Vol­vo XC40 D4 190 CV Mo­men­tum O calor que vem do frio

Altagama Motor (Portugal) - - Sumário -

Nos úl­ti­mos anos, ou se­ja, pou­co tem­po de­pois de ter pas­sa­do a ser pro­pri­e­da­de do gru­po au­to­mó­vel chinês Ge­ely Hol­ding Group, em 2010, a Vol­vo ini­ci­ou uma no­va fa­se de pro­du­to e po­si­ci­o­na­men­to no mer­ca­do. Con­tra­ri­a­men­te ao que era tra­di­ção, os Vol­vo dei­xa­ram de ser dis­cre­tos e fo­ca­dos nos seus con­cei­tos mui­to pró­pri­os, que, no seu tem­po, eram mesmo mui­to bons. E ti­nham cli­en­tes mui­to fiéis, em­bo­ra tu­do mui­to con­ti­do num ‘pe­que­no mun­do de ma­ra­vi­lhas es­can­di­na­vas’.

Os tem­pos mu­da­ram e a mar­ca te­ve de se rein­ven­tar pa­ra não es­tag­nar e, prin­ci­pal­men­te, não per­der cli­en­tes num mer­ca- do ul­tra­com­pe­ti­ti­vo e ca­da vez me­nos de­pen­den­te da tra­di­ção.

A Vol­vo con­se­guiu is­to tu­do, e mui­to mais. Mais atra­en­tes e di­ri­gi­dos a cli­en­te­la mais abran­gen­te, mui­to em­bo­ra o in­ves­ti­men­to que, ain­da no tem­po da Ford, co­me­çou a fa­zer nos SUV – pri­mei­ro com o XC90 e de­pois com o XC60 – não se­ja es­tra­nho a es­ta no­va e bem-su­ce­di­da re­a­li­da­de Vol­vo.

As­sim, fa­zia to­do o sen­ti­do a mar­ca su­e­ca con­tar com um SUV com­pac­to, en­tran­do cla­ra e des­te­mi­da­men­te em ter­ri­tó­rio ger­mâ­ni­co, o que fi­nal­men­te acon­te­ceu em 2017 com o lan­ça­men­to do XC40.

De­sen­vol­vi­do com ba­se na no­va pla­ta­for­ma CMA (Com­pact Mo­du­lar Ar­chi­tec­tu­re) que vai ser­vir to­dos os mo­de­los da ga­ma 40 que inclui, ob­vi­a­men­te, as pró­xi­mas ge­ra­ções S/V 40, bem co­mo os fu­tu­ros mo­de­los hí­bri­dos com­pac­tos da Vol­vo, o XC40 é, por is­so, um car­ro de con­ce­ção mui­to mo­der­na. E não ape­nas no ‘es­que­le­to’. O XC40 pa­re­ce mesmo ser o Vol­vo por que to­dos es­pe­ra­vam, in­cluin­do os tra­di­ci­o­nal­men­te não ‘Vol­vis­tas’. É que, à se­me­lhan­ça dos seus atu­ais XC60 e XC90, e mesmo dos mais re­cen­tes mo­de­los to­po de ga­ma S/V90, o XC40 é es­te­ti­ca­men­te atra­en­te sem ser ex­ces­si­va­men­te ela­bo­ra­do. Tal co­mo ou­tros pro­du­tos su­e­cos de di­fe­ren­tes in­dús­tri­as, o XC40 é um be­lo exem­plo de de­sign in­dus­tri­al: com­pac­to e bem pro­por­ci­o­na­do, com um ar mus­cu­la­do, ro­bus­to e

di­nâ­mi­co, sem ser de­ma­sai­do agres­si­vo ou pre­ten­si­o­so. Con­se­gue trans­mi­tir ‘calor’ por ser tão atra­en­te e con­tem­po­râ­neo, o que, pos­si­vel­men­te, também tem a ver com a ca­pa­ci­da­de cri­a­ti­va – e prá­ti­ca – da men­ta­li­da­de su­e­ca, mol­da­da pe­la ne­ces­si­da­de com­ba­ter o frio com um con­for­to aces­sí­vel.

