ATÉ QUE PON­TO ES­TA­MOS PRO­TE­GI­DOS!

A Verdade - - PRIMEIRA PÁGINA -

Tem uma apli­ca­ção de saú­de, mas nor­mal­men­te não a usa. Pra­ti­ca cor­ri­da e to­dos os di­as vai com­pa­rar os qui­ló­me­tros que faz com os dos di­as an­te­ri­o­res. Quan­do se des­lo­ca ao Por­to em tra­ba­lho, gos­ta de ir ao Pla­no B e uti­li­za os ser­vi­ços da UBER para se des­lo­car en­tre o ho­tel e o per­cur­so que ne­ces­si­ta de re­a­li­zar.

To­das es­tas ca­ra­te­rís­ti­cas di­zem mui­to so­bre es­ta pes­soa fic­tí­cia, sa­be­mos que ho­je es­te é o ní­vel de por­me­nor que co­nhe­ce­mos so­bre uma de­ter­mi­na­da pes­soa e que os da­ta bro­kers em­pre­sas es­pe­ci­a­li­za­das em re­co­lher, pro­ces­sar e re­ven­der os da­dos na in­ter­net po­dem co­nhe­cer. No ano de 2012 Eu­ro­pa con­si­de­rou que es­ta­va na al­tu­ra de pro­te­ger os da­dos dos ci­da­dãos. Em 2016 o RGPD – Re­gu­la­men­to Ge­ral de Pro­te­ção de Da­dos en­trou em vi­gor e pas­sou a ser apli­ca­do a par­tir de 25 de Maio des­te ano. As no­vas re­gras e no­vas si­tu­a­ções es­tão a ser tra­ta­das di­a­ri­a­men­te pe­las em­pre­sas por­tu­gue­sas e eu­ro­pei­as. Atu­al­men­te o im­pa­to do RGPD é for­tís­si­mo, não só mas tam­bém nas re­la­ções la­bo­rais.

Os di­rei­tos pes­so­ais en­con­tram-se há mui­to tempo re­gu­la­dos no di­rei­to por­tu­guês ar­ti­go 26º da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca Por­tu­gue­sa e tam­bém na Lei de Pro­te­ção de Da­dos (Lei 67/98, de 26 de Ou­tu­bro) ain­da em vi­gor. No en­tan­to, se re­fle­tir­mos so­bre a mas­si­fi­ca­ção da in­for­ma­ção e do fe­nó­me­no da glo­ba­li­za­ção, en­ten­de­mos ra­pi­da­men­te que o ma­nu­se­a­men­to e tra­ta­men­to dos da­dos pes­so­ais tem si­do fei­to de for­ma mui­to le­ve, por is­so é fun­da­men­tal a con­sa­gra­ção de re­gras que pro­te­jam os in­te­res­ses pes­so­ais de ca­da pes­soa sin­gu­lar.

Des­de 25 de Maio do cor­ren­te ano, qu­er uma pe­que­na ou me­dia em­pre­sa ou mes­mo gran­des gru­pos em­pre­sa­ri­ais es­tão obri­ga­dos a es­tar em cor­res­pon­dên­cia com as exi­gên­ci­as do RGPD - Re­gu­la­men­to Ge­ral de Pro­te­ção de Da­dos, no âm­bi­to do con­tex­to la­bo­ral o tra­ta­men­to dos da­dos pes­so­as tem um im­pac­to subs­tan­ci­al uma vez que es­tas têm tra­ba­lha­do­res a car­go.

Exis­te as­sim uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma e uma adap­ta­ção e atu­a­li­za­ção na for­ma do tra­ta­men­to dos da­dos. Se­ja o tra­ta­men­to re­a­li­za­do atra­vés de su­por­te fí­si­co ou mes­mo com fer­ra­men­tas tec­no­ló­gi­cas, o tra­ta­men­to dos da­dos tem de ser fei­to de for­ma trans­pa­ren­te e com mo­ni­to­ri­za­ção e con­tro­lo e se­gu­ran­ça ade­qua­dos para sal­va­guar­dar os in­te­res­ses le­gí­ti­mos e dos di­rei­tos fun­da­men­tais dos tra­ba­lha­do­res.

