Pors­che Pa­na­me­ra Tur­bo S E-hy­brid Guer­ra dos mun­dos

Com po­tên­cia, con­for­to e tec­no­lo­gia a ro­dos, es­ta ver­são do Pa­na­me­ra jun­ta o me­lhor de dois mun­dos, con­ju­gan­do na per­fei­ção per­for­man­ce e efi­ci­ên­cia. Mas, bem vis­tas as coi­sas, não será de­mais?

Altagama Motor (Portugal) - - Ficha Técnica -

Na ba­ta­lha con­tra as emis­sões de CO2 e con­su­mos ele­va­dos, os cons­tru­to­res em­pre­gam ca­da vez mais téc­ni­cas e tec­no­lo­gi­as pa­ra cum­prir as ca­da-vez-mais­res­tri­ti­vas nor­mas im­pos­tas sem per­de­rem em ma­té­ria de pres­ta­ções. Será se­gu­ro afir­mar que cer­ca de 30% dos com­po­nen­tes e sis­te­mas em­pre­gues de um au­to­mó­vel mo­der­no têm em vis­ta o con­tro­lo e re­du­ção de emis­sões. Dis­po­si­ti­vos start/stop, ca­ta­li­sa­do­res, fil­tros de par­tí­cu­las, vál­vu­las de re­cir­cu­la­ção de ga­ses de es­ca­pe, cai­xas au­to­má­ti­cas com oi­to ou mais ve­lo­ci­da­des e pneus de bai­xo atri­to são ape­nas os ele­men­tos mais bá­si­cos mon­ta­dos em prol do am­bi­en­te. O pro­ble­ma, pa­ra as mar­cas, é que nem sem­pre be­ne­fi­ci­am a per­for­man­ce…

Os sis­te­mas hí­bri­dos, de prin­cí­pio tér­mi­co-elé­tri­co, es­tão um pa­ta­mar aci­ma nes­te com­ba­te ao dió­xi­do de car­bo­no, per­mi­tin­do que cons­tru­to­res co­mo a Pors­che pos­sam con­ti­nu­ar a lan­çar mo­de­los des­por­ti­vos, e até su­per­des­por­ti­vos, e ain­da as­sim cum­prir as pre­mis­sas am­bi­en­tais. Exem­plos dis­so são o 918 Spy­der ou mesmo es­te Pa­na­me­ra Tur­bo S e-hy­brid.

A com­bi­na­ção de um V8 bi­tur­bo de 550 CV com uma uni­da­de elé­tri­ca de 136 CV dá um ren­di­men­to to­tal de 680 CV, um va­lor es­tron­do­so se con­si­de­rar­mos que a mar­ca de Es­tu­gar­da declara mé­di­as de con­su­mo 2,9 l/100 km e 66 g/km de CO2. Pa­re­ce in­con­gru­en­te, ou até im­pos­sí­vel, não é?

Mon­tra tec­no­ló­gi­ca

A ma­gia des­te mo­de­lo re­si­de nas es­tra­té­gi­as de pro­pul­são pre­co­ni­za­das pe­lo sis­te­ma hí­bri­do, às quais ace­de­mos via um pe­que­no se­le­tor no vo­lan­te ou atra­vés do ecrã cen­tral. E-power, E-char­ge, E-hold, Hy­brid Au­to, Sport e Sport+ são as di­ver­sas op­ções à dis­po­si­ção que nos per­mi­tem ex­plo­rar a fundo as ca­pa­ci­da­des des­te gran­tu­ris­mo, e sem­pre em grande es­ti­lo, di­ga-se. Mas de an­tes de mais, há que su­bli­nhar que o po­ten­ci­al des­te Pa­na­me­ra par­te do prin­cí­pio de que dor­me numa ga­ra­gem e li­ga­do à cor­ren­te, pois o con­tri­bu­to elé­tri­co é es­sen­ci­al na efi­ci­ên­cia do seu con­su­mo. Em seis ho­ras, as ba­te­ri­as de alta vol­ta­gem (in­te­gra­das na tra­sei­ra) fi­cam to­tal­men­te car­re­ga­das com uma to­ma­da de 10 A e 230 V. Se for usa­do o car­re­ga­dor de bor­do op­ci­o­nal, de 7.2 kw e uma co­ne­xão de 230 V com 32 A, em vez do car­re­ga­dor de sé­rie de 3.6 kw, a re­car­ga de­mo­ra so­men­te du­as ho­ras e meia, sen­si­vel­men­te.

