AD­QUI­RI UM TE­LE­MÓ­VEL ATRA­VÉS DA CAM­PA­NHA DE UM OPE­RA­DOR. A FI­DE­LI­ZA­ÇÃO JÁ ACA­BOU E EU PRE­TEN­DO MU­DAR PA­RA OU­TRA RE­DE, MAS A OPE­RA­DO­RA DIZ QUE EU TE­NHO DE PA­GAR O DES­BLO­QUE­A­MEN­TO DO TE­LE­MÓ­VEL. É VER­DA­DE?

A Verdade - - SOCIEDADE -

Quan­do um Con­su­mi­dor ad­qui­re um equi­pa­men­to nes­tas con­di­ções fá-lo, ge­ral­men­te, a um pre­ço mais bai­xo do que aque­le que es­tá a ser pra­ti­ca­do no mer­ca­do.

Es­sa van­ta­gem tem exa­ta­men­te co­mo con­tra­par­ti­da um pe­río­do de fi­de­li­za­ção de 12, 18 ou 24 me­ses.

Ora, se tal for cum­pri­do, o Con­su­mi­dor tem di­rei­to a que o des­blo­que­a­men­to se­ja fei­to pe­lo seu ope­ra­dor sem quais­quer en­car­gos.

Di­fe­ren­te­men­te acon­te­ce, quan­do tal so­li­ci­ta­ção for fei­ta du­ran­te o pe­río­do de fi­de­li­za­ção. Ou se­ja, quan­do o Con­su­mi­dor pre­ten­der re­sol­ver o con­tra­to e so­li­ci­tar o des­blo­que­a­men­to ain­da den­tro do pe­río­do acor­da­do.

Nes­tas si­tu­a­ções, o pa­ga­men­to do des­blo­que­a­men­to é, efe­ti­va­men­te de­vi­do, e o mon­tan­te a pa­gar é de­ter­mi­na­do em fun­ção de uma per­cen­ta­gem correspondente ao va­lor do equi­pa­men­to à da­ta da com­pra e ao tem­po de­cor­ri­do até à res­ci­são do con­tra­to. A es­te va­lor se­rão, con­tu­do, de­du­zi­dos os mon­tan­tes pa­gos pe­lo Con­su­mi­dor até àque­le mo­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.