Car­re­four po­de fa­zer ou­tras aqui­si­ções

Valor Econômico - - | EMPRESAS SERVIÇOS&TECNOLOGIA - Es­tra­té­gia Gustavo Bri­gat­to

De­pois da com­pra da E-mí­dia, do­na de si­tes co­mo o Cy­ber Co­ok, que so­ma 4 mi­lhões de vi­si­tan­tes por mês, o Car­re­four es­tá aber­to a no­vas aqui­si­ções pa­ra re­for­çar sua ope­ra­ção on-li­ne.

Pau­la Car­do­so, pre­si­den­te do Car­re­four So­lu­ções, dis­se on­tem que há pro­je­tos in­te­res­san­tes em de­sen­vol­vi­men­to pe­las star­tups. Nes­se sen­ti­do, o gru­po es­ta­rá aber­to pa­ra ava­li­ar aqui­si­ções, se hou­ver ali­nha­men­to es­tra­té­gi­co en­tre as par­tes, afir­mou ela du­ran­te te­le­con­fe­rên­cia com ana­lis­tas so­bre o re­sul­ta­do da com­pa­nhia no ter­cei­ro tri­mes­tre.

Uma das áre­as que a em­pre­sa es­pe­ra ana­li­sar é a de lo­gís­ti­ca, pa­ra me­lho­rar a en­tre­ga de pro­du­tos aos cli­en­tes. En­tre ju­lho e se­tem­bro, o co­mér­cio ele­trô­ni­co foi a ope­ra­ção que mais cres­ceu no ne­gó­cio de va­re­jo do gru­po, pas­san­do a re­pre­sen­tar 7% do to­tal, an­te 3% re­gis­tra­dos um ano an­tes.

Se­gun­do Pau­la, a es­tra­té­gia do gru­po pas­sa pe­la am­pli­a­ção da ofer­ta de pro­du­tos ven­di­dos usan­do o con­cei­to de mar­ket­pla­ce (shop­ping vir­tu­al) e pe­la bus­ca da li­de­ran­ça no seg­men­to de en­tre­ga de co­mi­da por meio de ope­ra­ções pró­pri­as do Car­re­four. Em te­le­con­fe­rên­cia com jor­na­lis­tas, a exe­cu­ti­va dis­se que a com­pra de E-mí­dia se in­se­re no con­tex­to da ex­pan­são em ali­men­tos e em vá­ri­os ou­tros pi­la­res da es­tra­té­gia da com­pa­nhia.

Ao co­nhe­cer in­te­res­ses e há­bi­tos de con­su­mo dos cli­en­tes, a com­pa­nhia po­de­rá, por exem­plo, fa­zer cam­pa­nhas di­re­ci­o­na­das — tan­to no am­bi­en­te on-li­ne, quan­to nas lo­jas, usan­do um pro­je­to de sen­so­res com o Go­o­gle. Is­so po­de in­cluir a ofer­ta de pro­du­tos de mar­ca pró­pria, que a em­pre­sa pla­ne­ja ele­var dos atu­ais 8% das ven­das pa­ra 15%, no mí­ni­mo, até 2022.

Pa­ra o qu­ar­to tri­mes­tre, Sé­bas­ti­en Dur­chon, di­re­tor fi­nan­cei­ro do gru­po, dis­se que a em­pre­sa te­rá con­di­ções de man­ter um rit­mo for­te de cres­ci­men­to. “Se tu­do der cer­to, se os cli­en­tes com­pra­rem no Na­tal”, dis­se.

So­bre as ex­pec­ta­ti­vas pa­ra 2019, Ro­ber­to Müs­s­ni­ch, pre­si­den­te da re­de Ata­ca­dão, dis­se que a ex­pec­ta­ti­va é ter um ano tão bom quan­to 2018. “Ain­da não sen­ti­mos uma de­man­da mai­or, di­fe­ren­te­men­te do que já era sen­tin­do [por cau­sa da de­fi­ni­ção elei­to­ral]. Is­so é um pro­ces­so len­to e gra­du­al. Co­mo oti­mis­tas, acre­di­ta­mos que em 2019 te­re­mos um ano bom, tão bom quan­to foi es­te ano”, dis­se.

No ter­cei­ro tri­mes­tre, o Car­re­four re­gis­trou lu­cro lí­qui­do ajus­ta­do — que des­con­si­de­ra itens co­mo o im­pac­to po­si­ti­vo do re­co­nhe­ci­men­to de cré­di­tos fis­cais em 2017 — de R$ 391 mi­lhões, um cres­ci­men­to de 68% an­te 2017. Sem ajus­tes, o re­sul­ta­do atri­buí­do ao con­tro­la­dor foi de R$ 355 mi­lhões, uma que­da de 37% na com­pa­ra­ção com o mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do.

De ju­lho a se­tem­bro, a re­cei­ta lí­qui­da su­biu 8,9%, pa­ra R$ 13,5 bi­lhões. Já o cus­to das mer­ca­do­ri­as, ser­vi­ços e ope­ra­ções fi­nan­cei­ras su­biu 7,9%, pa­ra R$ 10,7 bi­lhões. O lu­cro an­tes de ju­ros, im­pos­tos, de­pre­ci­a­ção e amor­ti­za­ção (Ebit­da, na si­gla em in­glês) ajus­ta­do so­mou R$ 991 mi­lhões no tri­mes­tre, al­ta de 32,6% con­tra 2017.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.