A re­la­ção em­pre­ga­dor-tra­ba­lha­dor é ge­ral­men­te con­si­de­ra­da uma re­la­ção de­se­qui­li­bra­da, na qual o em­pre­ga­dor pos­sui mais po­der do que o tra­ba­lha­dor. Uma vez que o con­sen­ti­men­to tem de ser da­do de li­vre von­ta­de, e ten­do em con­ta a na­tu­re­za de­se­qui­li­bra­da da re­la­ção, o seu em­pre­ga­dor não po­de, na mai­o­ria dos ca­sos, ba­se­ar-se no seu con­sen­ti­men­to para uti­li­zar os seus da­dos.

Po­de­rão, no en­tan­to, exis­tir si­tu­a­ções em que o tra­ta­men­to dos da­dos pes­so­ais de um tra­ba­lha­dor com ba­se no res­pe­ti­vo con­sen­ti­men­to se­ja lí­ci­to, so­bre­tu­do se tal for do in­te­res­se do pró­prio tra­ba­lha­dor. Por exem­plo, se uma em­pre­sa con­ce­der be­ne­fí­ci­os ao tra­ba­lha­dor ou aos fa­mi­li­a­res des­te (por exem­plo, des­con­tos nos ser­vi­ços da em­pre­sa) o tra­ta­men­to dos da­dos do tra­ba­lha­dor é per­mi­ti­do e lí­ci­to, se ti­ver si­do da­do con­sen­ti­men­to pré­vio in­for­ma­do.

O con­sen­ti­men­to para a re­co­lha de da­dos qu­er-se trans­pa­ren­te e ob­jec­ti­vo, pe­lo que te­rão fim as cláu­su­las ge­né­ri­cas de au­to­ri­za­ção para re­co­lha de to­dos e quais­quer da­dos, de­mons­tra­ti­va da re­la­ção de su­pre­ma­cia exis­ten­te en­tre en­ti­da­de pa­tro­nal e o tra­ba­lha­dor.

O con­sen­ti­men­to não é vá­li­do quan­do um em­pre­ga­dor en­ten­de que a pro­du­ti­vi­da­de do tra­ba­lho tem de ser me­lho­ra­da. Para is­so, ten­ci­o­na ins­ta­lar câ­ma­ras de CCTV nos cor­re­do­res e na en­tra­da das ca­sas de ba­nho. So­li­ci­ta o con­sen­ti­men­to do tra­ba­lha­dor para mo­ni­to­ri­zar os mo­vi­men­tos des­te, bem co­mo o tempo que es­te pas­sa fo­ra do es­cri­tó­rio. Mes­mo que o tra­ba­lha­dor dê o seu con­sen­ti­men­to, es­te é con­si­de­ra­do in­vá­li­do. O em­pre­ga­dor não po­de­rá ins­ta­lar CCTV – ví­deo vi­gi­lân­cia com ba­se no con­sen­ti­men­to do tra­ba­lha­dor, ape­nas o po­de­rá fa­zer para efei­tos de se­gu­ran­ça, sem para is­so mo­ni­to­ri­zar o com­por­ta­men­to dos tra­ba­lha­do­res.

O con­sen­ti­men­to de­ve­rá ago­ra ser da­do em for­ma de au­to­ri­za­ção con­cre­ta para um fim es­pe­cí­fi­co, mais do que uma au­to­ri­za­ção para o tra­ta­men­to de da­dos co­mo o no­me, mo­ra­da e nú­me­ros de iden­ti­fi­ca­ção de­ver-se-á tam­bém con­si­de­rar, por exem­plo, a au­to­ri­za­ção es­pe­cí­fi­ca para re­co­lha de ima­gem do tra­ba­lha­dor ou a re­co­lha de da­dos bi­o­mé­tri­cos, de­pen­den­do dos sis­te­mas de con­tro­lo im­ple­men­ta­dos em ca­da or­ga­ni­za­ção.

A de­fe­sa dos in­te­res­ses pes­so­ais em con­tex­to la­bo­ral te­rá ago­ra de pas­sar pela mo­di­fi­ca­ção da cul­tu­ra em­pre­sa­ri­al em con­for­mi­da­de com as obri­ga­ções le­gais, pela im­ple­men­ta­ção, a par das cor­rec­ções con­tra­tu­ais que se im­põem, de po­lí­ti­cas e com­por­ta­men­tos in­ter­nos de on­de se­ja vei­cu­la­da ao tra­ba­lha­dor uma in­for­ma­ção cla­ra, con­ci­sa e ob­jec­ti­va de acor­do com os di­rei­tos e ga­ran­ti­as do Re­gu­la­men­to Ge­ral de Pro­te­ção de Da­dos.

Re­fe­rên­ci­as: Ar­ti­gos 7.º e 88.º e con­si­de­ran­do 43 do RGPD

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.