AU­DI A5 CABRIO 2.0 TDI

Co­mo for­ma de des­pe­di­da à épo­ca es­ti­val, fo­mos pa­ra a es­tra­da com o no­vo Au­di A5 Cabrio. A sur­pre­sa é que, pe­las qua­li­da­des di­nâ­mi­cas e de con­for­to, re­ve­lou-se mui­to mais que ape­nas um mo­de­lo de ca­pri­cho ou um bom com­pa­nhei­ro pa­ra di­as de sol…

Altagama Motor (Portugal) - - Sumário - Ber­nar­do Gon­za­lez Pau­lo Ca­lis­to

Um cabrio que tão com­ple­to que agra­da mes­mo a quem não é aman­te de des­ca­po­tá­veis.

Por nor­ma os des­ca­po­tá­veis são au­to­mó­veis de ca­pri­cho, pa­ra quem gos­ta de an­dar de ca­be­los ao ven­to ou sim­ples­men­te apre­cia o es­ti­lo que es­te ti­po de au­to­mó­veis ema­na. Pro­por­ci­o­nam o la­do dol­ce vi­ta da­qui­lo que po­de ser um quo­ti­dia- no stres­san­te, uma for­ma de fu­ga em que so­mos só ‘nós’, uma mú­si­ca ‘à ma­nei­ra’ e um con­tac­to mais di­re­to com a na­tu­re­za. Con­tu­do, há quem não os apre­cie, por con­si­de­rar que são pou­co ver­sá­teis, e por is­so de uti­li­za­ção li­mi­ta­da.

Os in­có­mo­dos de uma ca­po- ta em lo­na fo­ram con­tor­na­dos, ain­da na dé­ca­da de 1990, com a mo­da dos ‘CC’ – cou­pés-ca­bri­os –, que dis­pu­nham de ca­po­ta rí­gi­da re­trá­til, que se ‘en­ga­ve­ta­va’ na ba­ga­gei­ra. Mui­tos des­ses mo­de­los fo­ram, en­tre­tan­to, des­con­ti­nu­a­dos, por­que a so­lu­ção era com­ple­xa, dis­pen­di­o­sa e o pe­so que acar­re­ta­va pre­ju­di­ca­va a di­nâ­mi­ca. Em su­ma, não com­pen­sa­va até pe­las cha­ti­ces que cri­a­va – não fo­ram pou­cos os con­du­to­res que fi­ca­ram com a ca­po­ta se­mi-aber­ta de­vi­da a ava­ria do sis­te­ma. Pa­ra­le­la­men­te, hou­ve cons­tru­to­res que se man­ti­ve­ram fiéis à ve­lha ca­po­ta ‘de

lo­na’ que, por sua vez, evo­luí­ram na qua­li­da­de de iso­la­men­to e es­tan­qui­ci­da­de, gra­ças a no­vos ma­te­ri­ais, em di­ver­sas ca­ma­das, e a me­lho­res aca­ba­men­tos, pa­ra não fa­lar dos aper­fei­ço­a­dos me­ca­nis­mos de fi­xa­ção e de aber­tu­ra elé­tri­ca, que tor­nam tu­do mais có­mo­do. Em su­ma, es­ta ge­ra­ção de ca­bri­o­lets tor­nou-se mais prá­ti­ca e a anos-luz, por exem­plo, dos tra­di­ci­o­nais ro­ads­ters bri­tâ­ni­cos dos anos 70…

Ou­tro dos de­fei­tos dos ca­bri­os fa­ce aos seus ir­mãos cou­pés é o acres­cen­to de pe­so e a fal­ta de ri­gi­dez es­tru­tu­ral. Uma coi­sa mo­ti­va a ou­tra, pois, pa­ra com­pen­sar a fal­ta de te­ja­di­lho, os cons- tru­to­res ve­em-se obri­ga­dos a adi­ci­o­nar re­for­ços nas lon­ga­ri­na e na zo­na do pi­lar A – tam­bém por ra­zões de se­gu­ran­ça, em ca­so de ca­po­ta­men­to. Ain­da as­sim, raramente os re­sul­ta­dos são bri­lhan­tes. Além das in­sis­ten­tes vi­bra­ções ca­na­li­za­das pe­la es­tru­tu­ra do pa­ra-bri­sas à co­lu­na de di­re­ção, tam­bém a ‘en­gor­da’, em mé­dia de 200 a 300 kg, tor­na o com­por­ta­men­to mais ‘ler­do’ e me­nos re­a­ti­vo.

