Sport…

Altagama Motor (Portugal) - - Ficha Técnica -

Co­ra­ção de atle­ta

Sa­ben­do que sob o ca­pot es­con­de-se o 1.5 TSI de 150 CV, es­pe­ra-se que o vi­su­al des­por­ti­vo te­nha al­gu­ma cor­res­pon­dên­cia na for­ma co­mo o T-roc se mo­ve. E, na ver­da­de, o jovem cros­so­ver ger­mâ­ni­co não de­si­lu­de. Ape­sar de se no­tar que o pro­pul­sor co­me­ça a mos­trar al­gu­ma vi­da pou­co aci­ma das 1.500 rpm, só a par­tir das 2.000 rpm é que a agu­lha do con­ta­ro­ta­ções ga­nha al­gum ím­pe­to, sen­do que a cai­xa de seis ve­lo­ci­da­des ma­nu­al apro­vei­ta bem as po­ten­ci­a­li­da­des do mo­tor. E já que falamos da cai­xa, es­ta apre­sen­ta um ex­ce­len­te ta­to me­câ­ni­co, sen­do bas­tan­te pre­ci­sa e um ver­da­dei­ro pra­zer de uti­li­zar em rit­mos mais vi­vos. Ape­nas a so­no­ri­da­de do mo­tor po­de­ria ser mais

Ape­sar da sua al­tu­ra, o Volkswa­gen T-roc apre­sen­ta um com­por­ta­men­to em cur­va bas­tan­te são, is­to sem dei­xar de ser con­for­tá­vel, al­go que as jan­tes de 18’’ – um op­ci­o­nal de 592€ – po­de­ri­am fa­zer su­por. Se abu­sar­mos da ve­lo­ci­da­de de en­tra­da em cur­va a fren­te ini­cia lo­go a sua fuga pa­ra o ex­te­ri­or da mes­ma, sen­do que o le­van­tar do pé re­põe a or­dem. Di­nâ­mi­ca­men­te, a úni­ca crítica vai pa­ra a sen­si­bi­li­da­de aos ven­tos laterais, com o T-roc a exi­gir cor­re­ções cons­tan­tes nestas con­di­ções.

Na sel­va ur­ba­na

Na cir­cu­la­ção ci­ta­di­na, a su­pe­ri­or al­tu­ra do T-roc é uma van­ta­gem em ter­mos de vi­si­bi­li­da­de, uma vez que con­se­gui­mos ter um cam­po de vi­são mais am­plo do que num veí­cu­lo mais bai­xo. A di­re­ção é le­ve, fa­ci­li­tan­do bas­tan­te as ma­no­bras, em con­tras­te com a em­brai­a­gem, al­go du­ra e que aca­ba por cau­sar al­gum can- sa­ço no pá­ra-ar­ran­ca. Além dis­so, os pe­dais re­ve­la­ram-se ex­tre­ma­men­te es­cor­re­ga­di­os quando mo­lha­dos, po­den­do le­var a al­gu­mas situações mais in­có­mo­das.

A sua su­pe­ri­or dis­tân­cia ao so­lo tor­na os aces­sos a parques de es­ta­ci­o­na­men­tos e ga­ra­gens uma paz de al­ma, uma vez que per­mi­te su­pe­rar des­ní­veis com enor­me à-von­ta­de, bem co­mo es­ta­ci­o­nar em es­pi­nha ou pa­ra­le­la­men­te sem re­ceio de ro­çar com o pá­ra-cho­ques di­an­tei­ro no pas­seio. Além dis­so, to­do o veí­cu­lo é rodeado por uma fai­xa de plás­ti­co que pro­te­ge a par­te in­fe­ri­or da car­ro­ça­ria, pá­ra-cho­ques e que cir­cun­da, igual­men­te, o re­bor­do dos guar­da-lamas, pro­te­gen­do as­sim o car­ro de even­tu­ais to­ques que, por vezes, acon­te­cem.

A po­si­ção de con­du­ção ele­va­da pro­por­ci­o­na me­lhor vi­si­bi­li­da­de em re­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.