A ANESTESIA É A ME­LHOR PAR­TE!

A Verdade - - PRIMEIRA PÁGINA -

CLUÍSA GU­E­DES

• Mé­di­ca Especialista em Anes­te­si­o­lo­gia Santa Casa da Mi­se­ri­cór­dia do Marco de Canaveses • Centro Hos­pi­ta­lar S.João

omo anes­te­si­o­lo­gis­ta de­pa­ro-me fre­quen­te­men­te com do­en­tes an­si­o­sos, as­sus­ta­dos, pou­co in­for­ma­dos, com dú­vi­das, sen­do que uns as co­lo­cam e ou­tros nem por is­so… A an­si­e­da­de é per­fei­ta­men­te nor­mal por­que vai ser sub­me­ti­do a um pro­ce­di­men­to, mais ou me­nos agres­si­vo, di­ag­nós­ti­co ou te­ra­pêu­ti­co que, pe­lo seu des­con­for­to ou in­va­si­bi­li­da­de, pre­ci­sa de anestesia. O do­en­te dá por si no meio de um con­jun­to de pes­so­as (mé­di­cos, en­fer­mei­ros, téc­ni­cos, au­xi­li­a­res…) ge­ral­men­te ves­ti­dos da mes­ma for­ma, com tou­cas na ca­be­ça e más­ca­ras na ca­ra, o que por si só, há-de ser lo­go a pri­mei­ra dú­vi­da que o as­sal­ta… “qu­em é que me vai anes­te­si­ar?!”

É im­por­tan­te que o do­en­te iden­ti­fi­que qu­em o vai anes­te­si­ar, que é um mé­di­co especialista, que vai fa­zer vá­ri­as per­gun­tas por­que pre­ci­sa sa­ber qual o es­ta­do de saú­de do do­en­te, me­di­ca­ções, aler­gi­as, há quan­tas ho­ras es­tá em je­jum, etc.. Acres­cen­to que a anestesia é a me­lhor par­te!!

A anestesia po­de ser ad­mi­nis­tra­da atra­vés de vá­ri­as téc­ni­cas. Des­de uma se­da­ção li­gei­ra até anestesia ge­ral, com fár­ma­cos en­do­ve­no­sos ou ina­la­tó­ri­os, anestesia de uma par­te ou vá­ri­as do cor­po. In­de­pen­den­te­men­te da téc­ni­ca, o ob­je­ti­vo é que o do­en­te não te­nha dor/des­con­for­to du­ran­te e tam­bém de­pois do pro­ce­di­men­to e que se cri­em con­di­ções pa­ra a sua re­a­li­za­ção.

A anestesia du­ra o tem­po em que de­cor­re a ci­rur­gia/ exame ou pro­ce­di­men­to do­lo­ro­so. E o anes­te­si­o­lo­gis­ta per­ma­ne­ce com o do­en­te to­do o tem­po em que es­te es­tá anes­te­si­a­do. A vi­gi­ar os si­nais clí­ni­cos (frequên­cia car­día­ca, ten­são ar­te­ri­al, dé­bi­to uri­ná­rio, en­tre mui­tos ou­tros), as­se­gu­rar a fun­ção res­pi­ra­tó­ria, a ad­mi­nis­trar fár­ma­cos pa­ra a dor ou ou­tros que se­jam ne­ces­sá­ri­os pa­ra a es­ta­bi­li­da­de do do­en­te e a acom­pa­nhar as par­ti­cu­la­ri­da­des de ca­da ci­rur­gia/pro­ce­di­men­to. É ex­tre­ma­men­te ra­ro, qua­se im­pos­sí­vel, que o do­en­te “acor­de” du­ran­te a ci­rur­gia. Os mei­os téc­ni­cos de mo­ni­to­ri­za­ção e a pre­sen­ça do anes­te­si­o­lo­gis­ta evi­tam que acon­te­ça es­se even­to.

Po­rém, a anestesia não é isen­ta de ris­cos. Ain­da que bai­xo, o ris­co exis­te, sen­do tan­to mai­or quan­to mai­or a fra­gi­li­da­de da saú­de do do­en­te, a emer­gên­cia, e a agres­si­vi­da­de do pro­ce­di­men­to. O ris­co tam­bém exis­te no ines­pe­ra­do – co­mo uma aler­gia não co­nhe­ci­da ou uma al­te­ra­ção ana­tó­mi­ca que di­fi­cul­ta o con­tro­lo da via aé­rea. É im­por­tan­te que o do­en­te es­cla­re­ça to­das as dú­vi­das an­tes de ser anes­te­si­a­do e que, ao as­si­nar o seu con­sen­ti­men­to, o fa­ça de for­ma cons­ci­en­te e in­for­ma­da.

É im­por­tan­te re­fe­rir que, sem anestesia, aque­le exame/ tra­ta­men­to/ ci­rur­gia se­ria mui­to mais cus­to­so e que qu­em es­tá a cui­dar do do­en­te é um especialista pa­ra qu­em a sua vi­da é a pri­o­ri­da­de!!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.