DS 7 Cros­s­back

A DS não po­de­ria ter ti­do me­lhor co­me­ço de vi­da ‘in­de­pen­den­te’, ao ver o 7 Cros­s­back tor­nar-se o car­ro ofi­ci­al do Pre­si­den­te fran­cês Em­ma­nu­el Ma­cron. Qui­se­mos ver o que tor­na es­te SUV fran­cês tão es­pe­ci­al, pa­ra par­ti­lhar con­si­go co­mo se sen­te um che­fe de

Altagama Motor (Portugal) - - Sumário -

Ini­ci­al­men­te, a DS era uma ga­ma de veí­cu­los mais lu­xu­o­sos in­te­gra­da no por­te­fó­lio da Ci­troën, mas ago­ra ama­du­re­ceu pa­ra um no­vo ní­vel, tor­nan­do­se uma mar­ca ‘in­de­pen­den­te’ den­tro do Gru­po PSA e ten­do a seu car­go ofe­re­cer os pro­du­tos mais pre­mium do aglo­me­ra­do gau­lês. Mes­mo quan­do ain­da es­ta­va in­te­gra­da na ga­ma do dou­ble che­vron, os DS des­ta­ca­ram-se sem­pre pe­lo seu de­sign apri­mo­ra­do e re­quin­te, as­su­min­do-se co­mo mo­de­los posh. Ago­ra, com o 7 Cros­s­back, te­mos a opor­tu­ni­da­de de ver a DS ‘pu­ra’, sem ne­nhu­ma re­fe­rên­cia à Ci­troën.

Nes­te DS sal­ta ime­di­a­ta­men­te à vis­ta o seu de­sign ela­bo­ra­do, sen­do que des­ta­car as óti­cas, quer di­an­tei­ras, quer tra­sei­ras. Os fa­róis fa­zem um bai­la­do in­te­res­san­te quan­do se des­tran­ca o DS 7 em am­bi­en­tes pou­co ilu­mi­na­dos ou à noi­te, e os ela­bo­ra­dos fa­ro­lins re­sul­tam nu­ma ima­gem ab­so­lu­ta­men­te in­con­fun­dí­vel quan­do ace­sos. To­da a ilu­mi­na­ção re­cor­re a tec­no­lo­gia LED. As for­mas ge­o­mé­tri­cas

do­mi­nam vi­su­al­men­te, em par­ti­cu­lar na gre­lha di­an­tei­ra e nas já men­ci­o­na­das óti­cas, e ape­sar de se­rem pro­fu­sa­men­te uti­li­za­das no ex­te­ri­or e, es­pe­ci­al­men­te, no in­te­ri­or, não se tor­nam can­sa­ti­vas, an­tes pe­lo con­trá­rio, con­tri­bu­em pa­ra o ar fu­tu­ris­ta e ‘tec­no­ló­gi­co’ do DS 7.

À gran­de e à fran­ce­sa

Ape­sar da pri­ma­zia da­da ao es­ti­lo, com o DS 7 Cros­s­back a jun­tar-se ao clu­be dos SUV cou­pé, aca­ba, ain­da as­sim, por pro­por­ci­o­nar um la­do prá­ti­co que fal­ta aos seus con­cor­ren­tes. Al­guns ar­ti­fí­ci­os es­ti­lís­ti­cos per­mi­tem is­to, co­mo o de­se­nho da zo­na tra­sei­ra das ja­ne­las la­te­rais, que faz a tra­sei­ra pa­re­cer mais in­cli­na­da do que é na re­a­li­da­de. Is­to tra­duz-se em van­ta­gens na ha­bi­ta­bi­li­da­de e na ba­ga­gei­ra, sen­do es­ta úl­ti­ma um pon­to on­de ba­te rivais co­mo o Al­fa Ro­meo Stel­vio, BMW X4, Mercedes-benz GLC ou até mes­mo o gi­gan­te Ben­tley Ben­tay­ga. O es­pa­ço in­te­ri­or é, ver­da­dei­ra­men­te, dig­no de um Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, mas o que re­al­men­te sal­ta à vis­ta é o de­sign e os aca­ba­men­tos. As for­mas ge­o­mé­tri­cas que en­con­trá­mos no ex­te­ri­or mul­ti­pli­cam-se no in­te­ri­or, es­tan­do, li­te­ral­men­te, um pou­co por to­da a par­te – nun­ca fal­ta­rão mo­ti­vos de in­te­res­se pa­ra ob­ser­var no in­te­ri­or do DS 7. Até o pai­nel de ins­tru­men­tos digital, com múl­ti­plas pos­si­bi­li­da­des de apre­sen­ta­ção, vê-se to­ma­do por es­tas for­mas, mais pa­re­cen­do, por ve­zes, que nos en­con­tra­mos aos co­man­dos de uma na­ve es­pa­ci­al. To­dos os con­tro­los, dos fí­si­cos aos tá­teis, ado­tam es­tas for­mas igual­men­te, ao que se jun­ta a di­ver­si­da­de de ma­te­ri­ais uti­li­za­dos, co­mo pe­le, me­tal e vi­dro. So­fis­ti­ca­ção e clas­se são coi­sas que não fal­tam. E já que fa­la­mos nos ma­te­ri­ais em­pre­gues, es­tes são de ele­va­da qua­li­da­de, bem co­mo a res­pe­ti­va mon­ta­gem, al­go cor­ro­bo­ra­do pe­la qua­se to­tal au­sên­cia de ruí­dos-pa­ra­si­ta.

