Mr. Bow

Revista Biografia - - Notas Biográficas -

Há um dis­tri­to na pro­vín­cia de Ga­za cha­ma­do Man­ja­ca­ze. Aque­la par­ce­la do país tem uma su­per­fí­cie de 3 748 Km2, li­mi­ta­dos a nor­te pe­lo dis­tri­to de Pan­da (Inham­ba­ne), a sul pe­lo Oce­a­no Ín­di­co, a su­do­es­te pe­la ci­da­de de Xai-Xai, e pe­lo dis­tri­to de Chi­bu­to, a oes­te.

Foi na­que­la es­fe­ra de ac­ção, on­de a 30 de Abril de 1982, o ca­sal Pe­dro Mai­a­ze e Ro­da Lan­ga vi­ram nas­cer uma cri­an- ça a quem atri­buí­ram o no­me de Sal­va­dor Pe­dro Mai­a­ze. No hu­mil­de dis­tri­to, Sal­va­dor Mai­a­ze vi­veu até aos 17 anos de ida­de, sob os cui­da­dos dos seus avós, por op­ção fa­mi­li­ar. A sua in­fân­cia foi tran­qui­la e re­gra­da, ten­do si­do “aca­ri­nha­da” pe­lo so­nho de que­rer ser mú­si­co, um de­se­jo que foi re­ce­bi­do e apoi­a­do pe­los pais. Ain­da pe­que­no co­me­çou a per­se­guir o seu so­nho, par­ti­ci­pan­do em con­cur­sos de mú­si­ca pro­mo­vi­dos em dis­co­te­cas. Nos cer­ta­mes, o pe­tiz in­ter­pre­ta­va nú­me­ros de ar­tis­tas co­mo R. Kelly, Back Stre­et Boys, Ty­re­se e Joe.

Tem­pos de­pois, o pe­que­no Sal­va­dor co­me­çou a fa­zer par­te de gru­pos de Hip-Hop. Na pro­cu­ra de um no­me com im­pac­to en­tre os rap­pers adop­tou o pseu­dó­ni­mo “Bow” (ar­co). As­sim fi­cou co­nhe­ci­do co­mo MC Bow, na épo­ca.

Em 1999, dei­xou a sua ter­ra na­tal e fi­xou-se em Xai-Xai, a ca­pi­tal de Ga­za, com o pro­pó-

si­to de tra­ba­lhar e es­tu­dar.

Dois anos de­pois, o jo­vem foi, com uma ma­la pre­en­chi­da de mui­tos ob­jec­tos, vi­si­tar os seus pa­ren­tes em Ma­pu­to, e aca­bou fi­xan­do-se na ca­pi­tal mo­çam­bi­ca­na. Foi em 2001, que Bow mu­dou ra­di­cal­men­te o seu es­ti­lo mu­si­cal, pas­san­do a can­tar Rhythm and Blu­es (R&B) e Soul. A mu­dan­ça de gé­ne­ro foi acom­pa­nha­da pe­la mu­dan­ça de pseu­dó­ni­mo. Bow dei­xou de ser MC Bow e pas­sou a cha­mar-se Mr. Bow, no­me pe­lo qual é ho­je co­nhe­ci­do. Re­fi­ra-se ain­da que, o jo­vem co­me­çou a gra­var as su­as pri­mei­ras mú­si­cas na­que­le ano.

Em 2003, o ar­tis­ta fre­quen­tou as au­las de mú­si­ca na Ca­sa da Cul­tu­ra do Al­to-Maé, em Ma­pu­to, on­de apren­deu a to­car pi­a­no. No ano se­guin­te, cri­ou um pe­que­no es­tú­dio de gra­va­ção, que lhe pos­si­bi­li­tou de­di­car-se, ca­da vez mais, à pes­qui­sa de com­po­si­ção de ins­tru­men­tais mu­si­cais, cap­ta­ção de voz, as­sim co­mo à re­a­li­za­ção de spots pu­bli­ci­tá­ri­os.

