SO­LU­ÇÕES PA­RA AQUE­CI­MEN­TO A GÁS PA­RA USO DO­MÉS­TI­CO E IN­DUS­TRI­AL

A Verdade - - REPSOL -

To­dos os anos, a par­tir des­ta al­tu­ra, os equi­pa­men­tos a gás lá de ca­sa vol­tam aos seus “pos­tos” pa­ra cli­ma­ti­za­rem a ca­sa e tor­na­rem o am­bi­en­te mais con­for­tá­vel. Pa­ra au­xí­lio des­tes equi­pa­men­tos sur­gem ou­tras ne­ces­si­da­des, no­me­a­da­men­te, o abas­te­ci­men­to de gás.

A Rep­sol tem um ser­vi­ço efi­ci­en­te e ami­go do am­bi­en­te, adap­tan­do-se aos di­fe­ren­tes usos e se­to­res. O gás é uma ener­gia que lhe ofe­re­ce mais por me­nos. É ver­sá­til e com pre­ço com­pe­ti­ti­vo em com­pa­ra­ção com ou­tros com­bus­tí­veis tra­di­ci­o­nais. A ma­nu­ten­ção da ins­ta­la­ção do gás da Rep­sol irá per­mi­tir-lhe pou­par cus­tos, de­vi­do às su­as ca­rac­te­rís­ti­cas. O gás é um com­bus­tí­vel efi­ci­en­te e se­gu­ro, com pro­pri­e­da­des que per­mi­tem dar mais ca­lor do que ou­tras fon­tes de ener­gia.

O gás da Rep­sol per­mi­te um con­tro­lo per­ma­nen­te da tem­pe­ra­tu­ra. Is­to dar-lhe-á se­gu­ran­ça na ho­ra de con­tro­lar as con­di­ções exa­tas que pre­ten­de em cer­tas zo­nas do lar ou do ne­gó­cio. Não irá so­frer per­das de ca­lor com a nos­sa so­lu­ção ener­gé­ti­ca que, in­clu­si­ve, man­tém a tem­pe­ra­tu­ra em zo­nas mui­to ven­ti­la­das.

So­lu­ção de ar­ma­ze­na­men­to per­so­na­li­za­da pa­ra ca­da cli­en­te

Lon­ga du­ra­ção do equi­pa­men­to e re­du­zi­do cus­to de ma­nu­ten­ção. As quan­ti­da­des de hi­dro­car­bo­ne­tos não qu­ei­ma­dos são bai­xas. A du­ra­ção das cal­dei­ras é su­pe­ri­or em re­la­ção à uti­li­za­ção com ou­tros com­bus­tí­veis e os pro­ble­mas de ma­nu­ten­ção são mui­to me­no­res.

A uni­for­mi­da­de no po­der ca­lo­rí­fi­co do gás da Rep­sol é tal que os quei­ma­do­res não pre­ci­sam de qual­quer ajuste após o abas­te­ci­men­to de com­bus­tí­vel.

A mai­or po­tên­cia tér­mi­ca ins­ta­la­da nos equi­pa­men­tos per­mi­te uma mai­or ra­pi­dez de res­pos­ta pe­ran­te va­ri­a­ções de tem­pe­ra­tu­ra ex­te­ri­or.

Ca­pa­ci­da­de lo­gís­ti­ca

O abas­te­ci­men­to fei­to, tan­to em zo­nas ru­rais co­mo ur­ba­nas, não de­pen­de das re­des de abas­te­ci­men­to. A Rep­sol con­ta com a mai­or fro­ta de dis­tri­bui­ção de gás com ca­pa­ci­da­de pa­ra for­ne­cer, em me­nos de 12 ho­ras, em qual­quer pon­to do país. No con­ce­lho do Mar­co de Ca­na­ve­ses, a Sol­gás é o seu dis­tri­bui­dor.

Se o equi­pa­men­to que uti­li­za ne­ces­si­ta de gar­ra­fas, a Rep­sol tem op­ções le­ves e adap­tá­veis. As gar­ra­fas de gás bu­ta­no K6 e K11 fo­ram ri­go­ro­sa­men­te pen­sa­das pa­ra fa­ci­li­tar a vi­da do uti­li­za­dor. Foi re­du­zi­do o pe­so fa­ce às gar­ra­fas tra­di­ci­o­nais até me­nos 60%, pa­ra que o trans­por­te se­ja sem­pre re­a­li­za­do de for­ma có­mo­da, sem es­for­ço e com to­da a se­gu­ran­ça. O gás bu­ta­no e pro­pa­no pro­por­ci­o­nam uma ener­gia rá­pi­da, po­ten­te, ins­tan­tâ­nea e eco­nó­mi­ca.

Pa­ra a in­dús­tria, uma das so­lu­ções apre­sen­ta­das pe­la Rep­sol é o de­pó­si­to. A ins­ta­la­ção e ma­nu­ten­ção são as­se­gu­ra­das pe­los téc­ni­cos da Sol­gás pa­ra a re­gião do Tâ­me­ga e Sousa de for­ma sim­ples e efi­caz.

A Rep­sol dis­põe de so­lu­ções de gás a gra­nel pa­ra a in­dús­tria

A Rep­sol Gás Por­tu­gal foi dis­tin­gui­da com um pré­mio atri­buí­do à apli­ca­ção Ped­gas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.