A ní­vel de equi­pa­men­to, o DS 7 Cros­s­back apre­sen­ta uma do­ta­ção de sé­rie ge­ne­ro­sa, in­cluin­do itens de se­gu­ran­ça mui­tas ve­zes re­le­ga­dos pa­ra a lis­ta de op­ci­o­nais em ou­tras mar­cas, co­mo se­ja o sis­te­ma de tra­va­gem de

Es­tra­dis­ta na­to, o DS7 Cros­s­back dá des­ta­que ao con­for­to dos seus ocu­pan­tes, se­guin­do a tra­di­ção fran­ce­sa, mas man­ten­do um com­por­ta­men­to são

emer­gên­cia au­tó­no­ma. Pu­de­mos ve­ri­fi­car que es­te sis­te­ma fun­ci­o­na efi­caz­men­te, quan­do uma con­du­to­ra in­va­diu inad­ver­ti­da­men­te a nos­sa fai­xa… Foi o DS 7 a im­pe­dir o em­ba­te, num tes­te não in­ten­ci­o­nal que pro­vou a sua va­lên­cia. Des­ta­ca­mos ain­da o sis­te­ma de vi­são no­tur­na (900€) e tec­no­lo­gi­as ha­bi­tu­ais de en­tre­te­ni­men­to, co­mo o Mir­ror Link, li­ga­ção Blu­e­to­oh, to­ma­das USB e um sis­te­ma de som Fo­cal Elec­tra de 14 al­ti­fa­lan­tes (900€), ca­paz de tor­nar o in­te­ri­or do DS 7, efe­ti­va­men­te, uma sa­la de ópe­ra.

O en­can­ta­dor de es­tra­das

O no­me DS foi atri­buí­do de­vi­do à ins­pi­ra­ção do sau­do­so ‘bo­ca de sa­po’, não em ter­mos de de­sign, na­tu­ral­men­te, mas em ter­mos de ino­va­ção e ou­sa­dia. Tal co­mo o Ci­troën DS, o DS 7 Cros­s­back con­ta com uma so­fis­ti­ca­da sus­pen­são pi­lo­ta­da de­no­mi­na­da DS Scan Sus­pen­si­on. Por via de sen­so­res e câ­ma­ra, es­ta ‘lê’ a es­tra­da a uma dis­tân­cia de 20 me­tros pa­ra pré-ajus­tar a sus­pen­são pa­ra o que se avi­zi­nha. O re­sul­ta­do prá­ti­co é uma ex­tre­ma su­a­vi­da­de de ro­la­men­to, in­de­pen­den­te- men­te do es­ta­do do pi­so, ao que há ain­da a so­mar os três mo­dos de con­du­ção – Con­fort, Au­to e Sport – que al­te­ram a fir­me­za da sus­pen­são. Mas mes­mo no mo­do Sport o acer­to da sus­pen­são não é de­ma­si­a­do fir­me, ape­nas o su­fi­ci­en­te pa­ra re­du­zir os mo­vi­men­tos da car­ro­ça­ria em an­da­men­to.

E já que fa­la­mos de an­da­men­to, quan­do ace­le­ra­mos o pas­so no­ta-se o cen­tro de gra­vi­da­de mais ele­va­do e, ape­sar de bem cal­ça­do (Con­ti­nen­tal Con­tis­port Con­tact 5) ten­de a ador­nar e a al­can­çar os li­mi­tes de ade­rên-

cia mais ce­do. No en­tan­to, pa­ra um SUV, apre­sen­ta um com­por­ta­men­to são, e mes­mo quan­do a tra­sei­ra aca­ba por fu­gir – cu­ri­o­sa­men­te, é mais so­bre­vi­ra­dor que sub­vi­ra­dor – avi­sa com an­te­ce­dên­cia e apre­sen­ta sem­pre re­a­ções mui­to pro­gres­si­vas, sen­do fá­cil de con­tro­lar. Afi­nal de con­tas, nun­ca se sa­be quan­do va­mos ter que efe­tu­ar uma fu­ga de emer­gên­cia pa­ra pro­te­ger o Pre­si­den­te…