Pou­co an­tes de ser po­pu­lar, em 2006, Mr. Bow pas­sa pe­lo mo­men­to mais tris­te da sua vi­da. “Gos­ta­va de ter aju­da­do o meu pai quan­do ele ado­e­ceu. Ele pre­ci­sa­va ape­nas de aces­so ao hos­pi­tal e cui­da­dos mé­di­cos bá­si­cos, e eu não con­se­gui o aju­dar, por­que não ti­nha di­nhei­ro. Co­mo fi­lho mais ve­lho en­tre 10 ir­mãos, era mi­nha obri­ga­ção. Se eu pu­des­se mu­dar al­go no meu pas­sa­do, gos­ta­ria de re­cu­pe­rar es­sa per­da e ter o meu pai ao meu la­do, a co­me­mo­rar co­mi­go os meus ga­nhos”. Al­can­çan­do o su­ces­so

Mr. Bow pas­sou por di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras pa­ra atin­gir os seus ob­jec­ti­vos. O ar­tis­ta en­vol­veu-se em vá­ri­as ou­tras ac­ti­vi­da­des eco­no­mi­ca­men­te ren­tá­veis, co­mo ven­der rou­pa e pro­du­tos ali­men­ta­res no mer­ca­do Ge­or­ge Di­mi­trov (Ben­fi­ca), um es­pa­ço de co­mér­cio do su­búr­bio, lo­ca­li­za­do nos ar­re­do­res da ca­pi­tal mo­çam­bi­ca­na. Era da ven­da da­que­les pro­du­tos que Bow ob­ti­nha di­nhei­ro pa­ra in­ves­tir na mú­si­ca. Na­que­la fa­se, o jo­vem te­ve de con­vi­ver com o fac­to de ir dei­xar as mú­si­cas gra­va­das com es­for­ço nas rá­di­os e não ou­vi-las. Mas, mes­mo as­sim, não de­sis­tiu. De­pois de ven­der no mer­ca­do, co­me­çou a tra­ba­lhar nas rá­di­os na­ci­o­nais co­mo pro­du­tor, ac­ti­vi­da­de que o per­mi­tiu la­bo­rar com al­gu­mas re­fe­rên­ci­as da mú­si­ca mo­çam­bi­ca­na. Por vol­ta de 2008, Mr. Bow co­me­çou a emer­gir na are­na da mú­si­ca na­ci­o­nal, com o lan­ça­men­to do seu pri­mei­ro ál­bum “Meu So­nho”. Na al­tu­ra, ain­da apos­ta­va em rit­mos pa­re­ci­dos com o R&B, mas não ti­nha gran­de im­pac­to. Con­tu­do, hou­ve uma mú­si­ca no “al­bum” que fez su­ces­so. A fai­xa foi can­ta­da em Xichan­ga­na, lín­gua ban­tu fa­la­da na zo­na sul do país. O rit­mo era mar­ra­ben­ta, es­ti­lo mu­si­cal bas­tan­te apre­ci­a­do na­que­la re­gião. “Tcho­va Xi­ta Du­ma” (em­pur­re, um dia vai pe­gar), é o tí­tu­lo do nú­me­ro que, de for­ma me­ta­fó­ri­ca, in­cen­ti­va as pes­so­as a não de­sis­ti­rem de per­se­guir os

seus ob­jec­ti­vos. Cu­ri­o­sa­men­te, foi aque­la mú­si­ca que mar­cou a vi­ra­gem na car­rei­ra de Mr. Bow. Ao ob­ser­var que as mú­si­cas can­ta­das na­que­la for­ma ti­nham mai­or im­pac­to, o seu ami­go Ta­ba­zi­le, ar­tis­ta com quem Mr. Bow can­tou aque­la fai­xa, acon­se­lhou-o a mu­dar de es­ti­lo mu­si­cal e pas­sar a can­tar em Xichan­ga­na.

A par­tir daí, Bawi­to, co­mo tam­bém é co­nhe­ci­do, pas­sou a can­tar em sua lín­gua na­ti­va e adap­tou a mar­ra­ben­ta, fa­zen­do uma va­ri­a­ção do es­ti­lo mu­si­cal mis­tu­ran­do com rit­mos sul-afri­ca­nos, co­mo Xi­gum­ba­za, Kwai­to e Hou­se, de­sig­na­do “Mar­ra­ben­ta Vhu­to”.

