Cris­ti­na Vieira garante: “Não vou fa­zer nú­me­ros po­lí­ti­cos so­bre o IC35”

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES -

OIC35 vol­tou a ser mo­ti­vo de dis­cus­são na úl­ti­ma reu­nião pú­bli­ca da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses, que de­cor­reu no dia 22 de ou­tu­bro. A ques­tão sur­giu após declarações da pre­si­den­te da au­tar­quia mar­co­en­se, Cris­ti­na Vieira, aquan­do à Bi­e­nal da Pe­dra, que afir­mou que não irá fa­zer “nú­me­ros po­lí­ti­cos” so­bre o as­sun­to.

António Di­as, ve­re­a­dor do par­ti­do so­ci­al de­mo­cra­ta, des­ta­cou que es­ta é uma obra “ex­tre­ma­men­te ne­ces­sá­ria pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to e com­pe­ti­ti­vi­da­de do te­ci­do em­pre­sa­ri­al do con­ce­lho”, ques­ti­o­nan­do a pre­si­den­te so­bre a “mu­dan­ça de opi­nião”, uma vez que o IC35 fa­zia par­te do ma­ni­fes­to elei­to­ral do PS pa­ra as elei­ções.

De acor­do com o so­ci­al-de­mo­cra­ta, o que os mar­co­en­ses es­pe­ram é que a pre­si­den­te “se­ja a pri­mei­ra a de­fen­der e a lu­tar, mes­mo sa­ben­do que se tra­ta de uma lu­ta di­fí­cil”.

Em res­pos­ta a es­ta ques­tão, a au­tar­ca mar­co­en­se, Cris­ti­na Vieira, afir­mou que só fa­la­rá do IC35 qu­an­do exis­ti­rem da­dos con­cre­tos. “A única in­for­ma­ção que te­nho pa­ra dar é que es­te go­ver­no es­tá a ten­tar in­cluir o IC35 na re­pro­gra­ma­ção dos fun­dos co­mu­ni­tá­ri­os do 2030”,avan­çou, acres­cen­tan­do que es­tá a ser fei­to “um no­vo es­tu­do que diz res­pei­to a uma si­tu­a­ção mais con­cre­ta”.

Cris­ti­na Vieira re­cor­dou tam­bém que es­ta via “é es­tru­tu­ran­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co da trans­for­ma­ção e da in­dús­tria dos gra­ni­tos, bem co­mo pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co do con­ce­lho” e que to­do o exe­cu­ti­vo mu­ni­ci­pal “gos­ta­ria que es­te as­sun­to já fos­se uma re­a­li­da­de, in­fe­liz­men­te já tem mui­tos anos”.

A au­tar­ca mar­co­en­se ga­ran­tiu que con­ti­nu­a­rá a acom­pa­nhar a si­tu­a­ção. “Não foi por aca­so que os se­nho­res de­pu­ta­dos do par­ti­do so­ci­a­lis­ta es­ti­ve­ram na Bi­e­nal da Pe­dra, a al­mo­çar com os em­pre­sá­ri­os da pe­dra, on­de lhes foi re­vin­di­ca­do o IC35”, re­cor­dou.

Tam­bém o ve­re­a­dor do CDS-PP, Pau­lo Ra­ma­lhei­ra Tei­xei­ra, fo­cou-se nes­te te­ma. “É ne­ces­sá­rio de­ba­ter o as­sun­to in­ter­na­men­te, por­que so­mos o po­der que es­tá nes­te mo­men­to em fun­ções”, afir­mou, so­li­ci­tan­do tam­bém à pre­si­den­te da câ­ma­ra mu­ni­ci­pal “a in­clu­são na or­dem de tra­ba­lhos da pró­xi­ma reu­nião de câ­ma­ra, de um pon­to es­pe­cí­fi­co so­bre o IC35, pa­ra um de­ba­te a ní­vel in­ter­no so­bre es­ta ma­té­ria”.

