Câ­ma­ra vai con­tra­tar em­pre­sa pa­ra tra­ba­lhar na re­vi­são do Pla­no Di­re­tor Mu­ni­ci­pal

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES -

Cris­ti­na Vi­ei­ra, pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses, anun­ci­ou que a au­tar­quia vai con­tra­tar uma em­pre­sa pa­ra aju­dar ao pro­ces­so de re­vi­são do Pla­no Di­re­tor Mu­ni­ci­pal (PDM) do con­ce­lho.

O anún­cio foi fei­to na reu­nião pú­bli­ca do exe­cu­ti­vo, na pas­sa­da se­gun­da-fei­ra, e sur­giu em res­pos­ta a uma pro­pos­ta do ve­re­a­dor do PSD, Jo­sé Mo­ta.

Na reu­nião, o ve­re­a­dor do Par­ti­do So­ci­al De­mo­cra­ta propôs ao exe­cu­ti­vo mu­ni­ci­pal que, aquan­do à re­vi­são do Pla­no Di­re­tor Mu­ni­ci­pal (PDM) fos­se da­da “uma aten­ção es­pe­ci­al às UOPG’s”. De acor­do com Jo­sé Mo­ta, es­tas “são áre­as que me­re­cem ser clas­si­fi­ca­das em PDM com um tra­ba­lho mais mi­nu­ci­o­so que per­mi­ta de­sen­vol­ver pro­je­tos”. O so­ci­al de­mo­cra­ta re­lem­brou tam­bém a ne­ces­si­da­de de “cri­ar gru­pos de tra­ba­lhos que se de­di­quem a es­sas res­pon­sa­bi­li­da­des”, no que res­pei­ta à re­vi­são do PDM.

Em res­pos­ta, a pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses, Cris­ti­na Vi­ei­ra, ga­ran­tiu que a au­tar­quia irá en­tão con­tra­tar uma em­pre­sa, “uma vez que os nos­sos téc­ni­cos não têm ca­pa­ci­da­de téc­ni­ca pa­ra re­a­li­zar es­te es­tu­do, que é de gran­de im­por­tân­cia pa­ra o con­ce­lho de Mar­co de Ca­na­ve­ses”. Se­gun­do a au­tar­ca, se­rá ain­da cons­ti­tuí­da uma “equi­pa de acom­pa­nha­men­to, o que aliás é uma im­po­si­ção le­gal”.

Cris­ti­na Vi­ei­ra apro­vei­tou ain­da o mo­men­to pa­ra en­de­re­çar um con­vi­te a to­das as for­ças po­lí­ti­cas pa­ra par­ti­ci­par nes­ta re­vi­são, “pa­ra que es­ta re­vi­são do PDM se­ja as­ser­ti­va e que con­tri­bua pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e sus­ten­tá­vel do con­ce­lho”.

No­vas in­fra­es­tru­tu­ras pa­ra o Gi­ná­sio Clu­be de Al­pen­do­ra­da

A ne­ces­si­da­de de se­rem cri­a­das in­fra­es­tru­tu­ras pa­ra o Gi­ná­sio Clu­be de Al­pen­do­ra­da (GCA) foi ou­tro dos te­mas abor­da­dos na ses­são da reu­nião pú­bli­ca de se­tem­bro, as­sun­to que ti­nha já si­do abor­da­do pe­la de­pu­ta­da mu­ni­ci­pal Es­te­la Frei­tas na úl­ti­ma ses­são da as­sem­bleia mu­ni­ci­pal, no pas­sa­do 22 de se­tem­bro.

O ve­re­a­dor do PSD, Jo­sé Mo­ta re­fe­riu-se ao as­sun­to, in­di­can­do que “o Mar­co tem vin­do a ga­nhar al­gu­ma re­le­vân­cia ao ní­vel das ati­vi­da­des li­ga­das aos pla­nos de água”, acres­cen­tan­do que “é im­por­tan­te tra­ba­lhar no sen­ti­do de se po­der cri­ar in­fra­es­tru­tu­ras de apoio às pro­vas de ca­no­a­gem, no­me­a­da­men­te com a cri­a­ção de uma pis­ta de ca­no­a­gem. Is­to é tam­bém uma for­ma de po­ten­ci­ar o nos­so con­ce­lho”.

