Ago­ra, Ty­son fo­ca ex­pan­são no ex­te­ri­or

Valor Econômico - - AGRONEGÓCIOS - Es­tra­té­gia (LHM, com Dow Jo­nes Newswi­res)

De­pois de con­cen­trar sua atu­a­ção nos Es­ta­dos Uni­dos nos úl­ti­mos anos, a ame­ri­ca­na Ty­son Fo­ods quer vol­tar as ba­te­ri­as pa­ra a ex­pan­são in­ter­na­ci­o­nal, in­di­cou na quar­ta-fei­ra o no­vo CEO No­el Whi­te, em en­tre­vis­ta ao “The Wall Stre­et Jour­nal”. Whi­te as­su­miu o car­go em se­tem­bro.

Nos EUA, a Ty­son é a mai­or com­pa­nhia de car­nes em fa­tu­ra­men­to — US$ 38,2 bi­lhões no ano­fis­cal de 2017 — e a prin­ci­pal ri­val da bra­si­lei­ra JBS, que fa­tu­ra no mun­do mais de US$ 50 bi­lhões.

A Ty­son che­gou a pro­du­zir car­ne de fran­go no Bra­sil, mas saiu do país — as­sim co­mo do Mé­xi­co — em 2014, ven­den­do as ope­ra­ções à JBS. Ao dei­xar o Bra­sil e o Mé­xi­co, a Ty­son ale­gou que as ope­ra­ções ti­nham pou­ca es­ca­la — a em­pre­sa era do­na de uma pe­que­na em­pre­sa no Es­ta­do do Pa­ra­ná. Além dis­so, a em­pre­sa pre­ci­sa­va de re­cur­sos e fo­co pa­ra di­ge­rir a aqui­si­ção da ame­ri­ca­na Hillshi­re Brands, em­pre­sa de ali­men­tos pro­ces­sa­dos pe­la qual pa­gou US$ 7,7 bi­lhões.

Ao “The Wall Stre­et Jour­nal”, o CEO da Ty­son evi­tou apon­tar al­vos es­pe­cí­fi­cos. Ele tam­bém não mencionou o Bra­sil. No mer­ca­do, mui­tos ar­gu­men­tam que uma es­tra­té­gia glo­bal em car­nes im­pli­ca in­ves­tir no mer­ca­do bra­si­lei­ro. No pas­sa­do, a Ty­son já che­gou a fler­tar com a BRF, em­pre­sa de ali­men­tos que ho­je vi­ve pro­fun­da cri­se.

Pa­ra a Ty­son, in­ves­tir fo­ra dos EUA sig­ni­fi­ca tam­bém di­luir ris­cos, o que se re­ve­la ca­da vez mais re­le­van­te di­an­te da guer­ra co­mer­ci­al en­tre Es­ta­dos Uni­dos e Chi­na. Nes­te ano, Pe­quim al­ve­jou a sui­no­cul­tu­ra ame­ri­ca­na, ao so­bre­ta­xar a car­ne suí­na. O Mé­xi­co fez o mes­mo, re­a­gin­do à ofen­si­va pro­te­ci­o­nis­ta do go­ver­no Trump.

“Vo­cê di­lui os ris­cos se ti­ver ope­ra­ções fo­ra dos EUA”, re­co­nhe­ceu Whi­te. Nes­se sen­ti­do, a Ty­son já deu um pas­so, ao fe­char a aqui­si­ção da Keystone da bra­si­lei­ra Mar­frig Glo­bal Fo­ods, por qua­se US$ 2,5 bi­lhões. Em­bo­ra se­di­a­da nos Es­ta­dos Uni­dos, a Keystone tem ope­ra­ções na Chi­na, Ma­lá­sia e Tai­lân­dia. Pa­ra que o ne­gó­cio se­ja con­cluí­do, só res­ta a apro­va­ção do ór­gão an­ti­trus­te da Co­reia do Sul.

De acor­do com o CEO da Ty­son, a em­pre­sa ago­ra re­de­fi­niu a es­tra­té­gia pa­ra a Chi­na. A apos­ta é ter mais pro­du­tos com mar­ca, co­mer­ci­a­li­zan­do itens co­mo nug­gets. Além dis­so, a em­pre­sa ame­ri­ca­na po­de in­ves­tir em no­vas fá­bri­cas pa­ra o pro­ces­sa­men­to de fran­go.

Na Chi­na, a Ty­son já che­gou a fa­zer, an­tes da com­pra da Hillshi­re, pe­sa­dos in­ves­ti­men­tos no de­sen­vol­vi­men­to da ca­deia agro­pe­cuá­ria. No en­tan­to, os cons­tan­tes sur­tos de gri­pe aviá­ria no país asiá­ti­co e o en­fra­que­ci­men­to da ta­xa de ex­pan­são da eco­no­mia chi­ne­sa mi­na­ram os es­for­ços da Ty­son. Con­for­me o “The Wall Stre­et Jour­nal”, os pro­ble­mas na Chi­na fi­ze­ram a Ty­son Fo­ods re­a­li­zar um bai­xa con­tá­bil de US$ 169 mi­lhões em 2015.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.