Bem iso­la­do

Mas não tem de ser sem­pre as­sim, e a Au­di pro­vou-o com es­te no­vo A5 Cabrio que, en­tre ou­tras evo­lu­ções, exi­be uma ri­gi­dez tor­ci­o­nal 40% su­pe­ri­or re­la­ti­va­men­te ao seu pre­de­ces­sor, com re­sul­ta­dos no­tó­ri­os. Mes­mo em pi­sos dis­for­mes não há vi­bra­ção que in­co­mo­de nem tre­mu­ra que abor­re­ça, nem pa­re­cen­do que es­ta­mos ao vo­lan­te de um mo­de­lo des­ca­po­tá­vel. O mes­mo se re­fe­re ao iso­la­men­to acús­ti­co e tér­mi­co. Ao lon­go de qua­se uma se­ma­na an­dá­mos ao sol, ao ven­to e sob chu­va for­te, e sen­ti­mo-nos sem­pre co­mo se es­ti­vés­se­mos num au­to­mó­vel con­ven­ci­o­nal. De­fi­ni­ti­va­men­te, es­te A5 co­me­ça­va a ca­ti­var-nos…

Ten­tan­do des­fru­tar do sol que tei­ma em aque­cer o ou­to­no, lá ga­nhá­mos co­ra­gem pa­ra abrir a ca­po­ta, co­lo­can­do o de­fle­tor de ven­to (ex­tra, por 415€) pa­ra re­du­zir o tur­bi­lhão den­tro do ha­bi­tá­cu­lo a ve­lo­ci­da­des mais ele­va­das e tor­nar as vi­a­gens me­nos can­sa­ti­vas. Fá­cil de co­lo­car e de uma efi­cá­cia sur­pre­en­den­te, só é pe­na que li­mi­te a pre­sen­ça de pas­sa­gei­ros atrás…

Pa­ra quem um des­ca­po­tá­vel é ape­nas um au­to­mó­vel pa­ra pas­sei­os de fim-de-se­ma­na, uma mo­to­ri­za­ção a ga­so­li­na faz mais sen­ti­do. Mas se a op­ção é fa­zer des­te A5 um meio de trans­por­te diá­rio en­tão es­ta ver­são Di­e­sel tal­vez se­ja a mais in­di­ca­da. Com 190 CV ali­a­dos a uma cai­xa S tro­nic de du­pla em­brai­a­gem, jun­ta-

Con­sis­ten­te em apoio, o chas­sis tem um com­por­ta­men­to in­ci­si­vo, sem pôr em cau­sa o con­for­to

Os pre­ços do A5 Cabrio 2.0 TDI co­me­çam nos 58.700€. Es­ta ver­são Sport cus­ta 61.450€

pa­ra ga­ran­tir for­ça, mas sem­pre à pro­cu­ra do me­lhor con­su­mo; se se­le­ci­o­nar­mos o mo­do Dy­na­mic en­tão é da­da pri­o­ri­da­de à per­for­man­ce, com o mo­tor a ‘na­ve­gar’ mais per­to do red li­ne.

So­bre­tu­do em es­tra­das de mon­ta­nha, de cur­va-con­tra-cur­va, o ide­al é co­man­dar a cai­xa ma­nu­al­men­te, atra­vés das pa­ti­lhas da cai­xa (e em Dy­na­mic, pa­ra ter a me­lhor res­pos­ta ao ace­le­ra­dor) e com is­so ex­plo­rar à nos­sa von­ta­de a vi­ri­li­da­de do TDI. Após qua­se 1.000 km de sã con­vi­vên­cia, en­tre vi­da ur­ba­na e vi­a­gens, com um fim-de-se­ma­na na Ser­ra da Lou­sã de per­meio, o re­gis­to fi­nal de 7,2 l/100 km pa­re­ce-nos de­ve­ras po­si­ti­vo.

