MERCEDES X 250 D 4MAT IC

Fru­to da ali­an­ça com a Renault-nissan nas­ceu a Clas­se X, a pri­mei­ra aven­tu­ra da Mer­ce­desBenz nes­te seg­men­to. Mas se­rá ape­nas um exer­cí­cio de re­brand, ou te­rá es­ta no­va pick-up re­ais ar­gu­men­tos pa­ra se tor­nar uma re­fe­rên­cia?

Altagama Motor (Portugal) - - Sumário - Ber­nar­do Gon­za­lez Pau­lo Ca­lis­to

Le­vá­mos a no­va Clas­se X por maus ca­mi­nhos e fi­cá­mos sur­pre­en­di­dos...

Quem dis­se que o re­quin­te não se co­a­du­na com uma ves­ti­men­ta de tra­ba­lho? É ver­da­de que pou­cos são os veí­cu­los que con­se­guem con­ju­gar um lo­ok mais apri­mo­ra­do com ca­pa­ci­da­des re­al­men­te tri­a­lei­ras, mas a Mercedes-benz de­ci­diu apos­tar no mer­ca­do das pick-up e, com is­so, ele­var os pa­drões vis­tos até aqui nes­ta clas­se tra­ba­lha­do­ra. Apro­vei­tan­do ali­an­ças es­tra­té­gi­cas com a Renault-nissan, a mar­ca da es­tre­la par­tiu da ba­se da Nissan Na­va­ra e do Renault Alas­kan (ain­da não à ven­da no nos­so mer­ca­do) e me­lho­rou-a, apli­can­do um pou­co do seu know-how e do seu có­di­go ge­né­ti­co pa­ra dar ori­gem a um pro­du­to mais pre­mium.

O pri­mei­ro as­pe­to des­ta ‘in­ter­ven­ção’ é o ha­bi­tá­cu­lo, que pos­sui mais cui­da­do no de­ta­lhe e uma es­co­lha de ma­te­ri­ais mais ex­clu­si­vos. So­bre­tu­do nes­ta ver­são Power, são de re­al­çar o ta­bli­er re­ves­ti­do a pe­le cas­ta­nha (com cos­tu­ras a ne­gro), as apli­ca­ções em imi­ta­ção de ma­dei­ra pou­co tra­ta­da no pai­nel fron­tal e os es­to­fos em pe­le cas­ta­nha tam­bém com cos­tu­ras, con­ju­ga­dos com co­man­dos elé­tri­cos dos ban­cos com ajus­te lom­bar e fun­ção de aque­ci­men­to. O pró­prio Pa­co­te Power tem um custo ele­va­do (7.011€), mas com­pen­sa pe­lo con­jun­to de aca­ba­men­tos e equi­pa­men­tos (in­cluin­do de se­gu­ran­ça) que abran­ge, que não só tor­nam o am­bi­en­te es­pe­ci­al pa­ra uma pick-up, co­mo me­lho­ram a vi­da a bor­do.

A ha­bi­ta­bi­li­da­de es­tá ao ní­vel dos seus ‘pri­mos’ ja­po­nês e fran­cês. So­bre­tu­do nos lu­ga­res tra­sei­ros, e ain­da que não exi­bin­do ní­veis de co­mo­di­da­de de um SUV, o es­pa­ço dis­po-

ni­bi­li­za­do e a con­fi­gu­ra­ção dos ban­cos – que le­va a que os ocu­pan­tes vão li­gei­ra­men­te mais ele­va­dos que à fren­te – per­mi­tem vi­a­gens bas­tan­te con­for­tá­veis, mes­mo em lon­gas ti­ra­das. Aqui, a lo­ta­ção é pa­ra três, mas dois se­rá o ide­al. Pa­ra me­lho­rar a ver­sa­ti­li­da­de, o ócu­lo tra­sei­ro dis­põe de uma pe­que­na ja­ne­la de aber­tu­ra elé­tri­ca des­li­zan­te, o que per­mi­te car­re­gar ob­je­tos mais lon­gos, ca­so ne­ces­sá­rio. Na ver­da­de, e pe­la sua con­di­ção de pick-up, es­pa­ço de car­ga é coi­sa que não fal­ta a es­ta Clas­se X, na­tu­ral­men­te… A cai­xa de car­ga tem 1,587 m de com­pri­men­to, 1,560 m na lar­gu­ra má­xi­ma e cer­ca de 43 cm de al­tu­ra, o que che­ga e so­bra pa­ra as en­co­men­das co­mo veí­cu­lo de la­zer. No ca­so da nos­sa uni­da­de de ensaio, o sem­pre útil re­ves­ti­men­to plas­ti­fi­ca­do aju­da a pro­te­ger a cai­xa e tor­nar a su­per­fí­cie li­gei­ra­men­te mais ade­ren­te. À par­te dis­so, a res­pe­ti­va tam­pa – de­sen­vol­vi­da pe­la pró­pria mar­ca e com ex­ce­len­tes aca­ba­men­tos den­tro do gé­ne­ro – me­lho­ra a apa­rên­cia e as­se­gu­ra uma es­tan­qui­ci­da­de mí­ni­ma, além de ga­ran­tir pro­te­ção da car­ga, com bons fe­chos. Mas es­te aces­só­rio tem ou­tra uti­li­da­de, nem sem­pre tão evi­den­te: pe­lo efei­to ae­ro­di­nâ­mi­co, me­lho­ra em mui­to os con­su­mos – es­pe­ci­al­men­te em au­to­es­tra­da – ao re­du­zir o ar­ras­to do con­jun­to.