Em 2009, Mr. Bow lan­çou o se­gun­do ál­bum, de­no­mi­na­do “Ko­ta de Fa­mí­lia”. O tra­ba­lho re­vo­lu­ci­o­nou a mar­ra­ben­ta e deu-lhe ou­tra di­men­são. Bow tor­nou-se, na al­tu­ra, um dos pou­cos jo­vens a can­tar mar­ra­ben­ta e em Xichan­ga­na.

A fai­xa “Ni­ta­ti Dlaya” (“Vou sui­ci­dar-me”) foi des­ta­ca­da na ca­te­go­ria de “Mú­si­ca Mais Po­pu­lar”, no “Ngo­ma Mo­çam­bi­que 2011/2012”, um con­cur­so pro­mo­vi­do pe­la Rá­dio Mo­çam­bi­que (RM). O mes­mo te­ma foi tam­bém agra­ci­a­do na ca­te­go­ria de “Me­lhor Mú­si­ca Li­gei­ra”, no Mo­zam­bi­que Mu­sic Awards. O ano de 2012 fi­cou mar­ca­do na vi­da do ar­tis­ta, pe­lo la­do ar­tís­ti­co e amo­ro­so. Foi o ano de lan­ça­men­to do seu ter­cei­ro ál­bum, “Si­nal de Vi­tó­ria”, que tam­bém foi um su­ces­so, ten­do co­mo des­ta­que as mú­si­cas “Lau­rin­da” e “Si­nal de vi­tó­ria”. No mes­mo ano, Mr. Bow con­traiu ma­tri­mó­nio com a em­pre­sá­ria Ma­ria de Lur­des, que a co­nhe­ceu nas re­des so­ci­ais. Po­rém, o ca­sa­men­to não foi mui­to bem re­ce­bi­do na pra­ça pú­bli­ca, pe­lo fac­to de Ma­ria de Lur­des ser em­pre­sá­ria e seis anos mais ve­lha que Sal­va­dor Mai­a­ze. O mú­si­co che­gou a ser cha­ma­do de “am­bi­ci­o­so”. Em Fe­ve­rei­ro do ano se­guin­te, Mr. Bow pro­cu­rou ex­pli­car que não ca­sou por in­te­res­ses mo­ne­tá­ri­os, mas os co­men­tá­ri­os con­ti­nu­a­ram e o can­tor pre­fe­riu ig­no­rar e con­cen­trar-se no lan­ça­men­to de mais mú­si­cas. “Ko­ta de Fa­mí­lia”, al­cu­nha com a qual tam­bém é tra­ta­do, ele­vou a fas­quia de su­ces­so com o lan­ça­men­to do ál­bum “O me­lhor de mim”, em 2013. Na­que­le CD, cons­tam os te­mas “Ma­le ya Mat­chan­ga­na” (di­nhei­ro dos ma­chan­ga­nas) e “Bawi­to”, mú­si­cas que se tor­na­ram “hi­nos” nas fes­tas e con­ti­nu­am a to­car nas pis­tas de dan­ça. Du­ran­te o ano de 2015, aca­bou por no­ta­bi­li­zar-se atra­vés da fai­xa “Mas­sin­gui­ta­na” (coi­sas de ver­go­nha), um nú­me­ro do Max sin­gle in­ti­tu­la­do “Não fa­lha na­da”, que é cons­ti­tuí­do por três mú­si­cas.

E, no fi­nal do ano, ar­re­ca­dou com a mú­si­ca, mais um pré­mio na ca­te­go­ria de “Can­ção Mais Po­pu­lar”, no pres­ti­gi­a­do con­cur­so mu­si­cal “Ngo­ma Mo­çam­bi­que”, pro­mo­vi­do pe­la RM.

