REUMATISMOS DA IN­FÂN­CIA E ADO­LES­CÊN­CIA: QUAN­DO SUSPEITAR

A Verdade - - PRIMEIRA PÁGINA -

AFRANCISCA AGUI­AR PE­DRO MADUREIRA IVA BRI­TO

o con­trá­rio do que se pos­sa pen­sar, as do­en­ças reu­má­ti­cas não afe­tam ape­nas adul­tos ou ido­sos. De fac­to, po­dem atin­gir tam­bém cri­an­ças e jo­vens e en­glo­bam um vas­to le­que de do­en­ças com sin­to­mas, ca­ra­te­rís­ti­cas e gra­vi­da­des di­fe­ren­tes. Na mai­o­ria dos ca­sos as cau­sas que le­vam ao seu apa­re­ci­men­to não são to­tal­men­te co­nhe­ci­das. Ape­sar de ha­ver uma pre­dis­po­si­ção fa­mi­li­ar, a sua ocor­rên­cia em ir­mãos ou ou­tros fa­mi­li­a­res é pou­co fre­quen­te.

As prin­ci­pais ma­ni­fes­ta­ções são as qu­ei­xas ar­ti­cu­la­res, que se po­dem apre­sen­tar de vá­ri­as for­mas, sen­do a mais fre­quen­te a dor per­sis­ten­te. Es­ta nor­mal­men­te é mais in­ten­sa de ma­nhã ao acor­dar e pi­or em re­pou­so, po­den­do in­ter­fe­rir com as ati­vi­da­des do dia-a-dia (in­cluin­do brin­car) por li­mi­ta­ção dos mo­vi­men­tos. Po­de tam­bém apre­sen­tar-se co­mo clau­di­ca­ção (co­xe­ar) ou mes­mo re­cu­sa da mar­cha em cri­an­ças mais pe­que­nas. As­so­ci­a­da­men­te, as ar­ti­cu­la­ções afe­ta­das po­dem es­tar tu­me­fac­tas (in­cha­das) e, em al­guns ca­sos, com calor e ver­me­lhi­dão lo­cal. Pa­ra além des­tes sin­to­mas as cri­an­ças/jo­vens po­dem apre­sen­tar fe­bre, per­da de ape­ti­te, ema­gre­ci­men­to, man­chas na pe­le, en­tre ou­tros. O di­ag­nós­ti­co des­tas do­en­ças é clí­ni­co, na gran­de mai­o­ria dos ca­sos, fei­to a par­tir de um in­ter­ro­ga­tó­rio e ob­ser­va­ção cui­da­do­sos, sem ne­ces­si­da­de de re­cur­so a exames so­fis­ti­ca­dos. Con­tu­do, po­de ser ne­ces­sá­rio re­cor­rer a aná­li­ses, ra­di­o­gra­fia, eco­gra­fia, to­mo­gra­fia com­pu­to­ri­za­da, res­so­nân­cia mag­né­ti­ca, pa­ra aju­dar a es­pe­ci­fi­car o ti­po de do­en­ça di­ag­nos­ti­ca­da ou ava­li­ar as le­sões ins­ta­la­das.

Es­tas si­tu­a­ções mui­tas ve­zes tor­nam-se cró­ni­cas, mas con­tro­lá­veis com me­di­ca­ção. Em al­guns ca­sos po­dem re­gre­dir e en­trar em re­mis­são pa­ra o res­to da vi­da. No en­tan­to, são po­ten­ci­al­men­te in­ca­pa­ci­tan­tes, qu­er fí­si­ca qu­er psi­co­lo­gi­ca­men­te, pe­lo que o seu di­ag­nós­ti­co pre­co­ce e o tra­ta­men­to ade­qua­do e atem­pa­do são fun­da­men­tais pa­ra uma evo­lu­ção fa­vo­rá­vel. Por is­so, de­vem ser co­nhe­ci­dos os prin­ci­pais si­nais e sin­to­mas que de­vem le­van­tar a hi­pó­te­se de se es­tar pe­ran­te uma des­tas pa­to­lo­gi­as. Sem­pre que se sus­pei­te de uma do­en­ça reu­má­ti­ca nes­ta fai­xa etá­ria é im­por­tan­te que o do­en­te se­ja ra­pi­da­men­te ob­ser­va­do nu­ma con­sul­ta de Reu­ma­to­lo­gia Pe­diá­tri­ca, de for­ma a ter uma ori­en­ta­ção cor­re­ta e atem­pa­da de for­ma a evi­tar com­pli­ca­ções gra­ves que po­dem per­du­rar na ida­de adul­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.