TRA­TA­MEN­TO DO PÉ DIABÉTICO

A Verdade - - PRIMEIRA PÁGINA -

NJORGE DORES

• Es­pe­ci­a­lis­ta em En­do­cri­no­lo­gia e Di­a­be­tes no Hos­pi­tal da San­ta Ca­sa da Mi­se­ri­cór­dia do Mar­co de Ca­na­ve­ses • As­sis­ten­te Gra­du­a­do do Ser­vi­ço de En­do­cri­no­lo­gia

do Cen­tro Hos­pi­ta­lar do Por­to

a sequên­cia do ar­ti­go pu­bli­ca­do so­bre a de­fi­ni­ção, di­ag­nós­ti­co e fa­to­res de ris­co do Pé Diabético, vai-se abor­dar a pre­ven­ção e tra- ta­men­to.

A me­lhor es­tra­té­gia te­ra­pêu­ti­ca é a pre­ven­ção, pe­la iden­ti­fi­ca­ção e cor­re­ção dos fa­to­res de ris­co no apa­re­ci­men­to da úl­ce­ra. Um diabético de­ve­rá ser en­si­na­do a re­a­li­zar os pro­ce­di­men­tos:

- Exa­mi­nar os pés: a efe­tu­ar di­a­ri­a­men­te pe­lo do­en­te ou por fa­mi­li­ar se aque­le ti­ver di­fi­cul­da­des para o fa­zer; re­por­tar aos pro­fis­si­o­nais de saú­de qual­quer al­te­ra­ção.

- Pre­ve­nir trau­ma­tis­mos: Evi­tar an­dar des­cal­ço den­tro/fo­ra de ca­sa. Evi­tar a apro­xi­ma­ção de fon­tes de ca­lor (bo­ti­jas, la­rei­ras, aque­ce­do­res) mui­to pró­xi­mo dos pés; a di­mi­nui­ção da sen­si­bi­li­da­de po­de ori­gi­nar quei­ma­du­ras gra­ves.

- Cui­da­dos un­gue­ais: Cor­tar as unhas com um bom cor­ta-unhas, evi­tan­do re­cor­rer às te­sou­ras. As unhas po­dem ser li­ma­das (li­ma de car­tão). O cor­te das unhas de­ve ser fei­to a di­rei­to, evi­tan­do cor­tar os can­tos para que as unhas não en­cra­vem. No ca­so de unhas mui­to es­pes­sas ou in­ca­pa­ci­da­de fí­si­ca para o seu cor­te, re­cor­rer a pro­fis­si­o­nais de saú­de ha­bi­li­ta­dos ou a fa­mi­li­a­res.

- Cal­ça­do: Cal­çar sa­pa­tos con­for­tá­veis, evi­tan­do cal­ça­do aper­ta­do na pon­ta dos pés. Não usar sa­pa­tos no­vos mais de 2 ho­ras de ca­da vez. An­tes de com­prar sa­pa­tos, de­ve­rá ex­pe­ri­men­tá-los no fi­nal do dia, quan­do os pés es­tão mais ede­ma­ci­a­dos. Se ti­ver de­for­mi­da­des (pé pla­no, de­dos em gar­ra, jo­a­ne­tes ou ca­lo­si­da­des), po­de ha­ver ne­ces­si­da­de de ad­qui­rir sa­pa­tos e pal­mi­lhas com ca­ra­te­rís­ti­cas es­pe­ci­ais, para evi­tar trau­ma­tis­mo re­pe­ti­do e apa­re­ci­men­to de úl­ce­ras.

Quan­do es­ta­mos pe­ran­te uma le­são (úl­ce­ra), o tra­ta­men­to as­sen­ta na in­ter­ven­ção por uma equipa mul­ti­dis­ci­pli­nar (en­fer­mei­ro, en­do­cri­no­lo­gis­ta/in­ter­nis­ta, ci­rur­gião, po­do­lo­gis­ta) para que o en­cer­ra­men­to da úl­ce­ra ocor­ra o mais rá­pi­do pos­sí­vel. Pe­ran­te si­nais de in­fe­ção do pé, de­vem ser pres­cri­tos an­ti­bió­ti­cos, to­ma­dos ri­go­ro­sa­men­te. Quan­do a in­fe­ção é mui­to gra­ve, ame­a­çan­do a per­da do mem­bro atin­gi­do ou mes­mo a vi­da do do­en­te, o tra­ta­men­to com an­ti­bió­ti­cos, en­tre ou­tras me­di­das, de­ve ser efe­tu­a­do em in­ter­na­men­to, por ve­zes pro­lon­ga­do. A fa­lên­cia do tra­ta­men­to mé­di­co e ci­rúr­gi­co, com re­mo­ção dos te­ci­dos mor­tos ou cor­re­ção de obs­tru­ção par­ci­al ar­te­ri­al, po­de cul­mi­nar na ne­ces­si­da­de de am­pu­ta­ção de de­dos, pé ou per­na.

O tra­ta­men­to da úl­ce­ra cró­ni­ca é efe­tu­a­do pe­la uti­li­za­ção de pen­sos apro­pri­a­dos, para man­ter sem­pre a úl­ce­ra lim­pa, hú­mi­da e bor­dos li­vres de ca­lo­si­da­des ou ma­ce­ra­ção da pe­le.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.