Por de­fei­to, o ar­ran­que é sem­pre fei­to por for­ça de ele­trões (mesmo com ba­te­ria a bai­xa car­ga) e, a par­tir da­qui, e em fun­ção do per­cur­so e da dis­po­si­ção, es­co­lhe­mos o mo­do mais con­ve­ni­en­te. Se­le­ci­o­nar o mo­do E-char­ge faz com que o sis­te­ma use o mo­tor tér­mi­co pa­ra car­re­gar a ba­te­ria, ao pas­so que o mo­do E-hold faz o mesmo, mas com a in­ten­ção de guar­dar a ener­gia das ba­te­ri­as pa­ra a con­du­ção ur­ba­na. Se qui­ser­mos dei­xar ao cri­té­rio do sis­te-

ma, o Hy­brid Au­to é o mais con­ve­ni­en­te, já que vai al­ter­nan­do e com­ple­men­tan­do a lo­co­mo­ção a ga­so­li­na e elé­tri­ca con­so­an­te as exi­gên­ci­as e dis­po­ni­bi­li­da­des de car­ga. Já os pro­gra­mas Sport e Sport+ aca­bam por ser pa­ra­le­los ao mo­do hí­bri­do – o se­gun­do tem ape­nas con­fi­gu­ra­ções mais ra­di­cais que o pri­mei­ro –, pois re­cor­rem a to­da a ener­gia dis­po­ní­vel a ca­da mo­men­to pa­ra má­xi­ma per­for­man­ce, dei­xan­do a efi­ci­ên­cia pa­ra se­gun­do pla­no. Pa­re­ce com­ple­xo? Não é, ape­nas exige prá­ti­ca…

De­pres­sa e bem

Co­mo um exe­cu­ti­vo de veia mar­ca­da­men­te des­por­ti­va, es­te Pa­na­me­ra sa­tis­faz em ple­no, com uma resposta fe­roz qual­quer que se­ja o regime, tu­do ‘ador­na­do’ de um ron­co bem más­cu­lo em car­ga to­tal. Pa­ra mo­men­tos mais lú­di­cos, bas­ta car­re­gar no bo­tão cen­tral do se­le­tor (dos mo­dos de con­du­ção) pa­ra du­ran­te breves se­gun­dos usu­fruir­mos em ple­no dos 680 CV, e com is­so fi­car­mos com as cos­tas bem co­la­das ao ban­co e ter­mos sen­sa­ções de warp spe­ed, co­mo os tri­pu­lan­tes do USS En­ter­pri­se, da sé­rie te­le­vi­si­va Star Trek. Uma ace­le­ra­ção de 0 a 100 km/h em 3,4 se­gun­dos ou re­cu­pe­ra­ções de 80 a 120 km/h em 2,2 se­gun­dos di­zem bem do que nos es­pe­ra quando pi­sa­mos a fundo e a ve­lo­ci­da­de má­xi­ma de 310 km/h – se e quando pos­sí­vel – é ape­nas a ce­re­ja no to­po do bo­lo. A fluên­cia pro­por­ci­o­na­da pe­la no­va PDK de oi­to re­la­ções tor­na a con­du­ção ain­da mais agra­dá­vel e di­nâ­mi­ca. Qual­quer que se­ja o rit­mo, tem um de­sem­pe­nho de­ci­di­do mas su­a­ve, e con­ju­ga-se na per­fei­ção com a mo­to­ri­za­ção elé­tri­ca, tan­to em mo­do au­to­má­ti­co co­mo em ma­nu­al/se­quen­ci­al.

Ape­sar de dis­por des­ta vas­ta ca­va­la­ria, par­te do pra­zer ao vo­lan­te des­te des­por­ti­vo de qua­tro por­tas é con­se­guir­mos an­dar de­pres­sa e bem, co­mo quem diz, com con­su­mos qua­se ir­ri­só­ri­os fa­ce a es­te pa­ta­mar de po­tên­cia. No mo­do elé­tri­co e com pé bran­do po­de­mos ro­dar a ve­lo­ci­da­des ele­va­das (aci­ma dos 80 km/h) com emis­sões ze­ro e até es­ten­der a au­to­no­mia elé­tri­ca um pou­co além dos 50 km anun­ci­a­dos pe­la mar­ca. Uma con­du­ção in­te­li­gen­te e mais de­fen­si­va, usan­do o mo­do ‘ve­le­jar’ da cai­xa PDK (que de­sa­co­pla das ro­das em des­ci­das) e apro­vei­tan­do as tra­va­gens pa­ra re­car­re­gar as ba­te­ri­as, pou­pa efe­ti­va­men­te com­bus­tí­vel. Após uma uti­li­za­ção va­ri­a­da, por en­tre ci­da­de e ar­re­do­res, e ex­pe­ri­men­tan­do to­das op­ções que o Pa­na­me­ra tem pa­ra ofe­re­cer, a nos­sa mé­dia fi­nal ci­frou-se em 9,8 li­tros. Fi­cá­mos im­pres­si­o­na­dos.

O pe­so co­mo óbi­ce

O re­ver­so da me­da­lha dos au­to­mó­veis hí­bri­dos é o pe­so acres­cen­ta­do, de­vi­do à pre­sen­ça das ba­te­ri­as. Nes­te ca­so, o Pa­na­me­ra acu­sa aci­ma de 2.300 kg,

