Pe­drei­ros vão po­der re­for­mar-se aos 50 anos

Uten­tes da Cer­ci­mar­co vi­ve­ram as emo­ções do rally

A Verdade - - PRIMEIRA PÁGINA -

Na no­va pro­pos­ta do Or­ça­men­to de Es­ta­do pa­ra 2019, apre­sen­ta­da no pas­sa­do dia 15 de ou­tu­bro em As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, o Blo­co de Es­quer­da su­ge­riu que os pe­drei­ros ti­ves­sem um re­gi­me de apo­sen­ta­ção semelhante ao dos mi­nei­ros, com aces­so fa­ci­li­ta­do à re­for­ma. Mu­ni­cí­pio já fe­li­ci­tou a pro­pos­ta.

Na no­va pro­pos­ta do Or­ça­men­to de Es­ta­do pa­ra 2019, apre­sen­ta­da no pas­sa­do dia 15 de ou­tu­bro em As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, o Blo­co de Es­quer­da su­ge­riu que os pe­drei­ros ti­ves­sem um re­gi­me de apo­sen­ta­ção semelhante ao dos mi­nei­ros, com aces­so fa­ci­li­ta­do à re­for­ma.

A me­di­da pre­vê que os tra­ba­lha­do­res das pe­drei­ras te­nham a pos­si­bi­li­da­de de re­du­zi­rem um ano à ida­de de re­for­ma por ca­da dois anos de des­con­tos, até ao li­mi­te de 50 anos.

Es­tá ain­da pre­vis­to, na nor­ma do Or­ça­men­to de Es­ta­do pa­ra 2019, por por­ta­ria, a re­gu­la­men­ta­ção, por par­te do Go­ver­no, a lis­ta de pro­fis­sões com aces­so a es­te re­gi­me. O ob­je­ti­vo do Blo­co de Es­quer­da é que os tra­ba­lha­do­res da in­dús­tria de trans­for­ma­ção da pe­dra pas­sem a ser abran­gi­dos.

Em Mar­co de Ca­na­ve­ses, com mai­or in­ci­dên­cia no bai­xo con­ce­lho, on­de a ex­plo­ra­ção da pe­dra é a prin­ci­pal fon­te de ren­di­men­to, es­ta é uma me­di­da im­por­tan­te, uma vez que des­ta ati­vi­da­de pro­fis­si­o­nal ad­vém vá­ri­os pro­ble­mas de saú­de.

Qu­es­ti­o­na­das pe­lo Jor­nal A VER­DA­DE, as ad­vo­ga­das Síl­via Tei­xei­ra Fer­rei­ra e Fi­li­pa Cos­ta, ex­pli­ca­ram em que con­sis­te es­ta lei e de que for­ma é que se­rá uma mais-va­lia pa­ra a vi­da des­tes ho­mens.

“As con­di­ções de es­pe­ci­al pe­no­si­da­de e o am­bi­en­te no­ci­vo em que se de­sen­vol­vem cer­tas ati­vi­da­des pro­fis­si­o­nais têm si­do re­co­nhe­ci­das, na Le­gis­la­ção Por­tu­gue­sa, des­de o iní­cio da dé­ca­da de 70, cri­an­do-se um es­que­ma de pro­te­ção so­ci­al di­fe­ren­ci­a­do”, su­bli­nha­ram, re­fe­rin­do-se à lei exis­ten­te pa­ra os tra­ba­lha­do­res da in­dús­tria mi­nei­ra e, pos­te­ri­or­men­te aos tra­ba­lha­do­res da Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Urâ­nio S.A.

As ju­ris­tas apon­ta­ram que “com a evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca re­gis­ta­da nas últimas dé­ca­das e a aten­ção que é ho­je pres­ta­da às con­di­ções de tra­ba­lho exis­ten­tes em to­das as áre­as pro­du­ti­vas, a ver­da­de é que o po­der le­gis­la­ti­vo tem, ao lon­go dos anos, da­do con­ta da ne­ces­si­da­de de apli­ca­ção de um re­gi­me di­fe­ren­ci­a­do a ati­vi­da­des com ex­po­si­ção a fa­to­res ex­ter­nos pre­ju­di­ci­ais à saú­de, tais co­mo a ina­la­ção de com­po­nen­tes no­ci­vos”.

Ten­do em con­ta es­tu­dos ela­bo­ra­dos, as ad­vo­ga­das con­clu­em que “ine­ren­te ao fun­ci­o­na­men­to das em­pre­sas de ex­plo­ra­ção de pe­drei­ras exis­te o ris­co ge­ne­ra­li­za­do de si­li­co­se e igual­men­te da sur­dez”.