Bom am­bi­en­te

Por den­tro, o XC40 é uma re­pro­du­ção à es­ca­la dos XC90 e XC60. O de­se­nho é so­fis­ti­ca­da­men­te sim­ples, com bons ma­te­ri­ais e aca­ba­men­tos, a er­go­no- mia é des­com­pli­ca­da, com to­dos os gad­gets e tec­no­lo­gi­as in­dis­pen­sá­veis pa­ra con­tro­lar a mai­o­ria das fun­ções do car­ro e de con­for­to/co­mu­ni­ca­ção, con­cen­tra­dos no ecrã cen­tral de 9”, em po­si­ção ho­ri­zon­tal, o qual, co­mo to­dos os ou­tros, fun­ci­o­na co­mo um ta­blet.

De fac­to, nes­te sis­te­ma es­tá tu­do (ou qua­se) o que é pre­ci­so pa­ra con­tro­lar­mos o XC40. Mas, co­mo qua­se não exis­tem bo­tões (ou um co­man­do ro­ta­ti­vo) pa­ra ace­der aos me­nus, es­tes – e não são as­sim tão pou­cos – ape­nas são aces­sí­veis na pon­ta dos de­dos, o que obriga a ti­rar a mão di­rei­ta do vo­lan­te muitas e muitas vezes.

No es­pa­ço, o ha­bi­tá­cu­lo su­e­co es­tá igual­men­te bem. Nos lu­ga­res da fren­te não há na­da a apon­tar, em­bo­ra a po­si­ção de con­du­ção se­ja al­go bai­xa. Cla­ro que há câ­ma­ras ex­te­ri­o­res com vi­são a 360º (op­ci­o­nais ou de sé­rie, con­for­me a ver­são), mas a ima­gem re­pro­du­zi­da pa­re­ceu­nos de­ma­si­a­do con­fu­sa, em­bo­ra tec­ni­ca­men­te in­te­res­san­te.

Em ter­mos de es­pa­ços de ar­ru­ma­ção, há soluções pa­ra tu­do, co­mo é há­bi­to nos Vol­vo

mais re­cen­tes. O mesmo acontece com li­ga­ções de cor­ren­te e fi­chas USB.

Nos lu­ga­res tra­sei­ros, o es­pa­ço é mesmo sur­pre­en­den­te­men­te abun­dan­te. O úni­co re­pa­ro é que os bancos não pro­pi­ci­am lá grande apoio e as cos­tas são mui­to di­rei­tas, o que es­tá bem lon­ge de acon­te­cer só no XC40.

A ba­ga­gei­ra é mai­or do que pa­re­ce, e tem um ex­ce­len­te apro­vei­ta­men­to dos es­pa­ços, tan­to la­te­ral­men­te co­mo sob o pi­so. Tra­ta-se, de fac­to, de um pi­so fal­so cu­ja tam­pa se le­van­ta pa­ra dar aces­so a mais es­pa­ços de ar­ru­ma­ção e po­de até man­ter-se le­van­ta­da pa­ra re­ter objetos.

Mo­tor e cai­xa não ‘en­cai­xam’

É aqui que o XC40 en­tra em con­tra­di­ção con­si­go pró­prio. Num car­ro tão bem con­se­gui­do na es­té­ti­ca, no re­quin­te, na er­go­no­mia, no con­for­to e no am­bi­en­te a bor­do, es­pe­ra-se um gru­po pro­pul­sor na mes­ma pro­por­ção. A resposta do D4 de 190 CV co­me­ça por ser len­ta e le­va a um ‘acor­dar’ al­go brus­co. A is­to não é es­tra­nha a igual ‘in­de­ci­são’ da cai­xa Ge­ar­tro­nic de oi­to ve­lo­ci- da­des. Quando fi­nal­men­te am­bos se ‘en­ten­dem’, o con­jun­to aca­ba por pro­por­ci­o­nar uma resposta mais li­ne­ar, mas com uma cer­ta fal­ta de su­a­vi­da­de que se­ria dis­pen­sá­vel num car­ro des­tes. Pa­ra con­tor­nar es­te com­por­ta­men­to do bi­nó­mio mo­tor/ cai­xa, o me­lhor é usar as pa­ti­lhas no vo­lan­te e ser­mos nós pró­pri­os a tomar es­sas de­ci­sões.

