“Nun­ca pro­me­ti pra­zo pa­ra virar o jo­go na BRF”, diz Pe­dro Pa­ren­te

Em re­es­tru­tu­ra­ção, em­pre­sa re­gis­trou pre­juí­zo de R$ 812 mi­lhões no 3 tri­mes­tre

Valor Econômico - - AGRONEGÓCIOS - Luiz Hen­ri­que Mendes

“Nun­ca pro­me­ti pra­zo pa­ra virar o jo­go”. A fran­que­za de Pe­dro Pa­ren­te po­de até de­cep­ci­o­nar in­ves­ti­do­res que, pou­co me­ses atrás, se en­tu­si­as­ma­ram com a in­di­ca­ção do exe­cu­ti­vo pa­ra a pre­si­dên­cia do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da BRF. No en­tan­to, a di­re­ção es­tá con­vic­ta de que es­se é o ca­mi­nho pa­ra ti­rar a BRF da mai­or cri­se de sua his­tó­ria.

Em en­tre­vis­ta por te­le­fo­ne ao Va­lor, Pa­ren­te dis­se com­pre­en­der a insatisfação dos in­ves­ti­do­res com a de­mo­ra na re­a­ção da BRF. On­tem, dia em que a com­pa­nhia di­vul­gou o re­sul­ta­do do ter­cei­ro tri­mes­tre — com pre­juí­zo de mais de R$ 800 mi­lhões —, as ações da BRF re­cu­a­ram 5,6%, pa­ra R$ 21 na B3. Foi a ter­cei­ra mai­or que­da do Ibo­ves­pa.

De acor­do com Pa­ren­te, a recuperação da BRF de­man­da tem­po. A si­na­li­za­ção é que a ren­ta­bi­li­da­de da com­pa­nhia só re­to­ma­rá os ní­veis his­tó­ri­cos em 2020. Ten­tar abre­vi­ar is­so se­ria um equí­vo­co. Pa­ra o exe­cu­ti­vo, não se po­de per­der de vis­ta que a em­pre­sa tem uma ca­deia pro­du­ti­va bas­tan­te lon­ga. O ajus­te na pro­du­ção de fran­go de­mo­ra al­guns me­ses. Em suí­nos, são anos, afir­mam es­pe­ci­a­lis­tas do se­tor.

“As ten­ta­ti­vas pas­sa­das de ten­tar abre­vi­ar es­se pro­ces­so [a lon­ga ca­deia pro­du­ti­va] de­ram no que de­ram”, dis­se Pa­ren­te. “Não va­mos pro­me­ter o que a gen­te não po­de en­tre­gar”, acres­cen­tou.

Nes­se sen­ti­do, ele se fia na úni­ca me­ta que já adi­an­tou ao mer­ca­do. A BRF vai ar­re­ca­dar R$ 5 bi­lhões com o pla­no de mo­ne­ti­za­ção — em tor­no de R$ 3 bi­lhões de­ve­rão vir com a ven­da dos ati­vos na Ar­gen­ti­na, na Eu­ro­pa e na Tai­lân­dia, que se­rá anun­ci­a­da nes­te ano. Com is­so, o ín­di­ce de ala­van­ca­gem (re­la­ção en­tre dívida lí­qui­da e Ebit­da ajus­ta­do) da BRF ten­de a cair pa­ra 4,35 ve­zes até de­zem­bro. Em se­tem­bro, es­se ín­di­ce es­ta­va em 6,7 ve­zes, ní­vel con­si­de­ra­do “pre­o­cu­pan­te” por ana­lis­tas co­mo Thi­a­go Du­ar­te, do BTG Pactual.

“O que pro­me­te­mos foi um com­pro­mis­so de ala­van­ca­gem de 4,35 ve­zes [até de­zem­bro] e ter­mi­nar o ano que vem em 3 ve­zes”, dis­se Pa­ren­te. Des­sas pro­mes­sas, ele não ar­re­da o pé.

Ao Va­lor, Pa­ren­te e Lo­ri­val Luz, exe­cu­ti­vo que es­tá sen­do pre­pa­ra­do pa­ra as­su­mir o car­go de CEO da BRF em 2019, mi­ni­mi­za­ram os te­mo­res de que a es­pi­ral de en­di­vi­da­men­to co­lo­que a em­pre­sa em xe­que. “Se vo­cê olhar a po­si­ção de cai­xa, é mais que su­fi­ci­en­te pa­ra pa­gar a dívida até o ano que vem”, acres­cen­tou Luz.