Des­ta for­ma, Síl­via Tei­xei­ra Fer­rei­ra e Fi­li­pa Cos­ta de­fen­dem que “o am­bi­en­te de tra­ba­lho em que es­tão in­se­ri­dos os tra­ba­lha­do­res das pe­drei­ras, po­de­rá iden­ti­fi­car-se, do pon­to de vis­ta ju­rí­di­co e por ana­lo­gia le­gis, ao am­bi­en­te de tra­ba­lho dos mi­nei­ros. Pe­lo que, se a es­tes foi atri­buí­do um re­gi­me es­pe­ci­al de aces­so às pen­sões de in­va­li­dez e de ve­lhi­ce, pe­lo fac­to não só de ser uma ati­vi­da­de des­gas­tan­te mas sim es­sen­ci­al­men­te de­vi­do à no­ci­vi­da­de do ar res­pi­ra­do, de igual for­ma, e por ra­zões de equi­da­de, igual­da­de e jus­ti­ça, po­der-se-á apli­car o mes­mo re­gi­me ju­rí­di­co aos tra­ba­lha­do­res das pe­drei­ras, com as de­vi­das adap­ta­ções”.

ANIET con­si­de­ra que me­di­da é po­si­ti­va

Fran­ce­li­na Pin­to, en­ge­nhei­ra da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria Ex­trac­ti­va e Trans­for­ma­do­ra (ANIET), clas­si­fi­cou es­ta me­di­da co­mo “po­si­ti­va”. Re­lem­brou ain­da que, nes­te mo­men­to, “não pas­sa de uma pro­pos­ta”. “Te­mos de aguar­dar a re­gu­la­men­ta­ção pa­ra per­ce­ber­mos quem se­rá abran­gi­do e se ha­ve­rá ou não pe­na­li­za­ções”, com­ple­tou.

A res­pon­sá­vel da ANIET in­di­cou que “a me­di­da po­de até fun­ci­o­nar co­mo um ape­lo con­vi­da­ti­vo a atrair jo­vens pa­ra o se­tor, o que tam­bém gos­ta­ría­mos”.

De acor­dou com Fran­ce­li­na Pin­to, após a pro­pos­ta do Or­ça­men­to de Es­ta­do ser apre­sen­ta­da, hou­ve cu­ri­o­si­da­de por par­te dos pro­fis­si­o­nais. “Que­rem sa­ber se é só pa­ra os pe­drei­ros ou se abran­ge tam­bém ou­tras ca­te­go­ri­as, sen­do cer­to que o pe­drei­ro é o que es­tá mais di­re­ta­men­te li­ga­do, que tem mai­or ina­la­ção, mas há ou­tras ca­te­go­ri­as pro­fis­si­o­nais que tam­bém são con­si­de­ra­das de ris­co”, re­cor­dou.

A res­pon­sá­vel da ANIET afir­mou que “tu­do o que se­ja re­co­nhe­cer um tra­ba­lho de uma pro­fis­são que é ár­dua e de des­gas­te é po­si­ti­vo. São pes­so­as que têm um tra­ba­lho mui­to du­ro, quer se quei­ra, quer não”.

Es­ta me­di­da é vis­ta com bons olhos por par­te da ANIET, uma vez que a re­du­ção da ida­de da re­for­ma per­mi­ti­rá uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da aos pe- drei­ros. “Há uma li­ga­ção de do­en­ças pro­fis­si­o­nais a es­te se­tor, são mui­to mais pro­pí­ci­os a apa­nhar do­en­ças res­pi­ra­tó­ri­os, pois es­tão mais ex­pos­tos”, ad­mi­tiu Fran­ce­li­na Pin­to, acres­cen­tan­do que “o pri­mei­ro pas­so es­tá da­do” pa­ra re­co­nhe­cer o tra­ba­lho des­tes pro­fis­si­o­nais.

Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses clas­si­fi­ca me­di­da co­mo uma “ex­ce­len­te no­tí­cia”

A Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses tam­bém de­mons­trou o seu agra­do por ver es­ta me­di­da plas­ma­da no Or­ça­men­to de Es­ta­do de 2019, con­si­de­ran­do que es­ta é “uma for­ma de re­por a jus­ti­ça em re­la­ção a di­rei­tos, já há mui­to rei­vin­di­ca­dos pe­los pe­drei­ros”.

Cris­ti­na Vieira, pre­si­den­te da au­tar­quia mar­co­en­se clas­si­fi­cou a me­di­da co­mo “uma ex­ce­len­te no­tí­cia” pa­ra o con­ce­lho de Mar­co de Ca­na­ve­ses e pa­ra “mui­tos mar­co­en­ses, tra­ba­lha­do­res no se­tor das pe­drei­ras, em nú­me­ro mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vo em al­gu­mas das fre­gue­si­as do Mar­co, que têm nes­ta ati­vi­da­de, um im­por­tan­te nú­me­ro de tra­ba­lha­do­res”

“É uma me­di­da jus­ta, uma vez que es­ta­mos a fa­lar de uma pro­fis­são de gran­de des­gas­te, não obs­tan­te o de­sen­vol­vi­men­to tec­no­ló­gi­co cons­tan­te das nos­sas em­pre­sas que tem mi­ni­mi­za­do a du­re­za do ofí­cio”, fri­sou ain­da a au­tar­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.