­nan­cei­ra pes­so­al ge­ne­ra­li­za­da.

A de­si­gual­da­de cres­cen­te, a es­tag­na­ção sa­la­ri­al e a frus­tra­ção da clas­se tra­ba­lha­do­ra, sem dú­vi­da, sal­tam à vis­ta no mun­do de­sen­vol­vi­do. A exem­plo de seus co­le­gas de ou­tros paí­ses, Mer­kel pou­co fez pa­ra en­fren­tar es­ses pro­ble­mas. Is­so não ocor­reu por lhe fal­tar vi­são: em abril de 2010, ela des­cre­veu uma Ale­ma­nha po­ten­ci­a­li­za­da pe­la me­lho­ria da edu­ca­ção e pe­la ino­va­ção. Ape­nas uma so­ci­e­da­de que avan­ças­se do pon­to de vis­ta tecnológico, con­cluiu, po­de­ria ofe­re­cer opor­tu­ni­da­des dig­nas pa­ra to­dos.

Mas, pou­co dis­pos­ta a con­tes­tar o con­sen­so po­lí­ti­co in­ter­no fa­vo­rá­vel à aus­te­ri­da­de fis­cal, Mer­kel se re­cu­sou a in­ves­tir no fu­tu­ro da Ale­ma­nha, por meio, por exem­plo, de obras de ma­nu­ten­ção da de­ca­den­te in­fra­es­tru­tu­ra do país e da me­lho­ria das opor­tu­ni­da­des edu­ca­ci­o­nais. Em vez dis­so, fez es­for­ços des­con­tro­la­dos pa­ra pro­te­ger a ca­da vez mais ob­so­le­ta tec­no­lo­gia das mon­ta­do­ras ale­mãs ba­se­a­da no di­e­sel. Es­ses atra­sos em re­vi­go­rar a in­dús­tria au­to­mo­bi­lís­ti­ca do país po­dem re­tar­dar a eco­no­mia do país co­mo um to­do.

O fra­cas­so de Mer­kel em re­ver­ter a frag­men­ta­ção so­ci­al le­vou ao cres­ci­men­to do apoio ao AfD. Nas elei­ções de 2017, os elei­to­res do AfD ten­di­am a ser ho­mens en­tre os 30 e os 59 anos de ida­de com edu­ca­ção ape­nas se­cun­dá­ria ou en­si­no pro­fis­si­o­na­li­zan­te, com em­pre­gos na pro­du­ção di­re­ta — mui­tas ve­zes com pou­ca es­ta­bi­li­da­de no em­pre­go — e mo­ra­do­res de ci­da­des pe­que­nas e das áre­as ru­rais. Mui­tos des­ses elei­to­res eram an­ti­gos par­ti­dá­ri­os da CDU e da CSU, mas se sen­ti­ram atraí­dos pe­la pla­ta­for­ma na­ci­o­na­lis­ta e xe­nó­fo­ba da AfD. A CDU fi­cou en­fra­que­ci­da e o con­tro­le de Mer­kel so­bre seu pró­prio par­ti­do se es­fa­ce­lou. É a ho­ra de ela dei­xar o co­man­do.

Mer­kel man­te­ve o bar­co es­tá­vel, mas as tem­pes­ta­des con­ti­nu­a­ram a se aba­ter. Em meio à per­sis­ten­te e ge­ne­ra­li­za­da frus­tra­ção po­pu­lar e à tur­bu­lên­cia po­lí­ti­ca, fu­tu­ros pre­mi­ês po­de­rão fa­cil­men­te ser de­fe­nes­tra­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.