Mercedes A200 vs. VW Golf 1.5 TSI

A re­fe­rên­cia à Guer­ra das Es­tre­las não se de­ve ao fac­to de, em ter­mos de co­res, ter­mos aqui o C-3PO e o R2-D2, mas sim ao re­gres­so dos mo­to­res a ga­so­li­na à ri­bal­ta, ago­ra que os Di­e­sel co­me­çam a ser re­le­ga­dos pa­ra se­gun­do pla­no pe­los cons­tru­to­res. E na­da

Altagama Motor (Portugal) - - Sumário -

Oseg­men­to dos fa­mi­li­a­res com­pac­tos sem­pre foi o de mai­or im­por­tân­cia na Eu­ro­pa e, des­de o lan­ça­men­to dos an­te­ces­so­res des­tes dois mo­de­los, am­bas as mar­cas ti­ve­ram sor­tes dis­tin­tas. En­quan­to a Mercedes-benz te­ve um iní­cio atri­bu­la­do, pa­ra di­zer o mí­ni­mo, com o Clas­se A, a Volkswa­gen acer­tou em cheio des­de o iní­cio, com o Golf a ser a re­fe­rên­cia in­con­tor­ná­vel e aque­le que to­dos ten­tam imi­tar ou su­pe­rar. A pró­pria mar­ca de Es­tu­gar­da aca­ba­ria por aban­do­nar a for­ma an­te­ri­or do Clas­se A – que ti­nha uma si­lhu­e­ta mo­no­vo­lu­me –, que nun­ca gran­je­ou gran­de nú­me­ro de adep­tos, e ado­tar um for­ma­to se­me­lhan­te… ao Golf. O re­sul­ta­do es­pe­lhou-se nas ven­das e es­ta no­va ge­ra­ção Clas­se A sur­ge com ar­gu­men­tos que o tor­nam mais atra­en­te.

E de­vi­do aos vá­ri­os cons­tru­to­res que co­me­çam a dei­xar as mo­to­ri­za­ções Di­e­sel pa­ra se­gun­do pla­no, co­lo­ca­mos fren­te a fren­te dois mo­der­nos pro­pul­so­res a ga­so­li­na, do­ta­dos dos mais re­cen­tes avan­ços de con­tro­lo de emis­sões e de re­du­ção de con­su­mos.

Uma es­tre­la em as­cen­são

In­de­pen­den­te­men­te das ino­va­ções que pos­sa tra­zer, é a re­no­va­da es­té­ti­ca do Mercedes-benz Clas­se A que ime­di­a­ta­men­te cha­ma a aten­ção. Ado­tan­do o no­vo ar de fa­mí­lia, des­ta­cam-se os fa­róis afi­la­dos e o no­vo de­se­nho dos fa­ro­lins tra­sei­ros, num re­sul­ta­do fi­nal mais agres­si­vo e des­por­ti­vo. No in­te­ri­or, o de­se­nho foi al­vo de uma mu­dan­ça ain­da mai­or, mas, aqui, o Clas­se A re­ve­la-se um mo­de­lo de con­tras­tes: ao de­se­nho ela­bo­ra­do de al­guns dos in­ter­rup­to­res, saí­das de ven­ti­la­ção e por­me­no­res em me­tal, con­tra­põe-se o ta­bli­er de de­se­nho sim­plis­ta, to­tal­men­te pla­no, com dois pai­néis di­gi­tais nu­ma mes­ma ba­se à fren­te. Tam­bém na qua­li­da­de dos ma­te­ri­ais en­con­tra­mos con­tra­di­ções e, aos ma­te­ri­ais de ele­va­da qua­li­da­de na mai­o­ria do ha­bi­tá­cu­lo, opõem-se ou­tros me­nos bons, co­mo se­jam as ma­ne­tes das lu­zes/lim­pa vi­dros e da cai­xa de ve­lo­ci­da­des com ar bas­tan­te frá­gil, e pe­lo por­ta-ócu­los por ci­ma do re­tro­vi­sor in­te­ri­or. Pa­re­ce que nin­guém es­ta­va de acor­do quan­to ao que fa­zer no in­te­ri­or, por is­so, fi­ze­ram um pou­co de tu­do…

Não obs­tan­te, o am­bi­en­te a bor­do do Clas­se A é mui­to agra­dá­vel, prin­ci­pal­men­te na uni­da­de en­sai­a­da que con­ta­va com vá­ri­os op­ci­o­nais, co­mo a Li­nha AMG (1.829€) e a ilu­mi­na­ção am­bi­en­te que, prin­ci­pal­men­te à noi­te, pro­por­ci­o­na uma en­vol­ven­te úni­ca. A ha­bi­ta­bi­li­da­de é cor­re­ta e apre­sen­ta es­pa­ço em to­das as di­re­ções pa­ra os cin­co ocu­pan­tes.

