Ban­cos têm me­lhor re­sul­ta­do em cré­di­to em mais de 3 anos

No 3 tri, lu­cro dos qua­tro gran­des so­ma R$ 18,4 bi, al­ta de 12,7%

Valor Econômico - - FINANÇAS - Ta­li­ta Mo­rei­ra e Flá­via Fur­lan

Mais oti­mis­tas com a eco­no­mia e o ce­ná­rio po­lí­ti­co, os gran­des ban­cos ace­le­ra­ram no cré­di­to no ter­cei­ro tri­mes­tre e já mos­tram dis­po­si­ção pa­ra to­mar uma do­se mai­or de ris­co em 2019. Os qua­tro gran­des ban­cos de ca­pi­tal aber­to — Itaú Uni­ban­co, Ban­co do Bra­sil (BB), Bra­des­co e San­tan­der — che­ga­ram ao fim de se­tem­bro com um to­tal de R$ 2,2 tri­lhões em ope­ra­ções de cré­di­to.

A car­tei­ra con­so­li­da­da cres­ceu 7,14% em 12 me­ses, o me­lhor de­sem­pe­nho em mais de três anos. Foi tam­bém a pri­mei­ra vez que o es­to­que cres­ceu mais que a in­fla­ção após 11 tri­mes­tres — o IPCA foi de 4,5% no acu­mu­la­do de 12 me­ses até ou­tu­bro des­te ano.

Sem fa­zer es­ti­ma­ti­vas con­cre­tas, os exe­cu­ti­vos dos ban­cos es­pe­ram um nú­me­ro ain­da me­lhor no pró­xi­mo ano se a re­to­ma­da da ati­vi­da­de econô­mi­ca se man­ti­ver. “Te­mos apetite pa­ra con­ti­nu­ar cres­cen­do a car­tei­ra de cré­di­to, e cres­cen­do bas­tan­te”, afir­mou a jor­na­lis­tas o pre­si­den­te do Bra­des­co, Oc­ta­vio de La­za­ri Junior.

A re­du­ção das in­cer­te­zas ani­mou o Itaú Uni­ban­co a dis­cu­tir uma re­vi­são da po­lí­ti­ca de apetite de ris­co, ajus­ta­da pe­la úl­ti­ma vez em 2016, no au­ge da cri­se. O pre­si­den­te do ban­co, Can­di­do Bra­cher, afir­mou que se­rá le­va­da ao con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção uma pro­pos­ta pa­ra au­men­tar a ex­po­si­ção da ins­ti­tui­ção ao ris­co — o que, na prá­ti­ca, le­va­rá o ban­co a dar cré­di­to pa­ra pes­so­as e em­pre­sas que têm me­nor ca­pa­ci­da­de de pa­ga­men­to e es­ta­vam fo­ra do radar da ins­ti­tui­ção. “Au­men­tar o apetite de ris­co sig­ni­fi­ca em­pres­tar pa­ra quem tem mai­or pro­ba­bi­li­da­de de de­fault”, dis­se Bra­cher em te­le­con­fe­rên­cia com ana­lis­tas.

O Itaú não es­tá so­zi­nho. O Bra­des­co, se­gun­do La­za­ri, já vem ajus­tan­do seus mo­de­los pa­ra con­ce­der mais cré­di­to à me­di­da que o ris­co de ina­dim­plên­cia tem di­mi­nuí­do. O San­tan­der, por sua vez, co­me­çou a ace­le­rar na ofer­ta de em­prés­ti­mos e fi­nan­ci­a­men­tos an­tes dos con­cor­ren­tes.

Até mes­mo o Ban­co do Bra­sil, que pas­sou os úl­ti­mos anos fo­ca­do em re­cu­pe­rar a ren­ta­bi­li­da­de — e por is­so vem apre­sen­tan­do o cres­ci­men­to mais tí­mi­do da car­tei­ra —, ago­ra pla­ne­ja ser mais agres­si­vo no cré­di­to. De acor­do com o no­vo pre­si­den­te da ins­ti­tui­ção, Mar­ce­lo La­bu­to, em­bo­ra não se­ja ain­da pos­sí­vel adi­an­tar qual a me­ta pa­ra o pró­xi­mo ano, é pos­sí­vel di­zer que ha­ve­rá um cres­ci­men­to de cré­di­to mais ro­bus­to. “No ano de 2018, pri­o­ri­za­mos a recuperação da qua­li­da­de de nos­sa car­tei­ra de cré­di­to. Em 2019, o pla­ne­ja­men­to apon­ta pa­ra uma pos­tu­ra co­mer­ci­al mais agres­si­va.”

