Mer­ce­des-benz CLS O ta­ma­nho im­por­ta

O CLS é um dos Mer­ce­des ‘gran­des’ que faz re­al­men­te a di­fe­ren­ça. Qua­se 14 anos após a sua es­treia, che­ga ago­ra a ter­cei­ra ge­ra­ção, mais di­nâ­mi­ca, tec­no­ló­gi­ca, so­fis­ti­ca­da e exclusiva.

Altagama Motor (Portugal) - - Ficha Técnica -

OCLS foi in­tro­du­zi­do pe­la pri­mei­ra vez na ga­ma Mer­ce­des-benz em finais de 2004, mar­can­do uma no­va abor­da­gem da mar­ca – e do mer­ca­do em ge­ral – a uma clas­se de gran­des cou­pés de qua­tro por­tas. Só de­pois apa­re­ce­ram ou­tras propostas da con­cor­rên­cia, co­mo o Audi A7 Sportback, o BMW Sé­rie 6 Gran Cou­pé e o Pors­che Pa­na­me­ra.

O pri­mei­ro CLS cho­cou al­guns e apai­xo­nou ou­tros, mas a ver­da­de é que mar­cou uma épo­ca e um con­cei­to de gran­des cou­pés de luxo e al­tas per­for­man­ces.

A se­gun­da ge­ra­ção rei­nou en­tre 2011 e finais de 2017, ten­do- se dis­tin­gui­do por mais uma for­te ino­va­ção ao com­ple­men­tar a ga­ma com uma lin­dís­si­ma car­ri­nha Sho­o­ting Bra­ke. Ago­ra, che­ga a ter­cei­ra ge­ra­ção, que mantém a mes­ma ar­qui­te­tu­ra ele­gan­te e des­por­ti­va de cou­pé de qua­tro por­tas, com um vi­su­al ex­te­ri­or mui­to atra­ti­vo e que não se dei­xa con­fun­dir com ou­tras propostas do cons­tru­tor ale­mão.

Ao con­trá­rio dos seus an­te­ces­so­res, o no­vo CLS tem lo­ta­ção pa­ra cin­co ocu­pan­tes, dei­xan­do pa­ra trás a crítica da li­mi­ta­ção de qua­tro lu­ga­res. As coi­sas fi­ca­ram mais fá­ceis, por­que a sua ba­se é a atu­al ge­ra­ção do Clas­se E – aliás, to­das as ge­ra­ções CLS são evo­lu­ções dos Clas­se E su­as con­tem­po­râ­ne­as –, um au­to­mó­vel já de si, de ge­ne­ro­sas di­men­sões, es­pa­ço e ha­bi­ta­bi­li­da­de. Também por is­so, fa­ce ao an­te­ri­or mo­de­lo, o no­vo CLS é mai­or em pra­ti­ca­men­te to­das as me­di­das: 4,99 mm de com­pri­men­to (mais 5 cm), 1,89 m de lar­gu­ra e 1,44 m de al­tu­ra.

Co­mo é ób­vio, tu­do is­to se re­fle­te na mai­or abun­dân­cia de es­pa­ço in­te­ri­or, per­mi­tin­do também o tal au­men­to da lo­ta­ção pa­ra cin­co lu­ga­res. Não se tra­ta pro­pri­a­men­te de um mo­de­lo fa­mi­li­ar em ter­mos de uti­li­za­ção (por­que o é em con­for­to), mas cer­ta­men­te que os uti­li­za­do­res agra­de­cem. Até a ba­ga­gei­ra au­men­tou, dis­po­ni­bi­li­zan­do ago­ra 520 li­tros, ou se­ja, mais 45 li­tros fa­ce ao mo­de- lo an­te­ri­or. De­sa­pa­re­ce, no en­tan­to, a ver­são Sho­o­ting Bra­ke, a car­ri­nha que tornou tu­do di­fe­ren­te nes­ta clas­se exe­cu­ti­va, o que é uma pe­na...

Enor­me, mas ágil

Ex­tre­ma­men­te mo­der­no e avan­ça­do, do­ta­do da imen­sa pa­nó­plia tec­no­ló­gi­ca e me­câ­ni­ca que a Mer­ce­des tem vin­do a de­sen­vol­ver e a colocar no mer­ca­do, o CLS é um au­to­mó­vel cu­jas for­mas e as pro­por­ções aca­bam por, mui­to efi­caz­men­te, ali­gei­rar o seu por­te, mas não a sua po­se.

Qual­quer dos seus pro­pul­so­res não tem quais­quer pro­ble­mas em li­dar com as ge­ne­ro­sas di­men­sões e com a enor­me massa dos con­jun­tos

– sem­pre são qua­se pra­ti­ca­men­te du­as toneladas de car­ro – já que ar­ran­car sem o mínimo es­for­ço e cur­var sem a mí­ni­ma he­si­ta­ção é al­go per­fei­ta­men­te nor­mal nes­tes gran­des cou­pés de Es­tu­gar­da. Ha­ja fé no chas­sis e ain­da mais fé na ele­tró­ni­ca, e (qua­se) tu­do é pos­sí­vel.

A ca­pa­ci­da­de de resposta de qual­quer um dos gru­pos pro­pul­so­res es­pan­ta pe­la ra­pi­dez alu­ci­nan­te, fru­to de uma perfeita con­ju­ga­ção da ele­tró­ni­ca com me­câ­ni­cas apu­ra­das ao li­mi­te, tu­do em prol da per­for­man­ce, segurança e con­for­to. Por fa­lar em con­for­to, o no­vo CLS ofe- re­ce o pri­vi­lé­gio de pi­sar o al­ca­trão ‘flu­tu­an­do’ em sis­te­mas de sus­pen­são que, com ba­se em ar­qui­te­tu­ras de bra­ços múl­ti­plos nos dois ei­xos (qua­tro bra­ços à fren­te e cin­co atrás), ofe­re­ce soluções op­ci­o­nais pa­ra to­dos os re­qui­si­tos: sus­pen­são di­nâ­mi­ca (des­por­ti­va) de au­to-ajus­te con­tí­nuo Dy­na­mic Body Con­trol (Com­fort, Sport e Sport +) e sus­pen­são pneu­má­ti­ca Air Body Con­trol, to­tal­men­te adap­ta­ti­va e re­gu­lá­vel a par­tir do me­nu dos mo­dos de con­du­ção.

Além de con­tar – de sé­rie ou em op­ção – com tu­do o que se pos­sa imaginar em ter­mos de

Uma grande per­da des­ta ge­ra­ção é a au­sên­cia da va­ri­an­te Sho­o­ting Bra­ke

ele­tró­ni­ca ao serviço da con­du­ção, segurança, con­for­to, co­mu­ni­ca­ção, en­tre­te­ni­men­to, etc., o no­vo CLS tem uma apre­sen­ta­ção in­te­ri­or de pas­mar, mui­to à se­me­lhan­ça dos atu­ais Clas­se S e Clas­se E.

Por­que ‘en­che o olho’ ao con­du­tor e res­tan­tes ocu­pan­tes, a ins­tru­men­ta­ção 100% di­gi­tal e o ecrã di­gi­tal do sis­te­ma mul­ti­mé­dia for­mam ago­ra o mesmo con­jun­to, es­tan­do po­si­ci­o­na­dos no mesmo pla­no. Am­bos os sis­te­mas são enor­mes, com 12,3 po­le­ga­das. É um must tec­no­ló­gi­co, ali­a­do a uma grande con­ve­ni­ên­cia de uti­li­za­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.