Con­tu­do, o des­ta­que vai pa­ra a tec­no­lo­gia dis­po­ní­vel. O pai­nel de ins­tru­men­tos digital per­mi­te uma mi­ría­de de con­fi­gu­ra­ções, en­quan­to o ecrã tá­til que al­ber­ga as res­tan­tes in­for­ma­ções per­mi­te uma rá­pi­da na­ve­ga­ção, de­pois de nos fa­mi­li­a­ri­zar­mos com ele. Além dis­so, os con­tro­los es­tão re­pli­ca­dos no vo­lan­te, com os co­man­dos do la­do es­quer­do a ope­ra­rem o pai­nel de ins­tru­men­tos e os do

la­do di­rei­to o ecrã cen­tral, num ar­ran­jo que di­fi­cil­men­te po­de­ria ser mais prá­ti­co de uti­li­zar. Exis­te ain­da uma ter­cei­ra (e mui­to mais di­ver­ti­da) for­ma de con­tro­lar cer­tas fun­ções, que é atra­vés de con­tro­lo vo­cal, de­sig­na­do MBUX – Mercedes-benz User Ex­pe­ri­en­ce. Ini­ci­an­do o contacto com “Olá Mercedes”, ou sim­ples­men­te “Mercedes”, ime­di­a­ta­men­te te­mos ao nos­so dis­por uma efi­ci­en­te as­sis­ten­te vir­tu­al ca­paz de exe­cu­tar pe­que­nas ta­re­fas no car­ro, co­mo abrir e fe­char a cor­ti­na do te­to de abrir, ajus­tar a tem­pe­ra­tu­ra do A/C, en­tre ou­tras, ou pro­por­ci­o­nar as mais va­ri­a­das in­for­ma­ções e in­di­ca­ções, des­de que se­le­ci­o­ne­mos a op­ção on­li­ne no me­nu. Des­ta for­ma, po­de in­di­car-nos, por exem­plo, o cli­ma pa­ra os pró­xi­mos di­as ou lo­ca­li­zar a ge­la­ta­ria mais pró­xi­ma e gui­ar-nos até à mes­ma. Sem­pre com um tom agra­dá­vel e nun­ca se cha­teia con­nos­co. Se se­le­ci­o­nar­mos o idi­o­ma por­tu­guês, ain­da en­con­tra­mos al­gu­mas di­fi­cul­da­des com al­gu­mas in­di­ca­ções, al­go que não su­ce­de, por exem­plo em in­glês. Quem sa­be, po­de­rá até uti­li­zar ‘a Mercedes’ pa­ra apren­der lín­guas… O MBUX é uma in­te­res­san­te e útil tec­no­lo­gia que abre por­tas pa­ra uma mai­or, qui­çá to­tal, in­te­ra­ti­vi­da­de en­tre os ocu­pan­tes e o au­to­mó­vel.

Em equipa que ga­nha…

Se há al­go pe­lo qual o VW Golf é co­nhe­ci­do é por pou­co mu­dar de ge­ra­ção pa­ra ge­ra­ção, man­ten­do o seu ca­rac­te­rís­ti­co clas­si­cis­mo. E es­ta úl­ti­ma ite­ra­ção so­bre o te­ma não é ex­ce­ção.