O ve­re­a­dor da opo­si­ção des­ta­cou ain­da a ne­ces­si­da­de de uma “dis­cus­são com se­ri­e­da­de e sem nú­me­ros po­lí­ti­cos”, re­for­çou.

Cen­tro So­ci­al de Fa­vões vai apre­sen­tar no­vo pro­je­to pa­ra ins­ta­la­ções

Na mes­ma reu­nião pú­bli­ca de câ­ma­ra, o ve­re­a­dor pe­lo par­ti­do so­ci­al de­mo­cra­ta, Jo­sé Mo­ta, ques­ti­o­nou a pre­si­den­te re­la­ti­va­men­te à re­a­li­za­ção de uma reu­nião com a CCDR-N a propósito de uma can­di­da­tua a fun­dos co­mu­ni­tá­ri­os pa­ra das obras o Cen­tro So­ci­al de Fa­vões, na Fre­gue­sia de Bem Vi­ver.

A pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal, Cris­ti­na Vieira, re­cor­dou que o Cen­tro So­ci­al de Fa­vões e o Cen­tro So­ci­al de S. Mar­ti­nho de So­a­lhães fo­ram os dois iden­ti­fi­ca­dos pa­ra as can­di­da­tu­ras do pro­gra­ma da Co­mu­ni­da­de In­ter­mu­ni­ci­pal do Tâ­me­ga e Sousa. No en­tan­to, hou­ve al­guns pro­ble­mas com a can­di­da­tu­ra do Cen­tro So­ci­al de Fa­vões.

“Nos pro­to­co­los de co­o­pe­ra­ção que têm com a se­gu­ran­ça so­ci­al, o NISS não es­ta­va cor­re­to, o nú­me­ro que eles têm nos pro­to­co­los não é o nú­me­ro que eles uti­li­zam, é um pro­ble­ma que já se ar­ras­ta há anos mas que efe­ti­va­men­te, na can­di­da­tu­ra, po­dia tra­zer al­guns cons­tran­gi­men­tos”, ex­pli­cou a au­tar­ca. Avan­ça ain­da que, após di­li­gên­ci­as com a se­gu­ran­ça so­ci­al, “es­se pro­ble­ma foi resolvido”.

O se­gun­do cons­tran­ge­min­to apre­sen­ta­do pe­la au­tar­ca diz res­pei­to ao pro­je­to apre­sen­ta­do pe­lo cen­tro so­ci­al pa­ra es­ta can­di­da­tu­ra. “Qu­an­do fo­ram atri­buí­dos os pro­to­co­los pe­la se­gu­ran­ça so­ci­al, lá di­zia que era pa­ra 20 uten­tes, mas que a ca­pa­ci­da­de era pa­ra 25. En­tão, ao fa­zer a obra, o pro­je­to es­ta­va pa­ra 25 uten­tes, no en­tan­to a CCDR-N diz que es­se in­ves­ti­men­to não é le­gí­vel e po­de por em cau­sa o de­fe­ri­men­to da can­di­da­tu­ra. O Cen­tro So­ci­al de Fa­vões te­ve de de­sis­tir da can­di­da­tu­ra e es­ta­mos ago­ra nu­ma lu­ta con­tra o tem­po a al­te­rar o pro­je­to”, ex­pli­cou.

As­so­ci­a­ção Re­cre­a­ti­va de Tuías vai mu­dar sis­te­ma de aque­ci­men­to de águas

Foi apro­va­do por una­ni­mi­da­de, na úl­ti­ma reu­nião pú­bli­ca de câ­ma­ra, no dia 22 de ou­tu­bro, a atri­bui­ção de cer­ca de três mil eu­ros à As­so­ci­a­ção Re­cre­a­ti­va de Tuías.

A pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses, Cris­ti­na Vieira, ex­pli­cou que es­te va­lor con­sis­te num apoio fi­nan­cei­ro pa­ra a re­mo­de­la­ção do sis­te­ma de aque­ci­men­to das águas sa­ni­tá­ri­as dos bal­neá­ri­os, on­de se­rá co­lo­ca­da uma cal­dei­ra e ins­ta­la­do aque­ci­men­to a gás.

