In­fi­ni­ti Q Ins­pi­ra­ti­on Con­cept Con­fi­an­ça ab­so­lu­ta

O mais re­cen­te pro­tó­ti­po da mar­ca de luxo da Nis­san não sur­pre­en­de uni­ca­men­te pe­lo de­sign ou pe­lo ha­bi­tá­cu­lo des­pro­vi­do de co­man­dos ana­ló­gi­cos, mas também por apre­sen­tar uma pro­pul­são mo­vi­da a ga­so­li­na.

Altagama Motor (Portugal) - - Fic Ha Técnica -

Num dos seus mer­ca­dos mais im­por­tan­tes, o nor­te­a­me­ri­ca­no, e apro­vei­tan­do a re­a­li­za­ção do Sa­lão de De­troit 2018, a In­fi­ni­ti apre­sen­tou aque­le que será um dos seus pro­tó­ti­pos mais im­por­tan­tes: o Q Ins­pi­ra­ti­on. Co­mo bom con­cept car, es­ta ber­li­na de qua­tro por­tas, com cla­ros pormenores des­por­ti­vos, sur­pre­en­deu não só por uma es­té­ti­ca – que será o pon­to de par­ti­da pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de fu­tu­ros mo­de­los –, co­mo por aqui­lo que apre­sen­ta­va por bai­xo do ca­pot. Em con­tras­te com a mai­o­ria dos res­tan­tes fa­bri­can­tes, que nos úl­ti­mos anos têm apos­ta­do na ele­tri­fi­ca­ção, o Q Ins­pi­ra­ti­on exi­be um mo­tor de ga­so­li­na.

De­pen­de da pro­cu­ra

Con­tra a ten­dên­cia ge­ne­ra­li­za­da, a mar­ca ni­pó­ni­ca mantém a sua aposta nos com­bus­tí­veis fós­seis, as­se­gu­ran­do que o mo­tor Vc-tur­bo é ‘‘o pas­so se­guin­te mais ló­gi­co”. Is­to não sig­ni­fi­ca dei­xar de la­do as ener­gi­as re­no­vá­veis, es­tan­do pre­vis­tos novos mo­de­los elé­tri­cos pu­ros ou de au­to­no­mia am­pli­a­da a par­tir de 2021. Mas, co­mo mui­tos ou­tros, os responsáveis da In­fi­ni­ti con­si­de­ram que os mo­to­res de com­bus­tão ain­da têm mui­to pa­ra dar. Mais a mais quando equi­pa­dos com ino­va­ções téc­ni­cas, co­mo aque­las que apre­sen­ta o Vc-tur­bo. Tra­ta-se de um bloco com ar­qui­te­tu­ra de qua­tro ci­lin­dros e 2,0 li­tros que, se­gun­do os seus cri­a­do­res, com­bi­na a po­tên­cia de um V6 a ga­so­li­na com o bi­ná­rio e a efi­ci-

ên­cia de um Di­e­sel mo­der­no. O segredo re­si­de na al­te­ra­ção da ta­xa de com­pres­são, en­tre 8:1 e 14:1, gra­ças a um avan­ça­do sis­te­ma mul­ti­bra­ço, que al­te­ra con­ti­nu­a­men­te a po­si­ção da cam­bo­ta. Is­to per­mi­te al­ter­nar en­tre mai­or ren­di­men­to ou mai­or efi­ci­ên­cia, de­pen­den­do das exi­gên­ci­as do con­du­tor.

Es­pa­ço li­vre

O seu tur­bo­com­pres­sor de ge­o­me­tria fi­xa, co­lo­ca­do di­re­ta­men­te na ca­be­ça do mo­tor e com co­le­tor de es­ca­pe in­te­gra­do, per­mi­te ob­ter res­pos­tas de ace­le­ra­ção ime­di­a­tas a qual­quer regime ou ta­xa de com­pres­são.

O re­du­zi­do ta­ma­nho da me­câ­ni­ca per­mi­tiu aos cri­a­ti­vos ja­po­ne­ses con­ce­ber um ha­bi­tá­cu­lo mais am­plo e lu­mi­no­so – o pá­ra-bri­sas é con­tí­nuo até à zo­na cen­tral do te­ja­di­lho. Se­gun­do a mar­ca, ape­sar de ter di­men­sões pró­pri­as de uma ber­li­na mé­dia, o es­pa­ço in­te­ri­or é se­me­lhan­te ao de um grande exe­cu­ti­vo. Con­ta com por­tas de aber­tu­ra as­si­mé­tri­ca, sem pi­lar cen­tral, e qua­tro bancos in­di­vi­du­ais que dão as bo­as-vin­das aos seus ocu­pan­tes, fi­can­do es­tes se­pa­ra­dos por uma con­so­la cen­tral flu­tu­an­te que ma­xi­mi­za o es­pa­ço pa­ra as per­nas e que per­mi­te, in­clu­si­va­men­te, vi­a­jar com elas cruzadas. Ma­te­ri­ais nobres de alta qua­li­da­de, co­mo a ma­dei­ra de ka­ba­za­ku­ra – uma variedade de ce­re­ja ja­po­ne­sa –, cou­ro bran­co e pre­to, papel washi ou fio de se­da, con­ju­gam­se com tec­no­lo­gia de úl­ti­ma ge­ra­ção pa­ra cri­ar um am­bi­en­te úni­co. Além de apre­sen­tar uma ima­gem ex­te­ri­or po­de­ro­sa, o Q Ins­pi­ra­ti­on faz ga­la da sua con­di­ção de pro­tó­ti­po, ao in­te­grar um in­ter­fa­ce ho­mem-má­qui­na pro­je­ta­da em qua­tro ecrãs tá­teis dis­tri­buí­dos en­tre a con­so­la cen­tral, o pai­nel de ins­tru­men­tos e a zo­na pos­te­ri­or. Des­te mo­do, tu­do o que é bo­tão ana­ló­gi­co de­sa­pa­re­ce, num ce­ná­rio de­ci­di­da­men­te mi­ni­ma­lis­ta. Exis­te ape­nas um co­man­do cen­tral, ins­pi­ra­do nos ra­tos de com­pu­ta­dor, que é uti­li­za­do pa­ra al­gu­mas fun­ções do veí­cu­lo.

Nes­te le­que de atri­bu­tos fu­tu­ris­tas não po­dia fal­tar a con­du­ção au­tó­no­ma. A In­fi­ni­ti as­se­gu­ra es­tar a tra­ba­lhar em sis­te­mas des­ta na­tu­re­za a par­tir da sua tec­no­lo­gia PROPILOT, que se vai ba­se­ar na informação ob­ti­da a par­tir de ra­da­res e câ­ma­ras de bor­do pa­ra analisar o tra­je­to e mo­ni­to­ri­zar a po­si­ção de ou­tros veí­cu­los, peões e obs­tá­cu­los.

O de­sign in­te­ri­or é mi­ni­ma­lis­ta, qua­se sem co­man­dos fí­si­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.