Quem já pos­suiu um Golf fa­cil­men­te se sen­ti­rá em ca­sa, com um de­sign es­ti­li­za­do e com um in­te­ri­or mui­to mais ho­mo­gé­neo em ter­mos de qua­li­da­de. A tec­no­lo­gia en­con­tra-se igual­men­te pre­sen­te, mas em do­ses me­no­res que no seu ri­val. En­con­tra­mos, igual­men­te, um pai­nel de ins­tru­men­tos digital, com múl­ti­plas hi­pó­te­ses de con­fi­gu­ra­ção, bem co­mo um ecrã cen­tral tá­til pa­ra o sis­te­ma de en­tre­te­ni­men­to/na­ve­ga­ção, mas sem o avan­ça­do in­ter­fa­ce vo­cal do Clas­se A. To­da a de­co­ra­ção in­te­ri­or é mais só­bria, sem os de­ta­lhes ca­ti­van­tes do Mercedes, mes­mo nes­ta va­ri­an­te R-de­sign, mas é is­so que os cli­en­tes Golf pro­cu­ram, na ver­da­de: o con­for­to de uma so­lu­ção tes­ta­da e com­pro­va­da. O es­pa­ço in­te­ri­or é am­plo e a ba­ga­gei­ra al­ber­ga mais 10 li­tros que o Mercedes, pa­ra um to­tal de 580 li­tros.

O cer­ne da ques­tão

O pon­to ful­cral des­te com­pa­ra­ti­vo as­sen­ta nas mo­der­nas uni­da­des a ga­so­li­na. Co­me­çan­do pe­lo Mercedes-benz, es­te sur­ge equi­pa­do com um no­vo qu­a­tro ci­lin­dros em li­nha com 1,4 li­tros de ca­pa­ci­da­de, tur­bo­com­pres­sor e de­sa­ti­va­ção de ci­lin­dros, ca­paz de de­sen­vol­ver 163 CV. In­te­gral­men­te cons­truí­do em alu­mí­nio, es­te mo­tor apre­sen­ta-se bas­tan­te com­pac­to e le­ve, quan­do com­pa­ra­do com o an­te­ri­or 1.6, e con­ta com al­gu­mas par­ti­cu­la­ri­da­des téc­ni­cas, co­mo a in­je­ção de ele­va­da pres­são (250 bar) pa­ten­te­a­da, ou o for­ma­to em del­ta da ca­be­ça dos ci­lin­dros, que per­mi­te uma cons­tru­ção mais com­pac­ta. Quan­to à de­sa­ti­va­ção dos ci­lin­dros, es­ta ocor­re en­tre as 1.250 e 3.800 rpm, de­pen­den­do da car­ga do ace­le­ra­dor. Na prá­ti­ca, tu­do su­ce­de sem que os ocu­pan­tes se aper­ce­bam, pois nem o con­du­tor no­ta al­te­ra­ções no fun­ci­o­na­men­to, até por­que, ao con­trá­rio do Golf, co­mo ve­re­mos adi­an­te, o A 200 não tem ne­nhu­ma in­di­ca­ção des­ta fa­se es­tar a ocor­rer. Com is­to, pre­ten­de-se re­du­zir os con­su­mos, se bem que nos di­as em que es­te­ve na nos­sa com­pa­nhia, es­te A 200 te­nha

re­gis­ta­do mé­di­as pou­co sim­pá­ti­cas, nun­ca des­cen­do dos 8 l/100 km. No en­tan­to, jul­ga­mos que is­to te­rá a ver com a bai­xa qui­lo­me­tra­gem da uni­da­de en­sai­a­da, ain­da pou­co ro­da­da, e não com ine­fi­cá­cia do sis­te­ma.

Em an­da­men­to, es­te pro­pul­sor re­ve­la-se po­ten­te q.b. pa­ra nun­ca ter­mos que fa­zer con­tas de ca­be­ça aquan­do das ul­tra­pas­sa­gens, mas é bas­tan­te li­ne­ar na en­tre­ga des­sa po­tên­cia, sem mo­men­tos de brus­qui­dão de­vi­do à en­tra­da em ação do tur­bo. É bas­tan­te si­len­ci­o­so no fun­cio- na­men­to, mas, em ace­le­ra­ção, re­ve­la uma so­no­ri­da­de li­gei­ra­men­te rou­ca e agra­dá­vel. Pa­ra já ape­nas em con­ju­ga­ção com a cai­xa 7G-DCT – a op­ção ma­nu­al vi­rá mais tar­de –, per­mi­te im­pri­mir rit­mos ele­va­dos em es­tra­das si­nu­o­sas, no que é aju­da­do pe­lo ex­ce­len­te chas­sis, com es­que­ma Mcpher­son à fren­te e ei­xo de tor­ção atrás mas, in­fe­liz­men­te, é traí­do pe­los pneus – Pi­rel­li Cin­tu­ra­to P7 – al­go que, cu­ri­o­sa­men­te, tam­bém afe­tou o Golf. Es­tes pneu­má­ti­cos fi­cam abai­xo das ca­pa­ci­da­des do chas­sis, li­mi­tan­do a efi­cá­cia e re­du­zin­do os li­mi­tes do A 200, mas é bem per­ce­tí­vel que es­te ain­da tem bas­tan­te mais pa­ra ofe­re­cer, des­de que bem cal­ça­do. Além do mais, te­mos à dis­po­si­ção qu­a­tro mo­dos de con­du­ção, na for­ma do Dy­na­mic Se­lect, que va­ria as con­fi­gu­ra­ções en­tre o mais con­for­tá­vel e o mais des­por­ti­vo.

