TEM­PO (D)E PRO­MES­SAS

A Verdade - - PRIMEIRA PÁGINA -

DBRUNO MI­GUEL LIGEIRO RI­BEI­RO

• Psi­qui­a­tra, Co­or­de­na­dor do Pro­je­to “Mar­co em Ati­vI­da­de” em de­sen­vol­vi­men­to na San­ta Ca­sa da Mi­se­ri­cór­dia de Mar­co Ca­na­ve­ses

os pri­mór­di­os da era dos fi­ló­so­fos até à ida­de con­tem­po­râ­nea, a vi­vên­cia do tem­po tem si­do âma­go de fas­cí­nio e in­ter­ro­ga­ções. O tem­po é trans­cen­den­te, de­ven­do ser en­ten­di­do co­mo uma ins­tân­cia ex­ter­na à cons­ci­ên­cia. Daí que se­ja fre­quen­te a di­vi­são em tem­po ob­je­ti­vo (fí­si­co, his­tó­ri­co; que é in­de­pen­den­te do Eu) e tem­po sub­je­ti­vo (in­ter­no ou pes­so­al).

São no­tó­ri­as as al­te­ra­ções da vi­vên­cia do tem­po nas mais co­muns e quo­ti­di­a­nas ex­pe­ri­ên­ci­as. Se­ja nas di­fe­ren­ças ob­ser­va­das ao lon­go do ci­clo da vi­da, se­ja de acor­do com as di­fe­ren­tes ati­vi­da­des (e o pra­zer ou des­pra­zer a elas as­so­ci­a­dos) a que nos de­di­ca­mos em de­ter­mi­na­do mo­men­to.

Nes­te fi­nal de 2017, um no­vo ci­clo tem­po­ral é mui­tas ve­zes si­nó­ni­mo de um pe­río­do de tran­si­ção e mu­dan­ça na vi­da da pes­soa, es­tan­do es­se pe­río­do li­ga­do não só à ida­de do in­di­ví­duo, co­mo tam­bém às ex­pec­ta­ti­vas so­ci­ais que en­vol­vem o mes­mo.

As pro­mes­sas ou re­so­lu­ções de fi­nal de ano fa­zem par­te da vi­vên­cia des­te tem­po. As mais co­muns in­clu­em: pas­sar mais tem­po com os ami­gos e com a família, pra­ti­car mais exer­cí­cio fí­si­co, per­der pe­so, dei­xar de fu­mar, con­su­mir me­nos be­bi­das al­coó­li­cas, ir para a ca­ma mais ce­do, eco­no­mi­zar mais di­nhei­ro, ler mais li­vros e ver me­nos te­le­vi­são e apren­der “al­go de no­vo”. Es­tu­dos re­ve­lam que ape­nas 10% das pes­so­as cum­prem as re­so­lu­ções de fim de ano. Con­clu­em pe­la im­por­tân­cia em de­fi­nir ob­je­ti­vos e me­tas es­pe­cí­fi­cas, con­tar com o apoio de fa­mi­li­a­res e ami­gos. Ten­tar vol­tar a uma re­so­lu­ção an­ti­ga po­de ser frus­tran­te pe­lo que de­ve ser ten­ta­da uma no­va pers­pe­ti­va para um an­ti­go pro­ble­ma ou op­tar por no­vos ob­je­ti­vos.

A vi­da adul­ta é mar­ca­da por pe­río­dos de es­ta­bi­li­da­de e tran­si­ção. Aos pe­río­dos de tran­si­ção - pe­río­dos de cri­se - su­ce­dem-se mo­men­tos de in­te­gra­ção, a que cor­res­pon­dem mu­dan­ças na es­tru­tu­ra do in­di­ví­duo, ou se­ja, na for­ma de ele se ver a si pró­prio, o mun­do e os ou­tros. As­sim, é ne­ces­sá­rio que es­tes pe­río­dos tran­si­ti­vos - de pas­sa­gens tem­po­rais - se­jam pre­ci­pi­tan­tes para as mu­dan­ças com­por­ta­men­tais im­pe­di­ti­vas de no­vo equi­lí­brio (dis)fun­ci­o­nal; obs­tá­cu­lo da re­a­li­za­ção de pro­mes­sa e re­so­lu­ções de­se­ja­das.

De­se­jos de Fes­tas Fe­li­zes e de um 2018…de mu­dan­ças e pro­mes­sas re­a­li­za­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.