Rolls-roy­ce Cul­li­nan

Após anos de es­pe­cu­la­ção, e ade­rin­do a uma ten­dên­cia ge­ne­ra­li­za­da do mer­ca­do, a mar­ca mais lu­xu­o­sa da in­dús­tria au­to­mó­vel vai fi­nal­men­te lan­çar o seu pri­mei­ro SUV. O Cul­li­nan es­ta­be­le­ce no­vos pa­drões e faz mui­tas pro­mes­sas, na­que­la que se­rá a joia mais va

Altagama Motor (Portugal) - - Sumário - Ka­ram el She­nawy / Ber­nar­do Gon­za­lez

Apar­tir des­te mo­men­to, o no­me Cul­li­nan não ser­vi­rá ape­nas pa­ra de­sig­nar o mai­or di­a­man­te al­gu­ma vez en­con­tra­do. Des­co­ber­to em 1905, na Áfri­ca do Sul, pe­sa­va 3.106 qui­la­tes, o equi­va­len­te a 621,3 gra­mas, re­ce­ben­do o seu no­me de Sir Tho­mas Cul­li­nan, o pro­pri­e­tá­rio da mi­na. Foi ofe­re­ci­do à Co­roa bri­tâ­ni­ca e pos­te­ri­or­men­te de­la­pi­da­do em di­ver­sas pe­dras in­di­vi­du­ais, es­tan­do as du­as mai­o­res atu­al­men­te guar­da­das na Tor­re de Lon­dres. Não se­rá, por is­so, ino­cen­te a es­co­lha do no­me do pri­mei­ro SUV da Rolls-roy­ce. Após 114 anos a per­se­guir o ob­je­ti­vo de pro­du­zir o me­lhor au­to­mó­vel da sua clas­se, o Spi­rit of Ecs­tasy vai fi­nal­men­te ador­nar a gre­lha de um veí­cu­lo to­do-o-ter­re­no. O cons­tru­tor bri­tâ­ni­co vem, as­sim, en­gros­sar a lis­ta de fa­bri­can­tes de lu­xo que su­cum­bi­ram à pres­são do mer­ca­do pa­ra ade­rir ao trend dos Sport Uti­lity Vehi­cles, on­de já se in­clu­em tam­bém a Ben­tley, a Ja­guar e até a Fer­ra­ri. Con­tu­do, e se­guin­do a sua fi­lo­so­fia de bus­ca de per­fei­ção, a mar­ca de Go­odwo­od não quer ser ape­nas mais uma na­qui­lo que se pre­vê ser uma au­tên­ti­ca flo­res­ta SUV da­qui a uns anos. Co­mo sem­pre, a mar­ca nas­ci­da pe­las mãos de Char­les Rolls e Henry Roy­ce pre­ten­de con­ce­ber o me­lhor e mais lu­xu­o­so SUV de sem­pre, pa­ra dar aos pas­sa­gei­ros do no­vo Cul­li­nan uma ex­pe­ri­ên­cia úni­ca a bor­do.

O me­lhor lu­gar do Mun­do

Dei­xan­do de la­do as con­si­de­ra­ções es­té­ti­cas, o no­vo Cul­li­nan im­pres­si­o­na. As for­mas qua­dra­das, a ca­rac­te­rís­ti­ca gre­lha re­tan­gu­lar na di­an­tei­ra, as por­tas tra­sei­ras de aber­tu­ra ti­po ‘sui­ci­da’ e as bem di­men­si­o­na­das jan­tes de 22 po­le­ga­das são al­guns dos tra­ços que de­fi­nem es­te gi­gan­te de 5,34 me­tros de com­pri­men­to, 2,16 me­tros de lar­gu­ra e 1,83 me­tros de al­tu­ra. A sua si­lhu­e­ta al­ti­va e im­po­nen­te fa­rá fren­te, por exem­plo,

à do no­vo BMW X7 pre­vis­to pa­ra o iní­cio de 2019.

Além do lu­xo e ex­cen­tri­ci­da­de, nes­ta no­va cri­a­ção da RollsRoy­ce tu­do foi pen­sa­do pa­ra a mais pu­ra co­mo­di­da­de dos seus pas­sa­gei­ros, co­mo es­pe­lha o fac­to de a sus­pen­são bai­xar a car­ro­ça­ria em 40 mm pa­ra fa­ci­li­tar o aces­so. Es­ta é uma das mui­tas van­ta­gens de es­tar equi­pa­do de sé­rie com mo­las pneu­má­ti­cas no lu­gar de he­li­coi­dais.

Os lu­ga­res tra­sei­ros pos­su­em du­as con­fi­gu­ra­ções dis­tin­tas, uma de ban­co in­te­gral, pa­ra três pas­sa­gei­ros, e ou­tra de dois lu­ga­res in­di­vi­du­ais, co­mo é tra­di­ci­o­nal na mar­ca bri­tâ­ni­ca. Re­fri­ge­ra­ção e aque­ci­men­to dos ban­cos, a par de di­ver­sas fun­ções de mas­sa­gem, são ape­nas al­guns dos mi­mos ofe­re­ci­dos a quem vi­a­ja atrás, além de uma vas­ta do­ta­ção op­ci­o­nal de gad­gets tec­no­ló­gi­cos e de­di­ca­dos ao con­for­to. Qu­an-

do in­cluí­da a con­fi­gu­ra­ção de dois lu­ga­res, os pas­sa­gei­ros es­tão se­pa­ra­dos por uma con­so­la cen­tral que in­te­gra, en­tre ou­tros, um fra­pé, um par de flu­tes de cham­pa­nhe, um par de co-

pos de whis­key e um mi­ni-fri­go­rí­fi­co. Atrás dos lu­ga­res tra­sei­ros es­tá co­lo­ca­da uma an­te­pa­ra que os iso­la da ba­ga­gei­ra ca­so o por­tão pos­te­ri­or es­te­ja aber­to, de for­ma a evi­tar per­das de con-

for­to tér­mi­co. No mí­ni­mo, elu­ci­da­ti­vo… Quan­to à ba­ga­gei­ra em si, o Cul­li­nan é con­si­de­ra­do o mais prá­ti­co Rolls-roy­ce da his­tó­ria, con­tan­do com 560 li­tros de vo­lu­me­tria – 600