É pe­na que o con­jun­to mo­triz não se­ja tão ágil, pre­ci­so e fir­me co­mo o resto da me­câ­ni­ca do XC40. Com efei­to, o SUV com­pac­to da Vol­vo tem um be­lís­si­mo chas­sis e um com­por­ta-

Con­se­gue ser di­fe­ren­te e dis­tin­to. A com­bi­na­ção en­tre charme e mo­der­ni­na­de é perfeita

men­to di­nâ­mi­co que até su­pe­ra as ex­pec­ta­ti­vas. Não é um car­ro enor­me, mas é en­cor­pa­do, no qual se ad­vi­nha al­gum pe­so e inér­cia que po­de­ri­am com­pro­me­ter a sua ati­tu­de em es­tra­da. Na ver­da­de, na­da dis­so acontece. Mesmo com a sua re­la­ti­va al­tu­ra e um cen­tro de gra­vi­da­de que não es­tá pro­pri­a­men­te no ‘rés-do-chão’, o XC40 in­cli­na-se um bo­ca­di­nho em cur­va, mas es­se ro­la­men­to da car­ro­ça­ria é mui­to bem com­pen­sa­do – qua­se eli­mi­na­do – por uma sus­pen­são que ab­sor­ve bem to­dos es­tes mo­vi­men­tos e se­gu­ra o car­ro com mui­ta efi­cá­cia. E faz tu­do is­so sem com­pro­me­ter mi­ni­ma­men­te o con­for­to; não é uma sus­pen­são que se li­mi­ta a ser seca e in­de­li­ca­da pa­ra os ocu­pan­tes, bem pe­lo con­trá­rio. Pa­re­ce ter tu­do na do­se cer­ta, o que é de re­al­çar e elo­gi­ar.

Por sua vez, a di­re­ção de as­sis­tên­cia elé­tri­ca apre­sen­ta-se bem ca­li­bra­da. Tem uma resposta rá- pi­da e é in­for­ma­ti­va q.b. pa­ra o con­du­tor, dei­xan­do nas su­as mãos a sen­sa­ção cor­re­ta acer­ca do com­por­ta­men­to do ei­xo di­an­tei­ro do XC40.

Uma palavra fi­nal pa­ra os con- su­mos. A Vol­vo anun­cia um con­su­mo com­bi­na­do de 5,2 li­tros/100 km, mas, na prá­ti­ca, os va­lo­res re­ve­la­dos pe­lo com­pu­ta­dor de bor­do an­da­ram sem­pre na ca­sa dos 7,0 – 7,5 /100 km, com pi­cos bem aci­ma dos 8,0 l/100 km – é fá­cil ver 8,9 l/100 km nos pri­mei­ros qui­ló­me­tros em ci­da­de. Tal­vez o XC40 pre­ci­se de ro­lar mais tem­po com me­nos trân­si­to pa­ra bai­xar re­al­men­te os con­su­mos. Por ou­tro la­do, cons­ta­tá­mos também que, com es­tes con­su-

Di­na­mi­ca­men­te, su­pe­ra as ex­pe­ta­ti­vas, É fir­me sem ser agres­si­vo e cur­va com com­pos­tu­ra

mos, os dados do in­di­ca­dor do ní­vel de com­bus­tí­vel (e os de au­to­no­mia) man­têm-se mais ou me­nos ‘es­tá­veis’ até che­gar a meio de­pó­si­to; de­pois dis­so, pa­re­ce que o ga­só­leo co­me­ça a eva­po­rar… Também é de ter em con­ta a ca­pa­ci­da­de do de­pó­si­to de com­bus­tí­vel: 54 li­tros. Não será pou­co pa­ra um car­ro des­te ta­ma­nho, pe­so e po­tên­cia? Também aqui, o tem­pe­ra­men­to ‘in­de­ci­so’ do mo­tor e da cai­xa pa­re­cem não aju­dar…

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.