BB lu­cra 25,6% mais no 3 tri, mas tem pi­o­ra na mar­gem

Valor Econômico - - FINANÇAS - Flá­via Fur­lan e Ál­va­ro Cam­pos

Atra­sa­do em re­la­ção aos con­cor­ren­tes, o Ban­co do Bra­sil (BB) ain­da mos­trou uma cer­ta es­tag­na­ção no cré­di­to e que­da nas mar­gens. Ao lon­go do ter­cei­ro tri­mes­tre, con­for­me des­ta­cou o no­vo pre­si­den­te do BB, Mar­ce­lo La­bu­to, to­do o es­for­ço ain­da fi­cou con­cen­tra­do em me­lho­rar a qua­li­da­de dos ati­vos.

“Re­a­fir­ma­mos nos­sa es­tra­té­gia de dois anos atrás de ren­ta­bi­li­da­de cres­cen­te, me­lho­ra con­tí­nua da qua­li­da­de do cré­di­to, efi­ci­ên­cia ope­ra­ci­o­nal e con­tro­le rí­gi­do de des­pe­sas”, dis­se, em sua pri­mei­ra en­tre­vis­ta à fren­te da ins­ti­tui­ção, pa­ra co­men­tar os re­sul­ta­dos tri­mes­trais. De fa­to, o re­tor­no so­bre o pa­trimô­nio lí­qui­do, que era de 6,6% no iní­cio de 2016, al­can­çou 14,3% no ter­cei­ro tri­mes­tre.

Já o lu­cro lí­qui­do foi de R$ 3,4 bi­lhões no tri­mes­tre — cres­ci­men­to de 25,6% em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do do ano an­te­ri­or, pu­xa­do, es­pe­ci­al­men­te, pe­la re­du­ção das des­pe­sas com pro­vi­sões pa­ra per­das no cré­di­to. No pe­río­do, es­sas re­ser­vas so­ma­ram R$ 3,2 bi­lhões, que­da de 37,5% em 12 me­ses.

Des­de o iní­cio de 2017, os lu­cros dos ban­cos bra­si­lei­ros vêm ten­do co­mo prin­ci­pal ga­ti­lho a re­ver­são das pro­vi­sões, mas no úl­ti­mo tri­mes­tre no­tou-se tam­bém uma me­lho­ra do cré­di­to e das mar­gens. O BB ter­mi­nou se­tem­bro com uma car­tei­ra de cré­di­to am­pli­a­da (que in­clui em­prés­ti­mos, tí­tu­los e ga­ran­ti­as) de R$ 686,3 bi­lhões, avan­ço de 1,4% em 12 me­ses e es­ta­bi­li­da­de em re­la­ção ao tri­mes­tre an­te­ri­or.

A mar­gem fi­nan­cei­ra bru­ta, que nos de­mais ban­cos já vol­tou a cres­cer, caiu 4,4% no ter­cei­ro tri­mes­tre em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do de 2017, no ca­so do Ban­co do Bra­sil, pa­ra R$ 12,5 bi­lhões, o que le­vou o ban­co a re­vi­sar o “gui­dan­ce” pa­ra 2018. De uma que­da de até 5%, o ban­co es­ti­ma ago­ra que a re­du­ção na mar­gem fi­que en­tre 5% e 6,5%. Em no­ve me­ses, o in­di­ca­dor te­ve que­da de 6,9%. “A mar­gem fi­nan­cei­ra vai me­lho­rar no qu­ar­to tri­mes­tre, e aca­ba­rá den­tro do gui­dan­ce do ano”, dis­se Ber­nar­do Rothe, vi­ce­pre­si­den­te de Re­la­ção com In­ves­ti­do­res do Ban­co do Bra­sil.

Nos úl­ti­mos anos, o Ban­co do Bra­sil se pre­o­cu­pou em “lim­par” a car­tei­ra de cré­di­to, com re­du­ções ex­pres­si­vas em al­gu­mas li­nhas, co­mo a de pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas. O seg­men­to, que che­gou a R$ 100 bi­lhões em es­to­que de cré­di­to, es­tá em R$ 39 bi­lhões. Nes­se ca­so, o ban­co re­du­ziu os em­prés­ti­mos com pra­zo mais lon­go e ele­vou a ofer­ta de li­nhas mais cur­tas, co­mo ca­pi­tal de gi­ro, com ga­ran­tia em re­ce­bí­veis. De acor­do com La­bu­to, a car­tei­ra pa­ra es­se pú­bli­co vol­tou a cres­cer em se­tem­bro, mas de­ve de­mo­rar ain­da a al­can­çar os pa­ta­ma­res do pas­sa­do.

No seg­men­to de pes­soa fí­si­ca, o es­to­que so­ma­va R$ 191,8 bi­lhões no fim de se­tem­bro, in­di­can­do au­men­to de 2,3% em 12 me­ses e de 1,05% em re­la­ção a ju­lho. O ban­co, que his­to­ri­ca­men­te ti­nha co­mo fo­co o cré­di­to con­sig­na­do, tem pas­sa­do por um pe­río­do de di­ver­si­fi­ca­ção. No tri­mes­tre, o cré­di­to pes­so­al cres­ceu R$ 1 bi­lhão, o que representa um avan­ço de 19,8%.

De ma­nei­ra ge­ral, o ban­co acre­di­ta que es­te­ja pre­pa­ra­do pa­ra ace­le­rar a con­ces­são de cré­di­to, em fun­ção da me­lho­ra do am­bi­en­te ma­cro­e­conô­mi­co. La­bu­to diz que es­sa ex­pan­são se da­rá mu­dan­do o mix de pro­du­tos, com uma ofer­ta mai­or de li­nhas mais ar­ris­ca­das, mas que is­so já es­tá na po­lí­ti­ca de ris­co.

Ou­tro de­sa­fio se­rá cres­cer ain­da mais no seg­men­to de ser­vi­ços, co­mo car­tões e se­gu­ros. Is­so por­que o ban­co tem o ob­je­ti­vo de re­du­zir a con­cen­tra­ção do cré­di­to em seus ne­gó­ci­os de 60% pa­ra al­go en­tre 45% e 50%. O ban­co não ci­tou um pra­zo pa­ra is­so.

Ain­da se­gun­do La­bu­to, o ban­co não es­tá sa­tis­fei­to com o ní­vel de ren­ta­bi­li­da­de atu­al e bus­ca­rá me­lho­rar o in­di­ca­dor. Em­bo­ra re­co­nhe­ça que da­qui em di­an­te se­ja mais di­fí­cil uma evo­lu­ção, a “ex­pec­ta­ti­va é que em dois anos a ren­ta­bi­li­da­de es­te­ja com­pa­tí­vel com a dos prin­ci­pais com­pe­ti­do­res”.

CLAUDIO BELLI/VA­LOR

La­bu­to, pre­si­den­te do BB: “Con­ti­nu­a­re­mos a bus­car me­lhor ren­ta­bi­li­da­de”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.