Em 2016, no cam­po me­diá­ti­co mo­çam­bi­ca­no, a ní­vel cul­tu­ral, pre­do­mi­nou um no­me: Mr. Bow. Es­ti­ve­ram na ori­gem de tu­do, o su­ces­so das su­as mú­si­cas e, aci­ma de tu­do, a sua vi­da amo­ro­sa. Em Abril, Sal­va­dor Mai­a­ze saiu da sua ca­sa e de­ci­diu rei­ni­ci­ar a sua vi­da nu­ma no­va re­la­ção amo­ro­sa com a ami­ga e co­le­ga de pro­fis­são, Luí­sa Ma­da­de (Li­lo­ca). A re­la­ção não foi, no prin­cí­pio, tor­na­da pú­bli­ca, o que ge­rou uma gran­de on­da de es­pe­cu­la­ção nas re­des so­ci­ais, que du­ra­ram apro­xi­ma­da­men­te cin­co me­ses.

Nos pri­mei­ros me­ses, Mr. Bow che­gou a re­a­gir atra­vés da sua pá­gi­na ofi­ci­al do “Fa­ce­bo­ok” afir­man­do que não iria se pro­nun­ci­ar so­bre a sua vi­da pri­va­da, pe­diu aos fãs pa­ra lhe res­pei­ta­rem co­mo o ar­tis­ta pre­fe­ri­do, e ex­pli­cou que ele é um jo­vem igual à eles, por is­so so­bre a sua vi­da pes­so­al pre­fe­ria sen­tar com a sua fa­mí­lia sem expô-la em pú­bli­co. Tal co­mo em Fe­ve­rei­ro de 2013, os fãs per­ma­ne­ce­ram in­qui­e­tos e a re­ac­ção de Bawi­to aca­bou por

ati­çar ain­da mais o “de­ba­te”. Após apro­xi­ma­da­men­te cin­co me­ses, o ca­sal de­ci­diu que­brar o si­lên­cio. Na pri­mei­ra quin­ze­na de Se­tem­bro, Bow anun­ci­ou o lan­ça­men­to ofi­ci­al do ví­deo da mú­si­ca in­ti­tu­la­da “Ni­ta­fa nawe­na” (mor­re­rei con­ti­go), em to­dos ca­nais de te­le­vi­são mo­çam­bi­ca­nos.

A mú­si­ca foi fei­ta pa­ra sua na­mo­ra­da Li­lo­ca. Na le­tra, Bow pro­me­te vi­ver com Luí­sa até o dia da sua mor­te. O ví­deo foi es­tre­a­do no fi­nal da tar­de de 13 de Se­tem­bro. Os dois apa­re­cem co­mo per­so­na­gens prin­ci­pais, bei­jan­do-se, o que anu­lou as dú­vi­das. Con­tu­do, o ca­sal foi à um dos pro­gra­mas mais po­pu­la­res da te­le­vi­são pú­bli­ca e Mr. Bow as­su­miu pu­bli­ca­men­te Li­lo­ca co­mo sua na­mo­ra­da. Pa­ra além de “Ni­ta­fa Nawe­na”, o mú­si­co fez su­ces­so, em 2016, com mú­si­cas co­mo: “Thank you Je­sus”, com a qual agra­de­ce a Deus por lhe pro­por­ci­o­nar uma vi­da es­tá­vel; e “Si­da”, on­de acon­se­lha as pes­so­as a fa­ze­rem o tes­te de HIV/SI­DA e a se­guir com o tra­ta­men­to, em ca­so de se­rem se­ro­po­si­ti­vos. A fai­xa “Ni­ta­fa Nawe­na” foi elei­ta “Can­ção Mais Po­pu­lar”, um dos me­lho­res pré­mi­os no Ngo­ma Mo­çam­bi­que. Bow ar­re­ca­dou o pré­mio pe­lo quar­to ano con­se­cu­ti­vo, en­cai­xan­do pa­ra sua con­ta, 140 mil Me­ti­cais. Pa­ra além de mú­si­co, Mr. Bow é ac­tu­al­men­te pai de cin­co fi­lhas, pro­pri­e­tá­rio e di­rec­tor-ge­ral de uma agên­cia de pu­bli­ci­da­de, mar­ke­ting e ser­vi­ços. Tem, tam­bém, uma la­bel – “Bawi­to Mu­sic” – com­pos­ta por três ar­tis­tas: Ma­ber­mu­da; Li­lo­ca; e ele.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Mozambique

© PressReader. All rights reserved.