Ao abrir as por­tas, a car­ro­ça­ria é re­bai­xa­da em 40 mm pa­ra fa­ci­li­tar o aces­so

li­tros se in­cluir­mos a área sob o fun­do fal­so –, am­pliá­veis pa­ra uns mons­tru­o­sos 1.930 li­tros quan­do são re­ba­ti­dos (ele­tri­ca­men­te) os ban­cos da se­gun­da fi­la – na ver­são de ban­co cor­ri­do. Is­to per­mi­te dis­por de uma zo­na de car­ga pla­na, com 2,24 me­tros de com­pri­men­to pa­ra ob­je­tos bem lon­gos.

Pa­ra os cli­en­tes mais exi­gen­tes e sem pre­o­cu­pa­ções quan­to a ba­ga­gens, o de­par­ta­men­to Bes­po­ke de Go­odwo­od de­sen­vol­veu um par de pe­que­nos as­sen­tos em cou­ro que emer­gem jun­to do bo­cal da ba­ga­gei­ra, de for­ma po­der­mos des­fru­tar da pai­sa­gem en­quan­to sa­bo­re­a­mos um de­li­ci­o­so pic-nic com to­que de re­quin­te, já que o con­jun­to fi­ca com­ple­to com uma pe­que­na me­sa fa­bri­ca­da em ma­dei­ra de ce­re­jei­ra. Ape­sar de tu­do, não se tra­ta de uma so­lu­ção iné­di­ta, pois a Ben­tley ofe­re­ce já al­go do gé­ne­ro pa­ra o seu Ben­tay­ga, as­sim co­mo a Land Ro­ver pa­ra o Ran­ge Ro­ver.

To­do-po­de­ro­so

Quem op­tar por ocu­par os lu­ga­res di­an­tei­ros irá com­pro­va que se tra­ta de “um Rolls-roy­ce pa­ra ser con­du­zi­do”, co­mo afir­mam os res­pon­sá­veis do cons­tru­tor in­glês. Por is­so o Cul­li­nan con­tem­pla um vo­lan­te de me­nor raio e com ex­ce­len­te pe­ga, atrás do qual exi­be um pai­nel de ins­tru­men­ta­ção to­tal­men­te digital e con­fi­gu­rá­vel ao gos­to do con­du­tor. É aqui que são vi­su­a­li­za­dos os no­vos sis­te­mas Night Vi­si­on e Vi­si­on As­sist, com re­co­nhe­ci­men­to e si­na­li­za­ção de peões e ani­mais, tan­to pa­ra con­du­ção no­tur­na co­mo diur­na.

Os ban­cos en­vol­ven­tes e as mol­du­ras de­co­ra­ti­vas com re­ves­ti­men­tos e ma­te­ri­ais de pri­mei­ra qua­li­da­de – co­mo alu­mí­nio e ma­dei­ra e cou­ro ge­nuí­nos – as­se­gu­ram um ele­va­do grau de ex­clu­si­vi­da­de e co­mo­di­da­de. O ecrã cen­tral tá­til, de ele­va­da re­so­lu­ção, com co­ne­xão Wi­fi, sin­cro­ni­za­ção pa­ra dis­po­si­ti­vos mó­veis e sis­te­ma de na­ve­ga­ção re­for­ça o con­teú­do tec­no­ló­gi­co. Sob o ca­pot o Cul­li­nan es­con­de um por­ten­to­so V12 bi­tur­bo a ga­so­li­na (na­tu­ral­men­te), de 6,75 li­tros, bem ao es­ti­lo dos mo­de­los de Go­odwo­od. Es­te blo­co de­sen­vol­ve uns abas­ta­dos 563 CV, sus­ten­ta­dos por um bi­ná­rio de 850 N.m, trans­mi­ti­dos às qu­a­tro ro­das via uma cai­xa au­to­má­ti­ca de oi­to re­la­ções. Em­bo­ra as pres­ta­ções não se­jam o ob­je­ti­vo pri­má­rio – e ain­da sem mais da­dos ofi­ci­ais –, es­te mo­de­lo al­can­ça com fa­ci­li­da­de os 250 km/h pa­ra um con­su­mo mé­dio de 15 l/100 km, o que é re­gis­to dig­no de no­ta, vis­to que o pe­so do con­jun­to as­cen­de às 2,6 to­ne­la­das. E es­te va­lor só não é mais ele­va­do mé­ri­to da com­ple­ta es­tru­tu­ra em alu­mí­nio.

Ain­da que se­ja ce­do pa­ra se co­nhe­ce­rem mais por­me­no­res, no­me­a­da­men­te no que res­pei­ta a equi­pa­men­tos e pre­ços, é de es­pe­rar que es­ta joia da co­roa ve­nha a ter um PVP ali­nha­do com o no­me que her­dou…

Com 5,34 me­tros de com­pri­men­to, o Cul­li­nan é o SUV mais im­po­nen­te de sem­pre

O Cul­li­nan é ani­ma­do por um V12 bi­tur­bo de 563 CV

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.