Mer­ce­des-benz C43 AMG 4MATIC Ca­brio Pa­ra to­das as es­ta­ções

Pa­ra quem diz que os des­ca­po­tá­veis e al­guns des­por­ti­vos não são pa­ra uti­li­zar no in­ver­no, a Mer­ce­des-benz con­tra­põe com es­te AMG C43 4MATIC. A ca­po­ta de lo­na po­de fa­zer pen­sar que os cé­ti­cos te­rão ra­zão, mas será mesmo as­sim?

Altagama Motor (Portugal) - - Ficha Técnica -

Já por vá­ri­as vezes, du­ran­te con­ver­sas com ami­gos, hou­ve quem de­fen­des­se que os des­ca­po­tá­veis, es­pe­ci­al­men­te de ca­po­ta de lo­na, e mui­tos mo­de­los des­por­ti­vos, de­vem per­ma­ne­cer nas ga­ra­gens du­ran­te o in­ver­no. Ora, co­mo apai­xo­na­dos por au­to­mó­veis e pe­la con­du­ção que so­mos, um des­por­ti­vo fe­cha­do numa ga­ra­gem é co­mo en­jau­lar um animal sel­va­gem, é al­go mui­to er­ra­do. A opor­tu­ni­da­de de con­vi­ver com o AMG C43 Ca­brio não po­de­ria, des­ta fei­ta, ter vin­do em me­lhor al­tu­ra. Com as in­tem­pé­ri­es que se têm fei­to sen­tir, es­ta­va es­ta­be­le­ci­do o ce­ná­rio de pro­va do mo­de­lo ger­mâ­ni­co.

Fí­si­co de atle­ta

Es­te AMG C43 con­ta com os prés­ti­mos de um 3 li­tros V6 bi­tur­bo ca­paz de de­sen­vol­ver 367 CV e 520 N.m, um ní­vel de po­tên­cia que, da­das as con­di­ções cli­ma­té­ri­cas, al­guns po­dem ver co­mo al­go in­ti­mi­dan­te. Acontece que es­te V6 bi­tur­bo tem um grande ali­a­do, a trans­mis­são in­te­gral 4MATIC. Es­ta con­ta com uma dis­tri­bui­ção da po­tên­cia 31/69, pa­ra os ei­xos di­an­tei­ro e tra­sei­ro, res­pe­ti­va­men­te, o que tor­na o C43 sur­pre­en­den­te­men­te fá­cil de con­du­zir, mesmo um pou­co

mais de­pres­sa. Con­tro­la­do pe­la cai­xa de no­ve ve­lo­ci­da­des 9GTRONIC, o mo­tor apre­sen­ta uma am­pla dis­po­ni­bi­li­da­de de po­tên­cia e bi­ná­rio, po­den­do ir de des­por­ti­vo fe­roz a um pa­ca­to car­ro de pas­seio de fim de semana. O fac­to de con­se­guir ro­dar a ve­lo­ci­da­des den­tro dos limites le­gais qua­se ao ra­len­ti be­ne­fi­cia os con­su­mos, sen­do que con­se­gui­mos ob­ter va­lo­res de 9,7 l/100 km. Cla­ro que se fi­zer­mos uso dos equí­de­os à dis­po­si­ção, es­te va­lor dis­pa­ra, mas aqui a ra­pi­dez da 9G-TRONIC nas pas­sa­gens de cai­xa faz-nos es­que­cer es­te por­me­nor… até che­gar­mos à pró­xi­ma es­ta­ção de serviço, pe­lo me­nos. Também a so­no­ri­da­de é ab­so­lu­ta­men­te vi­ci­an­te, es­pe­ci­al­men­te se co­lo­car­mos o es­ca­pe em mo­do Sport, as­se­me­lhan­do-se a um V8 e ‘dis­pa­ran­do’ so­no­ras sal­vas en­tre ca­da pas­sa­gem de cai­xa. Ex­pe­ri­men­te se­le­ci­o­nar o mo­do Sport quando cir­cu­lar numa boa es­tra­da de va­le, abra um pou­co a ja­ne­la, e ou­ça a sin­fo­nia do C43 eco­ar pe­las en­cos­tas. Ga­ran­ti­mos que lhe co­lo­ca­rá um sorriso no ros­to.

A su­pe­ri­or tra­ção – no que os Con­ti­nen­tal Con­tis­port Con­tact uti­li­za­dos de­sem­pe­nha­ram um papel de grande im­por­tân­cia – é no­tó­ria lo­go nos ar­ran­ques, com pou­co ou ne­nhum pa­ti­nar das ro­das, de­pen­den­do da do­se de ace­le­ra­dor ad­mi­nis­tra­da. As pas­sa­gens de cai­xa mais vi­go­ro­sas não re­sul­tam em ne­nhu­ma que­bra de tra­ção, aju­dan­do a im­pe­lir vi­go­ro­sa­men­te o des­ca­po­tá­vel ale­mão. Em es­tra­das si­nu­o­sas o con­jun­to 4Matic/con­ti­nen­tal Con­tis­port Con­tact fa­zem ma­gia, com o C43 a não apre­sen­tar re­a­ções brus­cas ou im­pre­vis­tas.