Mo­tor ade­qua­do

Com a pa­nó­plia de aca­ba­men­tos des­ta ver­são Power – co­mo os vi­dros es­cu­re­ci­dos, os es­tri­bos la­te­rais, as jan­tes em li­ga de 19”, as bar­ras de te­ja­di­lho e os fa­róis em LED – a apa­rên­cia des­ta Clas­se X ga­nha con­tor­nos mais de la­zer e de des­por- ti­vo, sen­do cla­ra a di­re­ção em que apon­ta a mar­ca ale­mã pa­ra es­te pro­du­to.

Nes­ta mo­to­ri­za­ção 250 d, o pro­pul­sor mon­ta­do é um qua­tro ci­lin­dros de 2,3 li­tros, so­bre­a­li­men­ta­do por du­plo tur­bo­com­pres­sor – de ori­gem Nissan. Is­to faz com que o seu ren­di­men­to se­ja de 190 CV – fa­ce aos 163 CV do 220 d –, um va­lor ade­qua­do tan­to a fun­ções de tra­ba­lho co­mo a uma ver­ten­te re­cre­a­ti­va. Em to­do o ca­so, o bi­ná­rio cons­tan­te de 450 N.m (das 1.500 às 2.500 rpm) ga­ran­te um bom ar­ran­que e for­ça nos re­gi­mes bai­xos. Não

tem uma res­pos­ta pro­pri­a­men­te pos­san­te, mas com três ocu­pan­tes e uma car­ga li­gei­ra nem se sen­te a di­fe­ren­ça. O mo­tor é su­a­ve, e man­tém-se a par do res­tan­te trân­si­to sem es­for­ço, no en­tan­to a for­ma co­mo en­tre­ga a sua po­tên­cia é con­di­ci­o­na­da pe­la cai­xa au­to­má­ti­ca de se­te ve­lo­ci­da­des. Es­ta tem um fun­ci­o­na­men­to fluí­do (e con­ta com mo­do ma­nu­al/ se­quen­ci­al), só que apa­ren­ta ser de uma ge­ra­ção ‘an­ti­qua­da’. Ou se­ja, o con­ver­sor de bi­ná­rio per­mi­te bas­tan­te ‘es­cor­re­ga­men­to’ e, com is­so, ro­ta­ções mais ele­va­das nas re­a­ce­le­ra­ções, ra­zão pe-

A cai­xa au­to­má­ti­ca tem mui­to ‘es­cor­re­ga­men­to’, pre­ju­di­can­do con­su­mos e pra­zer de con­du­ção

O con­for­to é um dos gran­des trun­fos da Clas­se X, quer de sus­pen­são, quer de in­so­no­ri­za­ção

la qual não sen­ti­mos uma re­a­ção tão di­re­ta ao ace­le­ra­dor co­mo o de­se­ja­do. Nes­se as­pe­to, pou­co ou na­da tem a ver com as mo­der­nas uni­da­des que equi­pam os atu­ais SUV. Tal­vez se­ja ajus­ta­do a es­te ti­po de veí­cu­los, em­bo­ra em pe­que­nos per­cur­sos, no­me­a­da­men­te ur­ba­nos, uma con­sequên­cia di­re­ta são con­su­mos mais ele­va­dos. Fi­cou a cu­ri­o­si­da­de de per­ce­ber co­mo se­ria a de­sen­vol­tu­ra com a cai­xa ma­nu­al de 6 ve­lo­ci­da­des. O fac­to de pos­suir se­te re­la­ções traz, cu­ri­o­sa­men­te, be­ne­fí­ci­os em vi­a­gens de au­to­es­tra­da. Foi o ce­ná­rio em que o seu de­sem­pe­nho mais agra­dou – on­de é tam­bém me­nos so­li­ci­ta­da –, pos­si­bi­li­tan­do um con­su­mo sur­pre­en­den­te: 8,4 l/100 km. Es­te va­lor foi ob­ti­do a ve­lo­ci­da­des de cru­zei­ro, na or­dem dos 120-130 km/ h, pon­to a par­tir do qual a ta­xa de es­for­ço, con­jun­ta­men­te com a ae­ro­di­nâ­mi­ca, le­va a um dis­pa­ro nas mé­di­as, pa­ra a ca­sa dos 9 li­tros. Nou­tros ce­ná­ri­os – ci­da­de e ar­re­do­res –, o com­pu­ta­dor de bor­do acu­sou re­gis­tos em tor­no dos 10 l/100 km.