Em res­pos­ta, Cris­ti­na Vi­ei­ra in­di­cou que “o exe­cu­ti­vo mu­ni­ci­pal es­tá aten­to a es­ta ques­tão. Es­ta­mos a es­tu­dar a hi­pó­te­se de fa­zer um pro­je­to pa­ra a con­cre­ti­za­ção do di­to par­que de apoio aos des­por­tos náu­ti­cos do rio Tâmega”. A au­tar­ca in­di­cou ain­da que jun­ta­men­te com o GCA, “es­ta­mos a ten­tar en­con­trar uma so­lu­ção pa­ra me­lho­rar as ins­ta­la­ções que a as­so­ci­a­ção es­tá nes­te mo­men­to a usu­fruir”.

Obra na ban­ca­da do Fu­te­bol Clu­be de Al­pen­do­ra­da

Pau­lo Ra­ma­lhei­ra Tei­xei­ra, ve­re­a­dor do CDS-PP, ques­ti­o­nou o exe­cu­ti­vo mu­ni­ci­pal re­la­ti­va­men­te às obras na ban­ca­da do Fu­te­bol Clu­be de Al­pen­do­ra­da. No cen­tro da ques­tão es­te­ve a re­ti­ra­da da obra à em­pre­sa, uma vez que es­ta de­ve­ria ter fi­ca­do con­cluí­da em fe­ve­rei­ro de 2018.

Em res­pos­ta, o vi­ce-pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses, Má­rio Bru­no Ma­ga­lhães, afir­mou que no iní­cio de ja­nei­ro ha­via de­cor­ri­do uma reu­nião com a re­fe­ri­da em­pre­sa, “que as­su­miu que iria re­for­çar os tra­ba­lhos no lo­cal, no en­tan­to, o mes­mo não se ve­ri­fi­cou. Nes­te mo­men­to, nem 15% da obra es­tá con­cluí­da”.

Se­gun­do o au­tar­ca, a úl­ti­ma reu­nião de­cor­reu em agos­to e a em­pre­sa “não apre­sen­tou qual­quer ti­po de re­so­lu­ção. Nas reu­niões, tu­do o que os res­pon­sá­veis da em­pre­sa ar­gu­men­ta­vam na­da fa­zi­am crer que fos­sem ca­pa­zes de con­cluir os tra­ba­lhos”.

Má­rio Bru­no Ma­ga­lhães in­di­cou que foi en­tão pro­pos­to à em­pre­sa a li­qui­da­ção das con­tas que es­tão pen­den­tes. “Es­tá nes­te mo­men­to na fa­se de re­so­lu­ção. Não es­tá na­da acor­da­do, mas te­mos o ga­bi­ne­te da con­tra­ta­ção a tra­ba­lhar, jun­ta­men­te com a em­pre­sa, pa­ra que se re­sol­va o pro­ble­ma da obra”, ex­pli­cou.

Cál­cu­lo pa­ra atri­bui­ção de pas­se es­co­lar foi al­te­ra­do

Ou­tro dos te­mas abor­da­dos na reu­nião pú­bli­ca de se­gun­da-fei­ra foi a al­te­ra­ção das re­gras pa­ra atri­bui­ção do pas­se es­co­lar, me­di­da in­te­gra­da no pla­no de trans­por­te es­co­lar do Mu­ni­cí­pio de Mar­co de Ca­na­ve­ses.

Se­gun­do Cris­ti­na Vi­ei­ra, “o cál­cu­lo dos três qui­ló­me­tros de tra­je­to que per­mi­te aces­so ao re­fe­ri­do pas­se pas­sou a ser fei­to pe­lo per­cur­so do au­to­car­ro, e não pe­lo per­cur­so mais cur­to”, co­mo acon­te­cia até aqui.

A pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses re­fe­riu na oca­sião que es­ta me­di­da “vai re­sol­ver mui­tos dos as­sun­tos que en­con­trei pen­den­tes do an­te­ri­or exe­cu­ti­vo”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.