39 ANOS DE EX­PE­RI­ÊN­CIA NA

A Verdade - - SOLGÁS -

ASol­gás foi fun­da­da em 1979, por Jo­sé Fer­nan­do Pinheiro Ribeiro, em Mar­co de Ca­na­ve­ses, co­mo em­pre­sa de co­mér­cio e dis­tri­bui­ção de gás. Ao lon­go dos anos, e por ini­ci­a­ti­va do fi­lho Ri­car­do Jorge de Sousa Ribeiro, a em­pre­sa tem vin­do a de­sen­vol­ver ati­vi­da­de nas áre­as de ins­ta­la­ções de re­des de gás, ener­gi­as re­no­vá­veis e cli­ma­ti­za­ção.

A em­pre­sa com 39 anos de exis­tên­cia pres­ta ser­vi­ços va­ri­a­dos mar­ca­dos pe­la qua­li­da­de, des­de o acon­se­lha­men­to do equi­pa­men­to, até à sua ins­ta­la­ção e ma­nu­ten­ção pe­rió­di­ca, atra­vés de téc­ni­cos es­pe­ci­a­li­za­dos. A Sol­gás tem co­mo ob­je­ti­vo ofe­re­cer so­lu­ções in­te­gra­das no âm­bi­to das ener­gi­as re­no­vá- veis, efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca e sus­ten­ta­bi­li­da­de ambiental.

São vá­ri­os os ti­pos de aque­ci­men­to dis­po­ní­veis pa­ra a sua ca­sa

O aque­ci­men­to elé­tri­co atra­vés de ra­di­a­do­res e to­a­lhei­ros be­ne­fi­cia de uma ins­ta­la­ção sim­ples e eco­nó­mi­ca, ten­do, no en­tan­to, co­mo prin­ci­pal des­van­ta­gem o ele­va­do cus­to de ex­plo­ra­ção re­la­ci­o­na­dos com o pre­ço da ener­gia elé­tri­ca e os im­pos­tos que por ela são pa­gos.

O aque­ci­men­to hi­dráu­li­co é outra op­ção. Atra­vés de pi­so radiante, ra­di­a­do­res, to­a­lhei­ros e ven­ti­lo-con­ve­to­res, es­te sis­te­ma acar­re­ta uma ins­ta­la­ção mais com­ple­xa que ao ser as­so­ci­a­do a fon­tes de ca­lor eco­nó­mi­cas (bom­bas de ca­lor, cal­dei­ras a pel­let’s ou cal­dei­ras de con­den­sa­ção a gás na­tu­ral) têm cus­tos re­la­ti­va­men­te bai­xos. Es­te ti­po de so­lu­ção in­te­gra-se tam­bém com a ne­ces­si­da­de de aque­cer as águas sa­ni­tá­ri­as nas ha­bi­ta­ções, não ha­ven­do por is­so du­pli­ca­ção de in­ves­ti­men­to.

A outra op­ção, e tal­vez a mais co­nhe­ci­da, é o ar con­di­ci­o­na­do que se tra­ta de uma so­lu­ção re­la­ti­va­men­te eco­nó­mi­ca com a van­ta­gem de fa­zer fa­cil­men­te frio e quen­te.

Den­tro da ga­ma do ar con­di­ci­o­na­do exis­tem du­as for­mas. O sis­te­ma de in­ver­são que tor­na pos­sí­vel eco­no­mi­zar até 40% em ener­gia elé­tri­ca, em com- pa­ra­ção com o equi­pa­men­to con­ven­ci­o­nal, com com­pres­so­res de ve­lo­ci­da­de fi­xa.

O sis­te­ma con­ven­ci­o­nal, ba­seia-se no fun­ci­o­na­men­to do com­pres­sor em ple­no ren­di­men­to ou des­li­ga­do, man­ten­do-se em fun­ci­o­na­men­to até ser al­can­ça­da a tem­pe­ra­tu­ra pre­ten­di­da. Nes­se mo­men­to, o com­pres­sor des­li­ga e não vol­ta a fun­ci­o­nar até que a tem­pe­ra­tu­ra do espaço o so­li­ci­te.

A Sol­gás es­tá ca­pa­ci­ta­da pa­ra ana­li­sar os es­pa­ços e su­ge­rir o me­lhor sis­te­ma de cli­ma­ti­za­ção me­di­an­te tam­bém o or­ça­men­to dis­po­ní­vel do cli­en­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.