Di­nâ­mi­ca exem­plar

Sur­pre­en­den­te foi igual­men­te o con­for­to pro­por­ci­o­na­do por es­ta Clas­se X. Além do bai­xo ruí- do em au­to­es­tra­da – tan­to de mo­tor, co­mo dos pneus, que são pou­co car­da­dos –, a sus­pen­são re­ve­la uma ex­ce­len­te fil­tra­gem, es­ta­be­le­cen­do um no­vo pa­ra­dig­ma nes­ta ma­té­ria pa­ra es­te es­ti­lo de veí­cu­los. O bom equi­lí­brio re­sul­tan­te in­flui igual­men­te no com­por­ta­men­to, as­pe­to sen­sí­vel nu­ma pick-up, so­bre­tu­do quan­do es­tá ali­vi­a­da de car­ga. As al­te­ra­ções que a Mercedes-benz ope­rou fa­ce à Nissan e Renault (no­vos bra­ços e pon­tos de an­co­ra­gem) trou­xe­ram re­sul­ta­dos po­si­ti­vos, e a pre­sen­ça de mo­las he­li­coi­dais em am­bos ei­xos di­ta o fim do mo­vi­men- to bam­bo­le­an­te que era mui­to usu­al em mo­de­los des­ta clas­se. Bar­ras de tor­ção à fren­te (no lu­gar das mo­las) e de mo­las de lâ­mi­na (mais in­di­ca­das pa­ra gran­des car­gas), já são coi­sa do pas­sa­do. Ago­ra, há con­sis­tên­cia em apoio, e a for­ma co­mo pi­sa re­sul­ta nu­ma gran­de es­ta­bi­li­da­de di­re­ci­o­nal, e is­so é tão mais evi­den­te em per­cur­sos off ro­ad, on­de es­te Clas­se X cir­cu­la com uma le­vi­an­da­de es­ton­te­an­te, fa­ce aos exem­plos que tí­nha­mos do pas­sa­do.

Já o sis­te­ma de trans­mis­são é 4x4 aco­plá­vel, ou se­ja, es­ta Clas­se X é por nor­ma de

A sus­pen­são de mo­las he­li­coi­dais é ins­tru­men­tal no con­for­to di­nâ­mi­co des­ta pick-up

tra­ção tra­sei­ra, sen­do de tra­ção in­te­gral quan­do as­sim se­le­ci­o­na­do. No en­tan­to, ao não dis­por de di­fe­ren­ci­al cen­tral, só con­vém in­se­rir tra­ção às qua­tro ro­das em pi­sos de bai­xa ade­rên­cia – ter­ra, la­ma, etc –, sob pe­na de in­cu­tir mai­or es­for­ço à trans­mis­são e pro­vo­car uma ten­dên­cia sub­vi­ra­do­ra do chas­sis. Pa­ra uma uti­li­za­ção mais pu­ra-e-du­ra, a Clas­se X es­tá equi­pa­da de re­du­to­ras, as­sim co­mo de blo­queio de di­fe­ren­ci­al tra­sei­ro, que lhe per­mi­tem ul­tra­pas­sar a ge­ne­ra­li­da­de de si­tu­a­ções di­fí­ceis e obs­tá­cu­los na­tu­rais.

Com mui­to es­ti­lo e con­for­to, um com­por­ta­men­to exem­plar, e o lo­go­ti­po da es­tre­la na gre­lha a aju­dar, a no­va Clas­se X não só dei­xou bo­as im­pres­sões ao vo­lan- te, co­mo ca­ti­vou aten­ção e cu­ri­o­si­da­de de quem por ele pas­sou. Se­rá pe­lo fa­tor no­vi­da­de, ou pe­lo ‘es­pan­to’ de a Mercedes-benz ter en­tra­do num mer­ca­do on­de até ago­ra tem es­ta­do au­sen­te? Se­ja co­mo for, o re­sul­ta­do fi­nal é mui­to con­vin­cen­te. Quem dis­se que o lu­xo e o tra­ba­lho não po­dem an­dar de mãos da­das?

3.150 mm 5.340 mm X 250 d 4MATIC Power Au­to Mercedes FI­CHA TÉC­NI­CA 1.819 mm

1.290mm

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.