HÉRNIA UMBILICAL DO ADUL­TO

A Verdade - - PRIMEIRA PÁGINA -

A hérnia umbilical ocor­re qu­an­do as ca­ma­das da pa­re­de ab­do­mi­nal não en­cer­ram com­ple­ta­men­te ao ní­vel do um­bi­go e es­tru­tu­ras in­tra-ab­do­mi­nais fa­zem sa­li­ên­cia atra­vés des­te pon­to fra­co.

CAU­SAS - Ge­ral­men­te ocor­re qu­an­do há au­men­to da pres­são ab­do­mi­nal. As cau­sas po­dem ser pe­so ele­va­do ao nas­cer, gra­vi­de­zes su­ces­si­vas ou mul­ti­ge­me­la­res, pre­sen­ça de lí­qui­do in­tra­ab­do­mi­nal (as­ci­te), ci­rur­gia ab­do­mi­nal ou tos­se in­ten­sa per­sis­ten­te.

SIN­TO­MAS E SI­NAIS - Nos adul­tos o si­nal principal é uma sa­li­ên­cia des­con­for­tá­vel, por ve­zes bas­tan­te do­lo­ro­sa na re­gião umbilical.

DI­AG­NÓS­TI­CO - O exa­me fí­si­co do ab­dó­men de­mos­tra a hérnia, que se evi­den­cia com au­men­to da ten­são ab­do­mi­nal. Se o con­teú­do não pu­der ser rein­tro­du­zi­do no ab­dó­men, diz-se que a hérnia es­tá “en­car­ce­ra­da”. Es­ta si­tu­a­ção é pe­ri­go­sa por­que o con­teú­do po­de ficar sem ir­ri­ga­ção san­guí­nea, fa­lan­do-se en­tão em “hérnia es­tran­gu­la­da”. Em casos es­pe­ci­ais po­de ser fei­ta uma ra­di­o­gra­fia, eco­gra­fia ou aná­li­ses ao san­gue pa­ra me­lhor ca­ra­te­ri­zar a hérnia ou ve­ri­fi­car se o in­tes­ti­no en­car­ce­ra­do es­tá viá­vel.

COM­PLI­CA­ÇÕES - A com­pli­ca­ção mais te­mí­vel é o es­tran­gu­la­men­to. Os sin­to­mas de hérnia es­tran­gu­la­da são: Fe­bre; Obs­ti­pa­ção; Dor ab­do­mi­nal in­ten­sa; Náu­se­as e vó­mi­tos; Sa­li­ên­cia do­lo­ro­sa no um­bi­go, com ver­me­lhi­dão ou tom azu­la­do.

TRA­TA­MEN­TO - A ci­rur­gia evi­ta as com­pli­ca­ções e pra­ti­ca-se ge­ral­men­te nas se­guin­tes si­tu­a­ções: Hérnia do­lo­ro­sa; Di­â­me­tro mai­or que 1,5cm; Ocor­rên­cia de en­car­ce­ra­men­to ou es­tran­gu­la­men­to.

A ci­rur­gia é rá­pi­da e de bai­xo ris­co. Re­co­lo­ca-se o con­teú­do da hérnia den­tro do ab­dó­men e en­cer­ra-se o ori­fí­cio com pon­tos. Em al­guns casos re­for­ça-se com uma pró­te­se.

A ci­rur­gia exi­ge um in­ter­na­men­to de pou­cas horas e o do­en­te po­de rei­ni­ci­ar ali­men­ta­ção ime­di­a­ta­men­te. Du­ran­te uma se­ma­na de­ve ter ati­vi­da­de fí­si­ca re­du­zi­da.

COM­PLI­CA­ÇÕES DA CI­RUR­GIA

As com­pli­ca­ções são pou­co fre­quen­tes: In­fe­ção no lo­cal da fe­ri­da; Re­a­pa­re­ci­men­to da hérnia; Ocor­rên­cia de do­res de ca­be­ça, náu­se­as ou vó­mi­tos; Fe­bre.

PROGNÓSTICO

Nas hér­ni­as sin­to­má­ti­cas ou com­pli­ca­das do adul­to, a ci­rur­gia é mui­to efi­caz e a ta­xa de com­pli­ca­ções e re­ci­di­va é mui­to bai­xa. A ati­vi­da­de fí­si­ca nor­mal po­de ser re­to­ma­da três se­ma­nas após a ci­rur­gia. Qu­an­do exis­te es­tran­gu­la­men­to e a ci­rur­gia é re­a­li­za­da ra­pi­da­men­te, o prognóstico é tam­bém ex­ce­len­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.