Lar­go do Cru­zei­ro do Re­ló­gio

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES -

No de­cor­rer da Fes­ta da Nos­sa Se­nho­ra da Encarnação, re­a­li­za­da jun­to à Ca­pe­la de Pi­nhei­ro, a fre­gue­sia de Vi­la Boa do Bis­po inau­gu­rou, no pas­sa­do dia 11 de ou­tu­bro, as obras efe­tu­a­das no Lar­go do Cru­zei­ro do Re­ló­gio.

Mi­guel Car­nei­ro, pre­si­den­te da jun­ta de fre­gue­sia de Vi­la Boa do Bis­po, con­tou que a in­ter­ven­ção nas­ceu do de­sa­fio de dois ci­da­dãos, que não quis no­me­ar, da­que­le lu­gar, e atrás dos quais vi­e­ram mais pes­so­as, que fo­ram “mui­to so­li­dá­ri­as”, mos­tran­do que, na fre­gue­sia, exis­te “mui­ta gen­te ge­ne­ro­sa” e com “von­ta­de de fa­zer com que os vi­la­bo­en­ses sin­tam que os lu­ga­res são mais agra­dá­veis e apra­zí­veis pa­ra to­dos”.

“Es­te é um exem­plo da solidariedade e es­pí­ri­to de co­mu­ni­da­de que exis­te em Vi­la Boa do Bis­po”, enal- te­ceu, agra­de­cen­do a to­dos aque­les que con­tri­buí­ram, atra­vés de “con­tri­bui­ções pe­cu­niá­ri­as ou de mão-de-obra”, pa­ra tor­nar o Lar­go do Cru­zei­ro do Re­ló­gio num lu­gar que “to­dos sen­tem co­mo nos­so”. Nes­se sen­ti­do, sa­li­en­tou que a pla­ca des­cer­ra­da não foi de inau­gu­ra­ção, mas sim de “re­co­nhe­ci­men­to” a to­dos es­ses vi­la­bo­en­ses.

O au­tar­ca dei­xou ain­da o con­vi­te à po­pu­la­ção pa­ra, pos­te­ri­or­men­te, vol­tar àque­le lu­gar pa­ra ver o re­sul­ta­do fi­nal da es­ca­da­ria, nos de­graus da qual fo­ram co­lo­ca­das, após a inau­gu­ra­ção, “ex­pres­sões ar­tís­ti­cas” de cer­ca de 70 cri­an­ças da fre­gue­sia.

Por seu la­do, Ma­nu­el Mo­rei­ra, pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal do Mar­co de Canaveses, re­cor­dou que aque­le lar­go es­ta­va “des­clas­si­fi­ca­do”, pe­lo que a obra efe­tu­a­da é um exem­plo de que, “jun­tos, é pos­sí­vel trans­for­mar o mun­do”, sem ne­ces­si­da­de de “gran­des es­tra­té­gi­as”.

“Bas­ta fa­zer exa­ta­men­te is­to: dar as mãos, pa­ra ir­mos mu­dan­do os pe­que­nos lo­cais da nos­sa ter­ra. Es­tas pe­que­nas obras fa­zem a di­fe­ren­ça”, co­men­tou, con­si­de­ran­do que “é bom ha­ver mui­tas pe­que­nas obras” que, “no to­do”, se trans­for­mam nu­ma “gran­de obra a fa­vor dos ci­da­dãos de to­do o con­ce­lho e de ca­da uma das fre­gue­si­as e lu­ga­res” do Mar­co de Canaveses.

O edil elo­gi­ou ain­da o “si­nal pa­ra o fu­tu­ro” das cri­an­ças de Vi­la Boa do Bis­po que, com o tra­ba­lho fei­to pe­las su­as mãos, “par­ti­lham e aju­dam a va­lo­ri­zar o ter­ri­tó­rio”, o que sig­ni­fi­ca tam­bém “va­lo­ri­zar as pes­so­as”.

No fi­nal, os pre­sen­tes des­lo­ca­ram-se pa­ra jun­to da Ca­pe­la de Pi­nhei­ro, on­de foi en­to­a­do o Hi­no Na­ci­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.