Es­sa mu­dan­ça de pos­tu­ra re­fle­te uma me­lho­ra na qua­li­da­de do re­sul­ta­do dos ban­cos. O lu­cro so­ma­do dos qua­tro gran­des al­can­çou R$ 18,4 bi­lhões no ter­cei­ro tri­mes­tre, um au­men­to de 12,7% em re­la­ção ao re­gis­tra­do no mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do.

Em­bo­ra lu­cros bi­li­o­ná­ri­os e cres­cen­tes não se­jam uma no­vi­da­de pa­ra os ban­cos, a com­po­si­ção des­se re­sul­ta­do é di­fe­ren­te da que se viu nos úl­ti­mos tri­mes­tres. Do iní­cio de 2017 pa­ra cá, o gran­de im­pul­so ao re­sul­ta­do das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras vi­nha sen­do a que­da das des­pe­sas com pro­vi­sões pa­ra per­das no cré­di­to (PDD), mas a mar­gem fi­nan­cei­ra bru­ta — que re­fle­te o de­sem­pe­nho efe­ti­vo das ope­ra­ções de em­prés­ti­mos e fi­nan­ci­a­men­tos e te­sou­ra­ria — vi­nha es­pre­mi­da e, mui­tas ve­zes, em que­da.

No ter­cei­ro tri­mes­tre des­te ano, po­rém, a mar­gem vol­tou a cres­cer, ain­da que pou­co. Itaú, Bra­des­co, San­tan­der e BB mos­tra­ram, jun­tos, um au­men­to de 4,27% nes­se in­di­ca­dor, que so­mou R$ 43,8 bi­lhões. In­di­vi­du­al­men­te, o Ban­co do Bra­sil te­ve que­da de 4,4% na mar­gem em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do.

Os spre­ads das ope­ra­ções de cré­di­to até caí­ram, mas os ban­cos con­se­gui­ram com­pen­sar es­se mo­vi­men­to de du­as for­mas: com mais vo­lu­me de em­prés­ti­mos e fo­co nas li­nhas de pes­so­as fí­si­cas e mi­cro, pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas, que pa­gam ta­xas mais ele­va­das.

A re­du­ção das des­pe­sas com PDD te­ve, sim, seu pa­pel, mas dei­xou de ser o úni­co gran­de mo­ti­vo pa­ra ex­pli­car os lu­cros mais ro­bus­tos. De qu­al­quer for­ma, o to­tal de pro­vi­sões ain­da es­tá aci­ma dos ní­veis his­tó­ri­cos, es­pe­ci­al­men­te na car­tei­ra de cré­di­to a gran­des em­pre­sas, o que sig­ni­fi­ca que há es­pa­ço pa­ra con­ti­nu­ar cain­do nos pró­xi­mos me­ses.

“Nos­sa ex­pec­ta­ti­va é que a ina­dim­plên­cia con­ti­nue me­lho­ran­do, sem gran­des re­pi­ques, ape­sar de es­tar­mos com cres­ci­men­to mai­or na car­tei­ra”, afir­mou o di­re­tor de re­la­ções com o mer­ca­do do Bra­des­co, Car­los Fi­ret­ti.