o que não abo­na a fa­vor da di­nâ­mi­ca. No en­tan­to, os en­ge­nhei­ros da Pors­che ado­ta­ram con­tra­me­di­das pa­ra mi­no­rar os seus efei­tos, co­mo garrafas pneu­má­ti­cas no lu­gar das mo­las he­li­coi­dais, amor­te­ce­do­res de du­re­za va­riá­vel e re­gu­lá­vel (PASM), bar­ras es­ta­bi­li­za­do­ras ati­vas (PDCC) e ei­xo tra­sei­ro di­re­ci­o­nal. Tu­do is­to faz com que o chas­sis con­te­nha mui­to bem o seu pe­so em cur­va e nun­ca pa­re­ça obe­so pa­ra quem vai ao vo­lan­te. A fir­me­za com que se­gu­ra as tra­je­tó­ri­as, o pi­sar só­li­do e a des­tre­za que re­ve­la em per­cur­sos si­nu­o­sos são es­ton­te­an- tes pa­ra um au­to­mó­vel des­te por­te, além de que o con­for­to – tan­to em fil­tra­gem de sus­pen­são co­mo de in­so­no­ri­za­ção ao ex­te­ri­or – é dig­no dos me­lho­res exe­cu­ti­vos de luxo. O sis­te­ma de tra­va­gem es­tá a car­go de uns enor­mes dis­cos em com­pó­si­to de ce­râ­mi­ca (PCCB, dos mai­o­res em mo­de­los de sé­rie), mor­di­dos por ma­xi­las de cor Ver­de Áci­do, com 10 (!!!) êm­bo­los à fren­te e qua­tro atrás. Pa­re­ce exa­ge­ro, mas pa­ra con­ter tan­to ím­pe­to e su­por­tar o pe­so da vi­a­tu­ra, não há mi­la­gres. Quando es­ta­mos a aflo­rar os limites do Pa­na­me­ra, se­ja por es­tra­das se­cun­dá­ri­as, se­ja a ve­lo­ci­da­des ele­va­das em au­to­es­tra­da, a sen­sa­ção de de­sa­ce­le­ra­ção é grande, o que nos trans­mi­te segurança, nun­ca trans­pa­re­cen­do que a tra­va­gem es­tá sub­di­men­si­o­na­da. O úni­co se­não aqui é o ta­to al­go ar­ti­fi­ci­al do pe­dal – ain­da que sem­pre bem do­seá­vel –, im­pres­são que so­bres­sai mais quando es­ta­mos em mo­do E-power.

Exige prá­ti­ca

Co­mo se po­de ver, há um ma­nan­ci­al tec­no­ló­gi­co de chas­sis pa­ra con­tor­nar os pro­ble­mas (leia-se pe­so) cri­a­dos pe­la tec­no­lo­gia hí­bri­da. A en­vol­ven­te hi-te­ch des­te Pa­na­me­ra sen­te-se tan­to na me­câ­ni­ca co­mo no in­te­ri­or, onde a so­fis­ti­ca­ção é per­ce­tí­vel desde a re­gu­la­ção dos bancos (de 14 vi­as) à es­co­lha dos mo­dos de con-

Os con­su­mos van­ta­jo­sos des­te Pa­na­me­ra pres­su­põem a re­car­ga en­tre uti­li­za­ções

Ber­nar­do Gon­za­lez Pau­lo Ca­lis­to Pors­che Pa­na­me­ra Tur­bo S e-hy­brid Mo­tor tér­mi­co Ci­lin­dra­da Po­tên­cia má­xi­ma Bi­ná­rio má­xi­mo Ve­lo­ci­da­de má­xi­ma Ace­le­ra­ção 0 a 100 km/h Preço ba­se Ava­li­a­ção Al­ta­ga­ma Ga­so­li­na, V8, bi­tur­bo + elé­tri­co 3.996 cm3 550 CV às 5.750-6.

Ba­ga­gei­ra Mo­tor Pres­ta­ções Con­su­mos Di­rec­ção Tra­va­gem Con­for­to Preço ava­li­a­ção Pors­che Pa­na­me­ra Tur­bo S e-hy­brid Aca­ba­men­tos Po­si­ção de con­du­ção Ha­bi­ta­bi­li­da­de Cai­xa de ve­lo­ci­da­des Com­por­ta­men­to Equi­pa­men­to Fa­róis com tec­no­lo­gia LED de qua­tro fo­cos são

O pa­co­te in­te­ri­or de car­bo­no abran­ge ta­bli­er, por­tas e con­so­la cen­tral. Dá um lo­ok mais des­por­ti­vo, mas cus­ta 885€ A no­va PDK de 8 ve­lo­ci­da­des con­ju­ga-se na per­fei­ção com o sis­te­ma hí­bri­do e com o V8 bi­tur­bo

Pors­che Pa­na­me­ra Tur­bo S e-hy­brid O me­lhor Po­tên­cia Chas­sis Con­for­to Equi­pa­men­to O PI­OR Pe­so Preço

Bancos com múl­ti­plas re­gu­la­ções e ex­ce­len­te con­tor­no pre­sen­tei­am os ocu­pan­tes da fren­te. Atrás, os bancos também con­tam com di­ver­sas re­gu­la­ções e me­mo­ri­za­ção, o que or­ça em 2.386€. A ba­ga­gei­ra é am­pla sem ser re­fe­ren­ci­al, já que não é fun­da, de­vi­do à ba­te

O tem­po de re­car­ga va­ria em fun­ção da po­tên­cia da to­ma­da e da ca­pa­ci­da­de do car­re­ga­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.