“Com es­te apoio, a As­so­ci­a­ção Re­cre­a­ti­va de Tuías bai­xa­rá os con­su­mos de ele­tri­ci­da­de e pas­sa­rá o con­ta­dor da luz pa­ra o seu no­me. Dei­xan­do as­sim a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de pa­gar a ele­tri­ci­da­de da as­so­ci­a­ção”, re­fe­riu na reu­nião.

De acor­do com a au­tar­ca, es­ta não é uma me­di­da única pa­ra aque­la as­so­ci­a­ção, re­cor­dan­do que “exis­tem mais as­so­ci­a­ções e jun­tas de fre­gue­sia a quem a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal ce­deu equi­pa­men­tos e, nos pro­to­co­los que as­si­na­ram, es­ta­ria ex­plí­ci­to que se­ri­am as en­ti­da­des a su­por­tar as des­pe­sas de fun­ci­o­na­men­to e ma­nu­ten­ção. No en­tan­to, não es­ta­va a acon­te­cer”, re­cor­dan­do que es­sas as­so­ci­a­ções e jun­tas de fre­gue­sia já fo­ram no­ti­fi­ca­das pa­ra cum­pri­rem as clau­su­las dos pro­to­co­los.

Cris­ti­na Vieira avan­çou que o ob­je­ti­vo “é cri­ar ri­gor e pou­pan­ça na ges­tão e jus­ti­ça pa­ra com ou­tras as­so­ci­a­ções e ou­tras jun­tas de fre­gue­sia que já cum­pri­am o que es­ta­va nos pro­to­co­los”.

“Ao com­par­ti­ci­par es­te va­lor es­ta­mos a pen­sar sem­pre nu­ma pou­pan­ça a cur­to pra­zo“, con­cluiu a pre­si­den­te.

Vo­to de lou­vor a Jo­sé Sousa

A Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses apro­vou por una­ni­mi­da­de, na reu­nião pú­bli­ca do Exe­cu­ti­vo Mu­ni­ci­pal, um vo­to de lou­vor ao atle­ta mar­co­en­se Jo­sé Jorge de Sousa, que se sagrou cam­peão na­ci­o­nal de pes­ca des­por­ti­va no es­ca­lão de ve­te­ra­nos.

O atle­ta, que per­ten­ce aos qua­dros do Ama­do­res de Pes­ca do Mar­co, é na­tu­ral e re­si­den­te no Mar­co de Ca­na­ve­ses. O vo­to de lou­vor foi apre­sen­ta­do pe­lo ve­re­a­dor com o Pe­lou­ro do Des­por­to, Pau­lo Cou­to.

“É mais um fei­to no­tá­vel pa­ra o des­por­to no nos­so con­ce­lho. Te­mos de va­lo­ri­zar quem le­va lon­ge e pe­las me­lho­res ra­zões o no­me do Mar­co de Ca­na­ve­ses. A Pes­ca Des­por­ti­va é uma das mo­da­li­da­des mais pra­ti­ca­das em Por­tu­gal e es­te título do Sr. Jo­sé Jorge de Sousa é mo­ti­vo de or­gu­lho pa­ra to­dos os mar­cu­en­ses”, dis­se o au­tar­ca.

Vo­to de pe­sar pe­lo fa­le­ci­men­to de Joaquim Ma­ga­lhães

Na mes­ma reu­nião pú­bli­ca, que de­cor­reu a 22 de ou­tu­bro, o ve­re­a­dor do CDS-PP, Pau­lo Ra­ma­lhei­ra Tei­xei­ra, apre­sen­tou um vo­to de pe­sar por Joaquim Ma­ga­lhães, que per­deu a vi­da num aci­den­te de tra­tor no dia 12 de ou­tu­bro. Re­cor­de-se que Joaquim Ma­ga­lhães é pai de Bruno Ma­ga­lhães, ex-ve­re­a­dor da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.