Eco­no­mia em men­te

Tam­bém o Golf con­ta com de­sa­ti­va­ção de ci­lin­dros no seu TSI 1.5, mas, ao con­trá­rio do

Clas­se A, o VW apre­sen­ta uma in­di­ca­ção no pai­nel de ins­tru­men­tos do sis­te­ma em fun­ci­o­na­men­to. É qua­se im­per­ce­tí­vel, mas bem no­tó­ria em ter­mos de con­su­mos, on­de con­se­gui­mos al­can­çar um in­te­res­san­te va­lor de 5,7 l/100 km. Ape­sar de li­gei­ra­men­te me­nos po­ten­te – 150 CV –, es­te dé­fi­ce não é abis­mal em uti­li­za­ção nor­mal, e o an­da­men­to do Golf equi­pa­ra-se ao do Mercedes, al­go até vi­sí­vel nos nú­me­ros re­la­ti­vos às pres­ta­ções.

Em ter­mos de com­por­ta­men­to, o Golf é so­be­ja­men­te co­nhe­ci­do pe­la sua ex­ce­lên­cia di­nâ­mi­ca, mas, tal co­mo o A 200, es­ta uni­da­de era com­ple­ta­men­te traí­da pe­los pneus – Han­ko­ok Ven­tus S1 – que com de­ma­si­a­da fa­ci­li­da­de atin­gi­am o seu li­mi­te, quer em cur­va, quer em tra­va­gem e ace­le­ra­ção. De­vi­da­men­te cal­ça­do, os li­mi­tes do Golf vão mui­to mais além… A jun­tar a is­so, con­ta­mos com a pre­sen­ça da so­ber­ba DSG de se­te ve­lo­ci­da­des, re­for­çan­do o pra­zer de con­du­ção, e ape­sar do VW dis­pen­sar os per­fis de con­du­ção do seu ri­val, o con­jun­to mo­tor/ trans­mis­são é so­be­ja­men­te po­li­va­len­te pa­ra li­dar com qual­quer rit­mo que de­ci­da­mos ado­tar.

No que to­ca a va­lo­res a de­sem­bol­sar, am­bos es­tão bas­tan­te pró­xi­mos, pro­va­vel­men­te até mais do que se­ria de es­pe­rar. Par­tin­do dos va­lo­res ba­se, o Mercedes-benz A 200 obri­ga ao de­sem­bol­so de 32.450€, exa­ta­men­te o mes­mo va­lor do A 180 d, en­quan­to o Golf fi­ca-se pe­los 31.271€. Cla­ro que, de­pois, a es­co­lha de ex­tras po­de – e faz – au­men­tar em mui­to es­tes va­lo­res, mas is­so já fi­ca ao cri­té­rio de ca­da um…

Pe­dro Do­min­gues Pau­lo Ca­lis­to

O Clas­se A ado­ta o no­vo ar de fa­mí­lia da Mercedes-benz, apre­sen­tan­do um es­ti­lo mais di­nâ­mi­co e fu­tu­ris­ta

Mercedes-benz A200 AMG O me­lhor Con­teú­do tec­no­ló­gi­co Es­ti­lo avant-gar­de Con­for­to O PIOR Con­su­mos

O Golf man­tém o seu ar clás­si­co que tan­tos adep­tos tem con­quis­ta­do ao lon­go do tem­po

VW Golf 1.5 TSI 150 CV DSG R-li­ne

O me­lhor Con­su­mos Mo­tor Qua­li­da­de ge­ral O PIOR

In­te­ri­or de­ma­si­a­do só­brio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.