No fim de se­tem­bro, a com­pa­nhia ti­nha R$ 6,3 bi­lhões em cai­xa, além de um cré­di­to ro­ta­ti­vo de US$ 1 bi­lhão (o equi­va­len­te a R$ 4 bi­lhões). Do ou­tro la­do, a BRF tem R$ 5 bi­lhões em dí­vi­das a ven­cer en­tre o qu­ar­to tri­mes­tre e to­do o ano de 2019. “O va­lor da dívida é bem in­fe­ri­or ao nos­so cai­xa, e além dis­so tem to­do o pro­ces­so de ge­ra­ção de R$ 5 bi­lhões”, res­sal­tou Luz, que ho­je é vi­ce-pre­si­den­te exe­cu­ti­vo da BRF.

Pa­ren­te tam­bém sa­li­en­tou que a cons­tan­te quei­ma de cai­xa da em­pre­sa vai se re­ver­ter no cur­to pra­zo, o que im­pe­di­ria um au­men­to da dívida. “Nós ve­mos cla­ra­men­te um flu­xo de cai­xa po­si­ti­vo no qu­ar­to tri­mes­tre”, dis­se ele, res­sal­tan­do que a em­pre­sa vai re­ver­ter o au­men­to da ne­ces­si­da­de de ca­pi­tal de gi­ro vis­ta no ter­cei­ro tri­mes­tre em ra­zão da for­ma­ção de es­to­ques de pro­du­tos na­ta­li­nos e da aqui­si­ção de grãos — o ter­cei­ro tri­mes­tre é o pe­río­do de co­lhei­ta da se­gun­da sa­fra bra­si­lei­ra de mi­lho.

Com es­sas pers­pec­ti­vas, Pa­ren­te e Luz ar­gu­men­ta­ram que a BRF te­rá to­tal tran­qui­li­da­de — fi­nan­cei­ra — pa­ra atra­ves­sar 2019. A par­tir daí, a em­pre­sa vol­ta­ria à nor­ma­li­da­de ope­ra­ci­o­nal. Pa­ren­te não abre os nú­me­ros des­sa nor­ma­li­da­de, mas ana­lis­tas cal­cu­lam que a mar­gem Eb­ti­da his­tó­ri­ca da BRF é de pou­co mais de 10%. No ter­cei­ro tri­mes­tre, es­sa mar­gem fi­cou abai­xo de 5%.

Di­an­te do cai­xa con­si­de­ra­do con­for­tá­vel pe­la em­pre­sa, a BRF es­ta­ria me­nos sus­ce­tí­vel a virar um al­vo de in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais. A hipótese, in­clu­si­ve de uma ofer­ta hostil, vol­tou ao radar de in­ves­ti­do­res re­ce­o­sos com o ní­vel de en­di­vi­da­men­to. “O úni­co pro­ces­so que es­tá em an­da­men­to é o que anun­ci­a­mos [de ven­da dos ati­vos na Ar­gen­ti­na , Eu­ro­pa e Tai­lân­dia]”, dis­se Pa­ren­te.

Um can­di­da­ta sem­pre ci­ta­da é a ame­ri­ca­na Ty­son Fo­ods, que no pas­sa­do man­te­ve con­ver­sa­ções com a BRF pa­ra uma pos­sí­vel fu­são, por meio da tro­ca de ações. Na quar­ta­fei­ra, em uma ra­ra en­tre­vis­ta (ver ao la­do), o CEO da Ty­son, No­el Whi­te, dis­se que a em­pre­sa quer vol­tar seu fo­co pa­ra a ex­pan­são in­ter­na­ci­o­nal — so­bre­tu­do no mer­ca­do da Chi­na.

Whi­te não ci­tou o Bra­sil e tam­pou­co a BRF, mas há quem di­ga que há ló­gi­ca fi­nan­cei­ra na ope­ra­ção. Se no pas­sa­do, quan­do dis­cu­ti­ram a fu­são, o va­lor de mer­ca­do de BRF e Ty­son eram bem mais pró­xi­mos, ho­je a di­fe­ren­ça é gran­de e uma aqui­si­ção — e não união — fa­ria mais sen­ti­do. En­quan­to a Ty­son va­le mais de US$ 22 bi­lhões na bol­sa de No­va York, a BRF tem um va­lor de mer­ca­do equi­va­len­te a US$ 4,7 bi­lhões (R$ 17 bi­lhões. Com o for­ta­le­ci­men­to do dó­lar, a di­fe­ren­ça po­de au­men­tar.

CLAUDIO BELLI/VA­LOR

Pe­dro Pa­ren­te (à es­quer­da), ao la­do de Lo­ri­val Luz: cons­tan­te quei­ma de cai­xa da BRF vai se re­ver­ter no cur­to pra­zo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.