Com o au­men­to da de­man­da e a com­pe­ti­ção em al­ta — in­clu­si­ve das “fin­te­chs” —, os ban­cos de­vem re­for­çar o mo­de­lo de per­so­na­li­za­ção dos cli­en­tes que já vêm ado­tan­do. O pre­si­den­te do San­tan­der, Ser­gio Ri­al, dis­se a jor­na­lis­tas que o ca­mi­nho de cres­ci­men­to da ins­ti­tui­ção ago­ra pas­sa por uma seg­men­ta­ção “con­tí­nua e mais pro­fun­da” que a im­ple­men­ta­da até ago­ra. Se­gun­do ele, tam­bém se­rá pre­ci­so ofe­re­cer mai­or ino­va­ção pa­ra con­quis­tar os cli­en­tes. “Se a gen­te acre­di­ta num Bra­sil com ta­xas de ju­ros nor­ma­li­za­das e até cain­do, não ne­ces­sa­ri­a­men­te es­tru­tu­ras que exis­tem ho­je no cré­di­to fa­zem sen­ti­do”, afir­mou o exe­cu­ti­vo, acres­cen­tan­do que pla­ne­ja lan­çar uma área de cré­di­to di­re­to ao con­su­mi­dor.

Des­de o ano pas­sa­do, o Ban­co Vo­to­ran­tim vem atu­an­do mais fir­me­men­te pa­ra di­ver­si­fi­car su­as fon­tes de re­cei­ta, co­mo for­ma de me­lho­rar a ren­ta­bi­li­da­de. De fa­to, as re­cei­tas de pres­ta­ção de ser­vi­ços e se­gu­ros vêm cres­cen­do aci­ma da in­fla­ção, mas é a ex­pan­são da mar­gem fi­nan­cei­ra lí­qui­da que tem ga­ran­ti­do os bons re­sul­ta­dos do ban­co.

No ter­cei­ro tri­mes­tre, o Vo­to­ran­tim te­ve lu­cro lí­qui­do de R$ 268 mi­lhões, com cres­ci­men­to de 75,2% na com­pa­ra­ção com o mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do. A mar­gem fi­nan­cei­ra lí­qui­da avan­çou 36,8%, a R$ 1,034 bi­lhão. En­quan­to is­so, as re­cei­tas de pres­ta­ção de ser­vi­ços ti­ve­ram al­ta de 4,6%, a R$ 341 mi­lhões.

Do to­tal de R$ 59,4 bi­lhões da car­tei­ra de cré­di­to do ban­co, R$ 36,8 bi­lhões es­tão no seg­men­to de va­re­jo. Des­se vo­lu­me, R$ 31,6 bi­lhões (85,9%) re­pre­sen­tam cré­di­to au­to­mo­ti­vo.

“O lu­cro lí­qui­do do tri­mes­tre con­fir­ma o no­vo pa­ta­mar de re­sul­ta­do do Ban­co Vo­to­ran­tim, re­for­çan­do nos­sa es­tra­té­gia e fo­co na ren­ta­bi­li­za­ção dos ne­gó­ci­os, au­men­to da efi­ci­ên­cia ope­ra­ci­o­nal e di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de re­cei­tas”, diz o pre­si­den­te do Ban­co Vo­to­ran­tim, El­cio Jor­ge dos San­tos. Se­gun­do ele, a pa­la­vra que me­lhor ex­pres­sa os re­sul­ta­dos re­cen­tes da ins­ti­tui­ção é “con­sis­tên­cia”.

O re­tor­no so­bre o pa­trimô­nio (ROAE) do ban­co fi­cou em 11,9% no ter­cei­ro tri­mes­tre, al­ta de 4,6 pon­tos an­te se­tem­bro de 2017.

Ain­da as­sim, os pla­nos de di­ver­si­fi­car as re­cei­tas con­ti­nu­am. O Vo­to­ran­tim acre­di­ta que o cré­di­to es­tu­dan­til é um dos pro­du­tos que po­de ter bom cres­ci­men­to nos pró­xi­mos tri­mes­tres. O ban­co tam­bém pla­ne­ja dis­tri­buir pro­du­tos pa­ra os cli­en­tes da Ne­on Pa­ga­men­tos, com quem fez um acor­do ope­ra­ci­o­nal em maio.

San­tos afir­ma que a bus­ca por di­ver­si­fi­ca­ção é um dos mo­ti­vos que ex­pli­ca o au­men­to dos gas­tos ad­mi­nis­tra­ti­vos, que so­bem 7% em re­la­ção a 2017. “As des­pe­sas que au­men­ta­ram fo­ram em tec­no­lo­gia e mar­ke­ting. Es­sa agen­da de di­ver­si­fi­ca­ção re­quer mai­or in­ves­ti­men­to”, co­men­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.