Es­te C43 é um ca­brio com­ple­to, pron­to pa­ra a es­tra­da, qual­quer que se­ja a es­ta­ção do ano

No li­mi­te, a sua ten­dên­cia é pa­ra sub­vi­rar, sen­do sem­pre fá­cil de con­tro­lar, e se pi­sar­mos o ace­le­ra­dor a meio da cur­va, ou ali­nha o car­ro ou pro­lon­ga a sub­vi­ra­gem, de­pen­den­do do es­ta­do do as­fal­to, se­co ou mo­lha­do. Mesmo com o con­tro­lo de tra­ção des­li­ga­do não é fá­cil pro­vo­car fu­gas da tra­sei­ra, uma vez que as qua­tro ro­das mo­tri­zes en­car­re­gam-se de pas­sar a po­tên­cia ao pi­so sem so­bres­sal­tos, co­mo já re­fe­ri­mos, mas o que se perde em di­ver­são ga­nha-se em segurança. É uma tro­ca jus­ta. Es­ta­va, as­sim, su-

pe­ra­do o pri­mei­ro de­sa­fio do C43 ca­brio, o com­por­ta­men­to sob chu­va tor­ren­ci­al.

É um ca­brio?

Uma vez no in­te­ri­or do AMG C43 ca­brio, a qua­li­da­de de cons­tru­ção é a que en­con­tra­mos num Clas­se C ber­li­na ou Cou­pé. Ma­te­ri­ais su­a­ves ao to­que ou pe­le, re­ves­tem o ha­bi­tá­cu­lo, e a mon­ta­gem dos di­ver­sos ele­men­tos apre­sen­ta-se bas­tan­te ri­go­ro­sa. No­tam-se ape­nas al­gu­mas vi­bra­ções do mon­tan­te do pá­ra-bri­sas em maus pi­sos, mas na­da de drás­ti­co. De onde não há quei­xas é da ca­po­ta com iso­la­men­to acús­ti­co, de tal for­ma que fre­quen­te­men­te nos es­que­cía­mos de que es­tá­va­mos num des­ca­po­tá­vel. A in­so­no­ri­za­ção é de elevado ní­vel, com o ha­bi­tá­cu­lo a man­ter-se si­len­ci­o­so mesmo quando o ruí­do ex­te­ri­or é elevado, e não hou­ve a mí­ni­ma in­fil­tra­ção de água, nem mesmo sob chu­va co­pi­o­sa que apa­nhá­mos a da­da al­tu­ra. O ven­to mantém-se igual­men­te afas­ta­do do in­te­ri­or do C43 Ca­brio, o que be­ne­fi­cia o con­for­to tér­mi­co dos ocu­pan­tes, tal co­mo os vi­dros sem mol­du­ra, que não põem em cau­sa bom iso­la­men­to ge­ral.

A ca­po­ta de lo­na su­pe­ra, as­sim, mais um de­sa­fio, e o fac­to de po­der ser ope­ra­da em an­da­men­to até 50 km/h per­mi­te usu­fruir de­la nos par­cos mo­men­to em que o Sol es­prei­ta por en­tre as nú­vens.

O fa­tor eco­nó­mi­co

Se os ar­gu­men­tos des­te Mer­ce­des-benz AMG C43 Ca­brio con­ven­cem, o pas­so se­guin­te é as­si­nar um che­que de 88.900€, va­lor ba­se – 108.859€ pe­la uni­da­de en­sai­a­da. Ten­do em con­ta que, pra­ti­ca­men­te, não tem con­cor­ren­tes di­re­tos – o BMW M4

A di­nâ­mi­ca pen­de mais pa­ra a efi­cá­cia e segurança do que pa­ra a con­du­ção lú­di­ca

ca­brio é con­cor­ren­te do AMG C63 ca­brio – não será um va­lor to­tal­men­te des­ca­bi­do. A me­ro tí­tu­lo de exem­plo, o BMW 440i xdri­ve ca­brio or­ça em 81.570€, mas é li­gei­ra­men­te me­nos po­ten­te (326 CV) e não tem a as­si­na­tu­ra M. As­sim, a pró­xi­ma vez que vir pas­sar um AMG C43 Ca­brio sob chu­va ou ven­to for­te, já sa­be que vai ali um en­tu­si­as­ta de car­ros e con­du­ção, e que tem nas mãos uma boa ar­ma con­tra o mau tem­po e a mo­no­to­nia.

No lon­gín­quo ano de 1996 e apro­vei­tan­do o fac­to de o Ibi­za ser, já na al­tu­ra, um ver­da­dei­ro íco­ne da ju­ven­tu­de, a SEAT mon­tou-lhe um mo­tor 2.0 de 150 CV, além de equi­pa­men­to a con­di­zer. In­do ao en­con­tro dos de­se­jos dos cli­en­tes jo­vens, ávi­dos de sen­sa­ções des­por­ti­vas, nas­cia o pri­mei­ro SEAT CU­PRA. A mar­ca es­pa­nho­la op­tou ago­ra por dar to­tal au­to­no­mia a es­ta si­gla, sur­gin­do co­mo sub­mar­ca fo­ca­da em pro­du­tos ex­clu­si­vos e de elevado de­sem­pe­nho - à ima­gem do que já acontece com al­gu­mas das su­as

A Cu­pra irá ter mo­de­los ex­clu­si­vos e hí­bri­dos plug-in de tem­pe­ra­men­to des­por­ti­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.