Mit­su­bishi Eclip­se Cross Di­ver­são à es­can­di­na­va

Altagama Motor (Portugal) - - Ficha Técnica -

De­pois de ter des­cor­ti­na­do o Eclip­se Cross na va­ri­an­te 4x2, a Mit­su­bishi quis le­var as coi­sas mais lon­ge pa­ra, num la­go ge­la­do no­ru­e­guês, tes­tar­mos ao li­mi­te as ca­pa­ci­da­des do sis­te­ma S-AWC do seu no­vo SUV. Nun­ca o frio foi tão di­ver­ti­do…

Ono­vo Eclip­se Cross, que foi res­ga­tar o no­me de um cou­pé com­pac­to da dé­ca­da de 1990, nas­ceu com uma vo­ca­ção cla­ra­men­te mais es­tra­dis­ta do que qual­quer ou­tra ga­ma 4x4 da Mit­su­bishi. Não obs­tan­te, e apro­vei­tan­do pre­ci­sa­men­te a ver­são de tra­ção in­te­gral, equi­pa­da com o so­fis­ti­ca­do sis­te­ma S-AWC (Su­per All Whe­el Con­trol), os responsáveis da mar­ca ni­pó­ni­ca lan­ça­ram o de­sa­fio de sen­tir­mos as di­fe­ren­ças fa­ce à trans­mis­são mon­ta­da no Ou­tlan­der, cu­jas va­lên­ci­as ti­ve­mos opor­tu­ni­da­de de en­sai­ar em se­me­lhan­tes con­di­ções o ano pas­sa­do.

O S-AWC do Eclip­se di­fe­re bas­tan­te da­que­le mon­ta­do no des­por­ti­vo e ra­di­cal Lan­cer Evo­lu­ti­on e so­bre­tu­do fa­ce ao sis­te­ma que mo­ve o Ou­tlan­der – pe­la pre­sen­ça de mo­to­res elé­tri­cos nos ei­xos da fren­te e de trás. No en­tan­to, os prin­cí­pi­os são co­muns, e con­ta com qua­tro ele­men­tos essenciais que têm di­fe­ren­tes fun­ções em ca­da mo­men­to di­nâ­mi­co do car­ro. São eles o 4WD (tra­ção às qua­tro ro­das), o AYC (Ac­ti­ve Yaw Con­trol, que ‘pre­ci­pi­ta’ o es­cor­re­ga­men­to do ei­xo tra- sei­ro ou o mo­men­to ‘yaw’), o ABS + TCL (con­tro­lo de tra­ção) e o ASC (con­tro­lo de es­ta­bi­li­da­de). A ele­tró­ni­ca tem um papel ins­tru­men­tal na efi­cá­cia do S-AWC em pi­sos es­cor­re­ga­di­os, com es­tes ‘pi­la­res’ a tra­ba­lha­rem em con­so­nân­cia pa­ra ga­ran­tir es­ta­bi­li­da­de e mo­tri­ci­da­de ao Eclip­se, tan­to an­tes co­mo de­pois de es­te per­der a ade­rên­cia.

Pa­ti­na­gem ar­tís­ti­ca

To­da­via, o ob­je­ti­vo da Mit­su­bishi pa­ra es­te even­to era a pu­ra di­ver­são, pa­ra que ava­liás­se­mos o de­sem­pe­nho do S-AWC – sem­pre as­so­ci­a­do à cai­xa de va­ri­a­ção con­tí­nua – so­bre su­per­fí­ci­es ge­la­das, e o do­mí­nio que ele per­mi­te numa con­du­ção mais lú­di­ca com bai­xos ní­veis de grip. Pa­ra is­so, bas­ta des­li­gar o ASC e ter su­a­vi­da­de no pé di­rei­to, re­a­ções rá­pi­das de bra­ços e al­gum ‘es­pa­ço de ma­no­bra’. Is­to, sem es­que­cer os in­dis­pen­sá­veis pneus com pre­gos…

Dos mo­dos de con­du­ção dis­po­ní­veis (Au­to, Gra­vel e Snow), o úl­ti­mo era a op­ção ló­gi­ca pa­ra estas con­di­ções, até por­que é aque­le que, no li­mi­te, trans­fe­re mais po­tên­cia às ro­das tra­sei­ras (até um má­xi­mo de 60%), pro­mo­ven­do um com­por­ta­men­to mais so­bre­vi­ra­dor, a for­ma mais di­ver­ti­da e efi­caz de con­du­zir na

neve. O prin­cí­pio é sim­ples: tra­var bem an­tes da cur­va, apon­tar a fren­te, sen­tir a tra­sei­ra a es­cor­re­gar (yaw mo­ment) pa­ra evi­tar a sub­vi­ra­gem, e só de­pois ace­le­rar com con­vic­ção pa­ra a tra­sei­ra es­cor­re­gar em ple­na po­tên­cia. Até pa­re­ce­mos con­du­to­res ex­pe­ri­en­tes nestas an­dan­ças da pi­lo­ta­gem so­bre pi­sos ge­la­dos.

Du­ran­te os mo­men­tos de drift é ne­ces­sá­rio ir ‘con­tra­bre­can­do’, pa­ra man­ter a di­rec­ci­o­na­li­da­de, mas uma coi­sa que ra­pi­da­men­te apren­de­mos foi que a CVT res­pon­de me­lhor com uma téc­ni­ca mais dó­cil do pé di­rei­to. Is­to é, ao in­vés de apli­car car­ga to­tal, num cons­tan­te ‘ti­ra-e-põe’, re­sul­ta me­lhor uma car­ga le­ve e pe­que­nos alí­vi­os de ace­le­ra­ção. As re­a­ções do chas­sis tor­nam-se mais li­ne­a­res e ‘go­za­mos mais o pra­to’, sob o prin­cí­pio de “me­nos é mais”, co­mo ex­pli­cou o nosso mo­ni­tor. Con­fes­sa­mos que, até acer­tar­mos com a téc­ni­ca, vi­si­tá­mos os mu­ros de neve por di­ver­sas vezes…

O sis­te­ma Ac­ti­ve Yaw Con­trol é um ele­men­to es­sen­ci­al na agi­li­da­de do Eclip­se

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.