Sob o ca­pot, en­con­tra­mos o 2.0 HDI de 177 CV, aco­pla­do a uma no­va trans­mis­são au­to­má­ti­ca de 8 ve­lo­ci­da­des de­no­mi­na­da EAT8 (Ef­fi­ci­ent Au­to­ma­tic Trans­mis­si­on 8). Bem adap­ta­da às ca­rac­te­rís­ti­cas do pro­pul­sor, es­ta trans­mis­são re­ve­la-se su­pe­ri­or a mui­tas ofer­tas da con­cor­rên­cia em ter­mos de tra­vão mo­tor, re­ve­lan­do-se exí­mia a exe­cu­tar es­ta ta­re­fa por si só. Bas­ta sen­tir o DS 7 a ga­nhar ve­lo­ci­da­de sem qual­quer car­ga de ace­le­ra­dor e ime­di­a­ta­men­te se­le­ci­o­na uma re­la­ção in­fe­ri­or, en­quan­to em ou­tras trans­mis­sões te­mos que tra­var re­pe­ti­da­men­te até fa­ze­rem o mes­mo. Há, ain­da, a pos­si­bi­li­da­de de con­tro­lar ma­nu­al­men­te a es­co­lha de re­la­ções, com as pa­ti­lhas do vo­lan­te, mas, na ver­da­de, a EAT8 é ple­na­men­te ca­paz de li­dar com a to­ta­li­da­de de si­tu­a­ções.

Por seu tur­no, o 2.0 HDI acom­pa­nha a efi­ci­ên­cia da cai­xa, além de que os 177 CV e 400 N.m de bi­ná­rio es­tão sem­pre dis­po­ní­veis pa­ra lo­co­mo­ver o DS 7 sem qual­quer acu­sar es­for­ço. Is­to re­fle­te- se nos con­su­mos, e é re­la­ti­va­men­te fá­cil ob­ter va­lo­res abai­xo dos 7 li­tros em an­da­men­to mo­de­ra­do. Se, por ou­tro la­do, pre­ci­sar­mos de ace­le­rar o rit­mo – afi­nal, nun­ca se sa­be quan­do uma emer­gên­cia pre­si­den­ci­al sur­gi­rá –, o mo­tor cor­res­pon­de igual­men­te, sem­pre com a mes­ma sen­sa­ção de le­ve­za e su­a­vi­da­de. Quan­do che­ga a ho­ra de ‘ma­tar ve­lo­ci­da­de’ os tra­vões mos­tram-se ca­pa­zes da ta­re­fa de con­ter os ím­pe­tos do DS 7.

Di­fe­ren­te en­tre iguais

Nu­ma al­tu­ra em que os SUV do­mi­nam to­da e qual­quer fai­xa de mer­ca­do – até Fer­ra­ri e Lo­tus têm mo­de­los des­ta ti­po­lo­gia na ca­lha – tor­na-se com­pli­ca­do apre­sen­tar al­go que se dis­tin­ga ver­da- dei­ra­men­te. Mas a DS con­se­guiu-o, em par­ti­cu­lar no in­te­ri­or, com o ela­bo­ra­do de­sign e ma­te­ri­ais de pri­mei­ra água. Com um pre­ço ba­se de 57.258€ es­te mo­de­lo não é pro­pri­a­men­te ba­ra­to, e ali­nha com o to­po do seu ni­cho, mas a ver­da­de é que aos seus ar­gu­men­tos ali­am-se o char­me, re­quin­te e so­fis­ti­ca­ção pa­ra ofe­re­cer al­go que se de­mar­ca cla­ra­men­te dos de­mais. Con­tas fei­tas, acha­mos di­fí­cil que o sr. Ma­cron pu­des­se ter fei­ta me­lhor es­co­lha den­tro da ofer­ta SUV…

A cai­xa EAT8 fun­ci­o­na sem má­cu­la e ca­sa per­fei­ta­men­te com o 2.0 HDI

Os op­ci­o­nais as­su­mem uma for­ma ino­va­do­ra no DS 7 Cros­s­back. Além dos vá­ri­os ní­veis de equi­pa­men­to dis­po­ní­veis – Be Chic, Per­for­man­ce Li­ne, So Chic e Grand Chic – po­de­mos op­tar ain­da por vá­ri­as ‘ins­pi­ra­ções’, a de­no­mi­na­ção que a DS deu aos packs de equi­pa­men­to. A sa­ber, es­tas são DS Bas­til­le, DS Per­for­man­ce Li­ne, DS Ri­vo­li e DS Ope­ra. A ‘nos­sa’ uni­da­de era um So Chic Ins­pi­ra­ção Ope­ra.

Pe­dro Do­min­gues Pau­lo Ca­lis­to

As jan­tes de 19” são um op­ci­o­nal de 350€ Os fa­róis e fa­ro­lins full LED são de ori­gem e con­tri­bu­em pa­ra o ela­bo­ra­do de­sign do DS7

O me­lhor Dis­tin­ção /ex­clu­si­vi­da­de Con­for­to Mo­tor/cai­xa O PIOR Só FWD

No ha­bi­tá­cu­lo, pa­ra além de ma­te­ri­ais de pri­mei­ra clas­se, exis­te es­pa­ço abun­dan­te pa­ra to­dos os ocu­pan­tes vi­a­ja­rem sem se sen­ti­rem aper­ta­dos. A ba­ga­gei­ra, com 555 li­tros de ca­pa­ci­da­de, su­pe­ra a ofer­ta de al­guns dos seus con­cor­ren­tes

PRE ÇO: 57.258€ DS 7 Cros­s­back Blu­eh­di 180 Au­to­ma­tic Grand Chic

2.738 mm 4.570 mm 1.620 mm

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.