Equi­lí­brio per­fei­to

A di­fe­ren­ça de pe­so que es­te A5 Cabrio tem re­la­ti­va­men­te ao seu ir­mão cou­pé ci­fra-se nos 230 kg. Co­mo re­fe­ri­do an­te­ri­or­men­te, is­to con­di­ci­o­na um pou­co a des­tre­za nas tro­cas de apoio e na for­ma co­mo li­da com as cur­vas en­ca­de- adas. Pen­sá­va­mos nós… Na ver­da­de, se sal­tás­se­mos de um di­re­ta­men­te pa­ra o ou­tro, tal­vez no­tás­se­mos di­fe­ren­ças, mas de res­to es­te ca­bri­o­let é óti­mo de con­du­zir, qual­quer eu se­ja o ce­ná­rio. De ca­po­ta aber­ta ou fe­cha­da, a con­vic­ção e acu­ti­lân­cia com que ata­ca as cur­vas sa­tis­fa­zem em ple­no, mé­ri­to de uma fren­te que se ins­cre­ve sem he­si­ta­ções e a uma sus­pen­são con­sis­ten­te, que ga­ran­te con­tro­lo de to­dos os mo­vi­men­tos da car­ro­ça­ria sem pôr em cau­sa o con­for­to. O amor­te­ci­men­to não é in­flu­en­ci­a­do pe­los mo­dos de con­du­ção – ape­nas o mo­tor, a cai­xa e a di­re­ção –, pe­lo que os en­ge­nhei­ros da Au­di con­se­gui­ram aqui um equi­lí­brio per­fei­to, tor­nan­do es­te A5 num des­ca­po­tá­vel di­nâ­mi­co, mas sem­pre mui­to có­mo­do.

Es­te bem-es­tar ao vo­lan­te é com­ple­men­ta­do por um equi­pa­men­to que, nes­ta ver­são Sport, é já bas­tan­te com­ple­to, abran­gen­do tan­to o la­do es­té­ti­co co­mo o con­for­to. Ca­da cli­en­te po-

de per­so­na­li­zar es­te des­ca­po­tá­vel à sua ma­nei­ra, com op­ções dis­po­ní­veis in­di­vi­du­al­men­te ou em pack, mas tu­do a pre­ços na­da exa­ge­ra­dos pa­ra um cons­tru­tor pre­mium.

Com o sol ca­da vez mais tí­mi­do à me­di­da que nos ca­mi­nha­mos pa­ra o Na­tal, pen­sar-se-ia que o A5 de­via fi­car guar­da­do mais ve­zes na ga­ra­gem. Nem pen­sar. Não há na­da me­lhor que um bom dia de in­ver­no pa­ra, de ca­po­ta aber­ta, li- gar o Airs­carf (545€) e des­fru­tar do aga­sa­lho ex­tra pro­por­ci­o­na­do pe­lo aque­ci­men­to ven­ti­la­do ao ní­vel da ca­be­ça…

A ca­po­ta po­de ser aber­ta até aos 50 km/h e de­mo­ra 15 se­gun­dos

O Au­di virtual cock­pit es­tá in­se­ri­do no Pa­co­te High Te­ch e ofe­re­ce to­tal con­fi­gu­ra­ção do pai­nel de in­tru­men­tos A co­ne­ti­vi­da­de a bor­do é de sé­rie, ga­ran­ti­do pe­lo Au­di smartpho­ne in­ter­fa­ce A aber­tu­ra da ca­po­ta de­mo­ra 15 se­gun­dos e o fe­cho 18 se­gun­dos

A cai­xa S tro­nic tem mo­do Sport e ma­nu­al/se­quen­ci­al. É de­ci­di­da, su­a­ve e 'lê' bem a von­ta­de do con­du­tor

As cos­tas dos ban­cos tra­sei­ros têm uma me­nor in­cli­na­ção de­vi­do à ar­ru­ma­ção da ca­po­ta, o que pre­ju­di­ca o con­for­to de quem vai atrás

A ba­ga­gei­ra ofe­re­ce 380 li­tros de es­pa­ço com ca­po­ta fe­cha­da. Quan­do aber­ta, o vo­lu­me é re­du­zi­do pa­ra 320 li­tros. O de­fle­tor é um acres­cen­to de con­for­to, por 415€

PRE­ÇO: 61.450t

4.673 mm 1.383 mm 1.846mm A5 Cabrio 2.0 TDI Sport S tro­nic Au­di

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.